Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

À PROCURA

À PROCURA

Buscando a voz que me é propriamente humana
animal
pesquisando vestígio de sua presença
entre
cacos, fragmentos
do que já está perdido e
estranho
vagando por ruínas
naves remotas
       

pedaços de sons insilenciáveis — pranto convulsivo:
errei por compartimentos escuros do mais puro breu
antessalas ilusórias, subterrâneas... tateei...

(quando me estreitei de seu vulto
pensei que fosse finalmente me dizer quem
eu ia)

Encontrei-a lá onde jazem
todas as vontades enunciativas
 
livre e fria
não dizia por urgência de dever
ou por veleidades de poder


mas por um não-poder
por uma frouxa incontinência
pela alucinação sempre renovada
Pela falha certa

 
menos importava
o quê
do que
só dizer

dizer só

quem sou eu, ó voz, e quem soes voz?
quem somos nós? Tudo
nesse jogo estranho? Nada...

Voz de silêncios e pausas
e que solitude

Era uma voz sem impérios que é silêncio e que não cala
que não fala
não ilude
não salva
não serve
Welliton Oliveira
Enviado por Welliton Oliveira em 25/03/2018
Reeditado em 09/05/2018
Código do texto: T6290446
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Welliton Oliveira
Manaus - Amazonas - Brasil, 29 anos
64 textos (907 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/09/20 00:13)