Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Dona Nhanhá

Dona", para se referir a ela, era pouco, e até desnecessário. Nhanhá sozinha, virginal e vestal, já enfeixava todas as virtudes de um passado mais-que-perfeito, e que insistia em se perpetuar no presente, ainda que imperfeito.

Decana do magistério no ginásio e escola normal da Velha Serrana, ministrava classes uma ambivalente educação artística que, se para as moças correspondia a desenhos, arranjos florais e trabalhos de agulha, para os rapazes consistia no artesanato com a madeira. Naquele já longínquo ano em que fui seu aluno, lembra-me ter produzido uma faca para se usar na manteiga. Mas é bom assinalar que a manteiga daqueles
tempos era amarela, artesanal, e tanto cheirava quanto sabia a manteiga mesmo.

Nada a ver com essas barrinhas retangulares e pálidas, pros pálidos paladares de hojendia. Acontecia uma vez por semana essa fabulosa classe com Dona Nhanhá e, em meio àquela faina diabólica não podia haver paz, silêncio, ordem ou algo que se lhes assemelhe. Era serrar, esculpir, limar e lixar. Quem me deu a idéia de fazer a faca - e um apelido que desde então não me saiu nem a canivete - foi o Zé Galdino, já mocinho, cheio de espinhas no rosto, repetente, e pelo jeito a gosto, que aproveitava todos os toquinhos de madeira pra acertar alguma desprevenida moleira.

Mas a graça era o iniciar das aulas de Dona Nhanhá Campos com a invariável Ave-Maria, seguida de uma invocação a São Tomás de Aquino, cujo significado num pude ou quis eu alcançar, nem então, nem agora, antes que de vez nos Summa pra sempre a Theológica, nestes tempos ateus e ameus.

E ninguém se preocupasse com `levar pau`, além dos incômodos toquinhos do Zé Galdino. Dona Nhanhá passava a todos, se não summa, cum laude.

Uma única vez, a vi enfurecida, a ponto de botar um dos meninos pra fora da sala, algo até então inusitado. Não é que aquele bando de adolescentes ou quase, não tivéssemos nossos ímpetos. Mas a septuagenária Nhanhá não era quem os inspirava, esperava ou testemunhava. Aquele seu ar aristocrático era pre-socrático. Não digo que se comparasse a um bom gole da melhor cicuta, pois gosto, que não se discuta.

Mas o que aconteceu para a expulsão da sala do menino Marco Aurélio, um rapagão de boa paz, se não meio aparentado, ao menos vizinho de dona Nhanhá, foi que ele, numa bela manhã anil, quiça de abril, voltou-se para a Mestra, em voz alta, e como querendo anunciar uma boa-nova, trombeteou:

"A Senhora sabe quem foi que pousou de regresso ao solo brasileiro, ontem de manhã?" E já foi emendando a resposta: "Juscelino Kubitschek de Oliveira"!

Os céus vieram abaixo. Juscelinista roxa, Dona Nhanhá não admitia ingerências em suas aulas, e muito menos uma revelação feito aquela. Logo aquele Peixão, maior paixão, de um magoado coração.
Paulo Miranda
Enviado por Paulo Miranda em 18/12/2018
Código do texto: T6529766
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulo Miranda
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
28290 textos (527108 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/19 11:10)
Paulo Miranda