Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Como igualar a imperfeição?

Encontro execesso nos equilibrios
De expressão em exacta escrita

Não conheço o limite de um começo
Os verdadeiros derradeiros desfechos
Vêm ter comigo o tempo
A uma face que me reconheço
Sou eu como queira o julgamento

Fase de intuição até o fim
Malditas expressões são assim
Num só rosto

Pareço confuso como o que sou

Ver ao inverso
Noites de luzes perfeitas
Invisíveis
Parecem invencíveis
Entre a linha e a falha
Do olhar que as magia

Pra que cautelar o tempo ?

Como igualar a imperfeição?

Poetar é o dom de dizer o óbvio ?

Preta ou branca a idéia só tem o fim de poetar ?

É o que todos queremos ?

Mentiras outras vez
O ato de ensaboar
Vem me fazer rimas na cabeça
Só queria escrever uma vez
O que nunca mais será escrito
E não escrever o pensamento
Que outro já imaginou por ai

Do que o poeta se alimenta ?

Poderia ter a vida inteira
Para acrescentar uma linha a uma letra
Um verso a uma borboleta
Faria mil confusões a uma sensação
Que no final seria uma declamação
Seria um mar um céu um sol
Que viveria um poema
Alimentaria-se
De sarcasmos, criatividade e morreira na indiferença.

O poeta nasceu pra acreditar, o poema para os que acreditam, se todos dizem que temos um dom,sei lá então ^^ acho é que temos problemas com papel e caneta XD


Á alma é barata
Enviado por Á alma é barata em 06/12/2010
Código do texto: T2655912

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Á alma é barata
Suzano - São Paulo - Brasil, 33 anos
162 textos (4857 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/11/19 18:57)
Á alma é barata