Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A autoestima é o antidoto contra os complexos de inferioridade. As mais lindas musicas católicas da sua infância MÚSICAS Católicas. A Síndrome de Otelo e o feminicídio. STF e o aborto: um “teatro armado”

IGREJAS CATÓLICAS COM MUSICAS ANTIGAS DE MISSAS
https://www.youtube.com/watch?v=PPKV6O25oxA

BELOS CÂNTICOS DA IGREJA CATÓLICA.
https://www.youtube.com/watch?v=pD33pqzT8GE
___________

       Os complexos de inferioridade, (in) conscientemente, nos pesam quando assumimos à dianteira de nossas atividades e perfis sociais e profissionais.

     O emocional é instabilizados pela insegurança de não nos conhecermos ou duvidarmos de nosso potencial e capacidade de auto superação dos desafios. Não devamos subestimar nossa criatividade e afetividade em vencer os momentos de provação e rechaço social. Contudo, os entraves da vida amorosa, afetiva, sexual, as pressões sociais assumem formatos inimagináveis em nossa recepção psico-afetiva e espiritual. Atingir o jogo de lidarmos com tudo isso e encontrar a motivação específica lá onde a dor e o “bullying” são sufocantes é sempre o maior passo para irmos dentro de nós e somar energia no derredor de nós para alavancar decisões e direções assertivas. Nada é impossível depois de uma retomada e terapias, estudos afeitos consigo mesmo e com os outros de nossa confiabilidade a fim de que construamos o homem interior e a mulher autoconfiante na construção de sua história de elaboração dos insucessos – até os resultados melhores se avizinhem aos poucos.
Os lideres da comunidade passam por tais e indigestas situações e contextos de reprovação e autodúvida. A condição de existencial vai se elencando na busca de um futuro melhor e efetivamente ético e saudável.  Coletivamente, alguns ganharam com nossa maturação processual e afetivamente circunstancial e profissional.

Estamos a construir paredões e muralhas e não pontes – duvidamos de nossa capacidade de ir além das fronteiras.
O novo ainda nos ameaça à medida que sentimos atraídos pela novidade e incomodados pelos desafios e riscos. Reavaliar os passos possíveis de riscos sem colocar total e eticamente nosso projeto à beira da morte e do insucesso ou da perda sem sentido é fundamental.
O sentido da vida é o que podemos melhor mirar quando os valores éticos e coletivamente da democracia e da fé estão em alta e as crises não podem descartar o sentido do amor e da doação pela vida e da prioridade pelo bem-comum, sem nos sufocarmos em ativismos e reducionismos e fatalismos e fanatismos de quaisquer naturezas.
O homem se tornam especialistas em diagnosticar o negativo e marginalizar seu  potencial em resolver seu decepção e o caminho ético dos conflitos.
A impaciência é a contramão da ciência e da religiosidade. A mística nos anima a imagem do monge sábio e paciente, forte e corajoso, que não esconde sua fragilidade e não esconde seus medos – mas luta por ideais e convicções a nos surpreender quando os outros já acomodaram e se afugentaram diante dos desafios do deserto e das dificultações.
Síndromes em sentido amplo é o do sem-terra, do pequeno polegar,
da gata borralheira, da Cinderela ingênua, do príncipe mágico, do super-homem, do Robin rode, do lobo-mau que se incomoda e atrai a chapeuzinho vermelho, os opostos será que atraem com no magnetismo...

O mundo de violência e intolerâncias está desaparecendo ceder quando acionamos a ajuda coletiva e o dialogo respeitoso. Lá onde os contrários dialogam os muros caem.
Coragem e pedir ajuda podem ser alguns passos siderais para quem se sente assediado pelo mau humor de pessoas e grupos totalitários.
Uma sociedade injustiça gera injustiça. Para quebrar o círculo-polar da maldade é gotícula de otimismo, bondade, compaixão, defesa do fraco
e dos desprezado podem fazer toda diferença.

