Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


O cotidiano
 
Tudo converge na diversidade que lateja
Pela sobrevivência do ser humano
Violada pela loucura do normal
Que já traz o semblante estressado
 
Num cotidiano explícito e figurado
Entrelaçado quando perpassa
Na rua sonora dos passantes aflitos
O mundo fica e o homem passa
 
Sem os valores que contavam como virtudes
É na desconstrução que surge o som da vida
Pela desordem vibrante da podridão dos atos
Que entram pela janela do tempo inverso
 
Atos covardes são frequentes em dias comuns
No uso da marginalidade que acontece fora da lei
Pela arrogância contínua e o medo que assalta à toa
Os marginais propagam suas brutalidades
 
Tudo acontece numa normalidade isolada
Também não vamos desistir dos nossos direitos
Jogando longe todas as esperanças
No transcorrer tudo parece involuntário
 
Queremos ver os jardins de lírios e rosas
E vamos lutar pelas boas virtudes na paz
Num canto dourado em raios na luz da manhã 
E reconstruirmos a evolução e a essência da vida




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição  4.0 Internacional
 
Gernaide Cezar
Enviado por Gernaide Cezar em 14/06/2016
Reeditado em 15/06/2016
Código do texto: T5666982
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Gernaide Cezar
Salvador - Bahia - Brasil
344 textos (20934 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/05/21 18:33)
Gernaide Cezar

Site do Escritor