Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poemas: tradução para o inglês (2019) In: Momentos Poético: livro J B Pereira 2006

Poemas: tradução para o inglês (2019)
In: Momentos Poético: livro J B Pereira 2006

2. LÍRICA AMIGA

Aos que acreditam no amor e na paz!

Se todos que vivem juntos
Se amassem,
A terra brilharia mais que o sol!

Para isso, se há algo a esperar:
Aceite o outro como é!
Pois não há ninguém que não erre:
Veja que Deus – é único que não falha
No entanto, encarou nossa malha.
Fez-se carente e limitação por nós
A fim de, em Cristo,
Se revelar na contingência humana.

Se a Deus queres ver,
contempla em todo ser
E no próprio coração o encontrarás.
O amor opera em ti e no outro!
Quanto esforço inútil?
Viver por viver?
Não descobrir que somos únicos,
Que a Terra é o que fomos nós.

Perdoa sempre a ti e aos outros...
Essa é a chave da tua vida e amizade.

A flor não fala
E deixa seu perfume,
Naqueles que a tocam
Onde fores lembra-te
Da pessoa amada.

Peça a Deus Nosso Senhor
Que abençoe teu labor
Que firme teu amor
Que dirija teu ardor
Porque Deus ouve as criaturas
Que o bem procuram
Com coragem e ternura.


_________________________

Em inglês:

2. FRIENDLY LYRICS

To those who believe in love and peace!

If everyone lives together
If loved,
The earth would shine brighter than the sun!

For this, if there is something to expect:
Accept the other as it is!
For there is no one who does not err:
See that God is the only one who does not fail
However, he stared at our mesh.
We lacked and limited ourselves
In order, in Christ,
To reveal itself in human contingency.

If you want to see God,
contemplates in every being
And in the very heart you will find it.
Love works in you and in the other!
How much wasted effort?
Living for living?
Not to discover that we are unique,
That the Earth is what we were.

Always forgive yourself and others ...
This is the key to your life and friendship.

The flower does not speak
And leave your perfume,
In those who touch it
Where you go, remember.
Of the loved one.

Ask God our Lord
Bless your work
How firm is your love
That directs your ardor
Because God hears the creatures
That good looking
With courage and tenderness.

___________

3. POÉTICOS COMPASSOS

Aos poetas alfenenses, divinopolitanos, são-joanenses, belo horizontinos, uberabenses, piracicabanos, são-pedrenses, outros.

Se a mente não mente,
Corre o coração a dizer.
Que, na escrita, a letra reticente
e a leitura possa trazer
Palpitações sentidas e vividas.

Um dia me lerão,
Com saudade de mim!
Sua poesia foi um clarão ou faísca
Para os que vão aqui e além.

O limiar transita e transpira
Vida e morte.
Confesse alma gentil
Dizendo: por que partiste
ao deixar em todos sua porção?

Ao dizer o que sinto,
Traduzo o que outros vivem...
Sou de todos e de ninguém,
Pois a poesia é comparsa,
Compasso do tempo.

____________

Tradução:

3. COMPETE POETICS

To the poets Alfenenses, divinopolitanos, são-joanenses, beautiful horizontinos, uberabenses, piracicabanos, são-pedrenses, others.

If the mind does not lie,
Runs the heart to say.
That, in writing, the reticent handwriting
and reading can bring
Palpitations felt and lived.

One day they will read me,
Longing for me!
His poetry was a flash or spark
For those who go here and beyond.

The threshold transits and transpires
Life and death.
Confess gentle soul
Saying: why did you leave?
by leaving in all its portion?

In saying what I feel,
I translate what others live ...
I belong to everyone and nobody,
For poetry is comparsa,
Time compass.

_________________

4. CANTO À ÁRVORE

À ecologia, paródia a Augusto dos Anjos!

A árvore, meu filho amigo, tem alma!
E ela nos serve de abrigo e nutrição...
A semente e brotos nascem da lama:
Vencer a fome: colher frutos é solução!

Mas, pai, por que este hino vamos evocando?
O pai narra: Zaqueu à árvore vai subindo,
nas escrituras, encontra o Cristo: “Daí desça,
a salvação reina nesta casa,” Quero que cresça.

O pai e filho se contemplaram na sombra!
Viva as árvores: nossa vida e, sentindo-as,
A posteridade canta cantigas, e história lembra!

Não são antíteses: os sicômoros e gentes:
Os filhos brincam, estudam debaixo delas!
E futuro e floresta amanhecem contentes.


____________

4. SINGING TO THE TREE

To ecology, parody of Augustus of the Angels!

The tree, my son, my friend, has a soul!
And it serves us as shelter and nourishment ...
The seed and shoots are born of the mud:
Winning hunger: Harvesting fruit is the solution!

But, Father, why is this hymn going on?
The father narrates: Zacchaeus to the tree goes up,
in the scriptures, finds the Christ: "Go down,
salvation reigns in this house, "I want it to grow.

The father and son looked at each other in the shade!
Long live the trees: our life and, feeling them,
Posterity sings cantigas, and history recalls!

They are not antitheses: sycomoreans and people:
Children play, study underneath!
And tomorrow and forest dawn glad.

___________

5. DEUS E A POESIA

Aos que sonham e engendram utopias!

Aos que sonham e engendram utopias!
Aos que geram vidas e não mortes!
Aos que curam e não corrompem!
Aos que educam e não culpam!
Aos que cantam e choram pela vida.
Aos que creem em Deus!
Aos que hão de se salvar pela ética e pela poesia...

Depois de todos os seres,
A poesia é a mais versátil
Depois de mim e você,
Ela é a mais fecunda.
Ao homem, deleite e apluma;
Alenta a alma em bruma;
Conforta o coração na paixão
Atiça o corpo em sedução...
Transforma a ruína em sina
A letra se torna malha fina
Resgata sem medo o meio sagrado
Assume sem receio o veio do profano
É caixa de Pandora, surpresa
Afrodite esbanjando beleza...
E Prometeu o fogo em leveza...
Depois de todos os males,
Vem a dócil poesia
Consola com o vinho e trigo
Farta com mel e cinge a terapia...
Ela é manjar de cada dia

Ele constitui frescor e ardor
Suplemento e fresta de porões mil
Irriga a carne e o espírito entre poros sutis
Quando a dor amortece, ela surge com trepidação,
Quando emoção reclamar sua parte, é sede e ilusão,
Quando evade o além, ela insiste ser ainda real...
Quando enfoca o social, revela sublimação de energia,
Quando na solidão nos mergulha, é mão de ternura,
Quando denuncia, a alma se inquieta em utopia
Por isso, em todos os tempos e pessoas,
Homens do mundo e do monastério,
O ébrio e sóbrio
A poesia compatibiza o ocaso com a aura da alma inquieta
Por isso, não importa se é clássica, se gótica, ou moderna,
Se é vanguarda, ou tradicional,
Se é surrealista ou meditativa.
Ela será sempre
Ária de quem canta sete vezes
De quem canta a vida e a sorte
De quem questiona o destino e morte
Depois de Deus, vem a poesia:
É esterco que fecunda as almas
É ônix que revela as trevas
É cristal que alumia minas!
É Fênix que renasce das cinzas...

_________________

5. GOD AND POETRY

To those who dream and engender utopias!

To those who dream and engender utopias!
To those who generate lives and not deaths!
To those who heal and not corrupt!
To those who educate and do not blame!
To those who sing and cry for life.
To those who believe in God!
To those who will be saved by ethics and poetry ...

After all beings,
Poetry is the most versatile
After you and me,
She is the most fruitful.
To man, delight and cheer;
Encourages the soul in the mist;
Comfort the heart in passion
Pushes the body in seduction ...
Turns ruin into fate
The letter becomes fine mesh
Rescue without fear the sacred medium
Assume without fear the spirit of the profane
It's Pandora's Box, Surprise
Aphrodite lavishing beauty ...
E Promised the fire in lightness ...
After all the evils,
Comes to docile poetry
Console with wine and wheat
It fills with honey and girds the therapy ...
It is every day's delicacy

It constitutes freshness and ardor
Thousand cellar supplement and chute
Irrigate the flesh and the spirit between subtle pores
When the pain cushions, it arises with trepidation,
When emotion claims its part, it is thirst and delusion,
When she evades the beyond, she insists it's still real ...
When it focuses on the social, it reveals sublimation of energy,
When in solitude it plunges us, it is the hand of tenderness,
When he denounces, the soul is restless in utopia
Therefore, in all times and people,
Men of the world and the monastery,
The drunken and sober
Poetry parallels the sunset with the aura of the restless soul
So it does not matter if it's classic, whether gothic, or modern,
Whether it is cutting edge, or traditional,
Whether it is surrealistic or meditative.
It will always be
Aria of one who sings seven times
Who sings life and luck
Of who questions fate and death
After God comes poetry:
It is manure that fertilizes souls.
It is onyx that reveals the darkness
It is crystal lining mines!
It is a phoenix that is reborn from the ashes ...

___________________

6. ANTROPÉIA

Aos que acreditam na ética!
Poema para concurso na FUNREI.

A vida flui no remoto passado,
Mesmo havendo labirinto sutil,
Fascínio em desígnio descoberto,
Oculta e Impregna mistérios mil.

O antropoide passou a pensar:
O primata ludificou o fogo e o jogo.
Nele, liberdade flui como néctar.
A angústia da morte revela-se logo!

A Renascença veio do humanismo.
A dicotomia entre filosofia e emoção.
descortinam desafio ao etnocentrismo.

A síntese da inteligência é o coração.
Urge vencer a indiferença e o racismo.
A antropeia desafina; tolerar é sugestão.

__________________

6. ANTHROPEA

To those who believe in ethics!
Poem for contest at FUNREI.

Life flows in the remote past,
Even though there is a subtle labyrinth,
Fascination in discovered design,
Hide and Impregnna thousand mysteries.

The anthropoid began to think:
The primate has ludified the fire and the game.
In him, freedom flows like nectar.
The anguish of death is revealed soon!

The Renaissance came from humanism.
The dichotomy between philosophy and emotion.
reveal a challenge to ethnocentrism.

The synthesis of intelligence is the heart.
It is urgent to overcome indifference and racism.
The anthropology defers; tolerating is suggestion.

____________________

8. O GENTIO E A ORAÇÃO

Deus mora em todas as culturas e nos corações que amam!

Certa vez um grego rezou!
Em Fedro 279 b,
Platão nos recorda essa sublime alma:

“Ao céu implorou um pagão,
do seu peito fluiu a oração:

‘Senhor, concede-me
chegar a ser belo interiormente,
e o que venha ter
e acumular exteriormente,
esteja em harmonia
com o meu interior.

Ainda consintas
que rico seja o sábio
e, quanto à riqueza material,
tenha em tal quantidade,
que seja ideal
para a posse
e prática do bem,
Como um homem sóbrio.’

Como Deus
não ouviria
essa prece?”


________________

. GENTIO AND PRAYER

God lives in all cultures and in the hearts they love!

Once a Greek prayed!
In Phaedrus 279 b,
Plato reminds us of this sublime soul:

"To heaven he begged a heathen,
from his chest the prayer flowed:

'Lord, grant me
to become beautiful inwardly,
and whatever comes
and accumulate externally,
be in harmony
with my inner self.

