Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Vigília

     Vigília
maria da graça almeida

Se adormecer sentado
for a fórmula eficaz de dormir mal,
quedar-ser em pé  talvez seja
o princípio da insônia intencional.

Adormecida, morro em vida,
a cada minuto e hora,
sigo falante, por dentro;
vivo calada, por fora!

Acordada, sou o espectro
dissonante de mim,
sujeito oculto ou indeterminado,
um soldado de luto
pela luta  perdida,
na batalha insensata
da frenética guerra
entre ganância  e o conformismo.

Desperta, sou fantasma sombrio,
carente dos panos e das malhas
de um leito  alvo e macio,
que tão-só usufruiu
da dorida  concessão
de ter nascido da fornalha
de um deserto bravio,
entre o fio de duas navalhas,
sobre um  dromedário arredio.

 Na lucidez da vigília,
enxoto  males e danos,
leilôo os  meus  desenganos,
distribuo as  dores do fim,
dôo farrapos  humanos,
oferto as sobras de mim.
maria da graça almeida
Enviado por maria da graça almeida em 25/07/2012
Código do texto: T3795891
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
maria da graça almeida
São Paulo - São Paulo - Brasil
249 textos (17519 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/11/19 17:20)
maria da graça almeida