Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Quiçá

Quiçá
maria da graça almeida

Quiçá falássemos da Rosa,
que pela efemeridade das pétalas
 tem frágil a aparência e breve a elegância;
quiçá da Chuva de Verão,
que pelo período de precipitação
traz a água tímida, curta, mas benfazeja;
quem sabe disséssemos do Cego,
que, perscrutando a escuridão perpétua,
constrói trilhas e corredores negros,
onde caminha, solitário e indefeso;
talvez pensássemos nos ventos,
que varrem o planeta em corrente perene,
sem entenderem da poeira que nos ofusca os olhos,
sem perceberem os grãos da germinação.
Mas, não. Silêncio! Mudez de vozes e pensamento.
Não diremos nem destes, nem daqueles,
tampouco dos mais reservados sentimentos.

Nuvens acinzentadas empanam os céus
e um engasgo profundo não nos permite
usufruir a fluidez do ar.
Nada dança à nossa volta.
Notas ressoam, não feito música.
São apenas flébeis gemidos.

A poesia entristeceu. Na agonia da esperança,
um poeta morreu. Um Poeta morreu...
Em seu féretro pobre, calado, caminha o Verso,
seguido pela indecisão da Letra,
pela mudez da Sílaba, pela surdez da Rima.
Lágrimas, apenas as da Inspiração,
quando no sumiço do viço
umedece a palidez da Musa,
que desacerta a direção,
que esquece o compromisso...
maria da graça almeida
Enviado por maria da graça almeida em 20/12/2011
Código do texto: T3399288
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre a autora
maria da graça almeida
São Paulo - São Paulo - Brasil
249 textos (18593 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/08/20 02:59)
maria da graça almeida