Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

LEO III - SURPRESA- CAPÍTULO 6


                               CAPÍTULO 6 – SURPRESA
                                                                                                           
                                                        Leo achou estranho que Gilda quisesse se encontrar com ele mais uma vez, antes de voltar para Serra Negra, com a chegada de Alcântara tão próxima, mas, como Ciro falou que era muito urgente, não retrucou, mesmo achando a atitude do primo de Gilda diferente das demais vezes em que tinha se encontrado com ele. O rapaz não estava tão leve como sempre. Parecia preocupado.
- Você não pode adiantar o motivo da urgência dela?
- Não... Isso... é assunto de vocês. Não vou me meter.
   Leo pagou o hotel, colocou as malas no carro e foi até o lugar marcado para encontrar a moça.
   Gilda o abraçou forte e os dois foram se sentar numa das mesas de uma lanchonete diante do mercado.
- O que é que você tem? – Leo perguntou, preocupado. – Já tínhamos previsto sua volta pra casa. O que foi?
- O que você vai fazer quando chegar lá, Leo?
- Sobre nós?
- É...
- Já disse, vou falar com seu pai, colocar as cartas na mesa e dizer que queremos ficar juntos. Falar sobre o documento que meu pai tirou de mim. Talvez ele possa me ajudar.
- E se ele não ajudar?
- Não sei, meu amor. Não pense que eu não estou preocupado com isso também. Não quero ser tratado como um marginal a vida inteira. Quero me casar com você e ser feliz. Acho que ainda tenho esse direito.
   Ela ficou olhando para ele por um instante e desabafou:
- Eu estou grávida, Leo!
   Os olhos dele fitaram os dela, tranquilos, e ele sorriu.
- Você não acha que é muito cedo, não?
- Eu tenho certeza...
   Ele segurou a mão dela e respirou fundo.
- Suponhamos... que isso seja verdade... é por isso que você está tão nervosa?
- E não é pra estar?
   Leo riu.
- Qual é a graça, Leo? Eu estou apavorada!
- Bom, não era assim que eu imaginava que você me dissesse que ia me dar um filho, bolas! Isso não é uma tragédia, é lindo!
  Gilda apoiou as costas da cadeira e ficou abismada com a calma dele.
- Por que eu não consigo pensar como você?
- Porque tudo pra você sempre foi muito fácil, muito simples, muito certo, lógico, decente... Você nunca sofreu, Gilda. Sempre fez tudo que seu pai e sua mãe queriam, dentro dos padrões deles e essa proteção garantiu que você não sofresse. Agora você se envolveu comigo, que sou tudo que eles não querem. Seu primeiro deslize. Você ama agora o que seu pai considera errado e isso ainda te deixa insegura. Se você confiasse mais em você... e em mim, não estaria agora tremendo de medo por estar esperando um filho meu. Estaria feliz como eu estou. Eu apanhei tanto da vida que a ideia de ser pai só pode fazer um bem enorme pra minha alma. Eu não disse que você teria dois filhos meus? Aí vem o primeiro!
  Gilda sorriu, nervosa ainda. Leo beijou-lhe a testa.
- Isso só vai apressar a decisão do seu velho. Ele não vai deixar a filha grávida e solteira por muito tempo. Em menos de um mês, a gente vai estar casado. Isso se você estiver mesmo grávida, não é, mocinha? Pode ser só um rebate falso por ter sido a sua primeira vez e você estar impressionada com isso... Mas, se você não estiver... a gente providencia logo.
   Ele a abraçou e Gilda riu, batendo com a mão fechada de leve no peito dele.

                  LEOLEOLEOLEOLEOLEOLEOLEOLEOLEOLEOLEOLEO III
                              SURPRESA - CAPÍTULO 6

Velucy
Enviado por Velucy em 12/10/2017
Código do texto: T6140571
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Velucy
São Paulo - São Paulo - Brasil
350 textos (1305 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/12/17 02:14)