Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Vitória

Vitória
maria da graça almeida

Passo e emudecida que fique minha poesia.
Largo-a com ranhura e cicatrizes.
Deixo-a insignificante, como insuficiente a encontrei.
Sigo e trôpega carrego lanhadas
mágoas, dores e os descasos que no peito sufoquei.

Poesia, egoísta mulher,
incapaz de amainar decepções,
seu verso tão só afinou o soluço convulsivo
do poeta diante da ansiedade frenética
 pela sobrevivência dos sentimentos.

Poesia, caprichosa mulher, travestiu-se
de vedete para aumentar o êxtase
do riso ilusório e do falso “glamour”.
Fingindo recato nasceu indecorosa
diante dos desavisados
 que a conceberam religiosa.

Em vista do malefício, em face do vil ofício,
fecho a página do livro,amasso velhos rascunhos,
apago minha história e encerro este poema,
cujo tema anunciou a intenção primeira
de enaltecer a glória, o poder e a vitória.

maria da graça almeida
Enviado por maria da graça almeida em 31/05/2012
Reeditado em 31/05/2012
Código do texto: T3697614
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre a autora
maria da graça almeida
São Paulo - São Paulo - Brasil
249 textos (18593 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/08/20 03:09)
maria da graça almeida