Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PASSOS PARA ORAÇÃO E MEDITAÇÃO À LUZ DOS EXERCÍCIOS DE SANTO INÁCIO DE LOYOLA


Passos para a oração de meditação:

http://www.arquifln.org.br/sites/apostoladodaoracao/passos-para-a-oracao-de-meditacao/

[1] DISPOR-SE
Escolho um texto bíblico. Defino a duração da oração. Busco um lugar tranquilo e agradável que ajude a me concentrar. Encontro uma boa posição corporal.

[2] PREPARAR-SE
Faço silêncio interior e exterior. Respiro lentamente, suavemente. Tomo consiência de que estou na presença de Deus. Faço com devoção o sinal da cruz.

[3] SITUAR-SE
Peço a Deus Nosso Senhor para que todos os meus desejos, pensamentos e sentimentos estejam voltados unicamente para o seu louvor e serviço. Peço a Graça que verdadeiramente desejo receber de Deus.

[4] MEDITAR
Leio o texto devagar, saboreando as palavras que mais me “tocam”. Reflito por que esta frase, palavra, ideia me chama a atenção. Converso com Deus como um amigo: falo, escuto, peço, louvo, pergunto, silêncio, seguindo os sentimentos experimentados na oração.

[5] REVISAR
Recordo o meu encontro com Deus. Anoto o que foi mais importante na oração: o texto mais significativo (palavras, frases e imagens); os pensamentos predominantes; os sentimentos de consolação ou desolação; se houve apelos e como me senti diante deles.
____________

VIRGEM MARIA, AUXÍLIO DOS CRISTÃOS, ROGAI POR NÓS!

Deus abençoe você!

Sua vela foi acesa e sua mensagem foi enviada para a moderação antes de ser publicada.

Para visualizá-la em um próximo acesso

http://auxiliadoracampinas.org.br/vela-virtual
______________________

"Roteiro Básico dos Exercícios Diários"

http://domtotal.com/religiao-exercicios-espirituais.html

Para praticar os EEs, procure memorizar os cinco passos descritos abaixo, pois serão seguidos diariamente:

Primeiro Passo
Colocar-se na presença de Deus

Oração é diálogo! Nesse caso, diálogo com Deus! Por isso, é imprescindível para a oração firmar convicção de que efetivamente esse alguém está comigo, para me ouvir e me falar, para relacionar-se comigo como duas pessoas que convivem e partilham dons e bens. Sempre, ao iniciar a oração, dedique um tempo para tomar consciência da presença de Deus em sua vida, “aqui e agora”.

Segundo Passo
Pedir a Graça de Deus

Trata-se, neste momento, de apresentar a Deus o pedido da Graça que quero e desejo alcançar na oração. Dizer o que quero e desejo (e repetir isso várias vezes) fortalece a vontade e configura a mente e o afeto para acolher a vontade de Deus. Há um pedido próprio para cada fase dos exercícios. Conforme a dinâmica dos EEs, o pedido faz parte de uma pedagogia que nos possibilita um gradativo desenvolvimento espiritual. Contudo, é importante você formular este pedido com suas próprias palavras. O mesmo pedido deverá ser repetido em todos os Exercícios da semana.

Terceiro Passo
Meditar a Palavra de Deus

Feito o pedido, leia com atenção o texto bíblico proposto para o Exercício do dia. O que Deus está me dizendo através desta palavra? O que isso pode significar para mim, na situação em que vivo atualmente? Demorar-se na meditação do texto bíblico, sem pressa, permitindo que a Palavra de Deus ecoe no íntimo de seu ser e existir. Saboreie interiormente cada palavra, cada frase. Durante o dia, você poderá recordar e repetir diversas vezes a frase ou a palavra mais marcante do texto.

Quarto Passo
Fazer um Colóquio com Deus

Conclua sua oração com um “colóquio” com Deus, ou seja, como que conversando com Deus a respeito do seu momento de oração, fale a Ele o que você tem sentido. Numa relação de confiança e amizade autêntica, não tenha receio de manifestar a Deus os verdadeiros sentimentos e pensamentos que o presente Exercício Espiritual suscitou em você. As “moções do Espírito” são instrumentos pelos quais Deus age no mais íntimo do ser humano.

Quinto Passo
Anotar

Concluído o Exercício, procure anotar em seu diário espiritual as percepções mais significativas da oração. O que mais me marcou interiormente? Que sentimentos, moções ou percepções a oração suscitou em mim? você fizer no final de cada Exercício será matéria para a orientação espiritual.

III - Orientação

1ª) Em cada semana você deverá repetir os mesmos passos, mudando, apenas o texto bíblico da meditação. Contudo, se em determinado Exercício o texto despertou em você moções significativas, livremente, você poderá retomá-lo em outros momentos.

2ª) No domingo, você deverá fazer uma espécie de “repetição” dos momentos mais significativos dos exercícios da semana que passou. Como o domingo é dia de celebrar com a Comunidade Eclesial, você poderá tomar como matéria de sua oração um dos trechos bíblicos da liturgia dominical. Esse texto você poderá tirá-lo deste mesmo site (cf. “Liturgia Diária”).

3ª) As orientações que aparecem no final do roteiro diário devem ser lidas fora do momento da oração. Como em todos os textos, você deve se deter na reflexão dessas orientações somente se houver aí alguma contribuição para o momento que você estiver vivendo e para o êxito da caminhada.

4ª) Santo Inácio de Loyola nos chama atenção para a generosidade, uma atitude imprescindível para o sucesso dos Exercícios Espirituais: “muito aproveita entrar neles com grande ânimo e generosidade para com seu Criador e Senhor. Ofereça-lhe todo seu querer e liberdade, para que Deus se sirva, conforme Sua vontade, tanto de sua pessoa, como de tudo o que tem” (EEs, 5ª Anotação). Essa atitude de generosidade possibilita a você viver a comunicação com Deus numa relação de dom total. Pois, segundo Santo Inácio, amor é a partilha de dons e bens entre as pessoas que se amam.

A você que se dispõe a esta caminhada espiritual, o dom total deseja pleno êxito! Entre em contato conosco, comunicando-nos sua decisão. Envie-nos seus comentários e sugestões:

contato@domtotal.com.

_______________________

EXERCÍCIOS ESPIRITUAIS
FOI COMPOSTO NA EDITORIAL A. O. – BRAGA
E IMPRESSO NA ENCANOR – LOMAR – BRAGA
PARA A LIVRARIA A. I.
NO MÊS DE JUNHO DO ANO DA GRAÇA DE 1999

No esquema diário, portanto, pode-se seguir o escalonamento ordinário da oração nos três passos habituais: (p. 88)

http://www.raggionline.com/saggi/scritti/pt/exercicios.pdf

1º «contemplação» de cada mistério do dia;  A «contemplação para alcançar amor»
2º «repetição» das moções do Espírito aí sentidas;
3º «aplicação de sentidos» final. Como na Paixão
... que se teve em toda a semana da Paixão (quanto a intenção, tópicos e colóquios), como em repetições, cinco sentidos, encurtar ou alongar mistérios, etc.

ALMA DE CRISTO
Alma de Cristo santificai-me
Corpo de Cristo salvai-me
Sangue de Cristo inebriai-me
Água do lado de Cristo lavai-me
Paixão de Cristo confortai-me
Ó Bom Jesus ouvi-me
Nas vossas chagas escondei-me
Não permitais que me separe de Vós
Do inimigo maligno defendei-me
Na hora da minha morte chamai-me
E mandai-me ir para Vós
Para que vos louve com os vossos Santos
Por todos os séculos dos séculos. Amen.

________________

SANTO INÁCIO DE LOIOLA   1491 – 1556

EXERCÍCIOS ESPIRITUAIS
Tradução do autógrafo

Tradução do autógrafo espanhol
Tradução por Vital Cordeiro Dias Pereira, S.J.

Organização e Notas por F. de Sales Baptista, S.J.

3ª edição

LIVRARIA A. I. – BRAGA
.
TEXTO ORIGINAL
Aprovação Pontifícia

http://pt.scribd.com/doc/17711972/Exercicios-Espirituais-de-Santo-Ignacio-de-Loyola-14911556

----

 O fim dos Exercícios é abrir as pessoas à Vontade divina (EE 1,3-4). Para isso é fundamental,
logo à partida, saber: 1) quais são os projectos que essa Vontade divina tem connosco; 2) a aliança
providencial de meios que nos oferece para isso; 3) as condições de liberdade interior necessárias
para saber tirar partido de meios tão sedutores uns e desagradáveis outros; e até de generosidade
para escolher unicamente o que mais ajude para o fim que se pretende.
É isso que resume esta página fundamental, que Santo Inácio propõe a longa consideração
antes de passar a quaisquer outros «exercícios». Para compreender melhor o texto, convém
acrescentar algumas observações.
– «O HOMEM É CRIADO»: «é», no presente, porque a criação é um acto contínuo (Cf. EE
235; 39,6; cf. Act.17,27-28). Sobre o amor que isso significa, Cf. EE 234,1-2; 235,1-2. Cf. também
motivo da criação em S.Tomás. O acto criador, tratando-se de pessoas, é um acto mais amoroso do
que o próprio acto gerador humano (Cf. Gen. 1,26-31).
– «PARA LOUVAR, PRESTAR REVERÊN CIA E SERVIR A DEUS NOSSO SENHOR» :
Santo Inácio exprime o fim do homem em termos de virtude da religião e não de virtude da
caridade como o faz o primeiro Mandamento da Lei. Ambas as maneiras são bíblicas, teológicas e
supõem-se uma à outra (Cf. 1Cor 13,3; STh.,II-II,82,ad 1 et 2; 81-91). Esta perspectiva de relações
com Deus Criador é uma repercussão, a nível de Princípio e Fundamento, das relações de
vassalagem da parábola do Rei temporal (EE 91-98) que foi o núcleo irradiante dos Exercícios e de
80.
toda a espiritualidade inaciana. A espiritualidade beneditina também polariza o fim do homem nesse
louvor, reverência e serviço. Simplesmente, ela, numa linha contemplativa, fazendo corte ao Senhor
com todo o esplendor do louvor, reverência e serviço litúrgicos; a inaciana, numa linha activa,
servindo Sua Divina Majestade nos combates do Reino.
Também se poderia exprimir a frase em forma passiva, como sugere Santo Ireneu: o homem
criado é «a glória viva, a veneração viva, o serviço vivo de Deus Criador»; e, nesse caso
transpareceria melhor o amor com que Deus o criou.
–«E, MEDIANTE ISTO, SALVAR A SUA ALMA»: a relação de vassalagem inclui, na
mentalidade daquele tempo, uma aliança de família alargada entre o Senhor e o vassalo. Cria uma
forte solidariedade social e cumplicidade de interesses. Na criação, não se trata, portanto, dum
projecto de Deus sobre nós, mas connosco. É um projecto comum, em que Ele e nós ganhamos. É
uma aliança. Realizando a glória de Deus realizamos a nossa.
–«E AS OUTRAS COISAS SOBRE A FACE DA TERRA», subentenda-se, como adiante:
saúde ou doença, etc.
–«SÃO CRIADAS»: ou permitidas, se são más (doença, desonra,etc.)
–«PARA O AJUDAREM NA PROSSECU ÇÃO DO FIM PARA QUE É CRIADO»: sendo
de aliança o projecto, Deus também se compromete. E, sendo d’Ele a Vontade e a proposta, Ele é
até o principal comprometido com toda esta abundância providencial de meios.
– «DONDE SE SEGUE QUE O HOMEM TANTO HÁ-DE USAR DELAS, QUANTO O AJU
DEM PARA O SEU FIM, E TANTO DEVE PRI VAR-SE DELAS, QUANTO DISSO O
IMPEÇAM»: quer sejam agradáveis quer desagradáveis (saúde ou doença, etc....)
–«PELO QUE, É NECESSÁRIO FAZERMO- -NOS INDIFERENTES A TODAS AS
COISAS CRIADAS»: subentenda-se, de novo: saúde ou doença, etc., como adiante.
– «EM TUDO O QUE É CONCEDIDO À LIBERDADE DO NOSSO LIVRE ARBÍTRIO
(=LI VRE CAPACIDADE DE ESCOLHA) E NÃO LHE ESTÁ PROIBIDO»: no contraste de
coisas, sedutoras umas e desagradáveis outras, é que se sente a necessidade desta indiferença ou
liberdade interior. É na criação deste estado de alma, livre e aberto a tudo o que for providência, que
está a maior graça desta consideração.
–«DE TAL MANEIRA QUE, DA NOSSA PARTE, NÃO QUEIRAMOS MAIS SAÚDE
QUE DOENÇA, RIQUEZA QUE POBREZA, HONRA QUE DESHONRA, VIDA LONGA QUE
BREVE, E ASSIM POR DIANTE EM TUDO O MAIS»: convém enumerar mais alternativas reais
e concretas da nossa vida, que estejam a bloquear a nossa liberdade interior e a nossa abertura a tirar
partido delas. Tudo o que na nossa história pessoal ainda não foi assumido, aproveitado e integrado
no nosso crescimento.
–«SOMENTE DESEJANDO E ESCOLHENDO O QUE MAIS NOS CONDUZ AO FIM
PARA QUE FOMOS CRIADOS»: da nossa parte, desejar e escolher até o que mais ajuda, custe ou
não custe. É o que dá maior dinamismo à vida espiritual (Cf. EE 5).

_____________

A PRIMEIRA CONTEMPLAÇÃO É DA ENCARNAÇÃO.

A SEGUNDA CONTEMPLAÇÃO É DO NASCIMENTO

 CONTEMPLAÇÃO A APRESENTAÇÃO NO TEMPLO
e a FUGA COMO EM DESTERRO PARA O EGITO

MEDITAÇÃO [DA PARÁBOLA] DE DUAS BANDEIRAS, uma, a de Cristo, sumo capitão e Senhor nosso, outra, a de Lúcifer, mortal inimigo da nossa natureza humana.

CONTEMPLAÇÃO SOBRE A PARTIDA DE CRISTO NOSSO SENHOR DESDE NAZARÉ AO RIO JORDÃO, E COMO FOI BATIZADO

CONTEMPLAÇÃO COMO CRISTO NOSSO SENHOR FOI DESDE O RIO JORDÃO AO DESERTO.

COMO SANTO ANDRÉ E OUTROS SEGUIRAM A CRISTO NOSSO SENHOR

O SERMÃO DA MONTANHA, QUE É SOBRE AS OITO BEM-AVENTURANÇAS

COMO CRISTO NOSSO SENHOR APARECEU AOS SEUS DISCÍPULOS SOBRE AS ONDAS DO MAR

COMO O SENHOR PREGAVA NO TEMPLO

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO

O DIA DE RAMOS

A CONTEMPLAÇÃO DA PAIXÃO PASSO A PASSO

A CONTEMPLAÇÃO DA PAIXÃO PASSO A PASSO

SEGUNDA CONTEMPLAÇÃO, pela manhã, será DESDE A CEIA AO HORTO

DESDE O HORTO À CASA DE ANÁS INCLUSIVE [291]; e,
de manhã, DA CASA DE ANÁS À CASA DE CAIFÁS

DE CASA DE CAIFÁS A PILATOS INCLUSIVE [293], e, de
manhã, DE PILATOS A HERODES

Dia, à meia-noite, DE HERODES A PILATOS [295], fazendo a contemplação dos mistérios até metade dos da mesma casa de Pilatos;

OS OUTROS MISTÉRIOS QUE FICARAM DA MESMA CASA, e as REPETIÇÕES e [a APLICAÇÃO DE] SENTIDOS.

Quinto Dia, à meia-noite, DA CASA DE PILATOS ATÉ SER PREGADO NA CRUZ [296], e, de manhã, DESDE QUE FOI LEVANTADO NA CRUZ ATÉ QUE EXPIROU [297]; depois, as duas REPETIÇÕES e [a APLICAÇÃO DE] SENTIDOS [204].

Sexto Dia, à meia-noite, DESDE O DESCIMENTO DA CRUZ ATÉ AO SEPULCRO

INCLUSIVE [298]; e, de manhã, DESDE O SEPULCRO INCLUSIVE ATÉ À CASA PARA ONDE NOSSA SENHORA FOI, depois de sepultado seu Filho. CONTEMPLAÇÃO DE TODA A PAIXÃO

ACHEGAS PARA A «REFORMA» DE VIDA

CONTEMPLAÇÃO DA RESSURREIÇÃO APARIÇÃO POR APARIÇÃO]

PRIMEIRA CONTEMPLAÇÃO(26), COMO CRISTO NOSSO SENHOR APARECEU A NOSSA SENHORA

 CONTEMPLAÇÃO GLOBAL EM CHAVE DE AMOR

Contemplação para alcançar amor

Nota: primeiro, convém atender a duas coisas.
A primeira é que o amor se deve pôr mais nas obras que nas palavras.

MISTÉRIOS DA VIDA DE CRISTO

ANUNCIAÇÃO A NOSSA SENHORA.
Escreve São Lucas no capítulo primeiro, 26-38
[Lc 1,28.31/ 36/ 38]

1VISITAÇÃO DE NOSSA SENHORA A ISABEL.
Diz São Lucas no capítulo primeiro, 39-56
[Lc 1,41-42/ 46-55/ 56]

1NASCIMENTO DE CRISTO NOSSO SENHOR.
Diz São Lucas no capítulo segundo, 1-14
[Lc 2,4-5/ 7/ 13-14]
2
Primeiro. Nª. Senhora e seu esposo José vão de Nazaré a Belém: «Subiu José, de Galileia a Belém,
para reconhecer sujeição a César, com Maria, sua esposa e mulher já grávida».

Segundo. «Deu à luz seu Filho primogénito e envolveu-o com panos e pô-lo no presépio».

Terceiro. «Apareceu uma multidão do exército celestial que dizia: Glória a Deus nas alturas».

OS PASTORES.

Escreve São Lucas no capítulo segundo, 15-20
[Lc 2, 10-11/ 16/ 20]

Primeiro. O nascimento de Cristo nosso Senhor manifesta-se aos pastores pelo anjo: «Anuncio-vos
uma grande alegria, porque hoje nasceu o Salvador do mundo».

Segundo. Os pastores vão a Belém: «Vieram com pressa e acharam Maria, José e o Menino posto
no presépio».

Terceiro. «Regressaram os pastores, glorificando e louvando ao Senhor».

A CIRCUNCISÃO.
Escreve São Lucas no capítulo segundo,21
[Lc 2, 21]

Primeiro. Circuncidaram o Menino Jesus.

Segundo. «Foi-lhe posto o nome de Jesus, como lhe tinha chamado o Anjo, antes que fosse concebido no ventre materno».

Terceiro. Restituem o Menino a sua Mãe que sentia compaixão pelo sangue que de seu filho saía.

OS TRÊS REIS MAGOS.
Escreve São Mateus no capítulo segundo, 1-12
[Mt 2,2b/ 11bc/ 12]

PURIFICAÇÃO DE NOSSA SENHORA E APRESENTAÇÃO DO MENINO JESUS.

Escreve São Lucas no capítulo segundo,21-40
[Lc 2,22-24/ 27-29/ 38]

Primeiro. Rerazem o Menino Jesus ao templo, para ser apresentado ao Senhor como primogênito, e oferecem por ele «um par de rolas ou dois pombinhos».

Segundo. Simeão, vindo ao Templo, «tomou-o em seus braços», dizendo: «Agora, Senhor, deixa
[partir] o teu servo em paz».

Terceiro. Ana, «vindo depois, aclamava o Senhor e falava dele a todos os que esperavam a
redenção de Israel».