J B PEREIRA
____

As mais lindas musicas católicas da sua infância

MÚSICAS Católicas

https://www.youtube.com/watch?v=SLOzCQGoPZM

Comunhão
(vejam, Eu Andei Pelas Vilas)
Frei Fabreti

Vejam: Eu andei pelas vilas, apontei as saídas como o Pai me pediu
Portas eu cheguei para abri-las, eu curei as feridas como nunca se viu.

Por onde formos também nós que brilhe a tua luz
Fala, Senhor, na nossa voz, em nossa vida
Nosso caminho então conduz, queremos ser assim
Que o pão da vida nos revigore em nosso "sim"


Vejam: Fiz de novo a leitura das raízes da vida que meu Pai vê melhor
Luzes acendi com brandura, para a ovelha perdida não medi meu suor


Vejam: Procurei bem aqueles que ninguém procurava e falei de meu Pai
Pobres, a esperança que é deles eu não quis ver escrava de um poder que retrai


Vejam: Semeei consciência nos caminhos do povo, pois o Pai quer assim
Tramas, enfrentei prepotência dos que temem o novo, qual perigo sem fim

https://www.vagalume.com.br/frei-fabreti/comunhao-vejam-eu-andei-pelas-vilas.html

______________

A Síndrome de Otelo e o feminicídio

Psicologia e cidadania

http://www.romildopsicologo.com.br/blog/psicologia-e-cidadania/a-sindrome-de-otelo-e-o-feminicidio/

Postado em 10/09/2018 | Escrito por: Romildo Ribeiro de Almeida


Quando o ciúme se transforma em transtorno

A lei Maria da Penha completou 12 anos em agosto, mas numa infeliz coincidência, agosto foi um mês marcado pela violência contra mulher especialmente pela repercussão do trágico caso da advogada atirada do prédio em Guarapuava, PR. Casos semelhantes aconteceram no mesmo período pelo mesmo motivo, ou seja, matou porque não aceitava o fim do relacionamento. A maioria dos praticantes de violência contra a mulher tem em comum um transtorno delirante conhecido como Síndrome de Otelo. O nome é inspirado na obra de Shakespeare, onde
o personagem principal, Otelo, cria uma série de suspeitas sobre a suposta infidelidade de sua mulher Desdêmona chegando a assassiná-la e cometer suicídio. A obra foi escrita em 1603, mas diante do contexto que estamos vivendo, torna-se atual.
As pessoas que têm essa síndrome sofrem com o delírio de que seus parceiros ou parceiras são infiéis e dessa forma buscam a todo custo reunir indícios ou provas para mostrar que estão certas gerando um quadro obsessivo compulsivo (TOC). O desejo intenso de querer controlar o cônjuge leva a comportamentos como, espionar, examinar celulares, bolsos, agendas e até fazer visitas surpresas no trabalho.
A vida do casal transforma-se num inferno com agressões físicas e morais podendo culminar com homicídio. A separação do casal seria a solução mais razoável, mas quem convive com a pessoa doente torna-se codependente e por mais que tente, não consegue sair da relação, apesar do sofrimento.
É importante diferenciar o ciúme normal daquele que é patológico. Enquanto o ciúme normal é transitório e não altera o comportamento
de quem o sente, o ciúme patológico provoca reações emocionais descontroladas afetando drasticamente toda a família inclusive os filhos. A síndrome de Otelo é um transtorno e está incluída na Classificação Internacional de Doenças CID-10, portanto, deve ser tratada clinicamente.
A taxa de feminicídio no Brasil é a quinta maior do mundo, mas poderia ser menor se houvesse mais informações sobre saúde mental. Infelizmente, só conhecemos o problema depois que ele vira crime.
Se você tem amigo ou parente que apresenta sinais de estar com ciúme patológico, tente conversar abertamente com ele sobre o problema e encoraje-o a buscar ajuda psicológica. Antes de julgá-lo e condená-lo, saiba que ele também sofre, precisa de psicoterapia e em casos extremos, até de medicação. Essa simples atitude pode evitar tragédias e contribuir para que Otelo seja apenas um personagem do teatro.
 
