Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O açougueiro

Diante do rubro que mancha suas roupas. Segurando à destra a faca amolada. Suando litros pelo muito trabalhar, o açougueiro pensa na carne.
Pouco importa para ele a origem do boi, ou se era vaca, se chorou quando morreu, nem se estava doente. O açougueiro pensa no corte. Este deve ser preciso, pesado, matematizado. Deve dar aos vários músculos do cadáver os nomes certos que serão expostos em vitrine.
O açougueiro pensa na carne. Chã de dentro, alcatra, picanha e no preço de cada uma delas. Vez ou outra pensa no salário. Pensa no trabalho que dá cortar carne e nas vendas que às vezes não suprem.
Tudo muito prático. Tudo muito direto...
Não tem objeção ética ou moral... imoral é deixar a comida estragar... é o desperdício, é não cortar bem, tirar mais retalhos do que se deveria. Isso sim é grave. Por isso que, no corte da carne, a principal religião é amolar sempre a faca e o único altar é a vitrine.
De resto... as únicas questões metafísicas são, e isso para além do açougue:
Assada?
Cozida?
Bem passada ou mal passada?
Como está de sal?
o que se leva apenas é o comer bem.
Como termina esta história? Às 18:40 da noite... indo pra casa para tomar um banho, pensando no jogo de mais tarde.

Tiago da Silva
Enviado por Tiago da Silva em 16/02/2018
Código do texto: T6255542
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Tiago da Silva
Suzano - São Paulo - Brasil, 30 anos
481 textos (13778 leituras)
3 áudios (305 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/09/20 22:46)
Tiago da Silva