Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A fera indomável

Essa foi a poesia que fizemos eu e minha prima, Ela colocou la no recanto dela também

-Por hoje bailemos juntos
nossa primeira dança
Nossa primeira dança
bailemos juntos ao luar
que ilumina nossos corpos
dançantes a brilhar...

Por hoje, minha esposa
sejas tu a dama de honra
cujo olhar está a implorar
os olhos que te queiram buscar;
e cujo peito amante a suspirar
quer ser a dama que se desnude:
quer ser a fêmea a se entregar

-Teu olhar de esposo
chamou-me a alcova
e meu olhar seguiu-te atento e febril,
febril desejo esquentou-me por dentro:
acelerou minhas batidas,
molhou-me as coxas...
Como queres que eu seja dama
se despertas em mim
as fantasias mais devassas?

Ao entrares no quarto
meu olhar seguiu-te
a ver teus olhos me desnudando
e a clamar, teu corpo me pedia por posse.
Nossos olhares foram os primeiros
a se juntar em cópula..
Logo depois o corpo cedeu

-A sacerdotisa entrou no templo
tranzendo consigo o perfume sacro
que só o amor de esposa produz

-A sacerdotisa traz a àgua do orvalho
que só a boca do esposo pode beber

-A sacerdotisa entrou no templo
sem roupa. Trajando no corpo
o manto sagrado de sua nudez...

-Teu desejo tomou conta de mim
como uma besta solta,
loucas, as garras rasgaram
meu pudor e meu pejo...
animalescos, os corpos
buscaram-se um ao outro em fúria;
humanas, as almas dançavam
soltas no espaço...

-Sejas tua a fera, querida
e eu tua vítima contente
que usas, abusas e mata
e a qual fazes gemer quando queres
e que, prosternado ao teus pés
te pede clemência...

-Sejas tu o domador de feras, querido,
e eu a tua leoa submissa
da qual te apossas e zombas
por ser tão feroz e fragil...
Seja eu tua égua, a qual montas,
mas que exibes com orgulho
de um bravo guerreiro...
por te ser tão fiel e benquista.

-Como domaria um vassalo
àquela que é sua senhora?
Como poderia de te submeter
se sem ti esvai-se minha força e brio?
Não sejas cruel, esposa minha,
domina-me e mim e serei feliz...

-Eu sou tão frágil
que não poderia me suster em pé:
sou tua rosa
aquela que precisa de teus cuidados,
mas que em troca
te ofereço minha beleza
para que a deflores...

-O desejo fez o jardim
de teu corpo se abrir,
como gotas de orvalho
teu ventre jaz molhado
a esperar o calor nupcial
Como botões, as pernas
se abrem, se encontram
se tocam a se buscar...
enquanto te faço sentir
o quanto estamos em flor...

-Colhe-me como margaridas
e leva-me ao quarto de núpcias,
quero adornar o teu corpo
quero ser tua prenda mais cara...

-Não, tu não será minha prenda.
Mulher és e não objeto...
quero ter-te carnalmente
vorazmente como uma fêmea no cio,
mas também quero amarte loucamente
loucamente para possuir-te
de maneira que tu gostas...

-Tu ja me possuis-te, querido,
e eu te possui também...
somos posse um do outro
não somos escravos de mais ninguém.
Então dancemos de novo juntos
nossa sublime dança
nossa sublime dança
vamos de novo bailar
Que a lua não se foi
nem se foi o desejo
e a furia incontida da fera louca

-Dancemos juntos de novo
novamente e cada vez mais
na noite fria estajamos quentes
até o espetáculo acabar,
pelo cansaço dos corpos
mas com desejo de continuar...

                                         
                                               Sophya Aurora e Tiago da Silva
Tiago da Silva
Enviado por Tiago da Silva em 29/06/2010
Código do texto: T2348513
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Tiago da Silva
Afogados da Ingazeira - Pernambuco - Brasil, 29 anos
462 textos (12211 leituras)
3 áudios (299 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/12/19 06:51)
Tiago da Silva