Romildo R.Almeida
Psicólogo clínico
 
___

STF e o aborto: um “teatro armado”

“Tanto esta audiência pública quanto este processo não são legítimos”. Eis a denúncia de um sacerdote durante debate sobre o aborto no Supremo Tribunal Federal.
Equipe Christo Nihil Praeponere7 de Agosto de 2018

https://padrepauloricardo.org/blog/stf-e-o-aborto-um-teatro-armado

Nos últimos dias, como se sabe, o Supremo Tribunal Federal promoveu duas audiências públicas para debater a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) n. 442, que pretende descriminar
o aborto no Brasil até a 12.ª semana de gestação. Já tratamos desse assunto aqui, ainda ano passado, quando o PSOL impetrou a referida ação junto à nossa Suprema Corte.
Ontem (6), no segundo dia de audiência, o padre José Eduardo de Oliveira e Silva, representando a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, fez um excelente discurso denunciando com bastante clareza a farsa que se está descortinando diante de nossos olhos. Com o pretexto de ouvir todas as partes, o STF leva adiante um processo ilegítimo para, no fim, continuar legislando e fazendo “ativismo”.
Assista ao vídeo abaixo, portanto, e leia o referido discurso.
Ao longo do texto, fizemos questão de inserir outros conteúdos de nosso site a respeito do assunto, para que todos possam se inteirar melhor do que está acontecendo. E, claro, não deixemos de rezar pelo nosso país, para que Nossa Senhora Aparecida nos livre da maldição do aborto.
________________________________________

Excelentíssima Presidente Carmen Lúcia, excelentíssima Ministra Rosa Weber, nas pessoas de quem saúdo os demais integrantes da mesa e os colegas expositores,
Acerca do aborto, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil pronunciou-se de maneira absolutamente inequívoca por diversas ocasiões, reiterando “sua posição em defesa da integralidade, inviolabilidade e dignidade da vida humana, desde a sua concepção
até a morte natural” e condenando, assim, “todas e quaisquer iniciativas que pretendam legalizar o aborto no Brasil”.

Pela limitação do tempo, quero fazer apenas quatro breves colocações em meu pronunciamento.

Primeira colocação.
Esta audiência não se presta para o fim a que foi convocada. Presta-se apenas para legitimar o ativismo desta Corte. Está-se fingindo ouvir as partes, mas na realidade está-se apenas legitimando o ativismo que virá em seguida. A prova é que os que defendem o reconhecimento do aborto como direito tiveram bem mais do que o dobro do tempo e bem mais do que o dobro de representantes dos que defendem a posição contrária.

Pe. José Eduardo durante audiência no Supremo.
Isto não respeita o princípio do contraditório que está expresso na Constituição. O artigo quinto, inciso 55, da Magna Carta estabelece
que aos litigantes em processo judicial ou administrativo são assegurados o contraditório, a igualdade das partes no processo e a ampla defesa. Esta audiência, ao contrário, é parcial. A própria maneira pela qual esta audiência pública está sendo conduzida viola a Constituição Federal.

Segunda colocação.
A ADPF 442 sequer deveria estar sendo processada. Deveria ter sido indeferida de plano e imediatamente.
A petição inicial é inepta porque a Lei 9882/99, que é a lei que rege as ADPFs, estabelece como requisito essencial para o processamento
que a petição inicial venha instruída por controvérsia.
O artigo primeiro da mencionada lei estabelece que “caberá arguição
de descumprimento de preceito fundamental quando for relevante o fundamento da controvérsia constitucional sobre lei ou ato normativo”.
O artigo terceiro estabelece que “a petição inicial deverá conter
a comprovação de existência de controvérsia relevante sobre a aplicação do preceito fundamental que se considera violado”.
Ora, é fato evidente que desde 1988 nunca houve controvérsia sobre
a constitucionalidade da norma impugnada. A controvérsia foi artificialmente fabricada no voto do Habeas Corpus 124.306 redigido pelo Ministro Barroso, ex-advogado de organizações que defendem
a despenalização do aborto. Até o voto não havia, em qualquer obra
 de direito constitucional ou penal, nenhum registro de suspeita de inconstitucionalidade da norma.

