Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

10 - Na Redação - Filhos da Terra



Ao chegar na redação no dia seguinte, os colegas comentavam a repercussão da matéria e a operação fracassada da polícia, para prender o menor infrator. O repórter policial Renato Barros encontrava-se diante da tela do computador, preparando um texto, que seria publicado na edição do dia seguinte. Ninguém sabia das relações de Elói com a família de Wallace. Assim que entrou na sala de redação, Renato Barros interrompeu o trabalho, para cumprimentar o colega: - Bom dia, velho guerreiro - Renato sempre se dirigia a Elói dessa forma -, preparado para mais um dia de trabalho? - Quem é do front é você, Renato, o melhor repórter policial do estado - respondeu Elói, entregando-lhe uma xícara de café -, eu atuo em áreas menos conturbadas - completou. - Não sei o que é pior - Retrucou Barros -, cobrir conflitos entre policiais e bandidos ou os crimes ambientais praticados pela especulação imobiliária e invasões de áreas e prédios, por sem-tetos. - Renato, não são invasões, trata-se de ocupações - corrigiu Elói. - Ocupação ou invasão acabam dando no mesmo, o fato é que o pau corre solto e você corre tanto perigo quanto eu. E por falar em perigo, você viu? Um menino de apenas treze anos cometeu um assassinato e está foragido. É lá do seu bairro. - Estou sabendo - respondeu Elói fazendo um gesto de tristeza - estive ontem com a família, são meus amigos. Lembra da garota bonita da televisão? A que vive me pedindo para ajudá-la a ser modelo? - Lembro sim, você até me mostrou algumas fotos, inclusive pedindo-me ajuda. E daí? - Pois é, o garoto foragido é irmão dela - informou Elói. - Puxa, que pena! Então, por favor, quero que me ajude nessa matéria, já que conhece o garoto. - Posso passar-lhe algumas informações, mas no geral é isso: apenas mais um garoto pobre aliciado por traficantes. Na verdade sei pouco ou nada das atividades dele, aliás, todos foram pegos de surpresa, inclusive a família, por sinal gente boa. Mas havia algo óbvio, que nem o meu faro de jornalista percebeu: o garoto andava ganhando uma grana razoável, para a sua idade e para os parâmetros da família. Tinha até adquirido om tv de vinte e nove polegadas, DVD, muitos CD's, além de alguns móveis, eletrodomésticos, roupas para toda a família e se alimentavam relativamente bem. Ele saía cedo de casa e só retornava à noite e a família acreditava em sua versão, que trabalhava como vendedor ambulante, vendendo artesanatos de vidro. De fato ele saía com essas peças diariamente, mas parece que era tudo fachada. O que me espanta é como um garoto, nessa idade... Puva vida, é muito triste! Afinal, que país é esse? Concluiu Elói indignado.
     - É o país da infância roubada, da juventude desnorteada e de idosos desrespeitados - respondeu Renato Barros.
     - É a herança maldita que FHC deixou nestes oito anos - disse Elói.
     - Não seja reducionista, Elói. Concordo que foram oito anos terríveis, mas atribuir as mazelas ao Fernando Henrique é desconhecer a história. Isso vem de longa data, mas para não voltarmos a um passado distante, os últimos vinte e cinco anos oram de instabilidade e estagnação, isso sim, deixou uma herança maldita. O conflito social no Brasil não é difícil de entender e já virou clichê: a riqueza acumulada em poucas mãos. Abrir estas poucas mãos recheadas e fazer um pouco desta riqueza chegar a milhões de mãos vazias é o desafio do seu presidente.
     - Meu? Porquê meu? Você não votou nele? Nem no segundo turno?
     - No primeiro turno você sabe em quem votei, no segundo anulei - respondeu Renato.
     - Não acredito, você, um cara consciente... - retrucou Elói.
     - Calma aí, Elói, porque você acha que quem não votou em Lula não é consciente? Eu não acredito nele, acho-o um populista, não tem formação...
     - Você quer dizer um diploma universitário...
     - E porque não? Lula é quase um analfabeto, vai ser ludibriado, espero estar enganado, mas governar um país é difícil! - disse Renato, exaltado.
     - A sua fala me faz lembrar um poema de Bertold Brecht, que diz "governar só é difícil porque a mentira e a exploração são coisas que custam a aprender". Os acadêmicos, que governaram o Brasil não foram competentes o suficiente para nos tirar do atraso. Que sabe, agora, um ex-torneiro mecânico, pau-de-arara nordestino consiga fazer o que os acadêmicos não conseguiram em quinhentos anos. Apesar de Lula ter transigido com a agiotagem nacional e internacional e com o neoliberalismo, acredito que promoverá mudanças...
     - Lenta, gradual e segura, como a proposta de redemocratização do país, feita pelos militares - interrompeu Barros, com ironia.
     - Renato, vamos fazer um pacto: não pré-julgar um governo, para o bem ou para o mal, que ainda não montou sua equipe. Ao final do mandato, e, obviamente, não sugerindo passividade, a gente faz um balanço, para saber se o país melhorou ou piorou, então a gente conversa. Particularmente não acredito em rupturas, mas se o governo conseguir diminuir as desigualdades sociais e acabar com a fome dos brasileiros, proposta do Programa Fome Zero, já é um avanço, porque para mim, não há nada mais degradante que a fome. Eu não consigo entender como ainda tem gente morrendo de fome e de doenças causadas pela desnutrição e pela falta alimento. Ir à lua tornou-se um passeio, no entanto não se consegue solucionar problemas simples, como a fome, água tratada e moradias. Se conseguir pôr um fim à corrupção ou pelo menos reduzi-la, vai ter mais recursos para as políticas públicas. Vamos trabalhar, porque senão, a sua matéria não ficará pronta, nem a minha.
     - Está bem, velho guerreiro, vamos à luta, mas depois quero saber daquela garota bonita, se rolou alguma coisa entre vocês...
     - Ah nem me fale, mais problemas à vista! Não gosto de ninfetas; prefiro as experientes. Você, hein! A família no maior sofrimento e você pensando bobagens. Ao trabalho, porque mente ociosa dá nisso - retrucou com humor.

Próximo capítulo:

Tenório e Edileuza Decidem se Casar

Rapidinho:

Filhos da Terra é uma novela dividida em vinte cinco capítulos. Narra a trajetória de Zenaide, uma ninfeta, que se envolve num mundo do sexo, droga e fúria. A história de uma garota da periferia; pobre, sensual, que sonha com o sucesso. Zenaide e sua família, num turbilhão de sentimentos. Um jornalista, como um anjo de guarda, surge em sua vida. Um amigo, um pai; um amor.
Capa: Berzé; Ilustrações do miolo: Eliana; editoração eletrônica: Fernando Estanislau; impressão: Editora O Lutador - 2009, primeira edição
Agradeço pela leitura e peço a quem encontrar algum erro de gramática ou digitação, por favor, me avise.

 



www.jestanislaufilho.blogspot.com  Contos, crônicas, poesias e artigos diversos. De minha autoria e de outros e outras. Convido você a participar com texto de sua autoria. Será um prazer publicar.

#LulaLivre Doravante esta hashtag estará em minhas publicações enquanto não apresentarem as provas contra Lula
J Estanislau Filho
Enviado por J Estanislau Filho em 11/10/2018
Reeditado em 12/10/2018
Código do texto: T6473214
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
J Estanislau Filho
Coronel Xavier Chaves - Minas Gerais - Brasil
584 textos (73285 leituras)
1 áudios (152 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/10/18 06:58)
J Estanislau Filho