Do you still consent?
rich the wise
and, as to material wealth,
have in such quantity,
that is ideal
for possession
and practice of good,
Like a sober man. '

How god
would not listen
this prayer? "

________________

11. SALVE, AVE-MARIA!


Aos que não excluem ninguém!

(Parafraseando Pe. Antônio Vieira: Livro IV, Tomo XII, fils. 171;
São Lucas, 1, 26-38)

O Arcanjo saudou Ave,
Deus mudou o nome de Eva,
Os anjos cantam: “Plena Pax et Gratiae...”
Maria, estás acima dos querubins e serafins;
Em vista dos méritos de Jesus Nosso Salvador.
Quis a ousadia divina resgatar-te
da mácula original dos filhos de Adão.
A Escritura sintetiza e sinaliza: “O Senhor é contigo “
Javé é de Israel e Shekinah doravante.
Jamais de Deus te afastará!
De Israel, ecoa o elogio à Flor em Haste Virginal!
Teu Ventre guarda o Santo Broto, ó Santa Aliança,
Ó Santo Seio Suave e Puríssimo.
Iesus, Benedictum fructum ventris tui!
Arvore do Paraíso cujo fruto é santo e eterno.
O mundo, exilium  et lacrimarum valle
Sustenta os degredados filhos de Eva
Neste vale de lágrimas em que nos mergulhamos
Com nosso pecado original.
Eia, Miriam, Maria, Amada de Deus,
Nova Eva, outra Árvore do Éden.
Ó Santa Maria, Todas as gerações a dirão Bem- Aventurada.
E a Igreja proclama sua Materna Mediação Singular,
Virgem da Conceição e Mãe de todos os Povos.
És a Teotokos, Mater Dei, Dei Genetrix Regina Coeli,
Advocata mostra!
Cujos olhos lindos e puros, santíssimos nos envolvem
E acalenta e consola e nos protege contra o mal e o pecado.
Não que a elegância divina não precise de mãe,
“Para Deus, nada é impossível!” Lucas 1:37

E, pelas profecias, a etiqueta divina presenteou-nos a Mãe,
José, seu Esposo Justo e o Filho Unigênito de Deus.
Teu semblante suave e meigo nos assista na vida e na hora da morte
Ó Mãezinha do Céu, com seu manto azul, nos conduza
Pela gratuidade da vida e, da morte eterna,
Livra-nos agora, ó Bondosa Senhora Nossa,
Ó Clemens, ó Pia, ó Dulcis Virgo Maria. Amém!


12. OS VERSOS FALAM

Aos que fazem o bem mesmo recebendo o mal.
Aos que acreditam na paz diante das guerras.
Aos que promovem os direitos das minorias.


Nos versos de arcanos passos,
O poeta finge coisas iniludíveis,
De luz e trevas como compassos
De momentos e atos volúveis...

Se a vida é tão tristonha?...
Invente-a com ousadia!
Se a dor for deveras tamanha?...
Ele a desnuda como alquimia!

Não há nada que o verso
Não queira ludificar, brindar, lidar...
A resposta está no mistério do poema!

Viver a vida ainda “vale a pena”,
A cada pessoa, diz Pessoa a vibrar,
“...Se a alma não é pequena....”

___________

11. SAVE, AVE-MARIA!


To those who exclude no one!

(Paraphrasing Fr. Antônio Vieira: Book IV, Volume XII, fils. 171;
St. Luke, 1: 26-38)

The Archangel saluted Ave,
God changed the name of Eve,
The angels sing: "Plena Pax et Gratiae ..."
Mary, you are above the cherubim and seraphim;
In view of the merits of Jesus Our Savior.
I wanted the divine daring to rescue you
of the original taint of the sons of Adam.
Scripture summarizes and signals: "The Lord is with you"
Yahweh is from Israel and Shekinah from now on.
God will never leave you!
From Israel echoes the praise of the Flower in Virginal Haste!
Your Womb keeps the Holy Broth, O Holy Alliance,
O Holy Breast Soft and Pure.
Iesus, Benedictum fructum ventris tui!
Tree of Paradise whose fruit is holy and eternal.
The world, exilium et lacrimarum valley
It supports the degredados sons of Eva
In this valley of tears in which we plunge
With our original sin.
Eia, Miriam, Mary, Beloved of God,
New Eve, another Tree of Eden.
O Holy Mary, All generations will say it Blessed.
And the Church proclaims its Maternal Mediation Singular,
Virgin of the Conception and Mother of all Peoples.
You're Teotokos, Mater Dei, Dei Genetrix Regina Coeli,
Advocata shows!
Whose beautiful and pure, holy eyes surround us
And comfort and comfort and protect us from evil and sin.
Not that divine elegance does not need a mother,
"For God nothing is impossible!" Luke 1:37

And through the prophecies the divine etiquette gave us the Mother,
Joseph, his Just Spouse and the Only Begotten Son of God.
May your gentle and tender countenance watch us in life and at the hour of death
O Mother of Heaven, with her blue cloak, lead us
Through the gratuitousness of life and eternal death,
Deliver us now, O Good Lady Our Lady,
O Clemens, O Pia, O Dulcis Virgo Maria. Amen!


12. THE VERSES SPEAK

To those who do good even receiving evil.
To those who believe in peace in the face of war.
To those who promote the rights of minorities.


In the verses of arcane steps,
The poet feigns inescapable things,
Light and darkness as bars
Of moments and voluble acts ...

If life is so sad ...?
Invent it boldly!
If the pain really is so ...?
He strips her like alchemy!

There is nothing that the verse
Do not want to ludify, toast, to deal ...
The answer lies in the mystery of the poem!

Living life still "worth it",
To each person, says Person to vibrate,
"...If the soul is not small...."


________________

13. BILU

 Lucas (Delvechio) Trindade Pereira, aos oito anos.

Tenho um cão de estimação.
Late ao estranho do portão
Que alegria brincar com ele assim.
Bilu é meu amigão!
Biluzinho, todo pretinho, pretinho...
Que bonitinho! Tão fofinho!
Vem mansinho pra mim.
Biluzinho pretinho que nem saci.
Quando olha deste jeito e fica só,
Todo mundo fica com dó.


14. MONTANHAS ALTEROSAS

À geografia mineira, que condivide seu espaço
com outros Estados do Brasil.

Vejo estrelas cadentes
Contemplo a Via Látea
Noites a fio, contente.
Medito na obra do Ser
Onipotente e Clemente
Que bordou o céu, neste instante,
De mistérios entre constelações
Há brilhos diferentes
Há olhos navegantes
Entre preces e conjecturações
Como é deliciosa esta noite
Nas montanhas e serras de Minas.


15. AO MEU AMOR

À minha querida Esposa Maria do Carmo (Delvechio) Trindade Pereira!

No mundo nada se compara
A delícia que exala
da paixão por ti.

Que não seja só uma atração,
Pois o amor quer continuar
Além deste lugar

Os anos passarão: sempre voltarão ao começo
É o alicerce do amanhã,
Ou a recordação do passado sorrindo...

A flor, a rosa, a gata podem um dia mudar,
Mas aqui dentro somos
Eternamente Jovens (filme).


__________

13. BILU

 Lucas (Delvechio) Trindade Pereira, to the eight years.

I have a pet dog.
Late to the stranger of the gate
What a joy to play with him like that.
Bilu is my friend!
Billy, all black, black ...
So cute! So cute!
Come softly for me.
Little black man who does not even quit.
When you look like this and you are alone,
Everyone has a pity.


14. ALTERNATIVE MOUNTAINS

To the geography of Minas Gerais, which condenses its space
with other states in Brazil.

I see falling stars
I contemplate the Via Lattea
Nights on the wire, content.
I meditate on the work of Being
Omnipotent and Clement
Who embroidered the sky, in this instant,
Of mysteries between constellations
There are different glows
There are navigating eyes
Between prayers and conjectures
How delicious is tonight
In the mountains and mountains of Minas.


15. TO MY LOVE

To my dear Wife Maria do Carmo (Delvechio) Trindade Pereira!

In the world nothing compares
The delight that exudes
of passion for you.

That it is not just an attraction,
Because love wants to continue
Beyond this place

The years will pass: they will always return to the beginning
It is the foundation of tomorrow,
Or the memory of the past, smiling ...

The flower, the rose, the cat may one day change,
But here we are
Forever Young (film).

_____________

17. MOTIVOS DA ROCHA

Aos que, na história, almejam a eternidade, sem fugir da sua condição humana e cidadã responsável.
É preciso persistir no bem e na ética ao plantar o trigo e saber que o joio junto está.

Na areia, a casa cai sem fundamento.
Na rocha, ela tem seu enraizamento.
Ronca roda ronda rumo...
Quem pode suportar Netuno?

Cristo Rocha, Francisco de Assis tocha!
Maria nossa, a Igreja possa
Ser base de um mundo unido...
Claro-escuro da graça toca!

“Tudo fizeste sem nós, ó Deus,
mas não nos salva sem nós.”
Diante da tempestade, infunde a sé
E vigor do Cristo: doce albatroz

Tudo passa, só Tu ficas!
Inspire ao coração sabedoria
Do Verbo contra a tirania.

18. CONTADOR DE HISTÓRIAS


Ao Sérgio Resende costa e a todos que contam histórias.

Veja este contador de História.
Com voz e olhos a hipnotizar:
Ser alado a volatizar...
Espaço de magia e vitória!

Do chão, em tapete, palco surgira,
Da mala, erguem cartas de surpresa.
Vem a imaginação, nada presa...
Em muitos pontos, cada conto gira...

Sinta terras e novas do além,
Baralho vira dinheiro, surpresa!
Sino e mágicas surgem também.

Momentos felizes: pura beleza!
Com o Sérgio, agenda você vem!
Para o tempo, cheio de leveza.

19. A DÚVIDA

Não ter medo de questionar, avançar no pensar.
A busca da verdade tem rumos de amor e liberdade.
Exige doação e renuncia. A palavra felicidade pode ser perigosa e traiçoeira, se não for com base na ética e na busca do bem do outro também.

A dúvida fez bem à humanidade
É uma etapa da maiêutica:
“- Só sei que nada sei!”
Questiona o mito e o rito.
Forjou a busca da verdade filosófica.
É rumo ao húmus, eskhaton, esterco, finalidade.
Potencia de utopias e desmascara fantasias.
Das cinzas vem o fogo da inquietude;
Do amargor deste pensar vem o favo da libertação.
Duvidar-se, superar-se, investigar, investir em si...
Para formar uma doxa, um pesquisador,
O que é mais importante:
A dúvida ou a resposta pronta?


_________________

17. ROCK'S REASONS

To those who, in history, long for eternity, without escaping from their responsible human and responsible condition.
It is necessary to persist in good and ethical when planting the wheat and knowing that the weeds are together.

In the sand, the house falls without foundation.
On the rock, it has its roots.
Ronca rounds round ...
Who can bear Neptune?

Christ the Rock, Francis of Assisi torch!
Our Lady, the Church can
To be the basis of a united world ...
Of course grace dark touches!

"You have done all things without us, O God,
but it does not save us without us. "
In the face of the storm, infuse the
And strength of Christ: sweet albatross

Everything passes, only You stay!
Inspire to the heart wisdom
From the Word against tyranny.

