Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Apelo

A minha filha mais velha tinha seis anos quando me separei da sua mãe. Ela foi morar longe de Salvador e numa tarde de 1984 eu lhe fiz esse poema, que também podia se chamar "Flávia".

        APELO

Por que penso em ti
No frescor ameno do entardecer
E na paz sublime do amanhecer?

Por que rezo por ti
Quando a luz do dia cede à escuridão
E no pronunciar mudo de uma oração?

Por que choro por ti
Na calada da noite calada,
Na solidão de uma vida desvairada?

Por que procuro em ti
A razão dos meus sonhos doirados
Ao dormir o sono dos condenados?

Por que procuro por ti
No ir e vir de um andar sem prumo,
No velejar perdido de uma nau sem rumo?

Por que falo em ti
Nas pronúncias vulgares que o mundo infesta
E nas cantigas boêmias de uma seresta?

Por que chamo por ti
Na paixão incontida de um peito arfante
E na tortura sentida de um coração errante?

Por que gemo por ti
Na saudade que minh’alma embriaga
E na tristeza que o meu peito afaga?

Por que pergunto por ti
Aos viajantes que vêm ou que vão
Nesta angústia que explode o coração:

- Moço, torne ameno o meu sofrer,
que notícias você tem do meu viver?

E o moço calado, passa.
Passa dor, passa, passa...

Por que clamo por ti?
Porque a vida que nos uniu, nos separou
E de mim, só o meu sangue em ti ficou.
Tom Torres
Enviado por Tom Torres em 18/08/2019
Código do texto: T6723594
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tom Torres
Maceió - Alagoas - Brasil
359 textos (9574 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/09/19 05:39)
Tom Torres