Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


E a terra se abre
 
Em um dia calmo e desfigurado
As ondas mergulham sobre o mar
O azul refletia distante
Interligados mar e céu persistem
E a terra se abre como lábios rachados
 
Na epidemia do tédio crucificado
São as temperanças que flutuam longe
Na fadiga das alegrias dormidas
Despertando um olhar sereno
E na ilusão cansada oculta o caminho
 
Quando segue uma rota escura
E procura a luz que surge
O sol ultrapassa os raios sombreados
Num gorjeio similar e harmonioso
Trançado nas partes de um lindo corpo
 
As lágrimas abstratas e sem créditos
Caminham paralelas ao sonho
Que fragmenta uma dita lembrança
E aparece na paisagem submissa
Num estiloso pranto vago
 
Como num gesto ardente e vencido
Pela oração das vozes que cantam
E se espalham na noite
Pelas vielas que caminham nuas
Na fé que planta como se a morte fosse
 
E sobrevive além do espaço
Partindo bem dentro do tempo
Para deitar a ânsia do poeta que se preza
E debruça no tempo que era abrigo e afeto
O desenho que mostra o mistério da vida
                   

 
 
Creative Commons License
Gernaide Cezar
Enviado por Gernaide Cezar em 12/05/2018
Reeditado em 03/08/2018
Código do texto: T6334791
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Gernaide Cezar
Salvador - Bahia - Brasil
344 textos (20935 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/05/21 19:07)
Gernaide Cezar

Site do Escritor