A FUGA PARA O EGIPTO.
Escreve São Mateus no capítulo segundo, 13-18
[Mt 2,16.13/ 14/ 15a]
1COMO CRISTO NOSSO SENHOR VOLTOU DO EGIPTO.
Escreve São Mateus no capítulo segundo, 19-23
[Mt 2,19b-20a / 21/ 22-23]

Primeiro. O anjo avisa José para que volte a Israel: «Levanta-te e toma o Menino e sua Mãe e vai para a terra de Israel».
Segundo. Levantando-se, veio para a terra de Israel.

Terceiro. Porque Arquelau, filho de Herodes, reinava na Judeia, retirou-se para Nazaré.

A VIDA DE CRISTO NOSSO SENHOR DESDE OS DOZE ANOS ATÉ AOS TRINTA.
Escreve São Lucas no capítulo segundo, 50-52
[Lc 2,51-52/ Mc 6, 2b-3]

Primeiro. Era obediente a seus pais. «Progredia em sabedoria, idade e graça».

Segundo. Parece que exercia a arte de carpinteiro, como parece indicar S. Marcos no capítulo sexto: «Porventura não é este o carpinteiro?».

A VINDA DE CRISTO AO TEMPLO, QUANDO TINHA 12 ANOS.
Escreve São Lucas no capítulo segundo, 41-50
[Lc 2,42/ 43b/ 46,48,49b]

COMO CRISTO FOI BAPTIZADO.

Escreve São Mateus no capítulo terceiro,13-17
[Mc 1,9a -Mt 3,13/ Mc 1,9b-Mt 3,14-15/
Mt 3,16-17-Mc 1,10-11]

Primeiro. Cristo, nosso Senhor, depois de haver-se despedido de sua bendita Mãe, veio desde
Nazaré ao rio Jordão, onde estava S. João Baptista.

Segundo. S. João baptizou a Cristo nosso Senhor, e querendo-se escusar, reputando-se indigno de o baptizar, disse-lhe Cristo:
 « - Faz isto, por agora, porque assim é necessário que cumpramos toda a justiça.».

Terceiro. «- Veio o Espirito Santo e a voz do Pai desde o céu, afirmando: «Este é meu Filho amado, do qual estou muito satisfeito».


COMO CRISTO FOI TENTADO.
Escreve São Lucas no capítulo quarto,1-13
e Mateus no capítulo quarto, 1-11    [Lc 4,1-2b-Mt 4,1-2a
/ Lc 4,3-Mt 4,6.9/ Mt 4,11b]

O CHAMAMENTO DOS APÓSTOLOS.
[Vita Christi/ Jo 1,43– Mt 9,9/ Vita Christi]

O PRIMEIRO MILAGRE [DE JESUS] REALIZADO NAS BODAS DE CANÁ [DA] GALILEIA.
Escreve São João no capítulo segundo, 1-12
[Jo 2,2/ 3.5/ 7-8.11]

Primeiro. Foi convidado Cristo nosso Senhor com seus discípulos para as bodas.

Segundo. A Mãe declara ao Filho a falta de vinho, dizendo: «não têm vinho»; e mandou aos serventes :
«- Fazei tudo o que ele vos disser».

Terceiro. «Converteu a água em vinho, e manifestou a sua glória, e creram nele seus discípulos».

COMO CRISTO LANÇOU FORA DO TEMPLO OS QUE VENDIAM.
Escreve São João no capítulo segundo, 13-25
[Jo 2,15a / 15b/ 16]

O SERMÃO QUE FEZ CRISTO NO MONTE.
Escreve São Mateus no capítulo quinto, 1-48
[Mt 5,3-6.8-10/ Mt 5,16/
Mt 5,17.21.27.33.34-lc 6,27]

COMO CRISTO NOSSO SENHOR FEZ ACALMAR A TEMPESTADE DO MAR.
Escreve São Mateus no capítulo oitavo, 23-27
[Mt 8,24/ 25-26a / 26b-27]

Primeiro. Estando Cristo nosso Senhor dormindo no mar, levantou-se uma grande tempestade.

Segundo. Atemorizados, despertaram-no os seus discípulos, aos quais repreende, pela pouca fé que tinham, dizendo-lhes: «- Porque temeis, homens de pouca fé?»

Terceiro. Mandou aos ventos e ao mar que acalmassem e, assim, acalmando, se fez o mar tranquilo, do que se maravilharam os homens, dizendo: «- Quem é este a quem o vento e o mar obedecem?»
280 – 1COMO CRISTO ANDAVA SOBRE O MAR.
Escreve São Mateus no capítulo 14, 24-33
[Mt 14, 22-23/ 24-26/ 27-32]


COMO OS APÓSTOLOS FORAM ENVIADOS A PREGAR.
Escreve São Mateus no capítulo décimo, 1-15
[Mt 10,1/ 16/ 8c-9.7]

Primeiro. Chama Cristo a seus amados discípulos e dá-lhes poder de expulsar os demônios dos corpos humanos e curar todas as enfermidades.

Segundo. Ensina-lhes a prudência e a paciência:
« - Olhai que vos envio como ovelhas para o meio de lobos; portanto, sede prudentes como serpentes e simples como pombas».

Terceiro. Ensina-lhes o modo como hão de ir: «Não queirais possuir ouro nem prata; o que recebestes gratuitamente, dai-o gratuitamente». E deu-lhes a matéria da pregação: «Quando fordes, pregareis, dizendo: Já está próximo o reino dos céus».

A CONVERSÃO DA MADALENA.
Escreve São Lucas no capítulo sétimo, 36-50
[Lc 7,37/ 38/ 39ss.47.50]

COMO CRISTO NOSSO SENHOR DEU DE COMER A CINCO MIL HOMENS.
Escreve São Mateus no capítulo 14, 13-23
[Mt 14,15/ 18-19/ 20]

Primeiro. Os discípulos, como já se fizesse tarde, rogam a Cristo que despeça a multidão de
homens que com ele estavam.

Segundo. Cristo, nosso Senhor, mandou que lhe trouxessem pães, e ordenou que se sentassem à
mesa, e abençoou e partiu e deu a seus discípulos os pães, e os discípulos à multidão.

Terceiro. «Comeram e fartaram-se e sobraram doze cestos».

A TRANSFIGURAÇÃO DE CRISTO.
Escreve São Mateus no capítulo 17, 1-13
[Mt 17,1-2/ 3/ 4-9]

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO.
João, capítulo 11,1-44
[Jo 11,3-4/ 25/ 35.41-42.43]

Primeiro. Marta e Maria fazem saber, a Cristo nosso Senhor, a enfermidade de Lázaro. Depois de o
ter sabido, deteve-se [Jesus] ainda dois dias, para que o milagre fosse mais evidente.

Segundo. Antes de o ressuscitar, pede a uma e a outra que creiam, dizendo: «Eu sou a ressurreição
e a vida. O que crê em mim, ainda que esteja morto, viverá».

Terceiro. Ressuscita-o, depois de ter chorado e feito oração; e a maneira de o ressuscitar foi
ordenando: «Lázaro, vem para fora».

A CEIA EM BETÂNIA.
Mateus, capítulo 26
[Mt 26,6-Jo 12,1/ Mt 26,7/ Jo 12,4-Mt 26,8.10]

Primeiro. O Senhor ceia em casa de Simão, o leproso, junta mente com Lázaro.

Segundo. Maria derrama o perfume sobre a cabeça de Cristo.

Terceiro. Judas murmura, dizendo: «Para quê este desperdício de perfume ?" Mas Jesus defende, outra vez, Madalena, dizendo: «Porque molestais esta mulher por ela Ter feito uma boa obra para
comigo ? ».

287 – 1DOMINGO DE RAMOS.
Mateus, capítulo 21,1-11
[Mt 21,2-3 / 7 / 8-9]

A PREGAÇÃO NO TEMPLO.
Lucas, capítulo 19
[Vita Christi, Liturgia, Mc 11,11b-19; Mt 21,17;
Lc 19,47; 21,37]

Primeiro. Estava, cada dia, ensinando no templo.

Segundo. Acabada a pregação, porque não havia quem o recebesse em Jerusalém, voltava a Betânia.

A CEIA.
Mateus 26, João 13,1-17
[Mt 26,21; Mc 14,18/ Jo 13,1-15/
Jo 13,1b; Mt 26,26-28; Jo 13,27]

MISTÉRIOS PASSADOS DESDE A CEIA ATÉ AO HORTO INCLUSIVE.
Mateus, capítulo 26 e Marcos, capítulo 14
[Mt 26,30.36; Mc 14, 26.32 /
Mt 26,37.39b; Lc 22,44 /
Mt 26,38; Mc 14,34; Lc 22,44]

MISTÉRIOS PASSADOS DESDE O HORTO ATÉ A CASA DE ANÁS

Mateus, 26; Lucas 22; Marcos,15
[Mt 26,49.55; Mc 14,45.48-49; Jo 18,4-6 /
Jo 18,10-11a
; Mt 26,52; Lc 22,51 /
Mt 26,56; Mc 14,50; Jo 18,13.17.22]

MISTÉRIOS PASSADOS DESDE A CASA DE ANÁS ATÉ À CASA DE CAIFÁS
[Jo 18,24.26-27; Lc 22,61-62 / – /
Lc 22,63-64; Mt 26,67,68; Mc 14,65;
Lc 22,64-65]

Primeiro. Levam-no atado desde a casa de Anás à casa de Caifás, onde S. Pedro o negou duas vezes e, olhado pelo Senhor, saiu para fora e chorou amargamente.

Segundo. Esteve Jesus, toda aquela noite, atado.

Terceiro. Além disso, os que o tinham preso bur lavam dele, e batiam-lhe, e cobriam-lhe a cara, e davam-lhe bofetadas, e perguntavam-lhe: «Profetiza-nos quem é o que te bateu». E blasfemavam contra ele, dizendo coisas semelhantes.

MISTÉRIOS PASSADOS DESDE A CASA DE CAIFÁS ATÉ À DE PILATOS

Mateus, 26; Lucas, 23; Marcos, 15
[Lc 23,1; Mt 27,2; Lc 23,2 / Jo 18,38b; Lc 23,4 /
Jo 18,40]

1MISTÉRIOS PASSADOS DESDE A CASA DE PILATOS ATÉ À DE HERODES.
[Lc 23,7 / 8-10 / 11]

Primeiro. Pilatos enviou Jesus, galileu, a Herodes, tetrarca da Galileia

Segundo. Herodes, curioso, interrogou-o longamente; e ele nenhuma coisa lhe respondia, ainda que
os escribas e os sacerdotes o acusavam constantemente.

Terceiro. Herodes, com a sua guarda, desprezou-o, vestindo-o com uma veste branca.

MISTÉRIOS PASSADOS DESDE A CASA DE HERODES À DE PILATOS.
Mateus, 26; Lucas, 23; Marcos, 15; João, 19
[Lc 23,11b-12 / Jo 19,1-3 / Jo 19,5-6a]

Primeiro. Herodes torna-o a enviar a Pilatos, pelo que se fizeram amigos, pois antes eram inimigos.

Segundo. Tomou Pilatos a Jesus e açoitou-o; e os soldados fizeram uma coroa de espinhos e puseram-lha sobre a cabeça e vestiram-no de púrpura e aproximavam-se dele e diziam:
« - Deus te salve, rei dos Judeus»; e davam-lhe bofetadas.

Terceiro. Trouxe-o para fora à presença de todos: «Saiu pois Jesus fora, coroado de espinhos e vestido de púrpura. E disse-lhes Pilatos: "Eis aqui o homem». E, logo que o viram, os Pontífices davam
gritos, dizendo: «Crucifica-O, crucifica-O».

MISTÉRIOS PASSADOS DESDE A CASA DE PILATOS ATÉ À CRUZ
João 19
[Jo 19,13-16a
 / Mt 27,32; Mc 15,21; Lc 22,26 /
Lc 23,33b; Jo 19,18.19]

MISTÉRIOS PASSADOS NA CRUZ.

João, 19, 23-27
[Lc 23,34.43; Jo 19,26-27.28; Mc 15,34;

Mt 27,46; Jo 19,30; Lc 23,46; Mt 27,51-52;
Mc 15,38; Lc 23,45 / Mt 27,51-52 /

Mt 27,39-40-Mc 15,33-36; Jo 19,23-24-Mt 27,35; Jo 19,34]

Primeiro. Disse sete palavras na cruz: 3Rogou pelos que o crucificavam; perdoou ao ladrão; encomendou a S. João a sua Mãe, e à Mãe a S. João; disse com voz alta:
«- Tenho sede», e deram-lhe fel e vinagre; disse que estava desamparado; disse:
«- Tudo está consumado»; disse: 4
« - Pai em tuas encomendo o meu espírito».

Segundo. O sol ficou escurecido, as pedras quebradas, as sepulturas abertas, o véu do templo rasgado em duas partes de cima abaixo.

Terceiro. Blasfemavam contra ele, dizendo:
« - Tu que destróis o templo de Deus, baixa da cruz»; foram divididos os seus vestidos; ferido com a lança o seu lado, manou água e sangue.

MISTÉRIOS PASSADOS DESDE A CRUZ ATÉ AO SEPULCRO
No mesmo capítulo
[Jo 19,38-39 / Jo 19,40-42 / Mt 27,65-66]

Primeiro. Foi tirado da cruz por José e Nicodemos, em presença de sua Mãe dolorosa.

Segundo. Foi levado o corpo ao sepulcro e ungido e sepultado.

Terceiro. Foram postos guardas.

A RESSURREIÇÃO DE CRISTO NOSSO SENHOR. SUA PRIMEIRA APARIÇÃO.
[Vita Christi]


SEGUNDA APARIÇÃO.

Marcos, capítulo 16, 1-11
[Vita Christi ; Mc 16,1-3 / Mc 16,4.6b /
 Mc 16,9-Jo 20,11-18]

Primeiro. Vão, muito de manhã, Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago e Salomé ao sepulcro, dizendo: «Quem nos levantará a pedra da porta do sepulcro?»

Segundo. Vêem a pedra levantada e o anjo que diz: «Buscais Jesus de Nazaré; já ressuscitou, não está aqui».

Terceiro. Apareceu a Maria que ficou perto do sepulcro, depois de idas as outras.

TERCEIRA APARIÇÃO.

São Mateus, último capítulo
 [Vita Christi; Mt 28,8 / Mt 28,9 / Mt 28,10]

Primeiro. Saem as Marias do sepulcro, com temor e grande gozo, querendo anunciar aos discípulos
a ressurreição do Senhor.

Segundo. Cristo nosso Senhor apareceu-lhes, no caminho, dizendo-lhes: «Deus vos salve»; e elas aproximaram-se, prostraram-se a seus pés e adoraram-no.

Terceiro. Jesus disse-lhes: «Não temais, ide e dizei a meus irmãos que vão para a Galileia, porque ali me verão».

QUARTA APARIÇÃO.
Lucas, último capítulo
 [Vita Christi; Lc 24,9-12.34; Jo 20,1-10]

Primeiro. Tendo ouvido das mulheres que Cristo estava ressuscitado, foi S. Pedro depressa ao sepulcro.

Segundo. Entrando no sepulcro, viu só os panos com que fora coberto o corpo de Cristo nosso Senhor, e mais nada.

Terceiro. Pensando S. Pedro nestas coisas, apareceu-lhe Cristo e por isso os apóstolos diziam:
«Verdadeiramente o Senhor ressuscitou, e apareceu a Simão».

303 – 1QUINTA APARIÇÃO.
No último capítulo de São Lucas
[Vita Christi; Lc 24,13-24 / 25-26 / 29-33.35]

SEXTA APARIÇÃO.
João, capítulo 20
[Vita Christi; cf. Lc 24,33ss / Jo 20,19 / 22-23]

Primeiro. Os discípulos estavam reunidos «por medo dos Judeus», excepto Tomé.

Segundo. Apareceu-lhes Jesus, estando as portas fechadas; e, estando no meio deles, disse: «A paz esteja convosco».

Terceiro. Dá-lhes o Espírito Santo, dizendo-lhes: «Recebei o Espírito Santo; àqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados».

SÉTIMA APARIÇÃO.
João, 20,24-29
[Vita Christi; Jo 20,24-25 / 26-27 / 28-29]

Primeiro. São Tomé, incrédulo, porque estava ausente na aparição precedente, disse: «Se não o vir não acreditarei».

Segundo. Aparece-lhes Jesus, daí a oito dias, estando as portas fechadas, e diz a S. Tomé: «Coloca aqui o teu dedo e vê a verdade, e não queiras ser incrédulo, mas fiel».

Terceiro. S. Tomé acreditou, dizendo: «Meu Senhor e meu Deus». Disse-lhe Cristo: «Bem- aventurados os que não viram e creram».

OITAVA APARIÇÃO.
João, último capítulo
[Vita Christi; Jo 21,1-6 / 7 / 9-10.12-13.15-17]

NONA APARIÇÃO.
Mateus, último capítulo
[Vita Christi; Mt 28,16 / 17.18 / 19]


DÉCIMA APARIÇÃO.
Primeira epístola aos Coríntios, capítulo 15,6
[1Cor 15,6a]

«Depois foi visto por mais de quinhentos irmãos juntos».

UNDÉCIMA APARIÇÃO.
Primeira epístola aos Coríntios, capítulo 15,7
[1Cor 15,7a]

«Apareceu depois a São Tiago».

DUODÉCIMA APARIÇÃO.
[Vita Christi]

Apareceu a José de Arimateia, como piamente se medita e se lê na vida dos Santos.

DÉCIMA TERCEIRA APARIÇÃO.
Primeira epístola aos Coríntios, capítulo 15,8
[1Cor 15,8/ Credo / 1Cor 15,7]

Apareceu a S. Paulo, depois da Ascensão: «Finalmente apareceu-me a mim como a um aborto».

Apareceu também em alma aos Santos Padres do Limbo; e, depois de os ter de lá tirado, e tornado a tomar o seu corpo, apareceu, muitas vezes, aos discípulos e conversava com eles.

ASCENSÃO DE CRISTO NOSSO SENHOR.
Actos, 1,1-12
[Vita Christi; Act 1,3-4-Lc 24,49 /
Lc 24,50-Act 1,9 / Act 1,10,11]

REGRAS PARA VÁRIOS DISCERNIMENTOS

Regras para de alguma maneira sentir e conhecer as várias moções que se causam na alma: as boas para as aceitar e as más para as rejeitar, e são mais próprias para a Primeira Semana.

Primeira Regra. Nas pessoas que vão de pecado mortal em pecado mortal, costuma ordinariamente o inimigo propor-lhes prazeres aparentes, fazendo-lhes imaginar deleitações e prazeres sensuais,
para mais as conservar e fazer crescer em seus vícios e pecados.

Com estas pessoas o bom espírito usa um modo contrário: punge-lhes e remorde-lhes a consciência pelo instinto da razão.

 Regras para o mesmo efeito com maior discernimento de espíritos,
e são mais convenientes para a Segunda Semana

Primeira [regra]. É próprio de Deus e dos seus anjos, em suas moções, dar verdadeira alegria e gozo espiritual, tirando toda a tristeza e perturbação que o inimigo suscita.

Deste é próprio lutar contra a alegria e consolação espiritual, apresentando razões aparentes, subtilezas e contínuas
falácias.

Segunda [regra]. Só a Deus nosso Senhor pertence dar consolação à alma sem causa precedente. Porque é próprio do Criador entrar, sair, produzir moção na alma, trazendo-a toda ao amor de sua divina majestade. 2 Digo: sem causa, [isto é], sem nenhum prévio sentimento ou conhecimento de algum objecto pelo qual venha essa consolação, mediante seus atos de entendimento e vontade.

