Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


O tempo como sujeito
 
Não guarde fatos velhos
São partes que envolvem relatos
E abstrai a linguagem da alma
Num discurso deserto e sem lógica
No fio da lâmpada de uma luz coberta
 
No tempo é a pele que resseca a vida
Deixando no íntimo rugas em listras
O olhar segue a anatomia do dia
E prende nas mãos o tempo em desilusão
Debruçado no balcão em partes
 
Para desfazer as marcas vivas e nuas
O tempo como sujeito traz uma amostra
   Deixa na lateral de um sonho sem contexto
E na voz bruta da dor que pulsa
Pela única folha da porta entreaberta
 
Junto ao capricho dos lábios que oravam
Pela solidão que se lançava em células
No evento de um mundo velho
Pelos olhos que declinam em mãos postas
Lá onde o infinito se faz presente
 
Num recanto fora do mapa e cheio de água
É a maturidade que atravessa o espaço
E na janela o mundo frágil pede
A validade vencida pela realidade ausente
Sobrou o aval de quem tinha visto
 
O mundo mata desmata e remata
Sem o testemunho dos olhos conscientes
Inerente ao silêncio dos pensantes
Que cirze os mistérios da vida partida
De graves espinhos e perpétuo final
 




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International License
Gernaide Cezar
Enviado por Gernaide Cezar em 27/03/2018
Reeditado em 03/04/2018
Código do texto: T6292501
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Gernaide Cezar
Salvador - Bahia - Brasil
344 textos (20935 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/05/21 19:17)
Gernaide Cezar

Site do Escritor