Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Gosto das vidas achadas

Passando por uma noite  quase fria
No curso sigo uma significação arcaica 
Que escorre na parede rala da alma

Para implodir o pranto num fio de lágrima

Em pleno silêncio ouço o fado cantado
E danço só para alargar a minha solidão
Que rabisca a pele na retina da luz
Deixando a minha consciência em tráfego
 
Fingindo não entender o seu olhar triste
Sou contra o que aparece no espelho inverso
Me arrepio no silêncio da visão nua e descrita
Vejo todos os desgostos que atravessam a rua
 
Também troco a vertigem da moldura
Sobre todos os prantos caídos do meu signo
Jogo fora a energia que desfigura o tempo
Para adestrar o meu sentido estático
 
Um passo à frente e já estou em outro lugar
Quero experimentar um novo tempo
Vivo a vida receando qualquer vanguarda
Que lateja no silêncio de um tempo distante

 
Gernaide Cezar
Enviado por Gernaide Cezar em 01/04/2020
Reeditado em 04/05/2020
Código do texto: T6903386
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre a autora
Gernaide Cezar
Salvador - Bahia - Brasil
337 textos (20542 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/08/20 18:09)
Gernaide Cezar

Site do Escritor