Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DESFECHO

Tão certo como o nada é tão lúdico,
A calmaria das manhãs à toa cintila.
Estou a procurar-me neste recôndito,
Onde está a poesia, minha pupila.

Ora eu escrevo bem, ora me foge a esperança,
Onde mais encontrarei tal real aliança,
Que me dê a sorte de estar leve?
Depois possa ser que eu releve...

Ou então caia aos prantos novamente,
Como um jovem que se acha clemente,
No entanto, nostálgico e choroso,
O que deveras é perigoso...

Certas vezes não só isso,
Dou aquele velho chá de sumiço
Para a senhora sensatez,
Que vem me visitar de mês em mês

Em casa, no luar entristecido,
Muitas vezes lembrado, outras esquecido...
Me peguei sorrindo neste conto,
Ao qual vos disponho...

Poeta aviador, escritor solitário,
Professor vidente, cada texto diário
São todos teus, meus heterônimos,
Ainda em modo anônimo,

No entanto, sempre aqui, em harmonia,
Seja pela noite ou pelo dia,
Me dando aquela força e alegria,
Que por aí e acolá contagia,

E a nostalgia me dá esse fôlego intenso,
Quando menos espero, quando menos penso,
Me vem mais uma vez aquele desejo:
De não ter rima, só desfecho.
Marco Young
Enviado por Marco Young em 24/06/2019
Código do texto: T6680900
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Marco Young, o twitter e Instagram, ambos de nome de usuário @mrmarcoyoung e o e-mail mrmarcoyoung@yahoo.com .). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Marco Young
Aracaju - Sergipe - Brasil, 20 anos
146 textos (1927 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/10/19 05:29)
Marco Young