Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SILÊNCIO ENSURDECEDOR

Dos vazios que a vida traz,
alguns alheios à nossa vontade,
outros são méritos integrais da gente.

As arapucas do destino não têm dono,
não tem sentido, não tem métrica, não tem feitor.

Já as que cerzimos
têm dono, sentido, métrica, tudo.

Nos servimos dos pratos que preparamos
degustamos os quitutes e as nojeiras que trazemos à tona,
abraçamos o chãos que, calmamente, dispomos à frente.

Aqueles vazios mais absolutos,
que incrustam o entorno com silêncio ensurdecedor,
amolecendo a alma, descabelando pensamentos,
nos legando uma dor insistente e cruel,
é nossa própria cria, nosso próprio suor.

Apontar o dedo pro nada numa inquisição insana,
berrar até a morte nossa inocência farsante,
destituir regras, ditos, cheiros, gostos, tudo,
é prova irrefutável de que dedilhamos errado o soneto.

Pior é relegar à Deus esse fardo,
pior é fingir que fomos ingênuos e incautos,
pior é acreditar que erraram de destinatário,
pior é ler essa palavras e rir debochando do mundo.
Oscar Silbiger
Enviado por Oscar Silbiger em 16/11/2019
Reeditado em 16/11/2019
Código do texto: T6796156
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Oscar Silbiger
Campinas - São Paulo - Brasil, 62 anos
1683 textos (42219 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/19 06:50)
Oscar Silbiger