Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Apelo

A minha filha mais velha tinha seis anos quando me separei da sua mãe. Ela foi morar longe de Salvador e numa tarde de 1984 eu lhe fiz esse poema, que também podia se chamar "Flávia".

        APELO

Por que penso em ti
No frescor ameno do entardecer
E na paz sublime do amanhecer?

Por que rezo por ti
Quando a luz do dia cede à escuridão
E no pronunciar mudo de uma oração?

Por que choro por ti
Na calada da noite calada,
Na solidão de uma vida desvairada?

Por que procuro em ti
A razão dos meus sonhos doirados
Ao dormir o sono dos condenados?

Por que procuro por ti
No ir e vir de um andar sem prumo,
No velejar perdido de uma nau sem rumo?

Por que falo em ti
Nas pronúncias vulgares que o mundo infesta
E nas cantigas boêmias de uma seresta?

Por que chamo por ti
Na paixão incontida de um peito arfante
E na tortura sentida de um coração errante?

Por que gemo por ti
Na saudade que minh’alma embriaga
E na tristeza que o meu peito afaga?

Por que pergunto por ti
Aos viajantes que vêm ou que vão
Nesta angústia que explode o coração:

- Moço, torne ameno o meu sofrer,
que notícias você tem do meu viver?

E o moço calado, passa.
Passa dor, passa, passa...

Por que clamo por ti?
Porque a vida que nos uniu, nos separou
E de mim, só o meu sangue em ti ficou.
Tom Torres
Enviado por Tom Torres em 18/08/2019
Código do texto: T6723594
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Tom Torres
Maceió - Alagoas - Brasil
397 textos (12162 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/07/20 21:40)
Tom Torres