Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Corvo

  Corvo
maria da graça almeida

Alheia, a ave, em voo a alongar-se,
perdeu-se do ninho, não soube voltar.
Na tarde serena, mirou suas asas
e das próprias penas montou nova casa.

Um pequeno ovo, no chão esquecido,
um ovo de corvo a ser aquecido...
Precioso tesouro em vala inda rasa,
 tal prata ou ouro, guardou sob as asas.

A ave,  em seu leito, com zelo o deitou
e, sem preconceito, com jeito o chocou.
Nascido o corvo, perfeito, ele sai,
assim feito o povo, levanta e cai.

Liberto do ovo, o novo estorvo,
 bizarro transtorno, estranha o pai.
E, num vão repente, fitando-o de frente,
o corvo, inclemente, extingue-o e se vai...

Quem não tinha vida, da vida tem mais,
quem lhe deu a vida inerte, então, jaz.
Do que ora digo, não escapa ninguém:
nem todos os que ama, o amam também.

  A ingratidão denigre o ser,
 estreita os caminhos, sombreia o destino;
é força cruel, não paga para ver,
 não poupa, nem mesmo, anseios franzinos.
maria da graça almeida
Enviado por maria da graça almeida em 10/11/2012
Reeditado em 26/11/2012
Código do texto: T3978485
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
maria da graça almeida
São Paulo - São Paulo - Brasil
249 textos (17531 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/11/19 20:47)
maria da graça almeida