18. STORY COUNTER


To Sérgio Resende Costa and to all those who tell stories.

See this storyteller.
With voice and eyes hypnotizing:
Be winged to volatize ...
Space of magic and victory!

From the floor, on the carpet, the stage had appeared,
From the suitcase, they raise letters of surprise.
Comes imagination, nothing stuck ...
In many points, each tale turns ...

Feel lands and new things from the beyond,
Deck turns to money, surprise!
Bell and magic also appear.

Happy moments: sheer beauty!
With Sérgio, schedule you come!
For the time, full of lightness.

19. THE DOUBT

Do not be afraid to question, to advance in thinking.
The search for truth has a course of love and freedom.
It requires donation and renunciation. The word happiness can be dangerous and treacherous if it is not based on ethics and the pursuit of the good of the other as well.

Doubt made mankind well
It is a stage of maieutics:
"- I only know that I know nothing!"
Question the myth and the rite.
He forged the search for philosophical truth.
It is towards humus, eskhaton, dung, purpose.
Power of utopias and unmasks fantasies.
From the ashes comes the fire of restlessness;
From the bitterness of this thinking comes the liberation comb.
Doubting, overcoming, investigating, investing in itself ...
To form a doxa, a researcher,
What is more important:
The doubt or the ready answer?

_____________________________

28. JOSÉ, E AGORA!

Aos que cresceram na crise na fé.

O quartel passou
O seminário se foi
Teu pai partiu...
Os amigos se debandaram

Hoje você tem mulher,
filho e obrigação,
Veja que tudo mudou!

Nem o soldo, nem a pastoral,
Nem a protelação
Podem resolver
O que você precisa fazer!

Resta agora
sua ação
Seu trabalho
Sua família
Sua educação
Para legar
o desafio e o prazer de viver
Ao Filho

Se você vencer
Se você lutar
Se você pensar
Que há Deus
Pai para ajudar

A vida fica diferente:
Os desafios são prementes,
As pessoas não nasceram prontas
Estão por serem gestadas!

Somos eternos
Aprendizes de nosso viver.
Siga seu coração,
Não se deixaste robotizar
Aprenda a amar si mesmo,
O céu só pode-o sustentar:
O mistério não o desabonará!
A morte não será apenas um fim...

29. LUCAS, LUZ DA NOSSA VIDA!

Ao meu Filho Lucas Trindade Pereira!

Do nascimento até agora
Sempre o olho e me alegra
Saber que a vida vencedora
Da morte e da dor nos agrega
Como uvas em vinho na adega

Contemplei-o desde a aurora
Noites aos pés da cama vigiara
De dia, banho, passeio, carregara
e ao médico, mãe e pai o levara

Aos poucos, tu encheste de primavera
Nossas vidas, em teu rosto os traços herdara
Como crianças na ágora
Como Sócrates que sonhara:
um povo e filhos; projetara
a eternidade na efêmera
passagem – riso viera
após dias de tua vitória.

O verde de teus olhos brilhara
Ao ver o mundo, iniciara
A descoberta de tudo, a aurora
da vida aos sentidos tivera
Novo ator, a musicalidade soara
E  teu rosto  sempre contemplara
A alegria; e o aconchego viera
Como presente nos comovera
E sempre tua presença contagiara
Nosso coração – Lucas nascera!

______________

28. JOSEPH, AND NOW!

To those who grew up in crisis in faith.

The barracks passed
The seminar is gone.
Your father left ...
Friends broke down

Today you have a woman,
son and obligation,
See that everything has changed!

Neither the salary nor the pastoral,
Neither the postponement
Can solve
What do you need to do!

It's left now
your action
Your job
Your family
Your education
To bequeath
the challenge and the pleasure of living
To the Son

If you win
If you fight
If you think
That there is God
Father to help

Life is different:
The challenges are pressing,
People were not born ready
They are about to be born!

We are eternal
Learners of our living.
Follow your heart,
You did not allow yourself to robotic
Learn to love yourself,
Heaven can only sustain it:
The mystery will not dishonor you!
Death will not only be an end ...

29. LUKE, LIGHT OF OUR LIFE!

To my Son Lucas Trindade Pereira!

From birth to now
I always look and rejoice
Know that the winning life
From death and pain we add
Like grapes in wine in the cellar

I have beheld it since the dawn
Nights at the foot of the bed will watch
By day, shower, walk, carry
and the doctor, mother and father will take him

Little by little, you fill with spring
Our lives, in your face the traits will inherit
Like children in the agora
Like Socrates who had dreamed:
a people and children; will design
eternity in the ephemeral
passage - laughter viera
after days of thy victory.

The green of your eyes will shine
When he saw the world, he
The discovery of everything, the dawn
of life to the senses had
New actor, musicality will sound
And your face will always behold
The joy; and the warmth had come
As present we had
And always your presence will infect
Our heart - Lucas was born!

______________________

38. À MINHA ROSA, COM AMOR!

Aos 80 anos de dona Rosa B. Silva (24.08.2005)

Encante com criatura bondosa!
Bela rosa exala seus perfumes.
Hoje contempla seus anos e lumes.
Cale e ouça voz melodiosa?!

Veja qual fé linda e lucidez,
Todos rezam pela mãe e senhora.
Seus exemplos guardam desde agora,
Nada sufoca esta honradez.

Se a solidão bater à sua porta:
Cultiva sua fé na Virgem Maria:
Seu coração a saudade corta...

Agradece a Deus noite e dia:
Dores e lida da vida suporta;
É gente a mostrar sua simpatia.


39. CINCO SONETOS SHAKESPEAREANOS

Homenagem aos maiores sonetistas: Camões, Shakespeare, Petrarca, Vinícius, F. Pessoa, Sebastião Bemfica Milagre, Jadir Vilela de Souza...

I – MOMENTOS POÉTICOS

                                   Aos meus leitores e às minhas leitoras!

A Vida tem seus Momentos Poéticos,
Que se burilam em versos eternos.
E o poeta vai além dos céticos,
Porque sutiliza moção em versos,

Nas entrelinhas antevê o pulsar
De coração cheio de esperança,
Amor maior a Minas a vibrar,
De alegria qual pura criança.

Contemple, pois, alma gentil e sinta...
Suave melodia do soneto,
Seja Camões como latina cripta,
Seja Shakespeare como toque feito.

Divinópolis, brinde o Divino!
São João Del-Rei, Cidade do Sino!

II- DOAÇÃO

Ao Padre Luís Carlos Amorim (Domingo da Ressurreição, 16.04.2006)
Aos pregadores e aos doam seu viver!
Aos sofrem pelos outros; entregam-se a Jesus!


Uma vez, conheci suave senhora,
que quis a uma creche se dedicar.
Quando soube que chegava sua hora,
pôde à mão a colher colocar.

Porque, com fé, o melhor ficaria!
Após sua morte, dizia à sua fã:
- Criança, a sobremesa viria,
levante a colher com mui elã.

Se a sua vida toda dedicou,
abraçaria sua morte irmã;
O padre àquela mão colocou
a colher com santa unção cristã.

O cristão não teme a dura morte,
Pois a ressurreição é pura sorte! (sorte=graça, gratuidade)


III- INTIMIDADE

Aos se doam aos outros1
Aos que se vencem do egoísmo.
Aos que amam por amar.

Segundo Richard Bach: “O oposto
Da solidão não é estar junto.
É a initimidade”, viver com gosto!
Sentir a vida fluir em conjunto.

É gesto deveras desafiante;
Não basta dois queres conviver,
É bom ter jeito e ser confiante.
Cada ato, pensar como viver.

Não ignore, então, seu labirinto:
Somos um complexo e complicados.
Há estresse para cada momento:
A psique registra todos os dados.

A vida tem lá seu baixo e alto!
Veja, critique, distinga seu ato.


IV – CRISTO, MESTRE DOS MESTRES!

Aos que creem no Cristo!
Aos que amam por amar: primeiro grau do amor.

Como gostaria de amar Cristo!
Mestre dos mestres, o Amigo Ímpar!
Não tratem a fé como mero cisto.
Corpo e alma sintonizam par.

O mundo deleta tal união,
Negam valores dessa transcendência!
Imagem paradoxal, Coração!
Pois fé no Cristo tem sua exigência!

“Graça e natureza se implicam” (Santo Tomás de Aquino)
Irmã(o), não perca a fé em Jesus!
Pequenez e grandeza se implicam,
[“O Senhor fez em mim maravilhas, Santo é seu nome.” Lc 1,46-55]
Alma file, esforça-se na Cruz (Obra: Imitação de Cristo!)

João da Cruz viu o prisma de Deus;
Busque Luz na travessia com os seus. (= Páscoa, ressurreição)


V – O BIBLIÓFILO


Aos que gostam das bibliotecas.
Aos que ensinam a ler.
Aos que dão exemplo de leitor.
Aos que escrevem.
Aos que ensinam a escrever.

Se hoje eu for à biblioteca,
Não esquecerei esta minha meta:
Bibliófilo, Ideal projeta.
Terei respeito nela como Meca.

O saber vem da vida e do livro!
Informação surge da relação:
Entre o ler e intelecção,
Entre a vida toda e seu fulcro.

Persistência forja o talento,
Aguça-se a curiosidade,
Desejando-se a eternidade...
À Criatividade, dê alento,

Esforça-se sempre, ó usuário.
Procure, sim, o bibliotecário.


________________

38. MY ROSE, WITH LOVE!

To the 80 years of Mrs. Rosa B. Silva (24.08.2005)

Delight with kindly creature!
Beautiful rose exudes its perfumes.
Today he contemplates his years and lights.
Shut up and hear melodious voice ?!

See what beautiful faith and lucidity,
Everyone prays for the mother and the lady.
His examples guard from now on,
Nothing suffocates this honesty.

If loneliness knocks on your door:
Cultivate your faith in the Virgin Mary:
Your heart misses ...

Thank God night and day:
Pains and life deals endure;
It's people to show your sympathy.


39. FIVE SHAKESPEAREAN SONGS

Tribute to the greatest sonologists: Camões, Shakespeare, Petrarca, Vinícius, F. Pessoa, Sebastião Bemfica Miracle, Jadir Vilela de Souza ...

I - POETIC MOMENTS

                                   To my readers and my readers!

Life has its Poetic Moments,
Who carve themselves in eternal verses.
And the poet goes beyond the skeptics,
Because it makes sense in verses,

In between the lines you can see the
With a heart full of hope,
Greater love for Minas to vibrate,
Of joy as a pure child.

Contemplate, then, a gentle soul and feel ...
Soft sonnet melody,
Be Camões as a Latin crypt,
Be Shakespeare as done.

Divinópolis, toast the Divine!
Sao Joao Del Rei, City of the Bell!

II- DONATION

To Father Luís Carlos Amorim (Sunday of the Resurrection, 16.04.2006)
To preachers and to donate their living!
To suffer for others; surrender to Jesus!


Once, I met gentle lady,
who wanted a day care center to devote himself.
When he heard that his hour was coming,
able to hand pick spoon.

Because, with faith, the best would be!
After his death, he told his fan:
"Child, the dessert would come,
lift the spoon with a lot of elan.

