Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Porto Solidão, de Jessé

Sua poética
traz a alma pura
da integração
homem-Deus-natureza
amor-amado-amada
homem-mulher,
ser-sociedade,
pessoa-cosmo,
finito-infinito...

Veja nos versos
a dimensão pela
qual a poesia
mergulhou
a pureza
da alma pura de Jesse
e as vozes - sua voz sonora
e irrefutável, tocante, sensível,
reconhecidamente melódica
suave e de fôlego inegável...

"Voa, feito um sonho desvairado
Desses que a gente sonha acordado
Voa, coração esvoaçante
Feito um pássaro gigante
Contra os ventos do pecado"

 
"Voa, voa minha liberdade
Entra se eu servir como morada
Deixa eu voar na sua altura
Agarrado na cintura
Da eterna namorada"

"Voa, coração esvoaçante
Feito um pássaro gigante
Contra os ventos do pecado
Voa, nas manhãs ensolaradas
Entra, faz verdade..."

Voa, Liberdade, de Jessé
https://www.letras.mus.br/jesse/68291/#radio:jesse

_________________________
Que belo e saudável, saudade dos tempos de minha juventude!
Tempo de percorrer ruas - exército do 11º BI-INFANTARIA E MONTANHA, igreja, ruas da barroca São João del-Rei, primeiras paixões, visita do Papa João Paulo II ao Brasil, casa em construção, Collor enfia a mão na caderneta de poupança e seu afastamento pelo congresso, figuras de Padre José, Dom Antônio Mesquita, Padre Walmor e Pe. Eduardo Sales (hoje bispos) me marcaram no seminário depois em Juiz de Fora.

Se um veleiro
Repousasse
Na palma da minha mão
Sopraria com sentimento
E deixaria seguir sempre
Rumo ao meu coração
Meu coração
A calma de um mar
Que guarda tamanhos segredos
De versos naufragados
E sem tempo

Rimas, de ventos e velas
Vida que vem e que vai
A solidão que fica e entra
Me arremessando
Contra o cais
Se um veleiro
Repousasse
Na palma da minha mão
Sopraria com sentimento
E deixaria seguir sempre
Rumo ao meu coração

Meu coração
A calma de um mar
Que guarda tamanhos segredos
De versos naufragados
E sem tempo

Rimas, de ventos e velas
Vida que vem e que vai
A solidão que fica e entra
Me arremessando
Contra o cais
A solidão que fica e entra
Me arremessando
Contra o cais

https://www.letras.mus.br/jesse/46485/
J B Pereira e https://www.youtube.com/watch?v=J1X6lVPlwu0
Enviado por J B Pereira em 29/06/2017
Reeditado em 29/06/2017
Código do texto: T6041204
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
J B Pereira
Piracicaba - São Paulo - Brasil
2269 textos (1189418 leituras)
14 e-livros (84 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/09/19 23:28)
J B Pereira