Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A LIBERDADE do CONHECIMENTO e o CONHECIMENTO da LIBERDADE... "No DIA dos PAIS, uma mensagem exclusivamente para as MULHERES. Os homens estão terminantemente proibidos de ler a mensagem!".

Mensagem feminina e feminista.

      No DIA dos PAIS, uma mensagem exclusivamente para as MULHERES. Os homens estão terminantemente proibidos de ler a mensagem.
      Ontem, “DIA dos PAIS”, (09 de agosto de 2015) recebi uma mensagem pelo correio eletrônico de um amigo meu chamado Tadeu Monteiro, mais conhecido como Tadeuzinho Monteiro. O teor da mensagem era uma MÚSICA, que eu repasso para todas as MULHERES. Imagino eu que as MULHERES gostam mais desta MÚSICA do que os homens. Portanto, “democraticamente” a MÚSICA está proibida para os homens. A propósito, a versão que eu recebi quem CANTA é uma LINDA MULHER. A MÚSICA é só para as MULHERES e ponto final.
      O nome desta música é "The sound of Silence”, (O Som do Silêncio) composta em 1964 por Simon & Garfunkel. Traduzida para o português.


Aracaju, domingo, 09 de agosto de 2015.

Jorge Martins Cardoso – Médico – CREMESE nº 573.





(...) Olá, escuridão, minha velha AMIGA
Vim CONVERSAR com você de novo
Porque uma VISÃO um pouco arrepiante
Deixou SEMENTES enquanto eu dormia
E a VISÃO que foi PLANTADA em meu cérebro
Ainda permanece dentro do SOM do SILÊNCIO.



Em SONHOS sem descanso eu CAMINHEI só/Em ruas estreitas de paralelepípedos/Sob a LUZ de uma lâmpada de rua/Levantei minha lapela para me proteger do frio e umidade.



Quando meus OLHOS foram apunhalados
Pelo BRILHO de uma LUZ de neon
Que rachou a NOITE
E tocou o SOM do SILÊNCIO.



E na LUZ nua eu VI/Dez mil pessoas, talvez mais/Pessoas FALANDO sem DIZER/Pessoas OUVINDO sem ESCUTAR.


Pessoas ESCREVENDO CANÇÕES
Que VOZES jamais COMPARTILHARAM
E ninguém ousava
Perturbar o SOM do SILÊNCIO.



"Tolos" disse eu, "você não sabe/SILÊNCIO é como um câncer que cresce/Me ESCUTE que eu posso ENSINAR você/Pegue o meu BRAÇO que eu posso ESTENDER ele para você"/Mas minhas PALAVRAS caíam como GOTAS SILENCIOSAS de chuva/E ecoavam nos poços do SILÊNCIO.



E as pessoas se curvavam e REZAVAM
Ao DEUS de neon que elas CRIARAM
E a placa mostrou o seu aviso
Nas PALAVRAS que formava.



E a placa dizia/"As PALAVRAS dos PROFETAS/Estão ESCRITAS nas paredes do metrô/E nos corredores dos cortiços"/E SUSSURRADAS no SOM do SILÊNCIO. (...)






Simon & Garfunkel.




      Simon & Garfunkel foi uma dupla norte-americana de folk composta pelos cantores e compositores Paul Simon e Art Garfunkel. Eles formaram o grupo Tom & Jerry em 1957 e emplacaram seu primeiro sucesso com o single "Hey, Schoolgirl". A dupla alçou fama em 1965 como Simon & Garfunkel na esteira do sucesso de "The Sound of Silence".
      Eles são mais conhecidos por suas harmonias vocais, e estão entre os artistas mais populares da década de 1960. Seus maiores sucessos – entre eles "The Sound of Silence" (1964), "I Am a Rock" (1965), "Homeward Bound" (1965), "Scarborough Fair/Canticle" (1966), "A Hazy Shade of Winter" (1966), "Mrs. Robinson" (1968), "Bridge over Troubled Water" (1969), "The Boxer" (1969) e "Cecilia" (1969) – alcançaram a primeira colocação em diversas paradas musicais. A dupla foi premiada com vários Grammys, e foi incluída no Hall da Fama do Rock and Roll em 1990, e no Hall da Fama da Música de Long Island em 2007.
      Seu relacionamento por vezes conturbado fez com que seu último álbum, Bridge Over Troubled Water, fosse adiado várias vezes devido a desentendimentos artísticos, o que acabou resultando na separação da dupla em 1970. Este foi seu álbum de maior sucesso, alcançando o primeiro lugar de vendas em diversos países, incluindo os Estados Unidos, e recebendo a certificação de platina óctupla da Recording Industry Association of America.
      Desde então eles têm se reunido esporadicamente, a ocasião mais famosa sendo para um concerto no Central Park que atraiu mais de 500.000 pessoas, fazendo deste o sétimo evento musical mais assistido na história da música.