If your whole life has dedicated,
he would embrace his death sister;
The priest to that hand placed
the harvest with holy Christian anointing.

The Christian does not fear the harsh death,
For the resurrection is pure luck! (luck = grace, gratuity)


III- INTIMIDADE

To those who give themselves to others1
To those who overcome selfishness.
To those who love to love.

According to Richard Bach: "The opposite
Solitude is not being together.
It is the initimity, "to live with taste!
Feel life flow together.

This is a very challenging gesture;
Not enough two want to live,
It's good to be confident and confident.
Every act, think how to live.

Do not ignore your labyrinth:
We are a complex and complicated.
There is stress for every moment:
The psyche records all the data.

Life has its low and high there!
See, critique, distinguish your act.


_________________

IV – CRISTO, MESTRE DOS MESTRES!

Aos que creem no Cristo!
Aos que amam por amar: primeiro grau do amor.

Como gostaria de amar Cristo!
Mestre dos mestres, o Amigo Ímpar!
Não tratem a fé como mero cisto.
Corpo e alma sintonizam par.

O mundo deleta tal união,
Negam valores dessa transcendência!
Imagem paradoxal, Coração!
Pois fé no Cristo tem sua exigência!

“Graça e natureza se implicam” (Santo Tomás de Aquino)
Irmã(o), não perca a fé em Jesus!
Pequenez e grandeza se implicam,
[“O Senhor fez em mim maravilhas, Santo é seu nome.” Lc 1,46-55]
Alma file, esforça-se na Cruz (Obra: Imitação de Cristo!)

João da Cruz viu o prisma de Deus;
Busque Luz na travessia com os seus. (= Páscoa, ressurreição)


V – O BIBLIÓFILO


Aos que gostam das bibliotecas.
Aos que ensinam a ler.
Aos que dão exemplo de leitor.
Aos que escrevem.
Aos que ensinam a escrever.

Se hoje eu for à biblioteca,
Não esquecerei esta minha meta:
Bibliófilo, Ideal projeta.
Terei respeito nela como Meca.

O saber vem da vida e do livro!
Informação surge da relação:
Entre o ler e intelecção,
Entre a vida toda e seu fulcro.

Persistência forja o talento,
Aguça-se a curiosidade,
Desejando-se a eternidade...
À Criatividade, dê alento,

Esforça-se sempre, ó usuário.
Procure, sim, o bibliotecário.


40. AO FREI ORLANDO

Aos que evangelizam!
Frei Orlando – exemplo de caridade – chegue às honras do Altar.
Aos que dão a vida pelo Cristo!
Aos que vivem pela fé!

Morada Nova tem mineiro franciscano!
A todos sorriam devido às suas piadas.
E o capelão ama pobre e o pequeno
Seu rosto rima com muitas risadas

Mostrou que o calor da amizade
Vale muito e enaltece o coração.
Viveu o evangelho na sinceridade:
A todos dava a palavra de irmão.

Aos soldados, na solidão, sua presença
agia solícito qual anjo da guarda.
Era riso a preencher do lar a ausência

Sua farda mortalha sagrada
Sua ternura sublime lembrança
De uma vida hóstia consagrada.

ORAÇÃO A FREI ORLANDO
Ó Deus, infinitamente bondoso, nos consolaste aos que conheceram Frei Orlando, fortalecei a esperança, aumentai a caridade e inflamai a fé de todos os que invocarem Frei Orlando. Especialmente, nós vo-lo pedimos a graça..., que desejamos para que possamos ver na amizade de Deus e viver uma vida cristã autentica e uma boa morte. Amém.
Pai Nosso, Ave-Maria, Glória ao Pai...

08/01/2015 - Código do texto: T5095498

_______________

IV - CHRIST, MASTER OF MASTERS!

To those who believe in Christ!
To those who love for love: first degree of love.

How I would like to love Christ!
Master of the Masters, the Odd Friend!
Do not treat faith as a mere cyst.
Body and soul tuning par.

The world deletes such a union,
They deny values ​​of this transcendence!
Paradoxical image, Heart!
For faith in Christ has its demand!

"Grace and nature imply themselves" (St. Thomas Aquinas)
Sister, do not lose faith in Jesus!
Smallness and greatness are involved,
["The Lord has done wonders to me, his name is holy." Lk 1,46-55]
Alma file, strive on the Cross (Work: Imitation of Christ!)

John of the Cross saw the prism of God;
Look for Light on the crossing with yours. (= Easter, resurrection)


V - THE BIBLIÓFILO


To those who like libraries.
To those who teach reading.
To those who give example of reader.
To those who write.
To those who teach writing.

If I go to the library today,
I will not forget this goal:
Bibliophile, Ideal projects.
I will respect her as Mecca.

Knowledge comes from life and from the book!
Information arises from the relationship:
Between reading and intellection,
Between life and its fulcrum.

Persistence forges the talent,
It pokes the curiosity,
Wishing eternity ...
To Creativity, give encouragement,

Always strive, O User.
Look, yes, the librarian.


40. AO FREI ORLANDO

To those who evangelize!
Fr. Orlando - example of charity - reach the honors of the Altar.
To those who give their lives for Christ!
To those who live by faith!

Morada Nova has a Franciscan miner!
They all smiled at his jokes.
And the chaplain loves poor and little
Your face rhymes with a lot of laughter

Showed the warmth of friendship
It is worth much and exalts the heart.
He lived the gospel in sincerity:
Everyone gave the word of brother.

Soldiers, in solitude, their presence
She acted solicitously as the guardian angel.
It was laughter to fill the home the absence

His sacred shroud uniform
Your sublime remembrance tenderness
From a consecrated wafer life.

PRAYER TO FREI ORLANDO
O God, infinitely kind, you have comforted us who have known Brother Orlando, strengthen hope, increase charity and inflame the faith of all who invoke Brother Orlando. Especially, we ask you for grace ... that we desire that we may see in the friendship of God and live an authentic Christian life and a good death. Amen.
Our Father, Hail Mary, Glory be to the Father ...

08/01/2015 - Text code: T5095498

___________________________

41. O LIVRO

Aos que gostam de ler e amam ficção e a história e memórias.

Na biblioteca procuro um livro!
Quando o acho, fico contente.
O que descubro é exílio e lírio:
A pesquisa é novo expoente.

Ler parece um martírio, sem fim,
Quando do livro não se tem gosto.
Mas se a leitura cativa a mim:
O prazer está além do imposto.

Se a vida não se reduz ao alvoroço,
Urge criticar o conteúdo proposto
Decorar fórmulas é só um esboço.

Mire a alma ao infinito, ao conhecimento,
Ao analisar as entrelinhas do não-dito.
Ao fim da pesquisa, sinto contentamento.

________________

41. THE BOOK

To those who love to read and love fiction and the history and memories.

In the library I look for a book!
When I think about it, I'm glad.
What I discover is exile and lily:
The research is new exponent.

Reading seems like a martyrdom, without end,
When you do not like the book.
But if the reading captivates me:
Pleasure is beyond tax.

If life is not reduced to the uproar,
Criticism of the proposed content
Decorating formulas is just an outline.

Look at the soul to infinity, to knowledge,
When analyzing between the lines of the unsaid.
At the end of the research, I feel contentment.

________________
______________
______________

45. DEUS É...

Te Deum Laudamus!
Gloria Tibi Trinitas1

Deus é Pai!
Deus é Filho!
Deus é Paráclito!
Deus é Uno
Deus é Paz
Deus é Amor
Deus é Perfeito
Deus é Comunidade
Deus é capaz
Deus é rapidez
Deus é eficiente
Deus é eficaz
Deus é solicitude
Deus é solidez
Deus é Trindade.
Deus é...

46. HISTÓRIA INFANTIL

Aos que contam histórias e estórias!

Muitas histórias, à note, tu contas,
Lembras as fábulas, parábolas, fadas...
E as crianças, contentes, tu acalentas:
E elas crescem rápido e querem
Ouvir outras tantas histórias...
- Dorme, menino! Pois, o conto vou-te terminar.
“Entrou por um pé, saiu por outro,
Quem quiser conte outro...”
Em meu lugar.


47. SE ESTA RUA FOSSE MINHA,

Às crianças de ontem e de sempre!

Eu pintava de azul todinha,
Com alegria no horizonte,
Com sorridente semblante,
Só para meu bem entrar.

Nesta rua mora gente,
que vive contente
um convívio de paz,
porque é feliz e capaz.

48. A PRETA MADRINHA

A todos os negros e as negras da história!
Homenagem a Murilo Mendes e Manuel Bandeira.

Madrinha Preta,
Maria de nome:
Bondade em pessoa,
Tua figura boa...
Negra que nem a noite!
- Ó Maria Preta, acenda o fogo!
- Vem fazer o café e servir à mesa.
- Vem contar histórias, gargalhar também!
No céu, os anjos te rodeiam;
Jesus te abençoa
Por tudo que fizeste ao pequenino
em vida, teu amor ecoa.
Ainda, hoje tua voz soa!
Vives em minhas lembranças de menino.

_________________

5. GOD IS ...

Te Deum Laudamus!
Gloria Tibi Trinitas1

God is father!
God is Son!
God is a Paraclete!
God is One
God is Peace
God is love
God is perfect
God is Community
God is able
God is fast
God is efficient
God is effective
God is solicitude
God is solid
God is Trinity.
God is...

46. ​​CHILD HISTORY

To those who tell stories and stories!

Many stories, to note, your accounts,
You remember fables, parables, fairies ...
And the children, contented, you cherish:
And they grow up fast and want to
Listen to so many stories ...
- Sleep, boy! Well, I'll finish the story.
"He entered by one foot, went out by another,
Who wants to tell others ... "
In my place.


47. IF THIS STREET WAS MINE,

To the children of yesterday and always!

I painted it all blue,
With joy on the horizon,
With a smiling countenance,
Only for my good to enter.

In this street lives people,
who lives happily
a fellowship of peace,
because he is happy and capable.

48. THE BLACK MOTHER

To all the blacks and the blacks of history!
Homage to Murilo Mendes and Manuel Bandeira.

Madrinha Preta,
Maria by name:
Kindness in person,
Your good figure ...
Black as night!
"O Maria Preta, light the fire!"
"Come and make coffee and serve at the table."
- Come and tell stories, laugh too!
In heaven, the angels surround you;
Jesus blesses you
For everything you did to the little one
in life, your love echoes.
Still, today your voice sounds!
You live in my childhood memories.

________________
______________
______________

54. FUTURO DA MINHA CIDADE

A todos que buscam e lutam por uma cidade melhor!


Sou cidadão com a natureza e história na mão.
Sou responsável pelo futuro desta cidade.
O sistema se modifica se eu  me modificar.
Minas ações provocam modificações, anda que pequenas!
Meu comportamento influencia o tempo, a  memória e as pessoas.
Preciso sair da indiferença para a existência.
Levando contente minha essência e aperfeiçoando minha consciência.
Acredito no princípio da corresponsabilidade inevitável!
Quero ser parte ativa do futuro de minha cidade.
Porque é aqui que estou vivendo minha vida agora.

_______________

54. FUTURE OF MY CITY

To all who seek and strive for a better city!