 No ministério de distribuir esmolas, devem-se guardar as regras seguintes

Assim, no estado matrimonial, temos o exemplo de S. Joaquim e S. Ana que dividiam os seus bens em três partes, 6 a primeira davam aos pobres, a segunda ao ministério e serviço do templo, e tomavam a terceira para sustento de si mesmos e de sua família.

Sétima [regra]. Pelas razões já expostas e por muitas outras, é sempre melhor e mais seguro, no que se refere às despesas pessoais e domésticas, 2 restringir e reduzir, o mais possível, e conformar-se quanto puder com o nosso Sumo Pontífice, modelo e regra nossa, que é Cristo nosso
Senhor.

As Notas seguintes ajudam a discernir e compreender os escrúpulos
e as insinuações do nosso inimigo

S. Gregório: «É próprio das almas boas ver falta onde não há nenhuma».  S. Bernardo responder ao inimigo: «nem o comecei por ti, nem por ti o acabarei».

... o inimigo, quando vê que não a pode fazer cair em coisa que pareça pecado, procura fazê-la imaginar pecado onde não há pecado, como, por exemplo, numa palavra ou pensamento sem importância.

Se a alma é grosseira, o inimigo procura engrossá-la mais, por exemplo: se antes não fazia caso dos pecados veniais, procurará que faça pouco dos mortais, e se algum caso fazia antes, procurará que muito menos ou nenhum faça agora.

Para o verdadeiro sentido que devemos ter na igreja militante,
guardem-se as regras seguintes:

Obedecer em tudo à verdadeira Esposa de Cristo, nosso Senhor, que é a nossa santa Mãe a Igreja hierárquica.
 
Louvar a assistência frequente à missa, e igualmente cantos, salmos e
longas orações, na igreja e fora dela; 2 e também a determinação de horas destinadas para todo o ofício divino e para toda a oração e todas as horas canônicas.

Louvar a vida religiosa, a virgindade e a continência e o matrimônio como nenhuma destas.

Louvar as relíquias dos Santos, venerando-as a elas e rezando-lhes a eles. Louvar estações, peregrinações, indulgências, jubileus, bulas da cruzada e velas acesas nas igrejas.

[Sétima regra]. Louvar constituições sobre jejuns e abstinências, como as da quaresma, das quatro têmporas, vigílias, sexta e sábado; e também as penitências, não somente internas, mas também externas.

[Oitava regra]. Louvar os ornamentos e os edifícios das igrejas e também as imagens e venerá-las pelo que representam.

[Nona regra]. Louvar finalmente todos os preceitos da Igreja, tendo prontidão de espírito para buscar razões para os defender, e, de modo nenhum para os criticar.


__________

"Para a segunda semana, e também daqui por diante, muito aproveita ler, por breves momentos, os livros da Imitação de Cristo ou dos Evangelhos e de vidas de santos. (p. 25)

"Minha vontade é conquistar todo o mundo e todos os inimigos, e assim entrar na glória de meu Pai; portanto, quem quiser vir comigo,
há-de trabalhar comigo, para que seguindo-me na pena, me siga também na glória." (p. 24)

"Eterno Senhor de todas as coisas, eu faço a minha oblação, com vosso favor e ajuda, diante da vossa infinita bondade, e diante da vossa Mãe gloriosa e de todos os santos e santas da corte celestial, que eu quero e desejo e é minha determinação deliberada, contanto que seja vosso maior serviço e louvor, imitar-vos em passar todas as injúrias e todo o desprezo e toda a pobreza, assim atual como espiritual, se Vossa Santíssima Majestade me quiser escolher e receber em tal vida e
estado.  (p. 25)
 
Tomai, Senhor, e recebei toda a minha liberdade, a minha memória, o meu entendimento e toda a minha vontade, tudo o que tenho e possuo; 5Vós mo destes; a Vós, Senhor, o restituo. Tudo é vosso, disponde de tudo, à vossa inteira vontade. Dai-me o vosso amor e graça, que esta me basta.

http://www.raggionline.com/saggi/scritti/pt/exercicios.pdf

PARA SE VENCER A SI MESMO E ORDENAR A SUA VIDA SEM SE DETERMINAR POR AFEIÇÃO ALGUMA QUE SEJA DESORDENADA.

22 – Pressuposto

Para que tanto o que dá os Exercícios Espirituais, como o que os recebe, mais se ajudem e aproveitem, se há de pressupor que todo o bom cristão deve estar mais pronto a salvar a proposição do próximo que a condená-la; se a não pode salvar, inquira como a entende, e, se a entende mal, corrija-o com amor; e se não basta, busque todos os meios convenientes, para que, entendendo-a bem, se salve.

Princípio e Fundamento

O homem é criado para louvar, prestar reverência e servir a Deus nosso Senhor e, mediante isto, salvar a sua alma; e as outras coisas sobre a face da terra são criadas para o homem, para que o ajudem a conseguir o fim para que é criado.

Donde se segue que o homem tanto há-de usar delas quanto o ajudam para o seu fim, e tanto deve deixar-se delas, quanto disso o impedem.

Pelo que, é necessário fazer-nos indiferentes a todas as coisas criadas, em tudo o que é concedido à liberdade do nosso livre arbítrio, e não lhe está proibido; de tal maneira que, da nossa parte, não queiramos mais saúde que doença, riqueza que pobreza, honra que desonra, vida longa que vida curta, e consequentemente em tudo o mais; mas somente desejemos e escolhamos o que mais nos conduz para o fim para que somos criados.

Exame Particular(6) e quotidiano. Compreende três tempos e examinar-se duas vezes

Primeiro tempo. Pela manhã, logo ao levantar, deve propor guardar-se, com diligência, daquele
pecado particular ou defeito que se quer corrigir e emendar.

Segundo tempo. Depois da refeição do meio-dia, pedir a Deus nosso Senhor o que se quer, a saber, graça para se recordar de quantas vezes caiu naquele pecado particular ou defeito e para se emendar no futuro. Em seguida, faça o primeiro exame, pedindo conta à sua alma daquele ponto particular proposto de que se quer corrigir e emendar...

Terceiro tempo. Depois da refeição da noite, fará o segundo exame...

Exame Geral de Consciência(7) para se purificare para melhor se confessar
[a) Elementos de discernimento]

Pressuponho haver em mim três pensamentos, a saber: um que é propriamente meu, que sai da
minha pura liberdade e querer; 3
e outros dois que vêm de fora: um que vem do bom espírito e o
outro do mau.

PENSAMENTOS.
Há duas maneiras de merecer no mau pensamento que vem de fora.

Primeira, vem, por exemplo, um pensamento de cometer um pecado mortal. Resisto-lhe prontamente, e fica vencido.


PALAVRAS.
Não jurar, nem pelo Criador nem pela criatura, a não ser com verdade, necessidade e reverência.

MODO DE FAZER O EXAME GERAL.

Consta de cinco pontos

O Primeiro ponto é dar graças a Deus nosso Senhor pelos benefícios recebidos.

Segundo, pedir graça para conhecer os pecados, e libertar-se deles.

Terceiro, pedir conta à alma, desde a hora em que se levantou até ao exame presente, hora por hora ou período por período, primeiro, dos pensamentos, depois das palavras, e depois das obras, pela
mesma ordem que se disse no exame particular [25].

Quarto, pedir perdão, a Deus nosso Senhor, das faltas.

Quinto, propor emenda, com sua graça.

Pai Nosso

Confissão Geral com a Comunhão

Na confissão geral, para quem voluntariamente a quiser fazer, entre outros muitos proveitos, se
acharão três, fazendo-a aqui.

Primeiro. Embora quem se confessa cada ano não esteja obrigado a fazer confissão geral, fazendo-a, terá maior proveito e mérito, pela maior dor atual de todos os pecados e faltas deliberadas de
toda a sua vida.

Segundo. Como nos exercícios espirituais se conhecem mais interiormente os pecados e a malícia deles que no tempo em que se não dava assim às coisas interiores; alcançando agora mais
conhecimento e dor deles, terá maior proveito e mérito do que antes teria.

Terceiro. É que, consequentemente, estando mais bem confessado e disposto, se acha mais apto e mais preparado para receber o Santíssimo Sacramento; cuja recepção ajuda não somente a não cair em pecado, mas ainda a conservar-se em aumento de graça.

Esta confissão geral se fará melhor imediatamente depois dos exercícios da primeira semana.

 (...)

Primeiro preâmbulo, a composição, é aqui ver, com a vista da imaginação, o comprimento, largura e profundidade do inferno.

Segundo [preâmbulo], pedir o quero: será aqui pedir interno sentimento da pena que padecem os condenados, 5 para que, se do amor do Senhor eterno me esquecer, por minhas faltas, ao menos o temor das penas me ajude a não cair em pecado.

A Primeira adição é: depois de deitado, antes de adormecer, pensar, por espaço de uma Ave-Maria, a que hora tenho de me levantar e para quê, resumindo o exercício que tenho de fazer.