Terceira colocação.
O Supremo Tribunal Federal não pode legislar.
E, neste caso, já não estamos nem mais falando de legislar, mas de usurpar o Poder Constituinte Originário. O artigo quinto da Constituição estabelece que a inviolabilidade do direito à vida é cláusula pétrea,
e seu parágrafo segundo estabelece que os direitos e garantias expressos na Constituição não excluem outros decorrentes do regime
e dos princípios por ela adotados, ou seja, proíbe qualquer interpretação restritiva dos direitos consignados neste artigo, inclusive o direito à vida. As únicas restrições ao direito à vida são aquelas estabelecidas no próprio texto da Constituição. Portanto, nem o Congresso poderia diminuir estes direitos. Muito menos o Supremo Tribunal Federal.
Por estes motivos, tanto esta audiência pública quanto este processo não são legítimos.

Quarta colocação.
A Comissão Episcopal da Pastoral Familiar da CNBB, em artigo publicado na última sexta-feira, analisou os discordantes números aqui apresentados sobre as estatísticas do aborto. Estes números acabaram se tornando a base de quase todas as apresentações da audiência da sexta-feira. Dezenas de representantes de organizações falaram em um milhão de abortos por ano e de quinhentos mil abortos por ano.
A professora Débora Diniz disse explicitamente que o número anual de abortos calculados no Brasil é de 503 mil por ano. Disse também que as pesquisas constataram que metade destes abortos passam por internações na rede hospitalar. Isto daria cerca de 250 mil internações, o que conferiria com os dados do SUS.
Ora, os dados do SUS são que há 200.000 internações por aborto por ano. A estimativa dos médicos experientes é que, destes, no máximo 25% seriam por abortos provocados. Numerosas pesquisas apontam valores entre 12% e 25%. Em 2013 o IBGE estimou que o número de abortos naturais corresponde a 7 vezes o número de provocados.
Tomando o valor mais conservador de 25%, deveríamos concluir que, se houvesse no Brasil 250 mil internações por abortos provocados, deveria haver entre um milhão e um milhão e meio de internações totais de abortos, e não apenas 200 mil. Além disso, os livros de obstetrícia e patologia afirmam que o número de abortos naturais, ocorridos em sua maioria no final do primeiro trimestre, é cerca de 10% do números de gestações, a maioria dos quais passam pelo SUS. Se as internações por abortos fossem um milhão ou um milhão e meio, o número de nascimentos no Brasil deveria ser 10 vezes maior. Nasceriam no Brasil entre 10 a 15 milhões de crianças por ano. Mas só nascem 2.800.000.
A realidade é que, dos 200 mil abortos atendidos pelo SUS, no máximo 50 mil são abortos provocados. Provavelmente bem menos. Então no máximo há 100 mil abortos provocados por ano no Brasil. Os números que foram aqui apresentados são 10 ou mais vezes maiores do que a realidade. Toda esta inflação é para poder concluir que, onde se legalizou a prática, realizam-se menos abortos do que no Brasil.
Quando se legaliza o aborto o número de abortos aumenta, e não diminui.
Mas na Alemanha se praticam 120.000 abortos por ano. A Alemanha possui apenas 80 milhões de habitantes. Se a Alemanha tivesse 200 milhões como o Brasil, ali haveria 300 mil abortos por ano, três vezes os do Brasil.
Na Espanha se praticam 100 mil abortos por ano. A Espanha tem apenas 45 milhões de habitantes. Se possuísse duzentos milhões, ali se praticariam 400 mil abortos por ano, quatro vezes mais que o Brasil.
Os Estados Unidos tem 320 milhões de habitantes e 900 mil abortos por ano. Se tivessem 200 milhões de habitantes, praticariam 600 mil abortos por ano, seis vezes o Brasil.
O Reino Unido tem 60 milhões de habitantes e 200 mil abortos por ano. Se tivesse 200 milhões de habitantes, praticaria 700 mil abortos por ano, sete vezes o número do Brasil.
A Suécia tem 10 milhões de habitantes e pratica 40 mil abortos por ano. Se tivesse 200 milhões de habitantes, praticaria 800 mil abortos, oito vezes mais que o Brasil.
A Romênia, de que tanto se falou aqui, possui 20 milhões de habitantes e pratica 90 mil abortos por ano. Se tivesse 200 milhões, faria 900 mil abortos por ano, nove vezes os do Brasil.
A China, com 1 bilhão e 300 milhões de habitantes, e sete milhões e 400 mil abortos, se tivesse a população do Brasil, faria um milhão e duzentos mil abortos por ano, mas isto é doze vezes o número do Brasil.
A Rússia possui 140 milhões de habitantes e um milhão e meio de abortos por ano. Isto é 23 vezes mais do que no Brasil.
Em todos estes países o aborto foi legalizado. Praticam entre três a 23 vezes mais abortos que o Brasil. Se examinarmos as estatísticas de outros países de que temos dados confiáveis e onde o aborto está legalizado, como Geórgia, Cazaquistão, Cuba, Estônia, Hungria, Ucrânia, Islândia, Dinamarca, Noruega, Turcomenistão, Nova Zelândia, Coréia do Sul, França, Israel, Grécia, Portugal, Finlândia, África do Sul, Bélgica, Lituânia, Japão, Itália, Taiwan, Suíça, Uzbequistão, Canadá, Austrália, Holanda e outros, obteremos dados em tudo semelhantes.
A conclusão é que, exatamente ao contrário do que foi sustentado aqui pelos que estão interessados em promover o aborto, quando se legaliza o aborto o número de abortos aumenta, e não diminui. É no primeiro mundo onde se praticam mais abortos, e não no Brasil.
Por favor, não mintam para o povo brasileiro. Não subestimem a democracia. Democracia não é somente voto. Os brasileiros estão vendo o que está acontecendo aqui, sabem o teatro que está sendo armado, sabem como fazer valer seu papel num regime democrático.
Muito obrigado!