I am a citizen with nature and history at hand.
I am responsible for the future of this city.
The system changes if I modify myself.
Mine actions cause changes, walks that small!
My behavior influences time, memory, and people.
I need to move from indifference to existence.
Gladly taking my essence and perfecting my consciousness.
I believe in the principle of inevitable co-responsibility!
I want to be an active part of the future of my city.
Because this is where I'm living my life now.

_______________

58. SÁBIO (p. 52)

Aos que pensam que o sábio morreu!
Que ouçam o carisma e não se ceguem pelo poder.

Sim, o sábio existe!
Ele está no nosso meio.
Mas o ignoramos,
Exigindo que seja igual a nós,
rindo de suas ideias,
Prensando eu é um fracassado,
Trocando-o por ideologias,
Presentes gregos da nossa idade.
Ele será ouvido em outras paragens,
Sua poesia e teoria vibrarão em outros cantos.
Choraremos, então.
Se não ouvirmos, os sinais ficarão para outra geração!

_______________

58. WISE (p.52)

To those who think the wise man died!
Let them hear the charisma and do not be blinded by power.

Yes, the wise man exists!
He is in our midst.
But we ignore it,
Demanding that he be equal to us,
laughing at his ideas,
Pressing me is a failure,
Changing it by ideologies,
Greek gifts of our age.
He will be heard at other stops,
Your poetry and theory will vibrate in other songs.
We'll cry, then.
If we do not listen, the signs will remain for another generation!

____________

64. TRAJETÓRIA

A todos que aprendem com a vida!
Dos que optam pelos jovens, pelas mulheres, crianças,
Pelos pobres, negros, índios, o forasteiro injustiçado...
Aos poetas que usam os dísticos e recursos visuais; um deles:
Haroldo de Campos: “de sol a sol/ soldado// de sal a sal/ salgado...”


De terra em terra,
Broto ousado!

De rosto em rosto,
Perfil desejado!

Mão a mão,
Trabalho conquistado!

De risco em risco,
Planos arriscados!

De desejo em desejo,
Sonhos sonhados!

De estudos em estudos,
Momentos paradoxais!

De esforço em esforço,
Alimento com reforço!

De fracasso em fracasso,
Fiz-me palhaço!

De passo em passo,
Deixei meu passado a paço!

De bloco em chão,
Tenho a alma, mirado!

Fiz da vida: Poesia
De momentos algum Momento.


65. CALCANHAR DE AQUILES
E/OU SINDROME DO ZIDANE

Aos que caíram e levantaram.
Aos que souberam se perdoar depois de tantas quedas.
Aos que sofreram e buscaram ajuda e terapia, remédio e prece.
Aos que perdoaram aos que caíram e perdoaram quando machucaram entes queridos.


“ Por melhor que seja alguém,
Chega o dia em que há de falhar...
Só o Deus vivo a palavra mantém,
Jamais há de faltar.” (Letra/música: Waldeci Farias)

Quem nunca errou?
“- Atire a primeira pedra...”; (Jesus)
Por melhor que a gente seja,
Um dia há de falhar! (paráfrase: W. Farias)
Perdoe a quem vacila, titubeia ou perde o pênalti.
Fique “a barba de molho ao ver o telhado de vidro” * (veja poema abaixo de J B Pereira)
Jesus perdoou e ensinou “setenta vezes sete” a perdoar.
Não sabemos conviver com nossa fragilidade, falhas, lacunas?
Diante do erro, escondemo-nos no manto da onipotência,
Ou assumimos nossa fragilidade e nossa limitação?
Pior ainda se o nosso erro aparece em público,
Nosso orgulho sofre humilhação!
Errar é a marca registrada da humanidade.
Corrigir-se é para alguns que querem recomeçar pela verdade...
Até Aquiles, tido invencível, caiu inexoravelmente,
Quando atingido em seu calcanhar.
Somos vulneráveis,
Sofremos todos da Síndrome de Zidane,
Quando atingidos em nosso ponto-fraco, indubitavelmente,
Amarelamos, Aquilizamos e Zidanamos.
Perdemos o norte, a compostura, do caminho!


________________

64. TRAJECTORY

To all who learn from life!
Of those who choose young people, women, children,
For the poor, the blacks, the Indians, the wronged outsider ...
To the poets who use the couplets and visual resources; one of them:
Haroldo de Campos: "from sun to sun / soldier // from salt to salt / salted ..."


From land to land,
Bold brood!

From face to face,
Desired profile!

Hand to hand,
Work Conquered!

From risk to risk,
Risky plans!

From desire to desire,
Dreamed dreams!

From studies in studies,
Paradoxical moments!

From effort to effort,
Food with Rib!

From failure to failure,
I became clown!

From step to step,
I left my past behind!

From block to floor,
I have the soul, watched!

I made of life: Poetry
Of moments some Momento.


65. CALCHING AQUILES
AND / OR ZIDANE SYNDROME

To those who fell and rose.
To those who knew how to forgive themselves after so many falls.
To those who suffered and sought help and therapy, medicine and prayer.
To those who have forgiven those who fell and have forgiven them when they have hurt loved ones.


"No matter how good someone is,
The day will come when it will fail ...
Only the living God the word maintains,
It will never be lacking. "(Letra / música: Waldeci Farias)

Who ever made a mistake?
"Shoot the first stone ..."; (Jesus)
As good as we are,
One day it will fail! (paraphrase: W. Farias)
Forgive anyone who hesitates, hesitates or loses the penalty.
Stay "the beard of sauce upon seeing the glass roof" * (see poem below J B Pereira)
Jesus forgave and taught "seventy times seven" to forgive.
Do not we know how to live with our fragility, flaws, gaps?
In the face of error we hide ourselves in the mantle of omnipotence,
Or do we assume our frailty and our limitation?
Even worse if our mistake appears in public,
Our pride suffers humiliation!
To err is the hallmark of mankind.
Correction is for some who want to start over for the truth ...
Even Achilles, invincible, fell inexorably,
When hit on your heel.
We are vulnerable,
We all suffer from Zidane Syndrome,
When struck at our weak point, undoubtedly,
Amarelamos, Aquilizamos and Zidanamos.
We lost the north, the composure, the way!

___________________

66. NHÁ CHICA  (p. 58)

Aos que lutam contra todo preconceito e racismo de todo matiz.
Viva Nhá Chica! Viva “Baquita mineira”!


A analfabeta beata, no Rio das Mortes, nasceu.
Ao rezar o terço, seu ofício sagrado, junta o ouro,
Alforria negros sofridos, sangrados pelo couro,
Após isso, vai-se para Baependi, onde faleceu.

O povo tinha por ela admiração e alto conceito!
Fez a fraterna opção pelos pobres e marginalizados,
Viajava horas a fio, entre vilas, fazendas e roçados.
Peregrina, amada, apostou na vida sem preconceito.

Amou como Jesus e sabia que, diante de Deus,
Não há escravos, apenas filhos queridos e livres,
Invocava Maria e o próximo como filhos seus.


67. OS MUROS DE PEDRA (p. 58)

Aos que conservam os muros de pedra em Minas Gerais!
Aos que não vivem de muros entre irmãos.

“Minas, são muitas!
Porém, poucos são aqueles que conhecem as mil faces das Gerais.”  Guimarães Rosa
São João, Tiradentes, Resende Costa e região:
muros descem e sobem as serras...


Que nostalgia é o negrume dos muros de pedra!
Que sobem e descem os morros de Tiradentes.
Que história oculta os seculares limites diferentes?
Que negro aqui trabalhou e sua presença ainda medra?

Caiu o muro de Berlim, mas esses muros não!
Canta o vento entre seus furos, crescem musgos,
Calangos e cascavéis entre pedras e o chão,
Calaram-se os escravos, não seus traços, visgos e rasgos.

Miscigenaram-se povos em muros entre fazendas e estradas,
Mineiras vertentes: Resende Costa, Ritápolis, Coroas e Prados,
Mineral água das serras e Minha Gente em fronteiras marcadas,
Mantiveram-se nomes e os registros de terras e terrenos arados.


68. A OBRA COMO DESEJO E (ARTE) FATO

Aos artistas de todo gênero e alcance social.
À multiarte que não se deixa capturar pela análise.


Ele está dentro!
Antes era uma folha branca convidativa:
Os primeiros traços vieram à tona.
Vai desenvolvendo como um embrião,
Na dinâmica da vida era só:
Desejo e sonho,
Utopia e perspectiva,
Ideal e semente,
Era só ele e eu,
Um nada e um ser.
Quem sabe?
Assim vi a barriga da obra avantajar-se:
Um pé ou uma mãozinha desvencilhar-se de mim
No ultrassom da imaginação, nos Raios-X da projeção...
Agora quer nascer e aparecer.
O parto de cada obra é único como um filho!
A Cesária de uma nova criança.
Mas, sua gestão pode durar a vida inteira;
Outro então parir...
Para alguns o tempo é longo e doloroso;
Para outros, é breve e rápido.
Desde que nasci, persigo esta Paideia:
A formação integral, heurística, gestáltika,
adâmica, do escritor-leitor,
Que não tem fim: uma obra dialoga com outros e provoca outras tantas...
O fim está no escritor?
O alvo no leitor?
E não na sua obra? E a obra fica eterna quando o escritor evaporou?
Que perdura
Para sempre, se possível for!
O suficiente para alentar utopias
E responder desafios e ampliar horizontes.


69. FUTURO DO MUNDO

Ao Augusto Cury e sua obra genial sobre a Inteligência de Jesus: O futuro da humanidade: a saga de Marco Polo.
Aos que sonham e lutam por um mundo ético e melhor, menos desigual, mais fraterno.
Mais sustentável,  mais ecologicamente disponibilizado. Mais verde e mais lugar para todos: todos nós e os animais.
Menos corrupto e mais saudavelmente administrado para o bem dos povos.

Corri dias... Chorei noites...
Busquei gente justa entre lampiões e esquinas.
Pensar sobre o futuro deste planeta azul e único... é urgente!
Estamos maltratando a vida por causa da ganância.
Esquecemos de colocar em dia nossa lição de casa.
A Terra é a nossa única morada! Nossa mãe, Gaia, nave arredondada espacial...
Parecia coisa de louco e esfaimado.
A epopeia cede à tragédia, rimos de nossa comédia.
O drama de vidas sem água, fome, guerras, racismos, corrupção, terrorismo,
Campos de refugiados, poluição, morte de peixes e baleias, quase fim da Amazônia...
Ruía o chão aos pés como um terremoto.
Sumia a presunção de um onipotente, bicho homem.
Novas portas se abrirão?
A realidade tão dura cederá aos desejos de paz?
Nunca se falou tanto da ecologia
E, no entanto, a vida é por de mais fugidia.
Como gestor da cultura da paz, da vida e do verde,
Desejo que pratiquemos
Tudo de bom
De que o planeta precisa
E a vida insiste
Teimosa em continuar,
Ternuroso em nos dar o alimento
E nos acolher na hora da morte. Amém.



______________

66. NHICA GIRL (p.58)

To those who fight against all prejudice and racism of every nuance.
Viva Nhá Girl! Viva "Baquita Minasira"!