http://www.raggionline.com/saggi/scritti/pt/exercicios.pdf
_____________

VOCABULÁRIO
Indicam-se os números marginais e respectivos versículos
A
Aborrecimento – dos meus pecados+, da desordem das minhas operações+, do mundo+ : três
graças em que culmina a contemplação do pecado nas «repetições» da primeira semana, 63; supõe
«conhecimento+ interno» do pecado, da desordem e do mundo, 63; que se obtém só por
«consolação» ou moção do Espírito, 62,2; e por súplica, 63; são graças necessárias para a «primeira
maneira de humildade» (165,2) que marca a viragem decisiva para a salvação ou 1ª conversão: a
conversão do pecado à graça (165,1). Cf. aborrecer (63,2.3.4; 278,4; 348,1);
Abreviar – as «semanas»: 4,7; segundo o fruto+, 4,5; 162,1.3; 209,4; 226,5; ou o empenho, 4,6; ou
a provação, 4,6; — o número de horas de oração : na I «semana»+,72,2; na II,129; na III,205; na
IV,227,1; em razão da idade, 18,1; 72,2; 129,1; 205; da debilidade, 129; ou da compleição, 18,2; ou
do temperamento, 72,2; 205; ou da disposição, 72,2; 205; 213,3; (cf.18,1.3; 20,10; 44,7; 135,6;
213,2-3; 252,1; 335,4; 327,2); cf. encurtar (4,7; 12,3; 226,5); acabar (4,8; 52,3; 61,1; 71,4; 77,1;
209,3.6; 237,2; 243,1; 254,2; 256,1; 257,1); capacidade do «sujeito» (14,5; 15,2; 18,8; 83,2; 89,3);
condição (14,2); descansadamente (18,2); leve (13,1; 18,9); alongar+
Abstinência — a prescrita pela Igreja: deve cumprir- -se, mesmo em tempo de IV «semana», se
não houver justo impedimento 229,5; e deve louvar-se, 359,1; — a voluntária: ajuda para discernir
a justa medida da temperança, 210-213; dispõe para receber inspirações e consolações divinas,
213,2. Cf. temperança +; penitência +;
Acções – atitudes ou comportamentos exteriores, contrapostos a intenções+ íntimas e a
«operações»+ espirituais: 46,1; cf.1,2; graça para que «sejam puramente ordenadas para serviço e
louvor de sua divina majestade» na oração, 46; Cf. actos (3,1.2; 37,1; 330,2; 340,2); — diferentes de
obras materiais: cf. obras +;
Achar – o que busca, deseja ou quer: 1,4; 2,2; 4,5; 11,2; 14,5; 44,2; 73,1; 76,2-3; 87,3; 89,1; 130,4;
133,1; 150,2; 153,1; 252,1.2; 254,1-2; cf. alcançar (11,2; 44,6; 63,1.5; 147,1.4; 168,1; 213,1; 230,1;
248,2; 370,2);
Ad amorem – método de oração ou «trato de amizade» entre Deus e o homem, mais por obras que
por palavras: 230,2; 231,1.2; pode revestir os mais diversos graus de mútua correspondência, 234,3-
5; 235,3; Cf amor +; oblação +;
Adições aos preâmbulos — da oração: «acrescentos» de ambientação remota aos «preâmbulos» da
entrada imediata na oração : para a I «semana», 73-90; para a II, 130-131; para a III, 206-207; para a
IV; 229; importância, 6,3; 19,7; 90,1; 130,6; 160,1; 207,1; 239,1.2; 244,2; 246,2; 250,1; 258,2; Cf.
abstinência +; claridade (79; 130; 229); comodidades (229); despertar (74; 130; 206; 229); dormir
(73; 267; 279); penitência +; preâmbulos +; — do exame particular, 27-30.
Afeições – a si próprio e às coisas criadas: a. ordenadas, quando segundo as orientações do
Princípio e Fundamento (23); a. desordenadas, quando contra essas orientações ; os exercícios são
para «preparar e dispor a alma para tirar de si todas as a. desordenadas e, depois de tiradas, buscar e
achar a vontade divina na disposição da sua vida para a salvação da alma», 1,3-4; 21,1; como
ordená-las, 16,1-6; 150,2; 155,1-4; 157,1-3; 169,4-7; 172,1-2; 174,1-2; 179,1-3; 342,1-3; Cf. apetite
(212; 216; 217; 310); cadeias (74,3; 142,1); carnal (97,2; 85; 86,1; 157,2; 172,5; 173,1); carne
(157,2; 172,5; 173,1); inclinar (15,5; 16,2; 179,2; 182,1; 333,1; 342,1); namorado (326,1); obedecer
(87,2; 165,1); ordenar +; quitar ou tirar (1,3.4; 23,4; 27,1; 83,1.2; 84,1.2.3; 90,1; 150,2; 153,1;
154,1; 155,1; 166,2; 213,1; 217,1; 315,3; 329,1; 333,3; 342,3; 369,1); sensual (35,2; 87,2; 89,3;
97,2; 182,2; 314,1); — a. à verdadeira doutrina de Cristo: 164; «tanto se aproveitará em todas as
coisas espirituais, quanto sair do seu amor próprio, querer e interesse» (189,10; 16,3) cf. afectar
(3,1; 16,2.3.4; 18,6; 97,1; 164,1; 166,1; 179,2; 229,2; 234,3); afecto (50,6; 60,1; 153,1; 154,1;
155,1; 157,1.2; 234,2; 363,1); afeiçoar (338,1; 342,1);
92.
Agitações – inquietude de variedade de inspirações e pensamentos: 17,2; 317,2; 320,1; cf. agitar
(4,6; 6,1; 17,3; 177,3); alaridos (67); ânsia (76); estrepito (335,5); inquietar (315,2; 333,3);
inquietude (317,2; 335,2); provar (4,6; 322,2; 342,2); vários espíritos+
Alegria – por motivação psicológica: 78,1; 206,4; 229,2.3; — por moção de Dom: em forma de
consolação espiritual, que «não depende de nós fazer vir ou conservar»: 316,4; 329,1; graça a
intentar e pedir nas contemplações da Ressurreição da IV «semana», 221,1. Cf. consolação+
Alongar – as «semanas» ou etapas dos EE: 4,7; 162,1.2; 209,1; 226,5; Cf. abreviar+; longo (19,8;
23,6; 166,1; 202,1; 294,3; 355,1; 369,1);
Amor – sensual: 89,3; 97,2; 189,10 — espiritual: por acto de consolação+ ou dom: 316,1.3; 15,4;
322,3; 330,1; cf. lágrimas +; por acto de virtude ou esforço «com auxílio divino que sempre nos
fica, embora claramente se não sinta»: 320,2; cf. 22,3; 65,5; 150,1; 184,2.3; 317,3; 338,2.3; 370,1.3;
em que consiste e como se mostra, 230-231; amor e temor filial, 370; o espírito de amor nos
exercícios, 53; 61; 65,5; 71; 97; 104; 113; 114; 155; 167; 184; 221; — no trato de amizade com
Deus: contemplação para alcançar amor, 230 – 237; cf. afeição +; amante (231,1); amar (104,1;
231,1; 233,1; 273,4; 278,2.4; 281,2; 282,4; 284,2.4; 316,2; 338,3; 363,1); amigo (20,2.6; 54,1;
146,1; 224,1; 338,1); caridade+; carnal (97,2); comunicar (231,1; 15,3; 54,2); dar (43,2; 61,1; 71,3;
77,3; 191,2; 231,1.2; 234,2.3.5; 235,1.2; 236,2; 238,3; 274,3; 281,4; 283,1; 289,4; 292,4; 295,3;
297,4; 304,4; 306,4; 307,3; 315,3; 330,1; 336,2; 338,2; 342,3; 343,2; 344,6); fruto (60,3; 236,2;
263,4); misericórdia (18,7; 61,1; 71,4; 237,1); oblação +; obras+
Ânimo – alma: 12,2; 216,1; 353,1; 361; cf. alma (79 vezes); — valentia ou entusiasmo: 5,1; 7,2;
315,3; 325,2.3.4.6; cf. animar (235,2); forças (7,2; 16,2; 155,3; 195,2; 213,3; 315,3; 323,1; 324,2;
325,1; 327,2); liberalidade (5,1; 94,1);
Anjo – Bom: 58,2; 60,2; 102,3; 106,4; 107,3; 108,3; 232,1; 262,2-4; 265,2 266,3; 269,2; 270,2;
274,4; 300,3; 312,4; 329,1; 331,1-3; 333,1; 335,1.4 – Mau: 50,1; 50,3-4; 331,1-3; 332,1; 335,4; Cf.
adversário (13,2); besta (325,7); capitão (327,2); caudilho (138,2; 139,1; 140,1; 327,1.2); demónio
(141,1; 281,2); espíritos+; inimigo (7,2; 8,1; 10,2; 12,3; 135,5; 136,1; 138,2; 140; 217,3; 314,1;
320,1; 324,2; 325,1.4.5.7; 326,4; 327,3; 329,1; 333,4; 334,1; 345,1; 347,2; 349,1.3.4; 350, 1.2.3);
lúcifer (136,1; 137,1; 138,2);
Anotações – notas de orientação, tanto para o director, 1; 2; 4; 6-10; 14; 15; 17-19; como para o
exercitante, 3; 5; 11-13; 16; 20; completadas por «notas» ao longo dos exercícios e «regras», cf.
director+; exercitante+; regras+ ;
Aplicação de sentidos — método de oração pelos cinco sentidos imaginativos ou espirituais, 65-
70; 121-126: supõe, sempre, que o tema de oração já foi primeiro «meditado» ou «contemplado» e,
às vezes, demoradamente «repetido» nas suas moções ou interpelações espirituais, 62-64; 118-121;
128; 133-134; 159; 204,2-3; 208-209; 226,5; 227,3. — O método é tanto mais perfeito, quanto mais
espirituais forem as coisas sentidas, 124,1; e quanto maior for o proveito espiritual tirado de cada
sentido aplicado, 122-125; por isso, a aplicação de cada sentido deve visar não só o gosto espiritual
mas sempre o «proveito espiritual» a tirar daí, 122-125; modo de os purificar para isso, 238,3; 247-
248 Cf. divindade (124,1; 196; 223); fruto +; proveito +; resumo +; virtude (2,3; 124,1; 199,2;
257,1; 363,5); imaginação+; sentidos+
Atributos – cf. bondade (20,10; 52,3; 59,2; 98,1; 151,1; 157,3; 237,1); justiça (59,2; 60,2; 237,1;
273,3); omnipotência (59,2); sabedoria (59,2); infinito (52,3; 89,5; 98,1; 124,1; 237,1; misericórdia
(18,7; 61,1; 71,4; 237,1); piedade (71,4; 237,1);
Autoridades – Cf. jerárquica (170,2; 353,1; 365,1); governar (189,7; 214,3; 365,2.3); maiores
(351,1; 362,1.3.4); superiores (42,2.3);
93.
B
Bandeiras – parábola de introdução ao discernimento de apelos: 136-147; momento oportuno de a
meditar, 135,5; façam-se dela duas «meditações»+ e duas «repetições»+, 148; graça a intentar e
pedir em todas, 139; graças desta graça da «vida verdadeira» de Cristo, a concretizar em colóquios
solenes e insistentes, 147 (cf. 148; 156; 157; 159,3; 199,4-5; 225); sua importância para «a Segunda
e mais perfeita humildade», 166,1-2, que marca a viragem para a santidade ou 2ª conversão: a
conversão do simples estado de graça à vida de «perfeição em qualquer estado ou vida», 135,6; (Cf.
139,2; 147,1-5; 157,1-3; 96-98; 10,2). Cf. campos (51,3; 138,1.2; 327,1); castelos (91; 327)
Baptismo – de Cristo (158; 273); dos cristãos (307)
Binários – parábola de avaliação da indiferença+: 149-156; ligação à parábola das Bandeiras, 149;
156-157; graça a intentar e pedir, 152; insistência nas graças dos colóquios solenes, 156-157.
Buscar – cf. 1,4; 4,5.7; 11,2; 15,3; 16,3; 20,8; 22,4; 76,1; 87,3; 189,9; 291,3; 300,3; 361. Cf. achar
+; demandar +; desejo+; estorvar (127); estorvo (14); querer (cf. vontade+);
C
Cânticos – salmos, etc.: devem louvar-se, 355,1; cf. cantar (263,5; 290,2);
Caridade – forma de consolação ou «fruto do Espírito»: quando intensa ou crescida, 316,4; 320,3; —
simples virtude sem consolação: 368,2; cf. 320,3; amor+
Carne – corporal: 85; 86,1; carnal: 97,2;157,2; 172,5; 173,1
Causa – 16,6; 42,4; 77,2; 322,1; 330,1-2; 331,1; 335,4; 336,1; 338,3. Cf. causar (86,2; 313,1;
316,1); moção+
Chamamento – de Cristo: 91,1.4; 95,2.3; 137,1; 146; 275,1; não lhe ser surdo, 91,4; cf. atrair
(175,2; 316,4); chamar (95,3; 137,1; 275,2.5-6.8; 281,2; 316,4; 343,1); oblação+; responder (94,1;
351,3); vir (32,3; 93,2; 95,5; 142,2; 154,1; 169,6; 285,4; 347,1; 351,2); vocação+; — do mundo+ ou
demónio: 137,1; 141-142; conhecer-lhe os enganos, 139,1
Cheirar – na aplicação de sentidos: «cheirar e gostar com o olfato e com o gosto», «reflectindo em
si mesmo e tirando proveito disso», 124; «a suavidade da divindade, da alma, das virtudes...», 124,1;
334,3; «fumo e enxofre» no inferno, 68,1; cf. 140,1; 334; anélito (258,4; 260,4)
Colóquios na oração – como se fazem: 54; 199; requerem maior reverência que a reflexão, 3,2.3;
terminam a oração (45; 53; 55; 62; 65; 101; 109; 117; 118; 126;147, 156; 190; 198; 204,1; 237,2;
244,4; 246,2); — alguns colóquios especiais: 53; 61; 71; 97-98; 234; cf. 183; 188; — colóquios a
pedir graças decisivas: 63; 64,2; 147; 148,2; 156-157; 159,3; 164,3; 168; 199,4-5; — colóquios
alternativos: 199,4-5; 225; Cf. falar (3,2; 54,1; 109,1; 268,4; 284,3; 297,3);
Comer e beber – Regras de temperança e dignidade, 210-217: elemento da «Reforma» ou projecto
de santidade dentro de qualquer estado de vida (cf 189). Cf. abstinência+; beber (93,2); comer (51,4;
79,1; 93,2; 191,2; 283,1.4; 289,2; 306,4) ; jejum (229,5; 274,2; 359,1); penitência+; temperança+
Composição de lugar – modo de prender a imaginação ao assunto; como se faz: 47,1-4; algumas
em especial, 47; 91,3; 103,1; 112,1; 138,1; 151,1; 192,1-2; 202,1; 220,1; 232. Cf. lugar (56,2; 75,1;
112,2; 125,1; 141,2; 144,1; 252,1); largura (65; 112); caminho (112; 202; 287); imaginação+
Comunhão – «comunhão solene» de conversão: 44,1.7-8; — anual: 354,1; — frequente: 18,6;
19,3; 42,3; 44,7; 354,1. Cf. comungar (303,4); eucaristia+; sacramento (18,6; 19,3; 42,3; 44,7;
209,2);
Confissão – anual obrigatória, 44,3; 354; modos de a preparar, 18,4-7.8-10; 19,1-7; 238-248; —
frequente recomendada, 18,6.10; 19,3; 32,1; 42,3; 354,1; — geral de conversão, ou devoção 44;
fruto dos exercícios da primeira semana, 44,2-6.9; 24-71. Cf. confessar (18,9.10; 32,1; 42,3);
confessor (326,5); contrição+; emenda+; penitência+; perdão (43,6; 241,2; 282,4; 297,3; 304,4;
358,1);
94.
Confusão – de me sentir um privilegiado da misericórdia de Deus: 48; graça a intentar e pedir na I
«semana», 48,4-5; — porque por meus pecados vai o Senhor à Paixão: 193,1; graça a intentar e
pedir na III «semana», 193,1; Cf. confundir (50,2; 74,1.2); corte (74,2; 98,1); encadear (74,3.4);
exclamação (60,1); vergonha+
Conhecimento – 44,6; 63,4; 118,3; 139,1-2; 176,1; 322,3; 330,2; — interno: dos meus pecados
(63,2); do Senhor (104,1); de tanto bem recebido (233,1); Cf. claridade (176); interno+; intenso;
ilucidar+ — interior: 44,5; 316,1; conhecer (8,2; 14,2; 20; 43,3; 89,5; 130,2; 151,1; 240,1; 245,1;
303,4; 306,3; 313,1; 326,5; 334,1; 339,1); experiência (176,1; 334,4); interno (2,5; 44,5; 65,4; 82,2;
87,3; 203,1; 213,2; 316,4; 322,3; 359,1); notícia (170,1; 213,2; 275,2; 322,3); sentir+
Consolação – 6,1.4; 7,2; 8,1; 13,1; 62,2; 89,1; 118,3; 176; 213,2; 252,2; 254,1; 315,3; 316,1.4;
317,4; 318,1.2; 322,1-4; 323; 324,1; 329,2; 330,1-2; 336,1-3; Cf. consolar (14,1; 199,2; 224; 321,2;
324,1; 331,1); — noção: moção interior ou interpelação «que não depende de nós fazer vir ou
conservar... mas que tudo é Dom», 322,3; fruto de «graça intensa» ou Dom do Espírito Santo e não
de esforço de pura virtude (322,3); difere da graça actual ordinária que é um «auxilio divino que
sempre nos fica ainda que claramente o não sintamos», 320,2-3; cf. amigo (224,1); — modalidades:
316; cf. ânimo+; atrair (175,2; 316,4); aumento (44,8; 316,4); crescido (cf. intenso+); fartar (2,5;
12,1); forças (7,2; 315,3; 323,1; 324,2); intenso+; interno+; caridade+; gosto+; inspiração (213,2;
315,3); ilucidar+; lágrimas+; notícia interna (213,2; 275,2; 322,3); quietude+; — origem : do bom
espírito: «sem causa precedente», 330,1-2; 336,1; «com causa precedente», 331,1; 315,3; 329,1; do
mau espírito: 314,1.2; 331,1.3; 332,1-2; 334,3; cf. causa+; discernimento+; espíritos+; eleição+; —
procedimento: 8; 10; 13-14; 17; 323-324; 331-336
Contemplação – método de oração sobre cenas bíblicas «vendo» as pessoas, «ouvindo» o que
dizem, «reparando» no que fazem, 106-108; 114-116; metendo-se nas cenas «como se presente se
achasse», 114,2; procurando sempre «tirar proveito da tal vista», 106,4; 114,3; das tais palavras,
107,2; 115,1; e das tais acções, 108,4; 116,3; — aplicação: pode-se aplicar também, quer à
ponderação de bens, 230-237; quer de males, 4,2; 47,5.6; quer da significação de cada palavra duma
oração vocal, 249-257; Cf. contemplação (2,1; 4,2; 12,1; 13,1; 39,6; 47,2; 48,2; 49,1; 76,1; 77,1;
101,1; 110,1; 113,1; 117,1; 118,1; 120,1; 121,1; 126,1; 127,1; 129,2; 130,2; 132,1.2; 133,2; 156,1;
158,1; 159,1; 161,1; 162,1; 163,1; 190,1; 200,1; 204,1.2; 206,2; 208,1.9; 209,1.2; 215,1; 226,1;
228,1.2; 229,2; 230,1; contemplar (1,2; 2,1.2; 39,6; 47,2.3.4; 74,1; 75,1; 91,1; 102,1; 114,2; 115,1;
122,1; 124,1; 130,3; 135,4; 162,3; 195,1; 199,2; 208,5; 228,1; 249,1; 254,1; 255,2; 261,3); advertir
(74,1; 164,2; 230,2; 333,1; 366,2); circunstância (122); considerar (38,4 39,6; 47,5; 59,1; 75,2; 94,1;
106,3; 112,1; 135,2; 144,1; 145,1; 146,1; 164,2; 185,1; 186,1; 187,1; 192,1; 195,1; 196,1; 197,1;
202,1; 208,10.11; 214,1; 223,1; 236,1; 248,1; 289,3; 340,1); «mirar» ou olhar (93,1; 102,1; 106,3;
108,1; 112,2; 114,2; 115,1; 116,1; 194,3; 224,1; 235,1; 237,1; 258,5); mistérios (19,8; 127,1-2;
130,3.5; 162,2; 206,2.5; 208,5-6; 209,1-2.5; 226,1.5; 261,1-3; 290,1; 291,1; 292,1; 293,1; 294,1;
295,1; 296,1; 297,1; 298,1)
Contrário – 15,1; 16,2.4; 59,1; 89,4; 135,5; 137,1; 143,1; 181,2-3; 209,4; 231,1; 245,1; 314,3;
315,1; 317,1.4; 321,1; 324,2; 325,3.6; 326,3; 331,1.3; 335,3; 350,1; Cf. eleição+; indiferença+;