_____________

Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link

https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/08/stf-retoma-audiencia-sobre-aborto-e-cnbb-acusa-a-corte-de-ativismo.shtml

ou as ferramentas oferecidas na página.

Textos, fotos, artes e vídeos da Folha estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização da Folhapress (pesquisa@folhapress.com.br).
As regras têm como objetivo proteger o investimento que a Folha faz na qualidade de seu jornalismo.
Se precisa copiar trecho de texto da Folha para uso privado, por favor logue-se como assinante ou cadastrado.

https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/08/stf-retoma-audiencia-sobre-aborto-e-cnbb-acusa-a-corte-de-ativismo.shtml

__________________

"Hoje há uma valorização exagerada da juventude, enaltecida pela mídia, como um mecanismo narcísico de consumação da fugacidade do presente. Contribuindo com a imaturidade psíquica desses homens, que são “rebeldes sem causas”, que se recusam a envelhecer, agem ao seu bel-prazer, sem a preocupação das consequências de seus atos."

Sobre este site
RESILIENCIAMAG.COM|POR RESILIÊNCIA HUMANA
A SÍNDROME DE PETER PAN: HOMENS QUE NÃO AMADURECEM
São tipificados como “homens-meninos”, que se negam amadurecem, uma vez que são incapazes de conduzirem adiante com relacionamentos amorosos, pois exigem elevadas doses de afetos de mulheres, que possam oferecerem tudo, sem pedirem nada em troca.

https://www.resilienciamag.com/sindrome-de-peter-pan-homens-que-nao-amadurecem/
J B Pereira e https://www.youtube.com/watch?v=SLOzCQGoPZM
Enviado por J B Pereira em 11/10/2018
Reeditado em 11/10/2018
Código do texto: T6473664
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
J B Pereira
Piracicaba - São Paulo - Brasil
2319 textos (1297868 leituras)
14 e-livros (92 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/12/19 08:02)
J B Pereira