Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

LEO III - DISCRIÇÃO - CAP. 5

                                       CAPÍTULO V – DISCRIÇÃO
                         
                                                                                           
                                   Ciro e Célia sabiam exatamente o que havia acontecido quando os dois se reencontraram com eles, duas horas depois, quando a chuva passou, mas não fizeram perguntas e, muito discretos, guardaram segredo.
  Leo e Gilda continuaram se vendo durante todo o período de férias, com a ajuda dos dois irmãos.
   Alcântara vinha de vez em quando com dona Júlia visitar a irmã e rever a filha e ficava muito satisfeito em ver a mudança de ânimo da moça. Na última visita feita, no dia do aniversário de dona Clarice, no meio do mês de janeiro, Alcântara combinou que viria buscar Gilda no primeiro sábado do mês seguinte. Estava na hora de voltar para casa.
  Na manhã do dia em que Gilda voltaria para Serra Negra com o pai, Célia entrou em seu quarto e perguntou:
- Está tudo pronto, prima?
- Está... ela falou, sentada na cama, um pouco pálida.
- Nossa, Gilda! O que você tem? Está branca feito neve!
- Eu não estou me sentindo bem...
- Vou chamar a mamãe...
- Não! Não, Célia, não chama a tia Clarice, não! Já vai passar. Feche a porta.
   Célia obedeceu preocupada. Gilda respirou fundo e disse:
- Eu vou te contar uma coisa que você vai prometer não contar pra ninguém...
- O que foi?
- Promete pra mim?
- Claro, o que foi, garota? Fala logo!
- Eu estou grávida, Célia.
   Foi a vez de Célia ficar branca.
- Grávida!? Você ficou doida, prima?
- Só pode ser... Eu estou sentindo enjôos estranhos de manhã faz uns dias...
- Isso não quer dizer nada. Pode ter sido alguma coisa que você comeu...
- Não, eu sinto, Célia! Preciso falar com o Leo, antes de ir embora. Lá em Serra Negra vai ser muito difícil. Me ajuda, Célia!
- Mas seu pai vai chegar daqui a pouco! E como você pode ter certeza de que está grávida? Você nem sabe como é!
- Não pode ser outra coisa. Preciso falar com Leo.
- Posso pedir ajuda ao Ciro?
- Não sei... Não sei o que ele diria, se soubesse. Poderia me culpar, ficar contra o Leo e contar pro meu pai...
   Ciro apareceu na porta.
- É esse o juízo que você faz de mim, depois de tudo que eu fiz por vocês, prima?
   Gilda ergueu-se arrependida.
- Me desculpe, Ciro, é que eu...
- Não diz mais nada. Fique calma. Vou ligar pro Leo e marcar um encontro pra vocês. A mamãe precisa de massa de pastel, Célia. Vocês duas poderiam ir comprar e eu o levaria até o mercado.
   Gilda abraçou o primo.
- Obrigada!
- Se você estiver grávida mesmo... o que vai fazer?
- Não sei. Por isso eu quero falar com ele. Não dá pra decidir sozinha.
- Tudo bem, mas desde já, conte com a gente pra te apoiar... sempre.


                                    LEO III – CAPÍTULO 5
                                          “DISCRIÇÃO”
                             OBRIGADA, SENHOR, POR TUDO!
                    PELA PIEDADE, PELO AMOR E PELAS BÊNÇÃOS!
                                CONTINUE NOS PROTEGENDO
                          COM SEU ESCUDO DE MISERICÓRDIA!
                                     BOA TARDE E OBRIGADA!

Velucy
Enviado por Velucy em 29/06/2020
Reeditado em 07/07/2020
Código do texto: T6991360
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Velucy
São Paulo - São Paulo - Brasil
1805 textos (12182 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/07/20 17:33)