contra; diametrum (325,5; 351,3); firme (318,1); resistir (13,2; 33,3; 34,1; 320,1; 324,2); rosto
(325,2.5);
Contrição – graça a buscar na I «semana» (4,5; 87,3-4). Cf. arrepender (77,2; 177,2); dor+;
lágrimas+; esforçar (195; 206); pena+; interna+; sentir+
Criador – Criador (15,6; 20,7; 38,2; 39,1-2.4; 53,1; 316,2; 330,1); Criador e Senhor (5,1; 15,3.6;
16,1; 20,9; 38,4; 39,4.7; 50,4; 184,3; 316,1.4; 317,3; 324,2; 351,2); Criador e Redentor (229,4);
Senhor e Criador (39,3)
Criaturas – 15,6; 16,1; 38,2; 39; 60,1; 235,1; criadas (pessoas, coisas e acontecimentos), 19,2;
23,2.3.5.7; 39,4; 50,4; 51,3; 58,3; 60,4; 165,2; 166,2; 169,2; 179,1; 235,2; 236,1; 316,2; lugar nos
planos de Deus, 23; vingadoras das ofensas feitas ao criador, 60; cf. animais (47; 60; 235); aves
(60); elementos (60; 235; 236)
95.
Cruz – 53,1.3; 116,2; 208,7.8; 219,1; 296-298; 346,2; 347,1;Cf. crucificar (295,4; 296,2.4); 297,3;
suspenso (53)
D
Defeitos – diferentes de pecado+ ou falta: 41,1; 90,1; cf. tibieza (317,3; 322,1; 368,2); — como
combatê-los: 24-31; cf. tirar (1,3-4; 23,4; 27,1; 83,1-2; 84,1-3; 90,1; 150,2; 153,1; 154,1; 155,1;
213,1; 217,1; 315,3; 329,1; 333,3; 342,3);
Demanda – graça a intentar e pedir em cada tema de oração, 48; preâmbulo indispensável da
oração: é o que marca a intenção do tema — «o que quero e desejo» (23,1-2 e 46 e 169,1-8; 23,3-7;
48,1-4; 55,4; 65,4; 91,4; 104; 135,4; 139,1; 152; 193; 203; 221; 240,2); por estas «demandas» se
escalona o percurso de cada «semana» de EE e se avalia a sua devida realização (4; 11; 20; 76; 87;
89; 130; 133; 199; 203; 221; 233); — as principais são, na I Semana: 23,1-4 (45); 23,5-7; 48,4-5
(53,1-3); 55,4 (61,1; 63,2); 63,1-6 (23,5-7; 165); 65,4-5 (71,1-4); na II: 91,4 (96-98); 104 (109,2;
113); 139,1-2; 147,1-5 (23,5-7; 166); 152 (156-157; 169,1-7; 179,1-3; 180,1-2; 184,2-3); na III: 193
(197; cf. 230-231); 203 (199,4-5; 167-168); na IV: 221; 233 (230-231; 234,1-5). Cf. adições+;
«demandar» ou intentar (25,2; 43,4; 48,1-4; 55,4; 65,4; 91,4; 104,1; 135,4; 139,1; 152,1; 193,1;
203,1; 221,1; 240,2; 272,4; pedir: 16,4; 25,1; 43,3.6; 54,2; 63,4; 109,2; 147,4.5; 157,2.3; 168,2;
180,1; 199,1.3; 233,1; 241,2; 243,1; 257,1) ; buscar+; achar+; desejos+; dirigir (251,1); encomendar
(248,1.2); fruto+; oração+; querer (cf. vontade+)
Desconfiança – «infidencia» ou falta de confiança: forma de desolação (317,3)
Desejos – ordená-los (16,5; 146,4; 155,4) Cf. buscar+; contentar (18); desejar (16,6; 20,1; 23,7;
48,1; 73,1; 87,3; 89,1; 98,2; 130,2.4; 133,1; 151,1; 166,1; 167,3; 168,1; 174,2; 177,2; 185,1;
199,2.3; 234,2; 326,4; 327,1; 339,2; 350,1)
Desolação – 6,1.3; 8,1; 13,1-2; 62,2; 118,3; 176,1; 317,1.4; 318,1-2; 319,1; 320,1; 321,1-2; 323;
324,1-2; cf. desolar (7,1; 322,1); — noção: estado de alma em que «o Senhor lhe abstrai o seu muito
fervor, crescido amor e graça intensa, ficando-lhe contudo a graça suficiente para a salvação eterna»,
320,3 «a qual sempre lhe fica, ainda que claramente a não sinta», 320,2 ; — modalidades: 317; cf.
agitação+; ânsia (76,3); enganos+; esconder (196,1; 223,1); escuridão+; inquietação (315,2; 317,2;
333,3; 335,2); turvação (317,2; 329,1; 347,2; 349,1); impedimentos (315,2); morder (314,3; 315,2);
tíbio (317,3; 322,1); tristar (315,2); tristeza (69,1; 290,4; 317,3; 329,1); — origem: do bom espírito:
sem causa precedente da nossa parte, 322,2-3; com causa precedente da nossa parte, 322,1.4 (cf.
314,3); do mau espírito: 315,2; 329,2; 335,2.4-6; (cf. 139,1; 10); cf. causa+; discernimento+;
espíritos+; eleição+; — procedimento: 7-10; 12-13; 17; 318-321; 324,2; 325-327; 332-336;
Desonra – 23,6; 166,1; cf. afrontas (116,2); blasfémias (67,1; 107,1; 292,5; 297,6); bofetadas
(291,5; 292,4; 295,3); burlar (292,4); injúrias (98,3; 116,2; 147,3); louco (167,3); menosprezos
(146,4-5); néscio (303,3); opróbrios (146,4-5; 147,3; 167,3); ; vitupérios (94,2; 98,3); —
indiferença, por virtude: 23,6; 146, 4-5; 166,1; — desejo, por identificação com Cristo desonrado:
98,2-3; 147,3; 167,3
Desordem – 63,3; 212,2; 217,1; — «das minhas operações»: 63,3; graça a conseguir na I semana,
cf. aborrecimento+; operações+; ordem+ — das afeições: cf. desordenar (1,3; 16,2; 21,1; 157,2;
169,6; 172,2.3.5; 179,2; 342,3); ordem a conseguir antes de qualquer eleição, cf. afeições+;
eleição+; — do comer e beber: 210,2; 212,1; 217,3; cf. comer+
Determinação ou decisão – 98,2; 186; 318,1. Cf. determinar (21,1; 102,2; 154,2; 217,2; 344,3;
365,1; 367,2); propor ( 24,2; 25,2.5; 43,7; 61,1; 178,3; 179,2; 180,1; 181,1; 182,1.2; 245,1; 314,1;
333,2); propósito (82,2; 275,3; 318,1; 319,1; 336,5); eleição+
Deus – Deus (25 vezes); Deus nosso Senhor (58 vezes); Deus e Senhor (1 vez: 343,1); Cf. Criador
+; Sua Divina Majestade (26 vezes); Pai +. Cf. atributos+; essência (39,6); vida eterna (63,6; 65,5;
74,3; 102,2; 135,3); idolatria (39,8);
Devoção – Devoção: por esforço de virtude, cf, devoto (15,3; 175,2; 332,1); por fruto do Espírito,
que não depende de nós fazer vir ou conservar, 322,3.4; 252,1; 199,4; cf. fervor (14,1; 320,3); —
96.
devoções: expressões da devoção, cf. candeias ou velas (358); estações (358); indulgências (42,3;
358,1); orações (355,1; 358,1); pia (42,4; 111,1; 189,8; 215,1; 310,2; 370,2); relíquias (336,3;
358,1);
Dia – de exercícios: 4,4.8; 12,1; 19; 20,4; 29; 89,2; 93,3; 99; 101; 127,2; 132; 133; 134; 148-149;
158; 160; 161; 163; 164; 205; 208; 209; 227; 255; 256;259; 318,1; 354; Cf. horas+; oração+;
adições+; abreviar+; alongar+; noite (28,1; 72,1; 74,1; 88,1; 93,3; 128,1; 129,2; 131,1; 148,1; 159,1;
190,1; 208,1.3.5.7.8.9; 209,4); dormir (73,2; 84,1.3; 89,1); amanhecer (88,1; 128,1; 133,2); manhã
(18,5; 19,4; 24,2; 72,1; 99,1; 129,2; 131,1; 148,1; 159,1; 200,1; 208,1.3.6-9; 209,4; 227,2); levantar
(24,2; 25,3; 43,4; 206,3); missa+; «comer» ou almoçar (25,1; 72,1; 79,1; 99,1; 129,2; 160,1; 214,1;
215,1; 217,1; 227,2); vésperas (cf. horas+); «cear» ou jantar (26,1; 72,1; 99,1; 128,1; 129,3; 133,2;
148,3; 159,1; 160,1; 204,2; 217,1; 227,3);
Director dos Exercícios – «o que dá os exercícios», 1,1; diferente de confessor ou director
espiritual, 17,1; é para acompanhar sobretudo o que se refere aos exercícios espirituais, 17; 1,2-4;
etc. Cf. dar (1,1; 2,1.4; 4,1; 6,1; 7,1.2; 8,1; 9,3; 10,1; 12,1; 14,1; 15,1.5; 17,1.3; 18,2.3.4.8.9.10;
19,3.7; 20,1; 22,1; 162,3; 189,4; 228,1; 238,3);
Discernimento – cf. discernir (336,2); discreção (176,1; 328,1); distinção (368,1) — da
culpabilidade subjectiva, 32-42; — de escrúpulos, 345-351; — das moções interiores dos diversos
espíritos, 313-327; 328-336; (cf. enganos+; espíritos+; moção+); — do sentir em Igreja militante,
352-370; — da temperança e dignidade à mesa, 210-217; — da imparcialidade e isenção na
administração de bens alheios, 337-344; — meios: cf. advertir ou atender (3,2; 12,1; 13,1; 39,1.3;
74,1; 76,2; 88,1; 115,1; 127,1; 129,1; 164,2; 174,1; 189,2; 199,1; 230,2; 333,1; 357,2; 366,2;
368,1); «mirar» ou reparar (14,5; 28,1; 29,1; 30,1; 53,2; 56,1.2; 57,1; 58,1.4.5; 77,1.2; 93,1; 102,1;
106,3; 108,1; 112,2; 114,2; 115,1; 116,1; 169,2; 172,2; 181,3; 182,1; 185,1; 187,1; 211,2; 224,1;
229,5; 235,1; 237,1; 245,1; 258,5; 292,2; 327,2.3; 334,2; 336,2; 338,1; 339,1; 341,1; 344,4; 349,1);
investigar (135,4; 212,1); causa+; confirmar (183,2; 262,4); conforme (5,2; 17,3; 95,1; 180,2; 251,1;
332,2; 342,3; 344,3); conjecturar (41,4; 228,2; 229,4); exame+; consentir (36,1; 349,2); convir
(89,2.5; 169,7; 210,2; 213,2.3; 217,2); costumar (314,1; 334,4); duvidar (87,4; 175,2; 280,4; 343,2;
347,2); enfraquecer (325,4; 327,2.4; 333,3); bem (10,1.2; 22,4; 38,3; 40,2.4; 77,3; 171,2; 189,2;
237,1; 315,1.3; 331,2; 333,1; 335,1; 343,1; 367,2); experiência (176,1; 334,4); governar ou reger
(189,7; 214,3; 365,2.3); guardar (60,2; 130,4; 139,1; 185,2; 213,1; 216,1; 334,4; 339,3; 340,2;
364,1); guiar (267,2; 318,2); inclinar (15,5; 16,2; 179,2; 182,1; 333,1; 342,1); inconsiderado (14,1);
imediato (15,6; 336,5); medida (186,1; 237,1; 339,3; 340,1); meios (22,4; 153,1; 169,3-4.6-8;
177,2); mudar (16,5; 89,1-2.5; 133,1; 318,1; 319,1); oblação (97,1-2; 98,1; 188,1); oferecer (5,1;
96,1; 183,2; 234,3; 267,3; 268,2); praticar ou explicar (8,2; 9,3; 10,1; 19,2; 362,2); precipitar (14,1);
provar (4,6; 322,2; 342,2); sinal (289,5; 312,2; 333,1.4);
Dispor – preparar e dispor (1,3; 7,2; 15,4; 213,2); dispor-se (18,3; 20,10; 135,6); cf. achar-se (20,9;
44,7; 74,2; 87,4; 114,2; 166,1; 179,2-3; 187,1-2; 228,1; 241,2; 242,1-2; 252,1; 317,3; 322,1; 327,4;
341,1); preparar-se, (238); disposição (1,4; 18,1; 72,2; 205; 213,3; 252,1; 335,4); dispostos (39,7;
44,7; 133,1); entrar (5,1; 76,1; 86,1; 95,4; 131,3; 164,1; 228,2; 239,1; 330,1; 335,1.5.6); fácil (13,1;
39,4; 142,2; 213,3; 326,3; 261,3; 370,3); facilitar (315,3); forças (7,2; 16,2; 155,3; 195,2; 213,3;
315,3; 323,1; 324,2; 325,1; 327,2); impedimento (9,2; 20,4; 150,2; 229,5; 315,2.3); impedir (23,4;
78,1); — «disponde a toda a vossa vontade», 324,5; cf. dispor de mim (199,2); indiferença+
Divindade – considerar como a divindade se esconde (196,1); cf. escuridão+; — e como se
manifesta milagrosamente e pelos verdadeiros e santíssimos efeitos dela (223,1); aspirar e gostar a
suavidade e doçura da divindade, 124,1; cf. divino (1,4; 2,3; 5,2; 15,3; 16,5.6; 20,6.10; 46,1; 60,2;
102,1; 106,3; 107,2; 108,2.3; 109,1; 135,4; 146,3; 147,2.3; 151,1; 152,1; 155,2; 157,3; 165,2;
167,1; 168,2; 172,3.4.5; 183,2; 213,2; 233,1; 234,2.3; 235,2; 240,2; 248,1; 320,2; 330,1; 363,5;
369,2; 370,1.3);
Dom – 74,2; 234,1; 267,3-4; graça ou Dom (20,10; 87,3; 275,8; 322,3); bens e dons (233; 237,1)
Dor – sensível na carne (85,1; 86,1-2; 87,4); cf. penitência+; — espiritual ou interior (4,5; 44,4.6;
97.
55,4; 78,1; 193; 203; 206,3-5; 208,11; 316,3); Cf. doer (27,2; 78,2; 82,2; 195,2; 199,2; 206,3); —
pelos pecados: «crescida e intensa dor e lágrimas pelos meus pecados», fruto a conseguir na I
semana, 55,4; 4,5; cf. contrição+; — por Cristo: porque por meus pecados vai à Paixão, 193,1; ou
por solidariedade de sofrer só porque Ele sofre, 203,1; ambos frutos a conseguir na III semana,
203,1; 87,4; 206,3.4.5; 316,3; cf. intenso+; lágrimas+; pena+;
Doutrina – caminho de vida: «afeiçoar-se à verdadeira doutrina de Cristo»(164); espalhá-la (145) ; —
matéria de teologia: escolástica e positiva, 363. Cf. declarar (2; 18; 19; 159; 163; 189; 199; 204; 260;
278); distinção (360); pregar (91,3; 161,5; 281,1.4; 307,4; 362,2);
E
Eleições – «da vontade divina na disposição da sua vida para a salvação da alma (santidade)» (1,4;
135,4.6; 163-168); — mutáveis e imutáveis: mutáveis (171,2; 173,1-2; 189,4-10); imutáveis (171,1;
172,1-4); — a de estado de vida (135,4; 169-188): é a primeira e a base de todas as outras (cf. 189;
210-217; 337-334); prepara-se com as meditações da vida de Cristo, 135,2-4; 163,1; quando
começar as meditações para esta eleição, 163,1; prelúdio, 169; «tempos» ou estados de alma em que
se pode fazer,175-177; como fazê-la no terceiro tempo, 178-188; como concluir-se (183; 188); — a
de santidade de vida dentro de qualquer estado, 189 (Cf. 135,6; 163-168); quando começá-la,
189,2-4; cf. 135,6; — Outras eleições para a santidade de vida (171,2; 173,1.2; 174,1.2; 178,3;
189,3; 210-217; 337-334; 337-351; 352-370); propósitos+; — condições: indiferença+; humildade+
Cf. aceitar (94,2; 238,3); acertar (318,2; 365,1); admitir (211,2); cair (171,1.2; 178,3; 189,3); deixar
(15,6; 89,3; 135,3; 154,2; 155,3.4; 171,2; 178,3; 179,2; 275,3; 293,4); deliberar (98,2; 165,2; 166,2;
182,2; 183,1); eleger (15,2; 23,7; 92; 98,4; 135,6; 146,3; 147,2; 152; 157,2; 167,2; 168,2; 169,3-4;
172,1; 177,2; 180,2; 184,2-3; 185,1; 189,6); tomar (14,3; 20,3; 155,4; 169,6.7.8; 171,2; 178,3;
179,2; 187,2; 189,8; 214,3; 215,1; 228,2; 234,4; 318,2; 343,1; 344,6); afastar (322,1; 357,2);
alvedrio (23,5); ; arbítrio (369,3); liberdade+; abraçar (149,1); caminho (318,2); quantidade (212,2;
216,2; 217,2; 343,2); cargo (341,1); carne (157,2; 172,5; 173,1); casa (189,7.8; 344,1); casamento
(169,4.7; 357,2); cercear (344,2); determinação+; imutável (171,1; 172,1); lícito (15,2); limite
(177,2); oblação (183,2; 188,1); ofício (16,3.5;56,2; 178,3; 181,1, 340,1; 341,1); vantagens (86,1;
181,1.3; 211,1); inconvenientes (181,2-3);
Emenda – 28,1; 43,7; 61,1); cf. emendar (24,2; 25,1.2.5; 29,1; 30,1; 63,3; 77,2; 189,1; 240,2;
243,1); cf. ordem+; reforma+
Enganos – «conhecimento dos enganos do mau caudilho e ajuda para deles me guardar», graça a
intentar e pedir antes de qualquer eleição, 139,1 (cf.135,4-5); — diferença de tentações descaradas,
9,1-2; 10,1-2; 332,1-2; como o mau espírito tenta ocultá-los, em crises afectivas e outras, 326; 332;
336; (cf. confessor, 326,5; namorado, 326,1; marido, 326,2-3; pai; 326,2-3; descobrir, 7,2; 41,4;
326, 1.3.5.6; secreto, 326,1.2.4); — modalidades: cf. « anjo de luz», 332,1; aparência, 314,1; 329,2;
348,2; 349,2; 351,2; astúcia, 7; 8; 326; cauda serpentina, 281,3; 334,1; coligir, 326,3.6; conceitos,
336,4; descer, 334; erro, 41; 172; 348; 363; 364; 367); espécie, 10; falácia, 329,2; 363,3; falso,
315,2 fumo, 68,1; 140,1; ilusões; persuasões, 326,2.4; 345,1; perverso, 332,2; subtileza 329,2; —
regras especiais para discerni-los, 10; 328-336
Entendimento – potência da alma, 2,3; 3,1.3; 20,7; 39,6; 50,1.6; 51,6; 52,3; 64,2; 75, 2; 180,2;
214,2; 234,4; 299,3; 322,4; 330,2; 351,2); cf. entender ( 3,3; 9,4; 50,2; 235,1-2; 345,1);
inteligência+; razão+; — função na oração de meditação, 50-52;
Escrúpulos – notas sobre, 345-351; cf.adelgaçar (349,1; 350,2); atenuar (350,3); engrossar (9,1;
349,1.4; 350,2); formar (332,1; 336,5; 346,1.2);
Escuridão – forma de desolação ou noite escura na alma, 317,2; como a passou Cristo na Paixão,
196,1; 223,1; como se combate (cf. desolação+)
Esmolas – de bens próprios: 189,8-10; aspecto a considerar na «Reforma» ou projecto de santidade
em qualquer estado de vida, 189,4-5; 344,4-6; — de bens alheios sob nossa administração: 337-
344; como se devem distribuir sem quaisquer apegos, 338,1; 342, 1-3; em particular a parentes e
98.
amigos sem quaisquer «sobrinhismos», 338,1; ou em proveito próprio, 343,1-3; 344,1-3.
Esperança – forma de consolação ou «fruto do Espírito»: quando intensa ou crescida, 316,4; cf.
320,3; — simples virtude sem consolação, 317,3; cf. 320,3; esperar (11,2; 18,8; 268,4; 312,2)
Espíritos – Bom: 32,3; 314;3; 318,2; 336,4; — Mau: 32,3; 315,2; 318,2; 333,4; 335,2; 336,4; —
Vários ou diversos (4,6; 6,1; 8,2; 9,3; 17,2; 176; 177,3; 313,1; 317,2; 320,1; 328; 335,3); Cf.
admoestar (142,1; 269,2; 270,2); agitação+; anjos+; — discernimento: cf. discernimento+; — nosso
espírito ou alma: 239,1; 278,2; 297,3;
Espírito Santo – 263,4; 273,4; 304,4; 307,4; 312,2; 365,2-3; Cf. Deus+; consolador, 224,1; (cf
consolação+); espírito bom (cf. espíritos+); milagrosamente (223,1)
Estados – de vida: 15,1; 40,3; 98,4; 135,2.4.6; 141,2; 145,1; 154,2; 177,2; 189,1.4.5; 339,2; 343,3;
344,1.4; matrimónio, 171,1; 189,2; 344,5; 356,1; (cf. casamento, 169,4; casar, 169,7; 357,2; família,
189,7.8; 344,6); prelatura, 189,2; 344,3; sacerdócio, 171,1; 172,1; 354,1; religião, 14,3; 15,2; 40,3;
356,1; 357,1; (cf. evangélico, 15,2; 135,3; 357,2; voto+); virgindade, 15,2; 356,1; cf.
mandamentos+; vida (1,4; 21,1; 135,4.6; 177,2; 189,1.4.5; 343,3); viver (15,1; 344,4); vocação +;
— estados de espírito: cf. tempos+;
Eucaristia – 289,5; Cf. ceia (190,1; 191,1.2; 192,2; 194,1; 200,1; 209,1.4; 222,1; 289); missa (20,4;
