Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sentenciado

Todos os gestos parados
Como se estivesse em transe,
Sob vozes, entre cruzadas,
Enquanto um silêncio ecoa profundo
Em sua voz que se cala.

Versões explicam o fim
Tecendo o enredo de uma vida inteira,
A despeito de seus retalhos,
Seus limites, suas fronteiras,
Como o sol que esconde sua face
Da Terra que o margeia.

Não há erro nesse ato,
Nem na bala que encontra o peito,
Nos traços que moldam seu rosto,
Na sentença de seu direito.
Consagram-se todos os males,
Todas as balas perdidas,
O jure, sua sentença, as coisas em sua vida...

Um pálido silêncio nos lábios,
(Diferente daquele outrora povoado),
Conjugado em todos os tempos
Pelas vozes que se impõem do alto,

Quando em seus lábios insurgentes
Ouvia-se um canto cálido
Com a mesma emoção de uma Ave Maria,
Porém, dissonante, despercebido,
Um som que ninguém mais ouvia.

Na pele o mesmo tom
Do rosto com os mesmos traços,
Os pés sobre o mesmo caminho
Cumprindo o mesmo itinerário.
Paulino Marx
Enviado por Paulino Marx em 24/08/2019
Código do texto: T6728161
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulino Marx
Ji-Paraná - Rondônia - Brasil, 33 anos
9 textos (302 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/09/19 07:06)
Paulino Marx