Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AMANDA VII - A VOLTA DE RITA XII - PARTE 3

                                      III – A VOLTA DE RITA
                         
                                    E quando Rita chegou abraçou os dois com muita saudade. Quando a abraçou, Marco prolongou o abraço mais tempo do que o normal e quase não conseguiu falar. Quando ele se afastou dela, Rita percebeu que havia algo diferente e perguntou:
- O que foi, meu amor? Eu pensei que fosse te encontrar radiante. Eu soube que vocês foram indicados para o prêmio da Associação de Publicidade e Propaganda de São Paulo. Estou tão orgulhosa!
- E eu agradecido. Muito obrigado, por tudo, Rita. Por tudo... Você me ensinou tudo que eu sei e me ajudou desde o início. Obrigado.
- Mas por que isso agora? Tudo que eu te ensinei não teria valido de nada, se não fosse seu talento e sua vontade de trabalhar. E quem fez a AR&MAR foram vocês dois; seu talento aliado à iniciativa e criatividade da minha filhinha linda aqui.
    Rita segurou Amanda pelo queixo e sorriu.
- Vocês dois já vinham predestinados a fazer história na publicidade, desde que nasceram com essas carinhas lindas que Deus lhes deu. E não foi só para serem modelos de sucesso. O que vocês fazem pelas crianças com quem trabalham é maravilhoso e isso merece todo prêmio do mundo. Eu não tive nada a ver com isso.
   Rita olhou para a mesa repleta de fotos e admirou-se.
- Meu Deus, que coisinhas mais lindas! Eles estão cada dia mais fofos!
   Ela pegou uma das fotos de Letícia e a levantou diante dos olhos.
- Incrível! Me lembra muito as primeiras fotos da Amanda. Como o cabelo dela cresceu!
- A gente só apara as pontas de vez em quando. Ela não quer cortar, disse Amanda.
- Essa menina tem futuro...
- Calma, lá, Rita, falou Marco. – A Letícia e o Luís Felipe só fazem as fotos quando estão a fim. Se eles não quiserem ser modelos no futuro não serão. Nem a Mariana. Pare de olhar para os meus filhos com esse olhar pidão que eu já conheço.
- Ih! Meu amor, isso está no sangue. A família tem o talento pra isso e ainda temos muito chão pra percorrer até eles decidirem isso. Nós temos todo tempo do mundo.
- Ela não desiste... disse Marco, abraçado a Amanda.
   Rita olhou para Amanda e tocou seu rosto.
- E você, filhota?  Como você está, meu amor? Seu pai falou que você anda trabalhando feito uma leoa, aliás, vocês dois. Vocês não pensam em tirar umas férias com as crianças, não?
- E deixar a agência com quem, Rita? - ela perguntou.
- Ué! Eu tenho certeza que o Edu e a Bárbara dão conta de tudo por pelo menos quinze dias. E se vocês quiserem, eu até empresto o Kleber e a Janice e eles podem ajudar os dois também.
- E você acha que a gente vai chamar o concorrente pra ajudar a gente? – perguntou Marco, brincando.
   Rita olhou para ele com cara de quem queria enforcá-lo.
- Ah, cachorro! Está me chamando de concorrente?
- E não é? A AR&MAR é a maior concorrente da RR Publicidades. Querendo você ou não.
- Magoei, primo.
- Estou brincando, prima, ele disse rindo. - Eu vou pensar no oferecimento. Eu gosto um bocado do Kleber e da Janice. Juro que vou pensar.
- Amanda, você está tão... diferente. Está tão bonita.
- Ela sempre foi bonita, qual é? - Marco reclamou.
- Não sei, tem alguma coisa diferente no rosto dela.
- Como assim? - perguntou Amanda, passando as mãos pelo rosto. – Eu só estou é muito cansada.
- Você está... grávida, não está?
   Amanda sorriu e perguntou:
- Como você percebeu?
- É verdade? Você está grávida mesmo?
- Estou... mas... como você...?
- Você está iluminada, como quando estava grávida dos gêmeos, meu amor! Por que não me disseram logo que eu cheguei? - ela disse, segurando as mãos de Amanda.
- A gente vai contar pra todo mundo na casa do meu pai, Marco explicou.
- Você não me parece muito feliz, Marco. O que aconteceu?
- Claro que eu estou feliz, Rita. Não aconteceu nada.
- As crianças já sabem?
- Já, estão felizes também.
- E seu pai?
- Ainda não, ele vai saber lá em Santo Amaro.
- Poxa, eu fico feliz demais por vocês. Bom, agora eu tenho que ir. Vou tentar descansar um pouco da viagem e à noite namorar muito com meu marido. Estou morrendo de saudade dele. Deu vontade de começar a fazer isso no colégio, mas acho que o José não ia gostar de satisfazer esse meu fetiche. Já pensou eu transando com meu gato nos corredores da escola?
- Rita! – Amanda exclamou, rindo em seguida.
  Marco também ria a valer.
- Maluca é apelido... Já pensou você fazer um herdeiro da RR nos corredores do Paralelo?
- Não... Esse sonho não existe mais, infelizmente, ela disse com certa tristeza na voz. - A gente até tentou depois daquela palhaça do Roni em 91, mas ele não veio. Agora eu não quero mais mesmo. E acho que nem seu pai. Agora, só netos mesmo.
- Vocês vão domingo, lá em casa, não vão?
- Claro, contem com a gente. Tchau, queridos.
- Tchau, Rita.
   Ela beijou os dois e saiu. Amanda se voltou para Marco e ele olhou para ela e sorriu. Ele a envolveu nos braços e falou:
- Sabe o que eu estava pensando?
- O quê? - ela perguntou.
- A gente podia ir de bicicleta pra casa do meu pai, que tal?
- Nós todos?
- Nós cinco.
- Não é muito longe, pras crianças?
- São só dois quilômetros. Eles estão acostumados a fazer isso no clube. A gente vai fazendo paradas pra um sorvete, pra tomar água... Não precisa ser nada tão radical. Pode até ser divertido. Concorda vai, mamãe! Vai ser legal. Você acha que pode fazer mal pro bebê?
- Não, acho que não. É, pode ser... filhinho...
- Eba! – ele disse baixinho, beijando-a.
- Você não vai dizer pra Rita o que está acontecendo?
- Sobre o quê?
- Sobre o caso da conta do Itaú. Ela ajuda tanto a gente com as ideias dela, pode ajudar nisso também.
- Ela acabou de chegar. Eu conto pra ela na casa do meu pai. O Teo vai estar lá também e pode encontrar alguma saída. Eu só não quero mais ter contato com o Heitor. Eu fico mal cada vez que vejo e falo com ele, já percebeu?
- É... Também não quero que você fale mais com ele.
- Vamos pra casa?


                                         A VOLTA DE RITA
                                                PARTE II
                     É fundamental sabermos exatamente o que queremos
                                    realizar em nossa vida.

              Vamos fazer o que é certo e bom pra nós e para o próximo.

                                          OBRIGADA sempre
Velucy
Enviado por Velucy em 11/01/2019
Código do texto: T6548464
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Velucy
São Paulo - São Paulo - Brasil
1416 textos (8933 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/06/19 10:39)