355,1); comunhão+; sacramento;
Exame – forma de oração (238-248): modo de purificação activa não só dos pecados, 241-243, mas
também das paixões, 244-245, das potências da alma, 246 e dos sentidos corporais, 247, «para que a
alma se prepare e aproveite» melhor os EE, 238; se purifique das faltas que «afastam de nós a
consolação», 322; «para que a oração seja aceite», 238; (cf. puro, 46,1; 135,3; 150,1; 172,5; purgar,
10,3; 315,1; 348,2); — forma de avaliação da oração (77); — forma de discernimento da
culpabilidade subjectiva, 32-42; — forma de exame das faltas em geral, 43; (Cf. 18,4.10; 32,1;
43,1.4) — forma de controle duma falta em particular, 24-31; (Cf. 18,4; 19,3; 24,1; 25,2.3.5; 26,1;
28; 29; 43,5; 160; 207). Cf. consciência (1,2; 18,10; 32,1; 69,1; 314,3); discernimento+; escrutínio
(242); examinar (1,2; 24,1; 293,3; 306,4; 319,2; 336,6; 342,2); excusar (273; 286); guardar (240,2;
241,1); hábito (84,3; 242,1);
Exercícios – noção: 1,3-4; (cf. exercícios, 86 vezes; exercitar, 15 vezes); — elementos: 1,2; —
modalidades de organização: rudimentares, 18,4-7; leves, 18,8-12; completos fora de retiro (na vida
corrente), 19,1-8; completos em retiro, 20,1-10; 4,1-8; resumidos em menos dias, (cf. abreviar+;
alongar+); — divisão em «semanas» ou etapas: 4; — anotações orientadoras: para quem os dá, 1;
2; 4; 6; 7; 8; 9; 10; 14; 15; 17; 18; 19; e para quem os recebe, 3; 5; 11; 12; 13; 16; 20; —
adaptação: cf. abreviar+; alongar+; dias+; horas+; semanas+;
Exercitante – «o que recebe os exercícios»; Cf. exercitar (6,1; 9,1; 10,2; 11,1; 13,2; 18,1; 19,2;
72,2; 89,1; 129,1; 130,4.5; 131,1; 205,1; 245,1; 256,1; 325,5.6; 348,1); receber (1,1; 5,1; 7,1; 8,1;
10,1; 12,1; 14,1; 15,1; 17,1; 18,8; 20,10; 22,1; 35,2; 43,2; 44,7; 74,2; 81,1; 98,4; 147,1.2; 183,2;
233,1; 234,1; 281,4; 287,4; 288,3; 304,4; 313,2; 326,4; 354,1; 369,3); dar-se (44,5; 348,1);
F
Fé – forma de consolação ou «fruto do Espírito»: quando intensa ou crescida, 316,4; cf. 320,3; —
simples virtude sem consolação: 279,3; 280,4; 282,4; 366,1; 368,1.2; 369,2; cf. crer (71,1; 276,4;
285,3; 303,3; 305,2.3.4; 365,1.2); credo (253,1; 258,6);
Filho – contemplado em Jesus Cristo: 208,8; 262,3; 264,3; 266,4; 273,4; 274,3; 276,3; 284,4-5;
307,4); — invocado como mediador nos colóquios decisivos: 63,1.5; 147,1.4; 148,2; 156-157; 168;
199,4; 248,2; Cf Jesus Cristo +;
Fim – do homem e das coisas, 23,2-3. Cf. 23,3-4.7; 169,3-7; 179,1; 189,6; 331,1; 334,1;
acabamento, 109,1; 118,3; 198; 333,1; cf. findar (351,3); objecto (42,2; 169,7; 179,1); prossecução
(23,3; 325,7);
99.
Fruto – natural: 60,3; 236,2; — sobrenatural: 2,4; 18,8; 82,3; 174,2; do Espírito: (cf. consolação+;
gosto+) ; Cf. achar+; conduzir (23,7; 367,3); conferir (30); ganhar (18); proveito+; satisfazer (2,5;
76,3; 273,4);
Fundamento – base de todos os Exercícios: 23; quer da oração, 46,1; quer de quaisquer eleições,
169; cf. arriba (184,2); fonte (237,1); princípio (333,1; 334,2); glória+; serviço+;
G
Glória – de Deus: fim que o homem deve Ter sempre como objectivo em toda a sua vida, 23; até ao
ponto de se «alegrar e gozar de tanta glória e gozo de Cristo N. Senhor», 221,1; 229,2; outras
formulações: «louvor e glória de Deus» 167,1; 179,3; 180,1; 189,5.9; 240,2); «honra e glória de
Deus» (16,3.6); «glória de Deus» (152; 185,1; 264,4; 339,2; 351,1); «maior glória» (185; 189;
240,2; 339,2); «glória, louvor de Deus e salvação»189,5; — de Cristo (95,5; 221; 276,4; 303,3); —
do homem: «glória vã» (322,4; 351,2); «pensar em coisas de glória» (78,1; 206,4; 229,3); «glória do
céu» (95,4-5) Cf. glorificar (265; 278);
Gostar – «gostar as coisas internamente», 2,5; — na aplicação de sentidos: 124; — em qualquer
tipo de oração: «fazendo pausa onde sentir maiores gostos espirituais», 227; «se achar gosto não
tente passar adiante», 254; «fique aí enquanto achar gosto», 252; Cf. doçura (124); gosto (2,4.5;
69,1; 124,1; 227,3; 252,2; 254,1); suavidade (124; 334)
Gozo – «graça para me alegrar e gozar intensamente de tanta glória e gozo de Cristo N. Senhor»,
graça a buscar na 4ª Semana, 221,1; 229,2; — com Cristo gozoso na ressurreição: 48,2; fruto da
identificação com Cristo nos trabalhos da sua vida e Paixão, 95,5; — do homem: 78,1; 187,2; 229,3;
265,2; 301,2; 329,1; 334,3; Cf. gozar (199,2; 221,1; 229,4; 263,3); prazer (78,1; 187,2; 229,3;
314,1);
Graça – habitual: 44,8; 50,4-5; 234,5; 262,3; 271,2; 275,9; (cf. justiça, 51,5; 278,2); — actual:
auxílio divino que nunca nos falta, 320,2; 20,10; 25,1; 43,3.7; 46,1; 54,2; 61,1; 63,1; 87,3,3º; 91,4;
139,2; 147,1; 152,1; 221,1; 234,5; 240,1-2; 243,1; 248,2; 257,1; 320,3; 322,2-3; 324,1-2; 369,1-2);
fale-se dela de maneira que não pareça diminuir a liberdade, 369; Cf. auxílio (320,2; 369,2); ajuda
(14,5; 240,2; 243,1; 44,8; 98,1; 139,1); conceder (23,5; 39,5; 63,6; 147,5); dar graças (43,2; 61,1;
71,3; 77,3; 108,3); favor (98,1; 336,3); diferença de Dom ou «fruto do Espírito», 322,3; 320,3; cf.
consolação+; moção+
H
História – assunto qualquer ou passagem bíblica a expor para meditação ou contemplação: 2,1;
deve-se expor fiel e sobriamente, 2,1; Cf. doutrina+; matéria (4,7; 9,4; 18,11; 48,2; 49,1; 74,5;
105,2; 119,1; 163,1; 199,1.4; 204,3; 225,1; 226,3; 243,2; 244,3; 247,2; 254,1; 281,4; 338,1); —
resumo duma passagem bíblica, tomado apenas como 1º preâmbulo de preparação imediata para as
contemplações da vida de Cristo na II, III e IV «semanas» dos EE : 102; 111,1; 137,1; 150,1; 191,1;
201,1; 219,1;
Homem – Homem Deus: cf. humanidade+; — homem humano: na sua relação a Deus (19,2; 20,6;
23,2-4; 53,1; 58,1-2; 102,1; 104,1; 149,1; 150,1; 177,1; 235,1; 284,5; 295,4; 325,2; 370,2); Cf.
Adão (51,1.3); alma (cf ânimo+; espírito+); gente (51,2; 103,1; 106,3; 307,4; 362,4; humano (7,2;
10,2; 51,2; 89,3; 92,1; 94,1; 102,2; 107,2; 135,5; 136,1; 165,2; 195,1; 196,1; 281,2; 325,7; 326,4;
327,3; 334,1); pessoas (67 vezes); salvação+;
Honra – de Deus: 16,3.6; 38,4; — do homem: 9,2; 23,6; 142,2-3; 146,5; 166,1; 167,3; 231,2; cf.
cátedra (140); soberba (50,5; 142,2.3; 146,5; 322,4); sábio (167,3); prudente (167,3; 281,3);
Horas – de oração (horário): escalonamento diário ao ritmo da liturgia: à meia noite, 72,1; 74,1;
88,1; 128,1; 129,2; 131,1; 148,1; 159,1; 190,1; 208,1.3.5.7.8.9; 209,4; ao amanhecer, 88,1; 128,1;
133,2; à hora de missa, 72,1;128,1; 129,2;133,2; 148,1; 159,1; 204,2; 209,4; 227,2; à hora de
vésperas, 72,1;128,1; 129,3; 133,2; 148,1; 159,1; 204,2; 209,4; 227,2; à hora de jantar, 72,1; 99,1;
128,1; 129,3; 133,2; 148,3; 159,1; 204,2;209,4; 227,3; — de duração da oração: uma hora inteira
100.
em cada exercício, 12,1-3; 13,1-2; 19,4; 128,2; 254,2; 255,1; 259,1; cf. espaço (19,3.4; 73,2; 75,1;
77,1; 128,2; 241,2); quantas horas de oração por dia, 72, 99, 129, 133, 204, 205, 227; Cf. oração+;
demanda+; adições+; abreviar+; alongar+; dia+; — de liturgia: 20,4; 355,2; cf. vésperas+; missa+
Humanidade – de Cristo: na Paixão, 195,1; 196,1; 284,5; 295,4; na Encarnação, 53,1; 102,2;
104,1; cf. humano (92,1; 102,2; 107,2)
Humildade – sujeição à vontade divina: 164-168; cf. 146,4.5; 289,2; quer manifestada por
quaisquer mandamentos graves, 165; quer imprevista em acontecimentos e situações da vida, 166;
quer apaixonadamente preferida por pura identificação com as mesmas sujeições que Cristo passou
por nós, 167; — condições: indiferença a tudo o que não conduza ao fim para que somos criados,
23,5-6; 165,2; preferência até pelo que mais conduza a esse fim, 23,7; 166,2; paixão por ser
consortes da sorte de Cristo, 98; 167,3; — modalidades: cf. abaixar ou baixar (165,1; 258,5; 289,3;
324,1); humilhação ou humilhar-se (75,2; 108,3; 114,2; 144,1; 165,1; 324,1); enfermidade (23,6;
83,2; 84,2; 86,1; 89,3; 213,1; 281,2; 285,2); morte+; desonra+; pobreza+; pés (191,2; 209,2; 282,3;
289,3.4; 301,3); — efeitos: 146,5.6; 164,1.2;
I
Igreja – Comunidade: 177,2; 351,1; Esposa de Cristo 365,2; Mãe dos fiéis, 363,5; 365,3; estrutura
jerárquica, 365,1; cf. «Mãe Jerárquica», 170,2; 353,1; atitudes de verdadeiro sentido militante, 352–
370; cf. ministérios, 337,1; 339,2; 341,1; 344,6); obediência+; estados+; espalhar (141; 145);
mandamentos+; negro (106,2; 365,1); prelatura (189) – Templo: 88,2; 355,1; 358; 360;
Ilucidar – por virtude divina: 2,3; 39,6; 363,5; — por raciocínio próprio: 2,3; cf. clareza (176,1;
320,2; 333,4); entendimento+; inteligência+; razão+;
Iluminativa – via ou caminhada da vida espiritual: 10,3; corresponde ao segundo grau de
humildade, 166; (cf. humildade+; semana+);
Imaginação – na composição de lugar: modo de a prender ao tema de oração, 47,3.5; 65,3; 66,1; —
na aplicação de sentidos: modo de a elevar na consideração dos temas, 121-126; (cf. imaginar,
53,1; 140,1; 143,1; 314,1; imaginativa, 47,5; 91,3; 112,1; 122,1);
Imitar – a Cristo: 98,3; 109,2; 139,2; 147,3; 167,2; 168,2; 214,1; 248,1-2); diferente de seguir+; Cf.
exemplar (344); imagem (235,2); regra (344);
Indiferença – noção: cf. igual (166,2; 167,1; 168,2); inclinar (15,5; 16,2; 179,2; 182,1; 333,1;
342,1); indiferente (23,5; 157,1; 170,2; 179,2); induzir (142,3; 146,6; 206,4; 329,1; 334,1);
liberdade+; meio+; peso (15,5; 179,3); — necessidade: na eleição de qualquer vontade de Deus,
169; 179; — aplicações: no uso livre das criaturas, 23,4-7; cf contrário+; desonra+; honra+;
enfermidade (23; 84; 86; 89; 213; 281; 285); saúde (23,6); são (41,2; 175,1; 178,2; 184,1);
pobreza+; riqueza+; vida (1,4; 21,1; 23,6; 44,4; 51,5; 53,1; 56,1; 60,1; 98,4; 100,1; 130,3; 135,4.6;
139,2; 165,2; 166,1.2; 172,2; 177,2; 189,1.4.5; 215,1; 310,2; 343,3; 350,1); morte (78,2; 153,1;
186,1; 340,1); morrer (53,1; 106,2.3; 116,2; 285,3; 303,3);
Inferno – meditação para motivar-nos para o temor de Deus, quando for necessário, 65,4; temor
que não deve ofuscar a misericórdia de Deus, 71,3-4; maneira de organizar a meditação, 65-71. Cf.
inferno (50,3.5; 51,2; 52,1; 60,4; 102,2; 106,3; 108,1); fogo (140); temor+;
Inquietação – « de várias agitações e tentações», «com falsas razões para não ir por diante», 317,2;
315,2; 333,3; 335,2; forma de desolação: 317,2; cf. agitação+; turvação+; desolação+
Inteligência – faculdade da alma: Cf. entendimento+; — compreensão das coisas: 1,1; 240,2;
351,1; 363,4; Cf. entender (1,2; 4,4; 9,4; 14,3; 22,3-4; 38,3-4; 40,1; 42,3; 72,2; 345,1); instruir
(18,4); ilucidar+; saber (2,5; 364,2);
101.
Intenção – 40,1-2; 41,2; 46,1; 135,5; 169,2; 325,7; 326,3; 331,3; 332,2; 334,3; Graça para que as
minhas intenções «sejam puramente ordenadas para serviço e louvor de sua divina majestade»: em
cada oração, 46; 49,1; sobretudo nos momentos de eleição de opções a tomar, 169; intenção de
Cristo e a do «inimigo da natureza humana» nos apelos interiores, 135; cf. 137, 139, 142, 146, 325,
326, 331, 332, 334; importância na moralidade das acções, 37 e das palavras, 40, 41; Cf. oração
preparatória+;
Intenso – 37,2; 55,4; 221,1; 315,1; 319,1; 320,3; 322,3; 368,1; cf. crescido (55,4; 60,1; 142,2;
320,3; 322,2.3; 325,3.7; 331,2)
Interno – interno: 2,5; 63,2; 65,4; 104,1; 203,1; 213,2; 233,1; 316,4; 322,3; interior: 44,5; 82,1-2;
87,3; 316,1; 359,1;
J
Jesus Cristo – A Pessoa: sua divindade, 124,1; 196,1; 219,1; 223,1; (cf. Verbo encarnado,109,1;
130,2; divino); sua humanidade, 195,1; 196,1; (cf. humano, 92,1; 94,1; homem, 53,1;102,2; 104,1;
284,5; 295,4); sua condição de vida,164,1 (cf 165-168); — Contemplação da sua vida: familiar,
101-134; (cf. 262-272); pública, 158-162; (cf. 273-288); pascal, 190-209; 218-237; (cf. 289-312);
— disposição básica, 91,4; 96-98; (cf. 91-99; 136-157); — graça a demandar e pedir em todas as
contemplações,104,1; — contemplação bifurcada da sua vida familiar e da sua vida pública,
135,2-4; — contemplação confrontada da Paixão e Ressurreição na sua vida pascal, 95,5; 203,1;
221,1; 195-196; 223-224; — nomes de Cristo: Jesus (22 vezes); Cristo (42 vezes); «Jesus Cristo» (1
vez: 47,4); «Cristo nosso Senhor» (73 vezes); «Senhor nosso» (2 vezes); «Senhor universal» (2
vezes); «Filho e Senhor» (3 vezes); «Verbo encarnado» (2 vezes); Majestade (2 vezes); Redentor (1
vez); Rei (5 vezes); Sumo Capitão (4 vezes); Cf. Filho+
Juízo – Julgamento em tribunal: humano, 41,3; 74,4; ou divino, 74,3; 78,2; teste de indiferença
antes de eleições conscienciosas, 187,1; 341,1; ambientação para sentir a graça da meditação dos
pecados, 74,2.3; 78,1.2 (cf. 55,4); – julgamento interior: 89,3; 336,4; 346,1-2; 353,1; – bom senso:
96,1; 336,4; Cf. condenar (22,2; 48,4-5; 52,3); confusão+; contrição+; cristão (22); juiz (74,3-4;
296,2); julgar (213,3; 339,3); temor+;
L
Lágrimas – forma de consolação ou fruto do Espírito Santo: 89,1; 315,3; 316,3; 322,3; – pelos
pecados: 4,5; 55,4; 69,1; 78,1; 282,3; – pela Paixão de Cristo: 48,3; 195,2; 203,1). Cf. chorar (87,4;
106,2; 195,2; 278,2; 285,4; 292,2); intenso+
Liberdade – 5,1; 23,5; 32,2; 50,4; 234,4; 346,1; 369,1); Cf. livre (20,8; 23,5; 177,3; 346,1; 369,3);
arbítrio (369); encarcerar (47; 74); força (7; 16; 155; 195; 315; 323; 324; 327); generosidade(5,1)
Liturgia – cf. ofício divino (355,2); cantar (263; 290); cânticos (355); horas+ canónicas (355,2)
ornamentos (360,1); quaresmas(359); salmos (355,1); cf. missa+; vésperas+
Louvar – a Deus: 20,6; 23,2; 177,1; 179,1; cf. louvor (15,4; 46,1; 98,2; 155,2; 157,3; 167,1; 168,2;
169,2.8; 179,3; 180,1; 181,1; 183,2; 189,5.9; 240,2; 316,3; 322,2; 369,2; glória+; — o que a Igreja
admite e pratica: 354,1; 355,1; 356,1; 357,1; 358,1; 359,1; 360,1; 361,1; 362,1; 363,1; 370,1; cf.
Igreja+
M
Mandamentos – Orar sobre eles: 238– 243; nos Exercícios rudimentares, 18,5-7; nos Exercícios
leves, 18,9; em Exercícios na vida corrente, 19,8; em Exercícios completos 20,1; 4,3; – Exame
deles: Cf. exame+; – Sentir com a Igreja acerca deles: 365,3; Cf. constituições (359,1; 362,1;
363,5); costumes (362,1); lei (165,1; 278,4); mandamento (71,1; 135,2; 165,2); mandar (229,5;
344,3); preceito (18,7; 42,2; 229,5; 278,4; 361,1); recomendações da Igreja jerárquica (362,1);
102.
Maria – Títulos: Maria, 262,3; 263,6; 264,2; 265,3; Virgem Maria, 299,2; Mãe, 98,1; 135,3; 199,4;
219,2; 269,2; 270,2; 273,2; 276,3; 297,2; 298,2; Mãe e Senhora nossa, 109,1; Nossa Senhora, 47,4;
63,1; 102,3; 106,4; 107,3; 108,3; 111,1; 114,1; 147,1; 148,2; 162,2; 208,8.11; 218; 220; 248,2;
262,1.2.4.5; 263,1.2.3.5; 264,2; 268,1; — papel na vida de Cristo: na vida familiar, 102; 108; 262;
263; 111-112; 264; 266; 268; 269; na vida pública, 273; 276; no mistério pascal, 297; 298; 208;
219, 299. – na vida dos cristãos: modelo a imitar, 248; medianeira privilegiada nos momentos
decisivos da vida espiritual, 63; 147; 156; 157; 168; 199;
Matrimónio – estado de vida: 171,1; 172,1; 189,2; 344,5; 356,1; Cf. casamento (169; 357); casar
(169; 357); família (189,7-8; 344);
Meditação – método de oração com as três potências da alma (memória, entendimento e vontade):
45; exemplo de como se faz, 46-54; — modalidades: de assuntos ou temas, 46-54;55-61; da
significação de cada palavra, 249-257; Cfr. meditação (2,1; 12,3; 19,4-5.7; 47,2; 49,1; 65,1; 77,1;
136,1; 149,1; 199,5; 319,2); meditar (1,2; 2,1; 39,6; 75,1; 11,1; 122,1; 261,3; 310,2; mental (1,2;
3,2; 253,1; 258,4); mirar ou atender (14,5; 53,2; 56,1.2; 57,1; 58,1.3-5; 75,2); ponderar (57,1;
234,2); circunstância (122); comparações (252); consideração (4; 78; 127; 95; 215; 242; 252);
considerar (38; 39; 47; 59; 75; 94; 95; 96; 106; 112; 116; 135; 141; 142; 145; 146; 164; 177; 181;
185; 186; 187; 189; 195; 196; 197; 208; 214; 223; 234; 236; 239; 241; 275; 320; 340; 344); deter-se
