Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Carolina

Carolina e Januária nasceram do mesmo pai,
No tempo da ditadura ao som de fuzis e ais,
Lutaram bravamente, pela liberdade de expressão,
Defenderam guerrilheiros para comandar a nação.

Um dia, eis que chegou, o tão esperado momento,
Eelegueu-se um operário, que lhes parecia bom,
Vem depois o desencanto, a tortura e o tormento,
Percebeu toda a nação, sonho de papel crepon.

Há resistência dolosa, daqueles que desmamados,
Deixaram de aferir lucros, sem despender um centavo,
Se dizem bons democratas, uns miseráveis coitados,
Não querem largar o osso, feito um menino mimado.

Não querem cadeia, para os amados ratos,
Dizem que rato é santo, que nem a vaca na india,
Querem mudar a nação, comunismo vem um dia,
E o povo da nação sempre entrando de gaiato.






 
Luís Lisbello
Enviado por Luís Lisbello em 17/09/2019
Reeditado em 17/09/2019
Código do texto: T6747281
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luís Lisbello
Salvador - Bahia - Brasil
108 textos (893 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/11/19 12:37)
Luís Lisbello

Site do Escritor