The illiterate beata, in the Rio das Mortes, was born.
When praying the rosary, his sacred office, he joins the gold,
Alforria blacks suffered, bled by leather,
After that, he goes to Baependi, where he died.

The people had admiration and high regard for it!
He made the fraternal choice for the poor and marginalized,
He traveled for hours, between villages, farms and ranches.
Pilgrim, beloved, bet on life without prejudice.

He loved like Jesus and knew that, before God,
There are no slaves, only dear and free children,
She invoked Mary and her neighbor as her own children.


67. THE STONE WALLS (page 58)

To those who keep the stone walls in Minas Gerais!
To those who do not live on siege walls.

"Mines, there are many!
However, few are those who know the thousand faces of the General. "Guimarães Rosa
São João, Tiradentes, Resende Coast and region:
walls go down and up the mountains ...


What nostalgia is the blackness of the stone walls!
They rise and descend the hills of Tiradentes.
What history hides the different secular boundaries?
What black man worked here and his presence is still strong?

The Berlin wall fell, but these walls did not!
The wind sings through its holes, mosses grow,
Caws and rattlesnakes between stones and the ground,
The slaves were silent, not their features, visions, and features.

People were mingled in walls between farms and roads,
Mineiras slopes: Resende Coast, Ritápolis, Crowns and Meadows,
Mineral Water from the Sierras and My People on Marked Boundaries,
Names and records of land and plowed land were kept.

_______________

68. A OBRA COMO DESEJO E (ARTE) FATO

Aos artistas de todo gênero e alcance social.
À multiarte que não se deixa capturar pela análise.


Ele está dentro!
Antes era uma folha branca convidativa:
Os primeiros traços vieram à tona.
Vai desenvolvendo como um embrião,
Na dinâmica da vida era só:
Desejo e sonho,
Utopia e perspectiva,
Ideal e semente,
Era só ele e eu,
Um nada e um ser.
Quem sabe?
Assim vi a barriga da obra avantajar-se:
Um pé ou uma mãozinha desvencilhar-se de mim
No ultrassom da imaginação, nos Raios-X da projeção...
Agora quer nascer e aparecer.
O parto de cada obra é único como um filho!
A Cesária de uma nova criança.
Mas, sua gestão pode durar a vida inteira;
Outro então parir...
Para alguns o tempo é longo e doloroso;
Para outros, é breve e rápido.
Desde que nasci, persigo esta Paideia:
A formação integral, heurística, gestáltika,
adâmica, do escritor-leitor,
Que não tem fim: uma obra dialoga com outros e provoca outras tantas...
O fim está no escritor?
O alvo no leitor?
E não na sua obra? E a obra fica eterna quando o escritor evaporou?
Que perdura
Para sempre, se possível for!
O suficiente para alentar utopias
E responder desafios e ampliar horizontes.


69. FUTURO DO MUNDO

Ao Augusto Cury e sua obra genial sobre a Inteligência de Jesus: O futuro da humanidade: a saga de Marco Polo.
Aos que sonham e lutam por um mundo ético e melhor, menos desigual, mais fraterno.
Mais sustentável,  mais ecologicamente disponibilizado. Mais verde e mais lugar para todos: todos nós e os animais.
Menos corrupto e mais saudavelmente administrado para o bem dos povos.

Corri dias... Chorei noites...
Busquei gente justa entre lampiões e esquinas.
Pensar sobre o futuro deste planeta azul e único... é urgente!
Estamos maltratando a vida por causa da ganância.
Esquecemos de colocar em dia nossa lição de casa.
A Terra é a nossa única morada! Nossa mãe, Gaia, nave arredondada espacial...
Parecia coisa de louco e esfaimado.
A epopeia cede à tragédia, rimos de nossa comédia.
O drama de vidas sem água, fome, guerras, racismos, corrupção, terrorismo,
Campos de refugiados, poluição, morte de peixes e baleias, quase fim da Amazônia...
Ruía o chão aos pés como um terremoto.
Sumia a presunção de um onipotente, bicho homem.
Novas portas se abrirão?
A realidade tão dura cederá aos desejos de paz?
Nunca se falou tanto da ecologia
E, no entanto, a vida é por de mais fugidia.
Como gestor da cultura da paz, da vida e do verde,
Desejo que pratiquemos
Tudo de bom
De que o planeta precisa
E a vida insiste
Teimosa em continuar,
Ternuroso em nos dar o alimento
E nos acolher na hora da morte. Amém.


______________

68. THE WORK AS I DESIRE AND (ART) FACT

Artists of all genres and social outreach.
The multiart that does not let itself be captured by analysis.

He is in!
Before it was an inviting white sheet:
The first traits came to the surface.
It develops like an embryo,
In the dynamics of life it was only:
Desire and dream,
Utopia and perspective,
Ideal and seed,
It was just him and me,
A nothingness and a being.
Who knows?
So I saw the belly of the work grow:
A foot or a little hand get rid of me
In the ultrasound of the imagination, in the X-rays of the projection ...
Now you want to be born and appear.
The birth of each work is unique as a child!
The Cesaria of a new child.
But, his management can last a lifetime;
Other then giving birth ...
For some the time is long and painful;
For others, it is brief and quick.
Since I was born, I pursue this Paideia:
The integral formation, heuristic, gestáltika,
adamic, writer-reader,
That there is no end: a work dialogues with others and causes others ...
The end is in the writer?
The target on the reader?
And not in his work? And is the work everlasting when the writer has evaporated?
That endures
Forever if possible!
Enough to encourage utopias
And respond to challenges and broaden horizons.

_____________

69. FUTURE OF THE WORLD

To Augusto Cury and his brilliant work on the Intelligence of Jesus: The future of humanity: the saga of Marco Polo.
To those who dream and fight for an ethical and better world, less unequal, more fraternal.
More sustainable, more ecologically available. Greener and more place for everyone: all of us and the animals.
Less corrupt and more healthfully administered for the good of the people.

I ran days ... I cried nights ...
I looked for fair people between lanterns and corners.
Thinking about the future of this blue and unique planet ... is urgent!
We are mistreating our lives because of greed.
We forgot to catch up on our homework.
The Earth is our only abode! Our mother, Gaia, space rounded ship ...
It seemed crazy and hungry.
The epic gives way to tragedy, we laugh at our comedy.
The drama of lives without water, hunger, wars, racism, corruption, terrorism,
Refugee camps, pollution, death of fish and whales, almost end of the Amazon ...
The earth beat like an earthquake.
The presumption of an omnipotent, man-animal, vanished.
Will new doors open?
Will reality so hard yield to the desires of peace?
Ecology has never been talked about so much
And yet, life is more fugitive.
As manager of the culture of peace, life and green,
I want us to practice
All the best
What the planet needs
And life insists
Stubborn to continue,
Tender in giving us food
And welcome us at the hour of death. Amen.

____________

70. POR FALAR EM PÁSSAROS (p. 60)

Aos meus amigos e conhecidos: meu voto de paz e reconhecimento.
Ao Sandim, Norma; Bezico e Tia Ceda; Roberto Matiolli e Luiza; Dona Belina; Cida Trindade, Célia e Neném; André Bortolazzo e a mãe Vera; Pe. Eduardo Benes e Irmãs do Seminário; Medina, Pimentinha, Lourdes; catequista Camélia; Pe. Teixeira; Dom Mesquita; tantos outros.
 “Um amigo fiel é um poderoso refúgio, quem o descobriu, descobriu um tesouro.” (Eclesiástico 6,14).


Caminho feliz e sozinho pelo campo
Entre as trilhas do gado e homens
Quase tampadas pelo capim a crescer
Parei e vi, admirei e senti
Pequenas florezinhas entre ramos e arrames;
Algumas avezinhas inquietas a emitir seus singelos tios,
Destacavam das flores singulares cores e estames.
Creio ser assim os amigos entre tantos;
 Alguns nos marcam tanto.



71. DIFERENTE PRESENTE (p. 60)


A todos os avós, nossa veneração e amor pela história e memória vivida e construída!
Ao respeito aos idosos, aos que envelhecem como direito de viver e conviver.

Na cadeira de balanço, vovó via um retrato.
Talvez saudade de um instante do passado.
Seu olhar, às vezes, ao longe fixava um ponto.
Eram momentos de meditação e recordação.

De repente, seu neto invadiu sua privacidade.
E tão depressa diluíram todas aquelas imagens.
Trouxe-lhe uma surpresa, um abraço e um presente.

Vendo a vovó tão sozinha naquele cantinho,
Disse coisas que só as crianças sabem dizer:
- Vovó, é tão bom ter você comigo,
É tão bom ter avó como você.
Só sei que pedirei a Deus para você
Também um avô.


72. HOJE CHOREI


Pela minha e nossa conversão.
Fim da corrupção e terrorismo, racismo.
Já à demarcação das terras indígenas e dos quilombolas.

Estava na fila da Loteria
Meu coração se inquietou
Com coisas da vida

Pensava na frágil existência
Chorava por não ter amado tanto
Chorava por ter tudo e não ser nada
Chorava por acreditar no amor
E amava tão pouco...

Vi-me como mendigo da vida
Errante caminheiro desta estrada
Pareço mais uma criança nascida
Para tudo de novo aprender
Para viver é mais eu ver,
É sentir muito mais, é maravilhar-se
Com cada coisa, com cada ser,
Com cada anoitecer, com cada flor e sofrer...

______________

70. BY TALKING ABOUT BIRDS (page 60)

To my friends and acquaintances: my vow of peace and recognition.
To Sandim, Norma; Bezico and Tia Ceda; Roberto Matiolli and Luiza; Mrs. Belina; Cida Trindade, Célia and Neném; André Bortolazzo and the mother Vera; Fr. Eduardo Benes and Sisters of the Seminary; Medina, Pimentinha, Lourdes; catechist Camellia; Fr. Teixeira; Dom Mesquita; so many others.
 "A faithful friend is a mighty refuge, he who has discovered it, has discovered a treasure" (Ecclesiasticus 6:14).


Happy and alone way through the countryside
Between the tracks of cattle and men
Almost capped by grass to grow
I stopped and saw, I admired and felt
Small flowers among branches and brambles;
A few restless little birds emitting their simple uncles,
They emphasized colors and stamens of the flowers.
I believe that the friends are among many;
 Some mark us so much.



71. DIFFERENT PRESENT (page 60)


To all the grandparents, our veneration and love for history and memory lived and built!
Respect for the elderly, for those who grow old as a right to live and live together.

In the rocking chair Grandma saw a portrait.
Maybe I miss a moment in the past.
His gaze sometimes, in the distance, fixed a point.
They were moments of meditation and memory.

Suddenly, his grandson invaded his privacy.
And they so quickly diluted all those images.
I brought you a surprise, a hug and a gift.

Seeing Grandma so alone in that little corner,
He said things that only children can say:
"Grandma, it's so good to have you with me,
It's so good to have a grandmother like you.
I only know that I will ask God for you.
Also a grandfather.


72. TODAY CHOREI


For my sake and our conversion.
End corruption and terrorism, racism.
Already the demarcation of the indigenous lands and the quilombolas.

I was in the lottery queue
My heart fretted
With things of life

I thought of the fragile existence
I cried for not having loved so much
I cried to have everything and to be nothing
I cried for believing in love
And she loved so little ...

