Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Memórias póstumas de uma capivara

O que havia de muito mato,
Pouco havia de história,
Eram poucas as lembranças,
Que guardava em minha memória,
Lembro-me da hora,
Era um galho longo e grosso,
Acertou-me bem nas costas.

Maldito horário passei ali!
O galho que mal vi,
Partiu-se e despencara,
Matara, Matara,
Pobre de mim, Capivara!

Picaram-me alguns insetos,
Morderam-me alguns ratos,
Agora juntando os fatos,
Meus pensamentos inteiros,
Refletem em meus pedaços.

Já não nado num rio,
Já não corro na estrada,
Graças ao maldito galho,
Aquele que me matara,
Matara, matara,
Pobre de mim, Capivara!
Carolina Svinna
Enviado por Carolina Svinna em 05/07/2019
Reeditado em 05/07/2019
Código do texto: T6688703
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Carolina Svinna
Jandira - São Paulo - Brasil, 23 anos
20 textos (222 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/19 21:23)
Carolina Svinna