Sound of Silence.

      Aproveitando a onda folk da época, lançaram pela gravadora Columbia um álbum acústico em 1964, que não teve repercussão. Reunia canções folk tradicionais como "Pretty Peggie-O", espirituais como "Go tell in the Mountain" e canções de Simon, como a conhecida "The Sound of Silence", já com as belas e características harmonias vocais da dupla. Como venderam muito pouco, Paul Simon foi tentar a sorte no circuito folk inglês e ao retornar à América em 1965, encontrou "The Sound of Silence", lançada em single, com acompanhamento de BAIXO, GUITARRA e BATERIA, agora conhecida no circuito musical. A gravadora acrescentara estes instrumentos à gravação acústica de 1964 e transformou-o num clássico do folk-rock.

      Reencontrando-se com Garfunkel, Paul Simon entrou rapidamente em estúdio para gravar um novo álbum, desta vez com instrumentos elétricos e devidamente chamado The Sound of Silence. Aproveitaram canções que Paul Simon vinha compondo de longa data e chegaram ao sucesso. Entre seus hits históricos estão: "I Am A Rock", "Richard Cory", "America", "The boxer", "Cecilia", entre outras. Contribuíram com diversas canções para a trilha sonora do filme A Primeira Noite de um Homem (The Graduate), em 1968, em especial "Mrs. Robinson", que representou o auge do sucesso da dupla.

Separação.

      Ao mesmo tempo, a relação de Simon & Garfunkel começou a desgastar-se. Seu último álbum, Bridge Over Troubled Water, de 1970, foi marcado por desavenças devido a diferenças artísticas entre ambos. A canção título foi um sucesso espetacular e a separação logo em seguida lamentada pelos fãs. Contudo, em meados dos anos de 1970, reataram a amizade e chegaram a colaborar mutuamente em músicas solo de cada um. Em 1981 reencontraram-se para um megaconcerto no Central Park de Nova York que foi assistido por cerca de 500.000 pessoas, rendendo um álbum duplo ao vivo.

A volta.

      Segundo a Rádio britânica BBC de Nova York, depois de um show que aconteceu em 13 de fevereiro de 2009 o cantor Garfunkel disse que está planejando uma turnê junto com Simon. A entrevista aconteceu logo após uma apresentação no Beacon Theatre, onde Simon fez uma entrada surpresa durante a apresentação, a dupla não se reunia desde 2004, cantaram juntos sucessos como: "The Sound of Silence", "The Boxer" e "Old Friends".

Alma artística de Nova York.

      Em NOVA YORK, os fãs antigos da dupla dizem que eles estão para a cidade como OS BEATLES estão para LIVERPOOL e TOM JOBIM para o RIO de JANEIRO. Simon e Garfunkel são filhos da classe média judaica do Brooklyn, norte-americanos de terceira geração. Suas canções remetem frequentemente a referências novaiorquinas, como a Ponte da Rua 59 ("Feeling Groove, The 59th Street Bridge"), as tortas deliciosas de Mrs. Wagner ("America"), a Estátua da Liberdade ("American Tune"), a vida de um batalhador urbano em "The Boxer" e o cebolão rodoviário que interliga NY-New Jersey, em "America".

Álbuns ao vivo.

1982 – The Concert in Central Park
    2002 – Live From New York City, 1967
2004 – Old Friends Live on Stage
2008 – Live 1969

Coletâneas.