I saw myself as a beggar of life.
Wandering walker of this road
I look more like a born child
For everything to learn again
To live is more I see,
It is to feel much more, it is to marvel
With each thing, with each being,
With each evening, with each flower and suffering...

_____________

73. AFRESCO E (CON/PRÉ) TEXTO


Aos que se dedicaram a essa obra.
Em especial
Ao meu pai Sebastião Pereira, in memoriam,
À minha mãe Maria das Mercês Nascimento Pereira, 80 anos,
Á minha esposa Maria do Carmo Trindade, meu amor imortal,
Ao meu doce e amado Filho Lucas Trindade Pereira,
Aos meus sobrinhos Paulo Augusto, arquiteto, Letícia, linda!
Ao poeta Sebastião Bemfica Milagre, in memória,
Ao Prof. Antônio Esteves de Faria, meu amigo,
Ao Prof. Adércio Simões Franco, esportista e nadador,
Dr. Simão Salomé de Oliveira (in memoriam),
À Maria do Carmo Mendes, pelo arquivo do escritor Sebastião B. Milagre,
Ao Carlos Antônio Lopes Corrêa pelos arquivos partilhados de sua pesquisa,
À Adélia Prado, poeta,
À Maria Inês e João Madeira  professores, CAIC,
À Vera Lucia S. Prado,
Ao músico Walter G. Caetano,
Ao prof. Luciano dos Santos, contista,
Ao Poeta João Carlos Ramos,
Ao Faber C. Barbosa,
Ao Jadir Vilela de Souza, poeta e sonetista,
Maria Aparecida Nogueira, in memoriam, declamadora em excelência,
Ao Augusto Fidelis
Aos Irmãos do Supermerado Josildo!
A todos meus professores desde o primário,
Universidades, lato-sensu, stritu sensu...
Aos amigos e professores do Seminário de Juiz de Fora.
Ao Sandim e Norma, Uberaba, MG,
Ao Roberto Matiolli e Luiza, São Pedro, SP,
Ao André Bortolezzo Correr, Piracicaba, SP.


AFRESCO E (CON/PRÉ) TEXTO

Os cristãos tinham seus afrescos e a Renascença fez jus a essa arte.
Nada tem sentido sem seu contexto.
Em cada texto, um contexto e um pré-texto.


São joias e alegrias preciosas a rolar dos artistas
E dos olhos de quantos contemplam a obra.
São palavras dadivosas a brotar do poeta
Qual minas vindas das profundezas dos oceanos e mares,
São minérios raros oriundos das cavernas
Qual água do deserto e das montanhas
Na minha poesia, tento pintar a palavra
Nas telas do coração da existência
Gravadas de cores da imaginação
Como o artista deseja dar cor à pintura
Monto meu afresco e mosaico
De estilos, formas e sentidos
Comovo-me vendo ventos a sobrar
E a brisa a tocar meu corpo todo.
À minha volta são êxtases e melodias,
Arquiteturas siderais, decorações cósmicas
Engenharias interiores iniludíveis
De uma tradição e evolução de um povo
A caminho de um sentido da história
Busca de memórias e compreender lacunas
Que vem a nos convidar novamente
À festa da vida diante das mortes
E das sutilezas do texto, contexto, do pretexto.


74. SENTIDOS À DERIVA

Aos filósofos que buscam a Verdade e a Vida;
Aos que buscam a Deus: fonte de vida e amor.
Aos que passam por crises!
Aos que estão em luto, fora de suas terras  e países,
Aos que estão em depressão e ansiedade.
Aos refugiados, migrantes e atormentados...


Noite adentro, sofro de insônia.
Dias inteiros somo sono e divisas.
São devaneios a mexer com meu coração,
São horas de insistente busca de emoção,
Delírio e choro, risos e recordações.
Cinzas e ressentimentos, medos e ilusões.
São saídas de um andarilho do tempo.
Andarilho dos sentidos em ebulição.
Parece uma adolescência sem fim.
Mistura de velhice e desejo corroendo em mim,
De argumentos cortando de muitos sentidos,
_______________

73. AFRESCO E (CON / PRÉ) TEXTO


To those who dedicated themselves to this work.
In particular
To my father Sebastião Pereira, in memoriam,
To my mother Maria das Mercês Nascimento Pereira, 80 years old,
To my wife Maria do Carmo Trindade, my immortal love,
To my sweet and beloved Son Lucas Trindade Pereira,
To my nephews, Paulo Augusto, architect, Letícia, beautiful!
To the poet Sebastião Bemfica Miracle, in memory,
To Prof. Antônio Esteves de Faria, my friend,
To Prof. Adércio Simões Franco, sportsman and swimmer,
Dr. Simão Salomé de Oliveira (in memoriam),
To Maria do Carmo Mendes, by the archive of the writer Sebastião B. Miracle,
To Carlos Antônio Lopes Corrêa for the shared archives of his research,
To Adélia Prado, a poet,
To Maria Inês and João Madeira professors, CAIC,
To Vera Lucia S. Prado,
To the musician Walter G. Caetano,
To prof. Luciano dos Santos, short story,
To the poet João Carlos Ramos,
To Faber C. Barbosa,
To Jadir Vilela de Souza, a poet and son-in-law,
Maria Aparecida Nogueira, in memoriam, declamer in excellence,
To Augusto Fidelis
To the Brothers of Supermerado Josildo!
To all my teachers since elementary school,
Universities, lato-sensu, stritu sensu ...
To the friends and teachers of the Seminary of Juiz de Fora.
Ao Sandim and Norma, Uberaba, MG,
To Roberto Matiolli and Luiza, São Pedro, SP,
To André Bortolezzo Correr, Piracicaba, SP.


AFRESCO E (WITH / PRÉ) TEXTO

The Christians had their frescoes and the Renaissance lived up to this art.
Nothing makes sense without its context.
In each text, a context and a pre-text.


They are jewels and precious joys to roll of the artists
And from the eyes of those who contemplate the work.
They are generous words to sprout from the poet
What mines from the depths of the oceans and seas,
They are rare ores from caves
What desert and mountain water
In my poetry, I try to paint the word
In the screens of the heart of existence
Engraved in colors of the imagination
How the artist wants to color the painting
I put up my fresco and mosaic
From styles, shapes and senses
I've been buying winds to spare
And the breeze touching my whole body.
Around me are ecstasies and melodies,
Sidereal architectures, cosmic decorations
Ineluctable interior engineering
From a tradition and evolution of a people
On the way to a sense of history
Search for memories and understand gaps
Come and invite us again
To the feast of life before the deaths
And the subtleties of the text, context, the pretext.

_______________

74. SENTIDOS À DERIVA

Aos filósofos que buscam a Verdade e a Vida;
Aos que buscam a Deus: fonte de vida e amor.
Aos que passam por crises!
Aos que estão em luto, fora de suas terras  e países,
Aos que estão em depressão e ansiedade.
Aos refugiados, migrantes e atormentados...


Noite adentro, sofro de insônia.
Dias inteiros somo sono e divisas.
São devaneios a mexer com meu coração,
São horas de insistente busca de emoção,
Delírio e choro, risos e recordações.
Cinzas e ressentimentos, medos e ilusões.
São saídas de um andarilho do tempo.
Andarilho dos sentidos em ebulição.
Parece uma adolescência sem fim.
Mistura de velhice e desejo corroendo em mim,
De argumentos cortando de muitos sentidos,

75. TELHADO DE VIDRO, de J B Pereira.

Concurso nacional pela Vivara Editora Nacional (20.01.2013)
atendimento@concursonovospoetas.com.br
POESIA LIVRE: CONCURSO NACIONAL NOVOS POETAS, ANTOLOGIA POÉTICA, Vivara, 2013. p. 164-5.


 Não jogues pedra, meu filho,
Pois podes precisar de teu vizinho
Nas horas avançadas da noite;
Mesmo se ele não for como tu
 E se ponto de vista acabrunhado
O irritar deveras e/ou por um instante.

Não tires pedra, minha filha,
Se tua colega se afastar de ti,
E comparar os vestidos e/ou
Alguma tecnologia se parecer
Melhor que a que dominas:
Hoje até as meninas brigam
Feio pelos meninos nem sempre
Aos nossos olhos, tão honestos
Ou dignos de amor... Mas, os acham
Tais e tais; isso a incomoda deveras.

Não lances a pedra de sua irritação
Diante da pregação de alguns pastores e padres,
Se não lhe pareçam tão profundas e santas;
Ninguém é santo e bom o suficiente,
senão o próprio Deus, cujo Filho penderam
à cruz, sinal de paradoxo e libertação.

Não emitas uma pedra ao telhado de vidro
Teu e de teu irmão e tua amiga e teus pais,
Teus educadores, se não for apenas para dizer
Que você se acha superior e atrair a atenção:
“Quem não tiver pecado atire a pedra, então...”

Das pedras, atiradas, poucas atingiram
O alvo: caíram ao chão como brasas – sinal de hipocrisia;
Covardia e egoísmo: Nem mesmo, uma só pedra
da parede permaneceu em pé..

Observe silente e cauteloso, filhos,
O alicerce está ocultado na terra,
Mas sustém o prédio e a casa que vemos:
Cultiva a paciência, deixe a Deus o julgamento,
Não és o dono da verdade e nem o juízo do mundo.

_______________

74. DERIVED DIRECTIONS

To philosophers who seek Truth and Life;
To those who seek God: source of life and love.
To those who have crises!
To those who are in mourning, outside their lands and countries,
To those who are depressed and anxious.
To the refugees, migrants and tormented ...


Night inside, I suffer from insomnia.
Whole days are sleep and foreign exchange.
They are daydreams to fiddle with my heart,
These are hours of insistent search for emotion,
Delirium and crying, laughter and memories.
Ashes and resentments, fears and illusions.
They are exits from a time wanderer.
Wanderer of the senses in boiling.
It seems like an endless adolescence.
Mixture of old age and desire eroding in me,
From cutting corners of many senses,

75. ROOF OF GLASS, by J B Pereira.

National competition by Vivara Editora Nacional (01/20/2013)
CONTACT US
FREE POETRY: NATIONAL NEW POET CONTEST, POETIC ANTHOLOGY, Vivara, 2013. p. 164-5.


 Do not play rock, my son,
Well, you may need your neighbor.
In the late hours of the night;
Even if he is not like you
 And if a point of view overwhelmed
The irritate really and / or for an instant.

Do not take stones, my daughter,
If your colleague moves away from you,
And compare the dresses and / or
Some technology looks like
Better than the one you master:
Even the girls fight today.
Ugly for boys not always
In our eyes, so honest
Or worthy of love ... But, they find
Such and such; it really bothers her.

Do not throw the stone out of your irritation
Before the preaching of some pastors and priests,
If it does not seem so deep and holy;
No one is holy and good enough,
but God himself, whose Son fell
to the cross, a sign of paradox and liberation.

Do not send a stone to the glass roof
Thine, and thy brother, and thy friend, and thy fathers,
Your educators, if not just to say
That you think you are superior and attract attention:
"Whoever has no sin cast the stone, then ..."

Of the stones, thrown, few reached
The target: they fell to the ground like embers - a sign of hypocrisy;
Cowardice and Selfishness: Not even a single stone
of the wall remained standing ..