ou demorar-se (242; 255; 260); discorrer (2,1-2; 3,1; 25,3; 50,1.6; 51,6; 52,3; 53,3; 60,1; 64,2;
180,2; 182,1; discurso (19,8; 243,1; 336,4; 33,1-2; 334,2); reflectir (106,4; 107,3; 108,4; 114,3;
115,1; 116,3; 123,1; 124,2; 194,1; 234,3; 235,3; 236,2; 237,2); exame+; oração+; pontos+;
potência+; memória+; entendimento+; vontade+; ruminar+;
Meio – meios: 22,4; 153,1; 169,3.4.6.7.8; 177,2; cf. secundário (169,4.7); — equilíbrio ou medida:
15,5; 84,3; 179,3; 213,1.2; 229,5; 339,2; 350,3; Cf. medida (186,1339,3; 340,1;
Memória – função na oração de meditação, 50-52; 56,1; 71,1 ; 234,1; — na ambientação da
oração, 78,2; 130,3; 206,5; 229,3; cf. recordar (25; 131); reminiscência (64,2);
Mês – de Exercícios: é a experiência completa, 4,8; – condições, 20; – como se organiza, 4,1-7; Cf.
semana+; dia+; horas+; oração+; demanda+; adições+; abreviar+; alongar+;
Método – cf. forma (105; 113; 119; 161; 186; 189; 199; 204; 208; 226; 238; 256; 258; 340);
maneira (121,2; 131,1; 132,2; 252,3; 253,1; 254,2) modo (1,2-3; 2,1; 4,3; 18,5; 19,3; 43,1; 162,3;
178,1-2; 184,1; 188,1; 189,4.6; 226,5; 235,3; 238,1.3; 239,2; 241,1; 249,1; 250,1; 252,1; 258,1-4);
ordem (2,1; 18,10; 20,1; 43,5; 119,1; 128,2; 244,4; 246,2; 247,2; 260,1); regra
Moção – sensual, 182,2; — racional, 182,2; —espiritual, 6,1; 227,3; (cf. motivo, 80,1; 229,3;
316,3; mover, 14,3; 15,1.2; 16,2; 50,6; 155,3.4; 169,8; 175,2; 180,1; 184,2; 317,3; 338,2; 363,1); 1.
do bom Espírito, 6,1; 227,3; 316,1; 329,1; 330,1; em forma de graça actual ou «graça suficiente»
necessária para a salvação, a qual nunca se retira nem mesmo na desolação, ainda que claramente a
não sintamos, 320,2-3; (cf. graça+); em forma de graça donal ou «graça intensa» que o Senhor
retira na desolação, deixando apenas a graça suficiente para a salvação eterna, 322,3-4; 320,3; cf.
consolação+; 2. do mau espírito, 317,2; cf. desolação+; — 3. Dos vários espíritos, 313,1; cf.
espírito+;
Morte – de Cristo: 53,1; 116,2; 289,2; 290,4; 303,3; (cf. paixão+; sepultura, 208,8.10; 219,2; 220,1;
297,5; 298,1.3; 300,4); — do homem: 74,4; 78,2; 106,2-3; 153,1; 186,1; 269,2.4; 289,2; 285,3;
340,1) ; teste de indiferença, 23,6; 153,1; sobretudo antes de eleições consciencienciosas, 186,1;
340,1; ambientação para sentir a graça da meditação dos pecados, 74,3.4; 78,1.2 (cf. 55,4); cf.
contrição+; indiferença+; temor+;
Mundo – mundo criado: 95,3-4; 102,1; 103,1; 141,2; 145,1; 165,2; Cf. terra ( 23,3; 60,4; 76,1;
93,1; 106,1.3; 107,1; 108,1; 11,2; 236,1; 267,3; 270,2.3; 274,3; 290,4; 291,3; 307,3; 316,2; 325,7);
— mundo mundanizado: conhecimento e aborrecimento, 63,4; Cf. mundano (97,2; 146,5); mundo
(9,2; 71,2; 94,2; 142,2; 167,3; 173,1); soberba (142,2.3; 146,5; 322,4); terreno (20,2; 317,2); vão
(39,1; 40,4; 63,4; 142,2; 167,3; 322,4; 326,1.2.3; 351,2);
103.
N
Nascimento – nosso: seu sentido, 177,1; 106,2; — do Senhor: 114,1; 116,1; 206,5; 265,2; como
contemplá-lo, 110-117, 206,5;
Natureza – humana: 89,5; cf. natural (18,8; 20,8; 177,3; 320,1); — seu inimigo: 7,2; 10,2; 135,5;
136,1; 325,7; 326,4; 327,3; 334,1;
Noite – exame: 28,1; — oração: 72,1; 74,1; 88,1; 93,3; 128,1; 148,1; 159,1; 190,1; 208,1.3.5.7-9;
209,4; 274,2); as meditações desta hora, podem omitir-se, às vezes – 129,2; 131,1; 205, 227. Cf.
obscuridade (130,4; 317,2);
Nome – de Deus: 38,4; 39,3-4; 266,3; 287,4; 307,4
O
Obediência – por virtude: 50,4; 92,1; 134,1; 135,2; 165,1; 271,2; 353,1; — por voto: 14,3; 357,1;
Cf. ausência (362,4); defesa (361); lei (278,4); Igreja+ ; mandamento+; maiores ou superiores
(42,2.3; 351,1; 362,1; 362,3.4) ; obrigar (44,3; 165,2); súbdito (94,1; 95,2)
Obras – discernimento de pecado nelas: 37,1.2; 42,1-4; — discernimento de mérito nelas: 14,4;
18,7; 230,2; 278,3; 286,4; erros acerca delas, 367,3; 369,3; cf obrar (15,6; 16,1; 36,1; 71,1; 108,2;
315,3; 351,1.2; 368,2);
Oblação – de si mesmo, 5,1; 97,2; 98,1; 234,3. Cf. oferecer (5,1; 96,1; 97,1; 183,2; 188,1; 234,3;
267,3; 268,2);
Ofício – profissão ou responsabilidade: objecto de discernimento e eleição, 16,3.5; 178,3; 181,1; e
de exame e perfeição, 56,2; 340,1; 341,1; ministério litúrgico, 355,2
Operações – de exercício espiritual (1,2) : o. mentais e espirituais, 1,2; graça para que «sejam
puramente ordenadas para serviço e louvor de sua divina majestade» (46,1); quando usamos dos
actos da vontade, ao orar vocal ou mentalmente, requer-se maior reverência que quando usamos dos
do entendimento (3,1-3; 330,2); — operações de actuação exterior : graça para que «sinta a
desordem das minhas operações, a fim de que aborrecendo-a, me emende e me ordene» (63,3),
especialmente em distribuir esmolas (340,2); Cf. obras+; intenção+
Oração – Vocal (por fórmulas): cf. orar+; — Mental: — estrutura: oração preparatória+,
preâmbulos+, pontos+ a considerar no tema, colóquio+ ou colóquios finais; — métodos separados:
cf. contemplação+; meditação+; repetição+; resumo+; ruminar+; aplicação de sentidos+; exame+;
orar+; — método da sucessão progressiva de métodos sobre o mesmo tema ou temas de oração: 45-
71; 72; 101-126; 128; 132-133; 134; 136-149; 158-159; 161; 190-204; 208; 209; 227; cf. horas+; —
ambientação prévia: cf. adições+; preâmbulos+ ; — comportamento na desolação: 317-322; 7; 12-
13; e na consolação: 323-324; Cf. devoção+; pedir (16,4; 25,1; 43,3.6; 46,1; 54,2; 55,4; 63,4; 65,4;
91,4; 109,2; 139,1; 147,4; 152,1; 157,2-3; 168,2; 180,1; 199,1.3; 221,1; 233,1; 240,1-2; 241,2;
257,1);
Oração preparatória – pedir graça para que «todas as minhas intenções, acções e operações sejam
puramente ordenadas a serviço e louvor de sua divina majestade», 46; é a renovação do «princípio e
fundamento» de qualquer busca da vontade de Deus, 23; que é o fim que se pretende nos EE, 1,3-4;
ou em qualquer oração deles, 46; ou em qualquer opção a tomar neles,169; nunca pode faltar, 49,1
Cf. preparatória (45,2; 46,1; 55,1.2; 62,2; 65,1.2; 91,2; 101,1.2; 105,1; 110,2; 118,2; 121,2; 136,2;
149,2; 159,2; 190,1.2; 200,2; 204,1.3; 218,2);
Orar – três modos 238-260: – por exame: 238-248, sobre Mandamentos (238-243), Pecados
capitais (244-245), Potências da alma (246), Sentidos corporais (247-248); – por significação das
palavras: 249-257; cf. significação (258,5); – por compasso de respiração: 258—260; — lugar nos
Exercícios: 1,2; 4,3; 18,5; Cf. colóquio+; rezar (79,1; 258,4.5); rogar (60,2.3; 283,2; 297,3); vocal
(1,2; 3,2; 253,1);
Ordenar – a vida: 21,1; 169,3; — os vários aspectos da vida: 16,5; 20,6; 40,1.4; 46,1; 63,3; 172,2;
173,1; 174,1; 210,1; 316,3; 355,2; cf. afeições+ ; ordem (214,3); puro (46,1; 135,3; 150,1; 172,5);
104.
Ouvir – na contemplação evangélica, 107,1: «reparando», «advertindo» e «contemplando» como
falam, 115; — na aplicação de sentidos, 123,1: ouvir o que falam ou podem falar, «reflectindo em
si mesmo» e «tirando disso algum proveito»,123; «dando ouvidos», 35,1; não sendo surdo aos
«apelos» do Senhor, 91,4; ouvindo a Cristo que «chama» para a sua bandeira, 137,1; ouvindo a
alegria interior que «chama» e atrai para as coisas celestiais, 316,4; escutando a Deus como amigo
que «fala» com outro amigo, 54,1; dando-se conta como Jesus costuma «falar» aos seus, 93,1; Cf.
chamamento+; falar (93,1; 107,1; 107,3; 115,1; 123,1; 194,2 214,1); palavra+; voz (67,1; 201,4;
263,4; 273,4; 284,4.5; 293,4; 295,4; 297,4);
P
Pai – Deus Pai: 63,5-6; 95,4; 147,4-5; 148,2; 199,4; 201,4; 272,5; 273,4; 278,3; 290,3; 297,4;
307,4; pais humanos: 51,3; 134,1; 135,2-3; 271,2; 272,4; 275,9; 311,3; 326,2-3; Cf. Deus +;
Paixão – de Cristo: 4,3; 48,3; 87,4; 193,1; 203,1; 206,5; 208,9; 209,1.3.4.6; 223,1; 226,2.5; 316,3;
contemplação por passos, 190-204; 208,1-8; 209,1-2.4-5; contemplação por junto, 208,9-11;
209,3.6; graças alternativas a demandar e pedir, 193; 203; grelha de pontos a considerar para
qualquer delas, 194-197; 204,1; colóquios alternativos para uma ou outra graça, 198; 199,4-5;
204,1; ambientação para a oração, 206-207; Cf. cálice (290); calor (116); caminhar (116); cruz+;
dor+; fadigas (206,5; 208,11); fome (116,2; 278,2); frio (116); morte+; padecer (195,1; 196,1;
197,1; 206,3; 278,2; 303,3); pena+; quebranto (203,1; 206,4; 297,5; 165,2); tormento (48,3);
trabalhos (9,2; 51,5; 93,3.4; 96,1; 97,1; 116,1.2; 206,5); trabalhar (11,2; 95,5; 236,1; 321,1); —
paixões desordenadas: 18,5.7; 238,2; 242,3; 244,1.2; 245,1; cf. afeições+; desordem+
Palavras – na oração: 107,3; 249,1; 252,2-3; 254,1; 255,1-2; 257,1; 258,4-6; 261,2; 262,5; 297,3;
— na vida: discernimento de culpabilidade nelas, 38-41; 326,2-3; 349,3; exame delas, 43,5;
apostolado com elas, 189,7; Cf. falar (303,2; 326,2; 351,1-2; 362,2.4; 366,2; 367,1; 368,1; 369,1-2);
infamar (41,1); jurar (38,2; 39,1-5.7; 107,1); murmurar (286,4; 362,2); povo (293,2; 362,2.3; 367,1;
368,2); público (19,1; 41,1.3; 362,2);
Paraíso – terreal, 51,3.5; — celestial, 58,2; cf. celestial (98,1; 264,4; 316,4); céu (50,5; 60,3; 236,2;
264,4; 273,4; 278,3; 281,4; 284,4; 307,3; 312,4); corte (74,2; 98,1); santos (3,2; 58,2; 60,3; 67,1;
98,1; 100,1; 151,1; 175,3; 215,1; 232,1; 310,2; 358,1)
Pausa – importância na oração, 62,2; 227,3; cf. passar (76,2-3; 217,3; 254,2); repetição+ ; repousar
(76,3; 239,1)
Paz – forma de consolação+, 316,4; 333,3; (cf. 106,2; 150,2; 153,1; 268,3; 282,4; 304,3; estrépito,
335; pacificar, 316,4; quietude+; tranquilo, 177,1.3; 279,4; 333,3);
Pecados – pecado mortal: cf. mortal (33,3; 35,1; 36,1; 37,1; 41,1; 48,4; 52,1; 57,1; 165,2; 314,1;
349,2.5; 370,2); — falta venial: cf. venial (35,1; 41,1; 166,2; 349,2.5); falta (41; 65; 160; 241; 245;
322; faltar (240; 241); negligência (35,2; 90,1; 160,1; 322,1); preguiça (317,3; 322,1; 368,2); —
exame deles: 43; — oração em forma de exame sobre eles: 18,5-7; 238-248; — discernimento da
culpabilidade subjectiva neles: 32-42; (cf. 345-351); — modo de combatê-los: 18,6.9; 24-31; 44,1-
9; 82-89; — «consideração e contemplação dos pecados» na sua maldade e consequências para uma
verdadeira conversão: 45-72; objecto da I Semana ou etapa dos EE, 4,2; 19,4-6; — frutos a
demandar: 4,5; (cf. 87,3; 193,1; 197,1; 282,4; 304,4; 316,3; 370,2; semana+); — ponto culminante
de graças a atingir para uma verdadeira conversão: 63; 165,1-2. Cf. Adão (51); anjos+ (50; 58; 60;
331; 332); pecado (95 vezes); pecador (74,3); pecar (10 vezes); cair (25,1; 27,2; 44,8; 71,3; 349,3);
caso (349,5); cometer (33,3; 57; 82,2-3); comparações (50,3; 58; 59,1); corrigir (22,3; 24,2; 25,2);
corrupção (51,2; 58,2); culpa (54,2; 343,1.2; 348,2); desterrar (47,6); evitar (212,2; 244,3; 245,1);
exemplo (58,1; 74,1.4); fealdade (57,1; 58,4); gravidade (52,2; 150,2); grosseiro (9,1; 349,1.4);
guardar (24,2; 240,2; 241,1; 242,3; 244,3); iniquidade (59,2); mal (36,1; 40,4; 54,2; 170,2; 313,2;
333,2; 335,3; 362,4; 367,2); maldade (58,5); malícia (44,4-5; 50,5; 52,2; 57,1; 59,2; 325,7; 326,5-6;
331,3); matar (108,1; 269,2; 278,4); ocasião (368,2); ofensa (74,2; 361,1); tropeçar (242); vício
105.
(84,3; 142,3; 314,2);
Pena – pelo pecado: no inferno, 19,6; 60,4; 65,4-5; 78,1-2; ; por Cristo: 48,3; 87,4; 95,5; 203,1;
206,4; Cf. dor+; lágrimas+; Paixão+
Penitência – virtude (interna): 48,3; 78,1-2 cf. contrição+ ; — obras da virtude (externa): 51,2.5;
65,4-5; 82,1; 83,2; 84,1-2; 319,2; 359,1; diferença da temperança, 83,1-2; 84,1; 229,5; finalidade,
87,1-4; (cf. satisfação, 87,1); modalidades, 82,3; 83-85; critérios de discernimento e prudência,
83,2; 84,2.3; 86,1.2; 89,1.2.5; 130,5; Cf. açoitar (277,2;295,3); aspereza (85,1); barras (85); calor
(116; 229); castigar (82; 85); cilício (85); cordas (86; 277); corpo (38; 40; 47; 66; 89); flagelar (85);
jejuar (229,5; 274,2; 359,1); privar-se (79,1; 169,8); vigília (93,3; 359,1); — sacramento da virtude
e obras da p. (confissão): 18,6.9.10; 19,3; 32,1; 42,3; 44,1.2.3.9; 326,5; 354,1;
Pensamentos – discernimento: de culpabilidade ou mérito neles, 32,2-3; 33-37; de escrúpulos
neles, 345-351; das inspirações ou espíritos deles, 17,2; 317,4; 332,2; 333,1; 334,2; — importância
na ambientação da oração, 73,2; 74,1.5; 78,1; 206,4; 229,3 . Cf. adições+; pensar (12,2; 109,1;
187,1; 241,1.2; 254,1; 321,2; 323,1; 324,1-2)
Perdão – pedido: 43,6; 241,2; — dado: 282,4; 297,3; 304,4; Cf. indulgência (358,1); piedade (71,4;
237,1);
Perfeição – «em qualquer estado de vida»: 135,6; 185,1; 339,2; — em estado de «religião»: 15,2;
135,3; 357,1; — em estados de vida imutáveis: 171-172; — em simples opções mutáveis: 171,2;
173,1-2; — graus de perfeição: 164-168. Cf. humildade+; adiante (9,2); aumento (44,8; 316,4);
conservar (18,10; 44,8; 60,1; 236,2); chegar (18,4; 20,9;173,1; 189,6); conduzir (23,7; 367,3);
conferir (29,1; 30,1); crescer (331,2); diligência (6,3; 20,8; 24,2; 183,1; 321,2); diminuir (58,1;
334,2); escalão (146,5.6); grau (18,4); imperfeito (39,5.7-8); maior (3,3; 17,3; 18,12; 44,4.6; 62,2;
83,2; 97,2; 98,2; 183,2; 185,1; 189,9; 212,1; 214,3; 227,3; 240,2; 339,2; 369,2); merecer (20,6;
33,2; 34,1-2); mérito (40,4; 44,4.6); meritório (14,4; 15,2); perfeito (39,5-6.8; 166,1; 167,1); pior
(335,3); possível (20,1; 114,2; 165,1; 369,2); presteza (27,1; 91,4; 213,1; 302,1; 321,2); proveito +;
reforma +; subir (9,4; 315,1; 331,2);
Pobreza – com Cristo pobre: 167-168; 116,1; 146,5; — espiritual: 146,2; 147,2; — também actual
ou real: 146,3; 147,2; 157,1.2; por acontecimento providencial, 23,6; 157,1; 166,1; voluntária ou
por voto, 98,3; 157,2; 167,3; 357,1; Cf. cercear (344); comer e beber (93,2); esmola (337,1; 338,2;
342,3); estipêndio (322); pobre (114,2; 167,3; 189,8; 277,4; 278,2; 344,3.6); vestir (93,2; 294,4;
295,3.4);
Pontos – tópicos de oração: breves, 2,1; bem determinados, 45,2; 50,1; 55,1; 56,1; 65,1; 66,1; 92,1;
95,1.2; 101,1; 106,1; 114,1; 122,1; 140,1; 144,1; 170,1.2; 178,2.3; 188,1; 190,1; 194,1; 195,2;
204,1; 222,1; 226,4; 228,1-2; 234,1; 235,3; 261,3; 262,2; frutos a tirar, 62,2; 76,3; — tópicos de
exame: 43,1.2; — marcas gráficas: 25,3.4; 26,2;. Cf. declarar (2,2.4;18,7; 278,4; 363,3); matéria
(4,7; 9,4; 48,2; 74,5; 105,2; 119,1; 199,1.4; 204,3; 225,1; 226,3; 243,2; 244,3; 247,2; 254,1; 281,4);
Potência – divina: 39,6; 237,1; 281,2; 307,3; — humana: forças gerais, 237,1; potências da alma,
20,8; 45,1; 51,1; 177,3; 238,2; 246,1.2; 320,1. Cf. entendimento+; memória+; vontade+; modo de as
purificar «para que a oração seja aceite», 238,2-3; 246,1-2; cf. 322,1;
Preâmbulos – de preparação imediata para a oração: 45,2; 47,1; 49,1; 55,1.3; 62,2; 65,1; 91,3;
101,1; 105,2; 118,2; 121,2; 159,2; 190,1; 204,1.3; 226,3; além da oração preparatória+ (46); que é
sempre a mesma (49; 105), são: 1º a composição de lugar+, 47; 2º a «demanda»+ ou graça a intentar
e pedir naquela oração, 48; na contemplação dos mistérios da vida de Cristo acrescenta-se mais um
– «a história+ da coisa que tenho de contemplar» (102) — o qual passa sempre para primeiro lugar;
— de preparação para a eleição: 169,1; Cf. 135,1
Presença – de Deus: renovada ao começar da oração, 75; Cf. estrela (60; 267) ; habitar (56,2;
235,1); trabalhar (236,1);
106.
Propósito – decisão: 24,2; 25,2.5; 43,7; 61,1; 82,2; 245,1; 275,3; 318,1; 319,1; 333,2; 336,5; —
proposta: 22,2; 178,3; 179,2; 180,1; 181,1; 182,1-2; 314,1; cf. objectivo (169,7; 179,1); — cf.
determinação (98,2; 186; 318,1); mudar (16,5; 89,2; 133,1; 318,1; 319,1); mutável (171,1-2; 172,1;
173,1; 174,1; 178,3; 189,3); promessa (14,1.5; 14,1); voto+
Proveito – 16,3; 17,3; 18,12; 20,5; 38,3; 40,2; 44,2.4.6; 106,4; 107,3; 108,4; 114,3; 115,1; 116,3;
