Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
A lingüística pode ser definida como uma ciência que estuda a linguagem, cujo objetivo principal visa a construir uma teoria geral que descreveva todas as línguas. A língua, tal como a fala, é objeto de natureza concreta, visto que, os signos utilizados, não são abstrações, mas uma realidade consensual de uso individual e coletivo, sem os quais a comunicação seria impossível. Os signos, pois, são objetos reais de que se ocupa a Lingüistica e podem ser chamados entidades concretas desta ciência. (Lingüisitca Geral, p.119). 
O estudo da linguagem permite examinar isoladamente duas partes: a Lingüística Interna, considerada sistema, que tem por objeto a língua, o uso social em sua essência, independente do indivíduo, ou seja, limita os falares, privilegiando o uso coletivo em oposição ao individual; e a outra parte, a Lingüística Externa que objetiva estudar os elementos exteriores ao sistema, em outras palavras, a fala e as marcas que o falante imprime na língua. 
Para Saussure, o fenômeno lingüístico apresenta duas faces: a fala, que é a impressão acústica percebida pelo ouvido e a língua. Para ele, é necessário colocar-se primeiramente no terreno da língua e tomá-la como norma de todas as outras manifestações da linguagem, porque, somente a língua é relativamente estável e autônoma, enquanto que a fala é mutável. A Lingüística, segundo Saussure, deve estudar, prioritariamente, a estrutura da língua enquanto sistema, uma vez que a fala, por ser individual, apresenta nuanças idiossincráticas, caracterizadas pela marca do falante, tais como vemos atualmente em “Mão Santa”, Senador do Piauí, que “estica” a pronúncia de ‘ O meeeu Piiiauí ‘ ou em Boris Casoy: ‘ Isso é... uma vergoonha!’ Alinhado a essa esteira de pensamento, Saussure sugere a dicotomia denominada sincronia e diacronia e propõe que a linguagem seja estudada num recorte histórico de seu estado atual (sincronia), seus sons, suas palavras, sua gramática e suas regras. E, a Lingüística diacrônica, que deve cuidar das transformações produzidas na língua, através do tempo. A Lingüística, pois, busca sistematizar os princípios básicos do estudo da língua, mediante a compreensão dos signos, ou estudo da semiologia. 
“O signo lingüístico une não uma coisa e uma palavra, mas um conceito e uma imagem acústica, não apenas o som material, mas a impressão psíquiica desse som” (Lingüística Geral,p.80) [...] “O caráter psíquico de nossas imagens acústicas aparece claramene quando obsrvamos nossa própria linguagem. Sem movermos os lábios nem a língua, podemos falar consco ou recitar mentalmente um poema, porque as palavras da língua são para nós imagens acústicas” (Lingüística Geral, p. 80) 
Considerado o precursor do estruturalismo, Ferdinand Saussure ocupou-se do estudo sincrônico, e, mesmo não tendo usado a terminologia, Estruturalismo, deixou valioso estudo sobre a estrutura da língua a que chamou de sistema. A publicação do trabalho intitulado “Cours de linguistique général” que se deu em 1916, portanto, três anos depois de sua morte, serviu de modelo e inspiração da corrente estruturalista, pós-saussuriana, em abordagens social, cultural e psicológicas, entre outras. (WIKIPÉDIA, 2007). 
“O mérito de Saussure consiste em lançar as bases para a compreensão do conceito de estrutura, palavra-chave para o desenvolvimento do pensamento lingüístico e das ciências sociais, a partir da década de 40...” (RAMAZINI, 1990, p.25). 
Num conceito geral, a linguagem é multiforme e heteróclita, ao mesmo tempo física, fisiológica e psíquica, ela pertence, além disso, ao domínio individual e ao domínio social, e, não se deixa conceituar como limitadamente estanque. Para estudar a língua de forma distinta da fala, Saussure separou o que é social do que é individual, o essencial do que é acessório ou acidental. 
Para Saussure, a língua é um sistema homogêneo, um conjunto de signos exterior aos indivíduos e deve ser estudado separado da fala. Para ele, o estudo da fala seria problemático, por envolver todas as possibilidades imprimidas nela pelos falantes, impossibilitando, assim, sua análise científica 
A lingüística saussuriana, portanto, baseia-se no estudo da estrutura da língua e do uso coletivo, comum a todos os falantes, desprezando o individual, por considerar que a língua é homogênea, estável e dinâmica, enquanto a fala é mutável. Com esse entendimento, ele a separou em langue e parole a fim de estudar a língua como sistema e dedicou-se apenas ao primeiro caso, a langue. Entende que, “... a linguagem implica ao mesmo tempo um sistema estabelecido e uma evolução: a cada instante, ela é uma instituição atual e um produto do passado.” (Lingüística Geral, 1989, p.16). 
Embora não tenha estudado a evolução da língua, Saussure a define como um agente transformador da linguagem e com isso, desperta, no futuro, o estudo também da fala. Nas palavras deste pensador, [...] tudo que é diacrônico na língua, não o é senão pela fala (parole). “É na fala que se acha o germe de todas as modificações: cada uma delas é lançada, a princípio, por um certo número de indivíduos, antes de entrar em uso.” (Lingüística Geral, 1989, p.116). 
Aprofundando-se apenas na Lingüística Sincrônica, o pai da lingüística moderna a divide, ainda, em mais duas partes: a Sincronia Sintagmática e a Sincronia Paradigmática. A primeira delas, a Sintagmática, “centrada no eixo das combinações dos sintagmas, estabelece relações baseadas no caráter linear [...], a outra parte, a relação Paradigmática [...] “capta a natureza das relações que os unem em cada caso e cria com isso tantas séries associativas quantas relações existam” (Lingüística Geral, 1989, p.142). Por outro lado, [...] “enquanto um sintagma suscita a idéia de uma ordem de sucessão e de um número de elementos, os termos de uma família associativa (paradigmática) não se apresentam nem em número definido nem numa ordem determinada...” (Lingüística Geral, 1989, p.116). 
A lingüística saussuriana, portanto, prioriza o estudo dos signos, ou, teoria geral da semiologia, examina sincronicamente, apenas os elementos da linguagem (idioma), mas reconhece que langue e parole são duas faces da linguagem em que uma não subsiste sem a outra. Essa visão semiótica da linguagem permite estudar, separadamente, a língua da fala, de modo que um homem, mesmo privado do uso da fala, pode compreender uma língua. 

Adalberto Antônio de Lima/out.2007 



Referências 

GNU Free Documentation LicenseALTINO, Fabiane Cristina. Estruturalismo e Sociolingüística. Turma 1, Módulo 2, 2º semestre de 2007, aulas 1, 2, 3 e 4, noturno. 15 ago. 2007, 22 ago.2007,29 ago 2007 e 05 set.2007. Disponível em < http://www2.unopar.br/bibdigi/ 
biblioteca_digital.html. Acesso em: 20 ago. 2007 
e 10 set. 2007. 

RAMAZINI, Haroldo. Introdução à Lingüística Moderna. São Paulo ícone, 1990, p.25. 

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de Lingüística Geral, 15 ed. São Paulo: Ctrix, 1989, p. 16, 80, 116, 119 e 142. 
Adalberto Lima e outros
Enviado por Adalberto Lima em 10/05/2017
Código do texto: T5995069
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Adalberto Lima
Montes Claros - Minas Gerais - Brasil, 65 anos
2897 textos (367381 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/17 00:18)
Adalberto Lima