Observe cautious and silent, children,
The foundation is hidden in the earth,
But it supports the building and the house we see:
Cultivate patience, let God judge,
You are not the owner of truth and not the judgment of the world.

__________

77. Ó MEU BOM JOSÉ, MINHA GRATIDÃO! (p. 63)

Ao meu santo onomástico, padroeiro da Igreja, HOMEM JUSTO.
Ao Papa Francisco, que reintroduziu na liturgia a invocação obrigatória do santo após o nome da Virgem Maria: São José, esposo da Virgem.
Pela cura de meu filho!
Pelas bênçãos ao meu lar.

Aos meus patrocinadores: SEMC, LEI DE INCENTIVO À CULTURA, SERFOR, ATALIBA LABO, JOSILDO, CRESCER-PODIUM, SLEP, DROGARIA BOM PASTOR, dentre outros.

Ao Deus Unidade e Trindade, agradeço,
Ao Nome Sublime e Puro de Jesus, louvor,
Peço proteção ao Justo José, meu protetor,
Estes poemas, à Sagrada Família, ofereço.

Se todo empecilho enfrenta, “Idea José”;
Eis o conselho sábio que dá as Escrituras.
José enxerga além do torto o direito de Javé,
José penetra os sonhos quais sinais das Alturas.

Já o Novo Testamento tem a história de outro José,
Filho de Davi, o qual assumirá o Jesus menino,
As Letras Sagradas contam-nos a narrativa de fé,
O Homem Justo  sonha, adota o próprio Divino.

E a Igreja nos recomenda esta linda devoção,
O terço das dores e alegrias de Pai Terreno,
Onde se reza sua vida e seu trabalho sereno,
Contentes, imitemos seu exemplo, de oração.

Dores e Alegrias são momentos análogos,
Aos pés da Cruz, São José não estava.
Morrera antes, depois de uma longa estrada.
Deduzidos de silêncios e avanços amargos.

Se o antigo povo tinha José qual referência,
Por ser honesto e temente ao todo Poderoso,
Recorde o Justo amando Jesus, Filho Bondoso,
O Novo Povo de Deus pede hoje sua diligência.

Não abandona o povo, nem Maria e Cristo,
O Anjo o ilumina no mistério da Encarnação,
O Carpinteiro prepara o Filho a sofrer todo risco,
Ser amparo, força e defesa do povo na opressão.

A inefável Providência digna conceder
A todos, São José, Intercessor junto a Deus,
Aquele que, na Terra, vive fiel aos seus,
Ensine-nos o bem e, ao Eterno Bem, merecer.

___________________

                                   BIBLIOGRAFIA

ANDRADE, Carlos Drummond. Antologia poética. Record, 1999.
A_DISSERTACAO_de_JOSE_JOAO_BOSCO_PEREIRA.pdf
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI PROGRAMA DE MESTRADO EM LETRAS JOSÉ JOÃO BOSCO PEREIRA SEBASTIÃO BEMFICA MILAGRE: UM LÍRICO DA MODERNIDADE EM DIVINÓPOLIS São João del-Rei, MG 2011. Disponível em: <http://www.ufsj.edu.br/portal2-repositorio/File/mestletras/A_DISSERTACAO_de_JOSE_JOAO_BOSCO_PEREIRA.pdf>. Acesso em: 22.07.2017.

BANDEIRA, Manuel. Libertinagem e estrela da manhã. Nova Fronteira, 1995.

BESSA, Pedro Pires, Sebastião Bemfica Miligre, O poeta de Divinópolis. Belo Horizonte: Imprensa Oficial do Estado de Minas Gerais, 2003, 156 p.

ESPÍNDOLA, Húdson. Cicatrizes do cotidiano. Uberaba, Editora Vitória, 1991.

FARIA, Antônio Esteves de. Pequena História de um Grande Amor. Divinópolis: Novo Rumo, 2005. 130 p.

FUNREI, VERTENTES, São João del-Rei: UFSJ, tipografia Assunção, 1989, Série 1., 89 p. (ciclo de Estudos – poema de Modesto de Paiva).
HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

JORNAL AGORA. Ao poeta Sebastião Bemfica. J B Pereira. Editorial. 23 de set.2004., p. 02.

LELOTTE, F. Convertidos do século XX. Rio de Janeiro, Agir, 1966.

LEMINSKI, Paulo. Distraídos venceremos. Brasiliense, 1995.
LUCAS, Fábio. Poesia e prosa no Brasil. Belo Horizonte, Interlivros, 1976.

MEIRELES, Cecília. Romanceiro da Inconfidência. Nova Fronteira, 1989.

PRADO, Adélia. Poesia reunida. Siciliano. 1991.

PICHIO, Luciana Stegagno. Os melhores poemas de Murilo Mendes. São Paulo: Global, 1997.

POESIA LIVRE: CONCURSO NACIONAL NOVOS POETAS -  ANTOLOGIA POÉTICA, Vivara, 2013. p. 164-5.

PEREIRA, José J. Bosco Pereira. MOMENTOS POÉTICOS. In.:Recanto das Letras. Disponível em: <http://www.recantodasletras.com.br>. Acesso em 22.07.2017.
REIS, Mauro N. dos. A corda: poemas. São João del-Rei: Funrei-UFSJ, 1992.

SANTOS, Luciano José dos et al. Colcha de retalhos. Divinópolis: Gráfica Sidil, 2001.

SOBRINHO, Antônio Gaio. No jardim da ilusão: São João del-Rei. Esdeva Gráfica de Juiz de Fora, 1994.

VIEGAS, Celina Amélia de Rezende. Poemas. Zás Gráfica de Juiz de Fora. 1989.


_______________

77. O MY GOOD JOSEPH, MY GRATITUDE! (page 63)

To my honorable saint, patron of the Church, JUST MAN.
To Pope Francisco, who reintroduced in the liturgy the obligatory invocation of the saint after the name of the Virgin Mary: Saint Joseph, husband of the Virgin.
For the healing of my son!
For the blessings of my home.

To my sponsors: SEMC, INCENTIVE LAW TO CULTURE, SERFOR, ATALIBA LABO, JOSILDO, CRESCER-PODIUM, SLEP, DROGARIA BOM PASTOR, among others.

To God Unity and Trinity, I thank you,
To the Sublime and Pure Name of Jesus, praise,
I ask for protection from Justo José, my protector,
These poems, to the Holy Family, I offer.

If every obstacle faces, "Idea José";
This is the wise counsel that gives the Scriptures.
Joseph sees beyond the crooked the right of Yahweh,
Joseph penetrates his dreams as signs of the heights.

The New Testament has the story of another Joseph,
Son of David, who shall take the child Jesus,
The Holy Letters tell us the narrative of faith,
The righteous man dreams, adopts the Divine himself.

And the Church commends us to this beautiful devotion,
The third of the pains and joys of Father Earth,
Where one prays his life and his serene work,
Gladly, let us imitate his example, of prayer.

Sorrows and joys are analogous moments,
At the foot of the Cross, St. Joseph was not.
He had died before, after a long road.
Deducted from silences and bitter advances.

If the old people had Joseph as their reference,
By being honest and fearful of the Almighty,
Remember the Just loving Jesus, Kind Son,
The New People of God asks his diligence today.

He does not abandon the people, neither Mary nor Christ,
The Angel illuminates him in the mystery of the Incarnation,
The Carpenter prepares the Son to take all risks,
To be the protection, strength and defense of the people in oppression.

The ineffable Providence worthy grant
To all, St. Joseph, Intercessor with God,
He who lives on earth faithful to his own,
Teach us the good and, to the Eternal Good, deserve.

J B PEREIRA

PIRACICABA, SP

17/02/2019

23:35

_______________

07/02/2019 22:26 - J B Pereira - 10 dicas para ser feliz com os outros e contigo. __

10 dicas filosóficas de seu pai ao viver COM O FILHO - J B PEREIRA

_Humildade e coragem fazem a diferença no coração de quem ama e persevera no bem, no amor, na paz interior.

 1. Oração e meditação. Leituras e bons costumes. Boas regras só são boas quando o coração é livre. 2. Seja você mesmo. Nunca se culpe por não ter dado certo depois de tanto e quanto tentar... Nunca desista de seu sonhar e viver - viver de verdade, pois ninguém o pode viver em seu lugar e do jeito que só você pode e sabe viver. Não significa que não possa ser bom, puro, sábio e ouvir os sábios e buscar sabedoria. Cultive o corpo, nunca desista de aprofundar os valores e os dons sublimes e sobrenaturais da alma - para os quais o homem se aproxima de Deus em nome de Jesus. 3. Não somos daqui. Nosso destino é além, mas não significa ignorar a nossa vida real e verdadeira. Seja honesto consigo mesmo. Ao orar, peça a serenidade, fortaleza e temperança em cada seu ver, julgar e agir e celebrar. 4. Felicidade: é processo com etapas e metas. Nunca ponto final. Nascemos para ser feliz... Ainda estamos a caminho, estamos sendo forjados na história com os outros, parceiros da viagem rumo ao futuro. 5. Só temos o presente para nos construir e viver - a vida é milagre de Deus. Fruto de uma aventura e cabe a cada um saber viver e saborear o eterno que existe em si e por si com e sem os outros.

17/02/2019 22:26 - J B Pereira
6. Leitura e cultura nunca são demais. Amigos sempre vivos e mortos: novos e velhos, uns se vão, outros vêm...Medalhas é ser de amigos: existimos de certo modo para ser com os outros e ser para os outros, sem deixar de sermos quem somos. 7. A vida sem amigos e triste e o poder é perigoso. Mas, vivemos sob o poder de alguém e algum lugar. Feliz de quem tem poder e sabe servir e ajudar os outros. É como ter a ponte que liga nações e a faca e o queijo na mão: nunca desperdice uma boa chance de crescer se continuar sendo bom e fazendo bem a si e aos outros. O poder é para governar. Líder é diferente de chefe. É difícil conciliar e ter os dois juntos na mesma e única pessoa. Nada impossível: porque senão não teríamos bons governantes e bons líderes... 8. Quantidade não é qualidade. Ter muito poder, muito carro, muito dinheiro, muita força, muita mulher, etc. não são sinais de que nos garantam a felicidade e qualidade de Vida. Padrão de vida não é qualidade de vida. 9. Veja os adolescentes que surpreenderam o mundo em: https://www.youtube.com/watch?v=OeWSEG2_SUo 10. O que não e pratica ou esquecemos ou guardamos o rudimento ou o essencial. Não sabemos tudo: aprendemos o que precisamos e o cérebro retem o que necessitamos para a vida prática e nos vislumbramos com mentes brilhantes a revelarem lições e conhecimentos extraordinários, o QI acima do normal?

_____________

SHAOLIN O ÁGUIA NEGRA 1974 (Dublado) Lei Cheng, Tong Lung - Filme Completo.
https://www.youtube.com/watch?v=OOMRkWLM0rQ
J B Pereira
Enviado por J B Pereira em 17/02/2019
Reeditado em 20/02/2019
Código do texto: T6577667
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
J B Pereira
Piracicaba - São Paulo - Brasil
2266 textos (1182678 leituras)
14 e-livros (84 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/09/19 21:34)
J B Pereira