122,1; 123,1; 124,2; 125,1; 181,1.3; 194,1.2.3; 211,2; 331,2; 333,4; 362,2.4; 367,3. cf. ajudar (1,1;
14,5; 18,3.4; 22,1; 23,3.4; 41,4; 44,8; 50,4; 65,5; 72,2; 91,1; 98,1; 130,4; 139,1; 146,2; 169,3;
177,2; 205,1; 213,2; 229,4; 345,1; 363,5; 370,2); aproveitar (5,1; 9,4; 11,1; 17,1; 18,2.3; 20,1.2.7;
22,1; 40,1.2; 56,1; 89,1; 100,1; 121,2; 130,4; 133,1; 157,2; 162,1; 164,2; 168,1; 174,2; 189,4.10;
209,6; 217,1; 228,2; 238,3; 271,2; 319,1; 334,2; 348,1; 350,1; 363,4); danificar (9,4; 37,2; 211,2;
362,4); fruto+; graça +;
Purgativa – via ou caminhada da vida espiritual: 10,3; (cf. limpar, 32,1; 172,5; 278,2; 348,2; purgar,
315,1; 348,2; provar, 4,6; 320,1; 322,2; 342,2; remorder, 314,1; afeições+; desordem+);
corresponde ao primeiro grau de humildade, 165 (cf. humildade+; semana+);
Q
Quietude – forma de consolação+: 188,1; 315,3; 333,3; cf. aquietar (316,4;350,3); paz+ ;
R
Razão – razão: 87,2; 96,1; 314,3 — razões da razão: 37,1; 39,2; 41,4; 182,1; 213,1; 234,3; 315,2;
329,2; 344,1; 351,2; 361,1; Cf. juízo (96,1); raciocinar (2,2; 181,1; 182,1); raciocínio (2,3); racional
(182,2); arrazoar (61,1; 199,1);
Reforma – de vida, 189,1.4, 343,3; cf. emenda+; humildade+ ; perfeição+; riqueza+;
Regras – de discernimento: Cf. discernimento+; quando se devem explicar, 8; 9; 10; — de
orientação: nas eleições, 184-188; na oração: 241,2; 244,4; 246,2; 253-257; 258,6; 259-260;
noutros exercícios, Cf. notas (72; 86-90; 99-100; 119; 127-131; 133; 148; 157; 159-160; 162-164;
168; 174; 199; 204-207; 209; 226-229; 230-231; 242-243; 248; 256-257; 261); notar (31,1; 47,2;
62,2; 105,1; 118,3; 157,1; 209,1; 227,3; 242,1; 334,4); reger (189,7; 226,3.5; 365,2.3); regular
(186,1; 340,2);
Repetição – método de oração: sempre sobre um tema já antes meditado (62-63) ou contemplado
(118-120); — a matéria são só «os pontos em que tenha sentido maior consolação+ ou desolação+
ou maior sentimento espiritual» (62,2; 227,3); não os pontos em que «não lhe vêm algumas moções
espirituais à sua alma, tais como consolações ou desolações, nem é agitado de vários espíritos»
(6,1); por isso, já durante as meditações anteriores, «no ponto em que achar o que quero, aí me
repousarei, sem Ter ânsia de passar adiante, até que me satisfaça» (76,3); e se «achar só numa
palavra ou em duas tão boa matéria que pensar, e gosto e consolação, não procure passar adiante,
mesmo que se esgote a hora naquilo em que se encontra» (254,1-2); — razões: a consolação, porque
quando «o entendimento é elucidado pela virtude divina, é de mais gosto e fruto espiritual» (2,3) e
porque «não é o muito saber que sacia e farta a alma, mas o sentir e gostar as coisas internamente»
(2,4), cf. também (175-176; 323-324); as desolações, para as discernir (322,1-4) e combater (157,1-
3; 318-321); — O método é «reparando» e «fazendo pausa» (62,2; 227,3) nesses pontos em que
tenha sentido moções ou interpelações do Espírito. – importância: este modo de oração ocupa lugar
central na I semana (62-63; 72), na II (118-120; 128), na III (204; 208-209) e na IV (226,5; 227,3);
todos os temas de oração, primeiro meditados ou contemplados, passam, num segundo tempo, por
duas «repetições» destas (72; 128; 204; 226,5) ou ao menos uma (129; 133; 208,9-11; 209,3.6); é
neste clima das «repetições» que se recomendam os colóquios solenes a pedir as graças culminantes
de cada etapa ou «semana» dos EE (63; 147-148; 167-168; 199,4-5) e que também se preparam
discernimentos para uma boa eleição da Vontade de Deus (176) Cf. notar (62,2; 118,3; 227,3;
334,4); notícia (213,2; 322,3); pausa (62,2; 227,3); repetição (62,1; 72,2; 118,1.2; 119,1; 120,1;
129,3; 132,2; 134,1; 148,1; 159,1; 204,2; 208,2.4.6.7.10; 209,5; 226,5; 227,2); repousar (76,3;
107.
239,1),
Ressurreição – de Cristo: 4,3; 48,2; 78,1; 206,4; 223,1; 226,1.2.3; cf. alegria+; aparecer (161,4);
consolação+; divindade+; glória+; gozo+; miraculoso (223,1; 306,3); vitória (93,4); — paralelismo
da contemplação da Ressurreição (IV semana) com a da Paixão (III semana), 226,2.5; (cf 203 e 221;
193,197 e 233,234; 195-197 e 223-224) — contemplação por aparições, 218-225; 226,1; 299-312;
— contemplação por junto «ad amorem», 230-237 (cf 226,2.5); — graça a demandar e pedir, 221;
233; — grelha alternativa de pontos a considerar, 226,4; 228,1.2; e de colóquios, 225,1; —
ambientação para a oração, 229,1-5;
Resumo – método de oração: 64; modo de a simplificar e tornar mais intuitiva, «sem divagar»,
64,2; 73,2; 131,3; 206,2; porque «não é o muito saber que sacia e farta a alma, mas o sentir e gostar
as coisas internamente», 2,4. Cf. memória+; repetição+; ruminar+
Retiro – «apartar-se de todos os amigos e conhecidos e de toda a solicitude terrena», 20,3.4; cf.
adições+ ; apartar (20,2.5.6.7.9; 79); casa (20,3; 88,2); quarto (20,3; 79,1); cerrar (252,1; 304,3;
305,3); embaraçar (19,1; 20,1); ler (79,1; 100,1); riso (80,1);
Reverência – 3,3; 23,2; 38,2.4; 39,2.4.7; 50,4; 75,2; 92,1; 114,2; cf. acatamento (38,4; 39,4.7;
114,2); cavaleiro (74,2; 94,2); diferença (258,5); escravozinho (114,2); prostrar (76,1.2; 267,3;
274,3); súbdito (94,1;95,2);
Riqueza – necessidade da indiferença ou liberdade interior frente a ela: 23,6; 142,2.3; 146,5; 157,1;
166,1; 167,3; 231,2; cf. administração (340,1); abundar (189,2); adquirir (150,1.2; 153,1; 154,1;
155,1); aplicar (343,2); benefício (16,3.5; 169,5.7; 171,2; 178,3; 181,1); bens (38,3; 40,2; 189,2;
343,1); casa (189,7-8); distribuir (337,1; 338,1; 339,2; 340,2; 342,1); fazenda (344,3.5); mercadoria
(40,3; 277,4; 357,2; negócio (19,1; 20,6); ouro (267,3; 281,4); possuir (234,4; 275,3; 281,4); vender
(191,3; 277,1.2.4; 289,2.5);
Ruminar – Cf. aos poucos (100,1; 164,2; 189,6; 342,2); considerar (38,4; 39,6; 47,5; 59,1; 75,2;
94,1; 95,2; 96,1; 106,3; 112,1; 116,1; 135,1.2; 141,1; 142,1; 144,1; 145,1; 146,1; 164,2; 177,1;
181,1.2; 185,1; 186,1; 187,1; 189,6; 192,1; 195,1; 196,1; 197,1; 202,1; 208,10.11; 214,1; 223,1;
234,3; 236,1; 239,1; 241,1; 248,1.2; 275,7; 289,3; 320,1; 340,1; 344,4); ponderar (57,1; 234,2);
S
Salvação – perfeição ou saúde espiritual: 1,4; 16,3; 152,1; 165,1; 166,2; 169,8; 181,1; 188,1;
316,4320,3; 327,4; 333,4; 363,3; 365,2; 367,3; (cf. perfeição, 15,2; 135,3.6; 173,2; 185,1; 339,2;
357,1.2); — salvação da alma: 169,2; 177,2; 179,3; 189,5; (cf. salvar, 23,2; 102,2; 150,2; 153,1;
177,1; 179,1; 366,1; 367,2; redenção, 107,2; 234,1; 268,4);
Seguir – a Cristo: 95,5; 161,2; 175,3; 275,3.4; 291,5; amar e seguir, 104,1; imitar e seguir, 109,2;
servir e seguir, 130,2; cf. acercar (20; 281; 344); exemplo (95; 135; 189; 289; 344);
Semanas – Etapas em que se dividem os Exercícios: 4,1-7; — Fundamento de todas: 23,1-7; —
meta de cada uma: I (63,1-6; 165,1-2; cf. 10,3); II (147,1-5; 166,1-2; 152; 189; cf. 10,2); III (199,4-
5; 167-168); IV (230-237); — como se organizam: I (23,1-7; 45-72; 44,1-9; 78,2; cf. 4,4-7); II (91-
99; 101-129; 132-134; 135-157; 158-162; 163-188; 189; cf. 4,2); III (190-205; 208-209; 210-217;
cf. 4,3); IV (218-228 e 299-312; 230-237; 238-260; cf. 4,3) ; — coroação de todas: 230-237; Cf.
dia+; horas+; oração+; demanda+; adições+; abreviar+; alongar+; pecado+; Jesus Cristo+; Paixão+;
Ressurreição+;
Sentidos – corporais: 18,7; 238,2; 247,1.2; 248,1.2; (cf. sensar, 235,1.2; 236,2; sensível, 85,1; 86,1;
sensual, 35,2; 89,3; 182,2; 314,1; sensualidade, 87,2; 97,2) — imaginativos: 121,1.2; 129,3; 132,2;
134,1; 159,1; 204,2; 208,2.4.6.7.10; 209,5; 226,5; 227,3; 335,5; — espirituais, com que captamos os
«frutos do Espírito»: a suavidade e doçura da divindade»,124; a alegria, 316,4; a paz, 316,4; Cf.
sentir+; — modo de os purificar, «para que a alma se aperfeiçoe e aproveite neles e para que a oração
com eles seja aceite», 238,3; 247-248;
108.
Sentir – com simples pressentimento: 6,1; 8,1; 10,1; 27,3; 130,4; 235,1.3; 257,1; 342,1; —
internamente : com gosto e consolação, 2,5; 62,2; 227,3; 263,2; 320,2; com qualquer outro
sentimento espiritual, 78,1.2; 118,3; 157,1; 342,1; 347,2 (cf. sentimento, 62,2; 65,4; 193,1; 330,2);
com intuição e discernimento, 2,2.4; 63,3; 89,5; 109,2; 179,3; 184,3; 213,2; 257,1; 313,1; 322,3;
334,1; 338,3; 345,1; com conhecimento interno, 63,2; 118,3; satisfaz mais que o muito saber, 2,4;
(cf. interno+); — com a Igreja : 352,1; regras de discernimento do sentido de Igreja, sobretudo para
militantes em quaisquer ministérios e movimentos, 352-370; são elementos a considerar para a
«Reforma», dentro de qualquer estado de vida, cf. 189 (cf. comparações, 364; escândalo, 362)
Servir – a Deus: 15,4; 20,7; 135,4; 155,4; 169,4; fim que o homem deve Ter como objectivo em
toda a sua vida, 23,2; outras formulações: «servir e louvar» 20,6; 46; 98,2; 155,2; 157,3; 168,2;
183,2; 316,3; 322,2; «servir e seguir» 130,2; «imitar e servir» 168,2; «amar e servir», 233; 363,1;
«servir-se» de nós (Deus), 5,2; 146,3; 147,2; cf. serviço (92; 16,6; 46; 97,1; 98,2; 135,3; 155,2.3;
157,3; 166,2; 168,2; 169,8; 177,2; 183,2; 315,1; 316,3; 322,2; 351,3); servil (370,2); servo (54,1;
146,1; 262,5; 268,3); súbdito (94,1; 95,2) -— ao próximo: cf. ajudar (14,5; 41,4; 72,2; 146,2; 205,1)
— a si mesmo: cf. ajudar (1,1; 18,3.4; 22,1; 23,4; 44,8; 65,5; 130,4; 139,1; 169,3; 177,2; 205,1;
213,2; 229,4; 345,1; 363,5; 370,2)
Suavidade – de Deus: 124,1; 275,8; 334,3; 335,1; — de trato humano: 7,1;
T
Temor – graça a intentar e pedir na primeira semana: 65,5 — filial: 370; — servil: 370; cf. morte+
(186; 340); juízo+ ; inferno+.
Temperança – diferença da penitência: 83,1; 229,5; cf. comer+; sustentação (213,3; 214,2; 344,6);
beber (93,2; 211,1; 213,1; 214,1);
Tempo – de horário: 6,2; 18,12; 24,1.2; 25,3; 26,1; 43,4; 56,1; 88,1; 355,2; 363,3; 369,3; — de
duração: 37,2; 44,5; 51,2; 79,1; 102,3; 162,1; 241,2; 242,1; 252,2; 256,1; 258,5; 348,1; — de
estados de alma: de consolação, 13,1; 336,2.4 ; de desolação, 13,1; 318,1; 324,1; — de estados de
eleição: 175,1; de moção clara, 175,2 (cf. 330; 336; 2,3); de alternância de consolações e
desolações, 176,1; de indiferença livre e tranquila, 177,1-3; 178,1;
Tentações – «grosseira e abertamente»: 9; 210,2; 317,2-3; 326,1-3; 327,1-4; — sob aparência de
bem: 10; 351,1-3; (cf. enganos+ ; escrúpulos+ ); — modo de combatê-las: 13,2; 217,1-3; 320,1-3;
325,4-6; 326,4-6; Cf. bater (10; 327,4); combater (327,2); contra; contrário+; derrotar (13);
diametrum (325; 351); extinguir (157); ferocidade (325); fugir (325,2.3.4); instar (16,4; 319,2); mal
(16,2; 33,2; 34,1; 139,1; 326,2; 331,3; 333,4; 334,1); resistir 13,2; 33,3; 34,1; 320,1; 324,2);
tentador (274,3); tentar (7,1; 9,1; 10,1.2; 142,2; 199,2; 217,3; 274,1.3; 334,2);
Teologia – positiva e escolástica: 363,1.4; Cf. cânones; doutor (272; 363); doutrina+ (145,1; 164;
363,4) ; escritura sagrada (299; 303; 363,4);
Tocar – «nos que procedem de bem em melhor, o bom espírito toca a alma... suavemente» 335,1;
— na aplicação de sentidos: 125; atenção ao que o bom espírito mais me «toca», 335,1; quanto
mais espirituais forem as coisas que toco ou me «tocam», mais frutuosa é esta «aplicação de
sentidos», 70,1; 335,1; cf. abraçar (15,4; 149,1; 268,3); beijar (125,1; 282,3; 291,2); tacto (70,1),
mãos (27,2; 92,1; 297,4); sentir+
Trindade – pessoas divinas: modo de as contemplar, 102,1-2; 106,1.3; 107,1-2; 108,2; 109,1; e de
falar com elas, 3,2-3; de invocar o seu nome, 38-39; cf corte (74,2; 98,1); reverência+;
Turvação – forma de desolação+: 317,2; 329,1; 333,3; com escrúpulos, 347,2; 349,1;
109.
V
Vencer – 13,2; 21,1; 33,3; 34,1; 87,2; 217,3; 327,1; Cf. extinguir 157; instar (16,4; 319,2);
Ver – na composição de lugar: «ver com a vista imaginativa», 47,1.5; 112,1.2; Cf. composição de
lugar+; — na contemplação: «ver as pessoas» e «reflectir em si mesmo para tirar algum proveito»
106,1-4; 114,1-3; 194,1; Cf. 48,4; 53,3; Cf. contemplação+; — na aplicação de sentidos: ver ou
«com a vista imaginativa, meditando e contemplando» e «tirando algum proveito do que vê», 122;
ou com os olhos do coração «alguma coisa que faça declarar ou sentir um pouco mais a história»
que se contempla, 2,2; ou com luz interior «quando o entendimento é elucidado por virtude divina»,
2,3 ; cf. aplicação de sentidos+; admirar (60,1); advertir (74,1;115,1); claridade (176,1); conhecer
interiormente (44,5); ilucidar+; inspiração; inteligência+; interno conhecimento+ (63,2; 104,1;
233,1); «mirar» ou olhar ou reparar (58,1.3.4.5; 75,2; 102,1; 106,3; 114,2; 116,1; 194,3; 214,1;
224,1; 235,1; 237,1; 292,2); notícias (213,2; 322,3); olho (169,2; 252,1); sentir+;
Vergonha – «vergonha e confusão»: graça a intentar e pedir como 1º passo para a conversão do
pecado à graça, 48,4 ou para conseguir o 1º grau de humildade, 165; cf. abrir (60,4); envergonhar
(74,1-2); atar (74,3); cavaleiro (74,2; 94,2); confusão+; — «vergonha e temor»: pela honra do
mundo: 9,2; 94,1-2
Vésperas – liberdade de nelas participar, mesmo em Exercícios plenos de completo retiro, 20,4; cf.
horas+ ; liturgia+
Vícios – os que induzem a outros, 142,3; (cf. pecados capitais, 238,2; 244,1); disposições para eles,
314,2; (cf. hábitos, 84,3; 242,1)
Vida – de Cristo: 4,2; 53,1; 71,2; 91,1; 130,3; 135,4; 139,2; 261,1; 271,1; — do homem: temporal,
23,6; 51,5; 60,1; 61,1; 71,3; 165,2; 166,1.2; espiritual, 10,2.3; 44,4; 56,1; 172,2; 285,3; 350,1; de
estado, cf. estados+; dos santos, 100,1; 215,1; 310,2;
Virtudes – teologais, cardeais e morais, 327,3; as contrárias aos vícios, 245,1; as estratégicas,
146,6; irradiação delas, 124,1; a «divina virtude» que as infunde, 2,3; 363,5; a oração que as obtém,
199,2; 257,1;
Vocação – divina: 95,2; 172,3.4.5; 275,6; — não divina: 172,3.4; Cf. chamamento+ ; eleições+;
estados+
Vontade – do homem: potência da alma, 50,1.6; 51,6; 52,3; 155,2; 175,2; 180,1; 234,4; sua função
na oração de meditação, 50,2; 51,6; 52,3; actos da vontade, 3,1.2; 189,3; 330,2; — de Deus: 1,4;
5,2; 15,3; 91,4; 93,1; 95,4; 180,2; 234,5; 290,3; Cf. determinação; dispor+; facilitar (315); grato
(151,1; 370,3); pronto (22,2; 33,3; 189,3; 212,1; 353,1; 361,1; 362,1); querer (5,1; 14,5; 16,5;
18,1.3.4; 23,6; 24,2; 25,1.2; 32,2; 39,3.4; 44,2; 47,3.4; 48,1; 50,2.4; 54,2; 55,4; 65,4; 73,2; 76,1.2.3;
78,1.2; 87,3; 91,4; 93,2; 95,5; 97,1; 98,2.4; 104,1; 135,4; 137,1; 139,1; 146,2.3; 147,2; 150,2;
152,1; 153,1; 154,1; 155,1.2.3; 157,3; 162,1; 166,1; 167,3; 168,2; 169,5.6.7; 170,2.3; 178,3; 180,1;
183,2; 186,1; 187,1.2; 189,9.10; 193,1; 195,1; 199,2; 203,1; 206,2; 209,1.4; 221,1; 229,2; 233,1;
248,1.2; 252,3; 255,1; 259,1; 260,1; 269,2; 273,3; 277,4; 280,4; 281,4; 289,3; 301,2; 305,3;
326,1.2.4; 339,1-3; 340,1; 341,1.2; 342,1; 350,2; 351,1);
Votos – de «religião» ou profissão religiosa: 14,3; — de «outras perfeições»: 14,1.4; são sempre
duma coisa melhor, 357,2; aumentam o mérito, 14,4; são de louvar, 357,1; — condições: de
liberdade e prudência,14,1.2; de capacidade, 14,5. Cf. castidade (14; 357) ; continência (15; 356);
obediência (14,3; 50,4; 92,1; 135,2; 353,1; 357,1); pobreza+ ; virgindade (15,2; 356,1); estados+;

EXERCÍCIOS ESPIRITUAIS
FOI COMPOSTO NA EDITORIAL A. O. – BRAGA
E IMPRESSO NA ENCANOR – LOMAR – BRAGA
PARA A LIVRARIA A. I.
NO MÊS DE JUNHO DO ANO DA GRAÇA DE 1999

___________________________

http://www.raggionline.com/saggi/scritti/pt/exercicios.pdf
Enviado por J B Pereira em 21/12/2017
Código do texto: T6205122
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
J B Pereira
Piracicaba - São Paulo - Brasil
2826 textos (1570321 leituras)
35 e-livros (529 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/04/21 23:52)
J B Pereira