Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Miliquês, o idioma verde-oliva

Miliquês, o idioma verde-oliva

Félix Maier (*)

Você certamente já conhece o baianês, o gauchês. E o miliquês, você conhece?

Idioma do milico, o miliquês é uma língua de âmbito nacional, sem dialetos de aratacas ou guascas. Do Oiapoque ao Chuí, o idioma é entendido por todos os que vestem a farda verde-oliva.

Abaixo, um microdicionário do miliquês.

Antigo - Militar mais velho, com mais tempo de caserna, se chama "antigo". Os mais novos são os "modernos".

Arataca – Pessoa oriunda do Nordeste brasileiro. Também conhecido como "cabeça chata".

Araújo – É o marujo do ar, ou seja, o militar da Aeronáutica.

Bobina – Além daquelas utilizadas pela Arma de Comunicações, para lançamento de linhas telefônicas, bobina é também sinônimo para militar enrolado.

Bóia – Comida de milico. Os anarquistas gostam de tirar um sarro: “Parasita da nação, vem comer o seu boião”.

Boletim das baias – É a novidade que corre célere no batalhão, muitas vezes apenas uma fofoca – mesmo que não tenha vindo de alguma baia, pois só as unidades hipo é que as possuem. É o mesmo que “rádio-corredor” dos Petistérios da Esplanada, em Brasília.

Cachimbo - Sargento "moderno", ou seja, novato. Só "leva fumo".

Catanho - Lanche de milico, normalmente distribuído em acantonamentos (acampamentos de apenas um dia). É composto de um sanduíche de mortadela, acompanhado de fruta e doce.

Caxias – É o sujeito que leva muito a sério os regulamentos militares. Pode parecer ao “paisano” que é o sujeito ideal da caserna, mas normalmente é apenas um chato.

Chá-broxante – Chá preto servido na ceia para os milicos de serviço no quartel, e para os “laranjeiras”, para "abaixar o pau" da moçada à noite.

Cucuí de las Palomas - Lugar muito distante, onde o vento faz a curva e o diabo bateu as botas.

Dragão – Recruta que come o pote de combustível gelatinoso, como sobremesa, em vez de utilizá-lo como fogareiro para aquecer a ração de campanha.

Furiosa – Banda militar simples, basicamente composta de instrumentos de percussão.

Gaiola das loucas – Prédio de Brasília onde moram os coronéis do Exército mais “antigos”, que se estressam por terem seus nomes no “Play-boy”, ansiosos em saber se serão promovidos a general ou não.

Homem da capa preta – Juiz do Tribunal militar, sempre lembrado quando é instalado um IPM no batalhão.

Laranjeira – Militar, normalmente recruta ou solteiro, que dorme no quartel, porque sua família mora longe, muitas vezes em outro Estado.

Mão-de-graxa – Mecânico de viatura ou armamento.

Maria-batalhão – Moça que gosta de namorar milico, de preferência o batalhão inteiro (**). É prima-irmã da maria-gasolina, a que namora só quem tem um carro.

Material de sapa – Trata-se de material para cavar trincheiras ou espaldões, como pás e picaretas, porém pode significar jocosamente os talheres dos milicos.

Milico de pijama – Militar transferido para a reserva remunerada.

Moderno - Milico com pouco tempo de quartel, o contrário de "antigo".

Ociosão – Atual Teatro Pedro Calmon, anexo ao Quartel-General do Exército, em Brasília. Mais utilizado ultimamente, o apelido pegajoso ainda não se desgrudou.

Paisano – É o civil, todo aquele que não veste farda. “Andar à paisana” pode render detenção ao soldado, se não tiver licença para andar em trajes civis.

Papa-goiaba – Pessoa oriunda do Estado do Rio de Janeiro.

Pasta da viúva - Pasta de todo militar do Exército, que contém os documentos da família (certidões de casamento e nascimento), além de outros documentos, como seguros e pecúlios (Capemi, FAM etc.), para facilitar a vida da viúva (ou viúvo), quando o milico bater as botas.

Pé-de-banha – É o pessoal militar que trabalha no rancho – cozinheiros, copeiros, taifeiros -, muitos com a roupa e até os cabelos curtidos de gordura.

Pé-de-poeira – Integrante da Arma de Infantaria.

Pejota – Pensão judicial (PJ), é uma facada mensal no contracheque do militar, em favor da ex-esposa ou ex-companheira (ou do ex-marido/companheiro – caso do corpo feminino).

Pé-preto – É como os pára-quedistas (“pés-vermelhos”), com ar superior, desdenham dos militares comuns, que usam coturnos pretos.

Pé-vermelho - Pára-quedista, assim denominado por usar coturno vermelho.

Periquito – Militar do Exército, que veste a farda verde-oliva.

Play-boy – Boletim Reservado do Exército, que apresenta os nomes dos coronéis mais “antigos” do Exército, que concorrem ao generalato. Por fora, o Boletim não difere muito dos outros documentos militares, mas dentro é sacanagem pura. Ao menos é o que dizem os preteridos na promoção.

Reco – O mesmo que recruta, tem os mesmos direitos de um calouro numa faculdade, ou seja, nenhum.

Repone – Reunião de porra nenhuma, normalmente feita para os militares levar uma “mijada” do comandante.

Sandra Bréa – Galinha à Sandra Bréa é aquela carne de frango super cozida, de cor esbranquiçada, se despedaçando, com jeito de atropelada.

(**) A maria-batalhão tem até um hino:

“Soldado, você foi ingrato
me levou pro mato
e me descabaçou.
Agora sou mulher perdida
da teta caída
que você deixou.”

(Trovinha ouvida em Apucarana, PR, quando eu servia na antiga 13ª Companhia de Infantaria, 1970-71.)


(*) O autor é militar da reserva do Exército, no posto de capitão.

Fonte: https://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=21599&cat=Humor
Félix Maier
Enviado por Félix Maier em 16/09/2020
Código do texto: T7064739
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Félix Maier
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 70 anos
112 textos (57378 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/09/20 18:37)
Félix Maier