• 1981 Collected Works
• 1981 The Simon and Garfunkel Collection
• 1991 20 Greatest Hits
• 1992 The Definitive Simon & Garfunkel
• 1997 Old Friends
• 1999 The Best of Simon and Garfunkel
• 2000 Two Can Dream Alone
• 2000 Tales from New York: The Very Best of Simon & Garfunkel
• 2002 Tom & Jerry
• 2002 The Collection
• 2003 The Essential
• 2003 Before the Fame
• 2006 Paul Simon & Art Garfunkel
• 2008 America: The Simon and Garfunkel Collection

Trilha-sonora.

1968 – The Graduate
2009 - Watchmen

 
Categorias:

• Bandas de Nova Iorque
• Bandas vencedoras do Grammy
• Bandas de folk rock
• Recordistas de vendas de discos nos Estados Unidos
• Duos musicais
• Simon & Garfunkel
• Bandas formadas em 1957
• Bandas extintas em 1970
• Bandas reativadas em 1981
• Bandas extintas em 1983
• Bandas reativadas em 2003
• Bandas extintas em 2004
• Bandas reativadas em 2009
• Bandas extintas em 2010.










A versão original em inglês.

The Sounds of Silence.

Hello darkness, my old friend
I've come to talk with you again
Because a vision softly creeping
Left its seeds while I was sleeping
And the vision that was planted in my brain
Still remains
Within the sound of silence.


In restless dreams I walked alone/Narrow streets of cobblestone/'Neath the halo of a street lamp/I turned my collar to the cold and damp/When my eyes were stabbed/by the flash of a neon light/That split the night/And touched the sound of silence.


And in the naked light I saw
Ten thousand people, maybe more
People talking without speaking
People hearing without listening
People writing songs
that voices never share
And no one dared
Disturb the sound of silence.


"Fools" said I, "You do not know/Silence like a cancer grows/Hear my words that I might teach you/Take my arms that I might reach you."/But my words like silent raindrops fell/And echoed/In the wells of silence.


And the people bowed and prayed
To the neon god they made
And the sign flashed out its warning
In the words that it was forming
And the sign said
"The words of the prophets are written on the subway walls
And tenement halls. "
And whisper'd in the sounds of silence.



O Som do Silêncio.

Outra tradução para o português.


Olá escuridão, minha velha amiga
Eu vim para conversar com você novamente
Por causa de uma visão que se aproxima suavemente
Deixou suas sementes enquanto eu estava dormindo
E a visão que foi plantada em minha mente
Ainda permanece
Dentro do som do silêncio.



Em sonhos sem descanso eu caminhei só/Em ruas estreitas de paralelepípedos/Sob a áurea de uma lamparina da rua/Virei minha gola para o frio e a umidade/Quando meus olhos foram esfaqueados/pelo flash de uma luz de neon/Que rachou a noite/E tocou o som do silêncio.



E na luz nua eu enxerguei
Dez mil pessoas talvez mais
Pessoas conversando sem estar falando
Pessoas ouvindo sem estar escutando
Pessoas escrevendo canções
que vozes jamais compartilham
E ninguém ousou
Perturbar o som do silêncio.



"Tolos, " digo eu, "vocês não sabem/O silêncio é como um câncer que cresce/Ouçam as palavras que eu posso lhes ensinar/Tomem meus braços que eu posso lhes estender"/Mas minhas palavras como silenciosas gotas de chuva caem/E ecoaram/Nos poços do silêncio.



E as pessoas se reverenciaram e rezaram
Para o Deus de neon que elas criaram
E um sinal faiscou o seu aviso
Nas palavras que estavam se formando
E o sinal disse: "As palavras dos profetas
estão escritas nas paredes do metrô
E nas salas dos cortiços
E sussurraram no som do silêncio.





      Fontes: (1) – Tadeu Monteiro. (2) Dra. Wikipédia. (3) – Outras fontes. (4) - Eu.
jorge martins, Simon, Garfunkel, Tadeu Monteiro e Jorge Martins.
Enviado por jorge martins em 10/08/2015
Código do texto: T5341457
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
jorge martins
Aracaju - Sergipe - Brasil, 70 anos
879 textos (103781 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/09/20 21:38)
jorge martins

Site do Escritor