Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O açougueiro

Diante do rubro que mancha suas roupas. Segurando à destra a faca amolada. Suando litros pelo muito trabalhar, o açougueiro pensa na carne.
Pouco importa para ele a origem do boi, ou se era vaca, se chorou quando morreu, nem se estava doente. O açougueiro pensa no corte. Este deve ser preciso, pesado, matematizado. Deve dar aos vários músculos do cadáver os nomes certos que serão expostos em vitrine.
O açougueiro pensa na carne. Chã de dentro, alcatra, picanha e no preço de cada uma delas. Vez ou outra pensa no salário. Pensa no trabalho que dá cortar carne e nas vendas que às vezes não suprem.
Tudo muito prático. Tudo muito direto...
Não tem objeção ética ou moral... imoral é deixar a comida estragar... é o desperdício, é não cortar bem, tirar mais retalhos do que se deveria. Isso sim é grave. Por isso que, no corte da carne, a principal religião é amolar sempre a faca e o único altar é a vitrine.
De resto... as únicas questões metafísicas são, e isso para além do açougue:
Assada?
Cozida?
Bem passada ou mal passada?
Como está de sal?
o que se leva apenas é o comer bem.
Como termina esta história? Às 18:40 da noite... indo pra casa para tomar um banho, pensando no jogo de mais tarde.

Tiago da Silva
Enviado por Tiago da Silva em 16/02/2018
Código do texto: T6255542
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Tiago da Silva
Afogados da Ingazeira - Pernambuco - Brasil, 29 anos
462 textos (12202 leituras)
3 áudios (299 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/19 05:17)
Tiago da Silva