Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Somos uma rede maior: uma morada de vidas. Contra o aborto. "Não matarás. O Reino é como uma criança..."

REFLEXÃO DIÁRIA: 21 DE OUTUBRO DE 2016

Fazer parte de um organismo maior.

O quinto e último componente de uma vida plena é, sem dúvida alguma, “um local chamado lar”, o senso de comunidade. Uma comunidade é uma união de pessoas que “têm coisas em comum”, que compartilham entre si seus pertences mais preciosos – elas mesmas. Conhecem-se e estão abertas umas às outras. São “umas pelas outras”. Compartilham com amor suas pessoas e suas vidas. As pessoas inteiramente vivas tê essa sensação de fazer parte de algo maior – de sua família, de sua igreja, da comunidade humana. Existem outros com quem essas pessoas se sentem inteiramente à vontade, com quem têm a sensação de comunhão, de se pertencerem mutuamente. Há um lugar onde sua ausência seria percebida, e sua morte lamentada. Quando estão com esses outros seres humanos, as pessoas inteiramente vivas encontram a mesma satisfação em dar e receber. Uma sensação contrária de isolamento é sempre redutora e destrutiva. Impele-nos para os abismos da solidão e da alienação, onde só podemos perecer. A lei inescapável e impressa na natureza humana é que nunca somos menos que indivíduos, mas nunca somos apenas indivíduos. Nenhum homem é uma ilha. As borboletas são livres, ams precisam do coração de alguém para ser o lar do nosso próprio coração. As pessoas inteiramente vivas têm profunda paz e contentamento, que só podem ser vivenciados num lar assim.
Texto de Para viver em plenitude
0
Publicado em Reflexão Diária em 21 out 2016
Nenhum comentário.
22 out 2016 às 11:01 pm, joão bosco Diz:
Seu comentário está aguardando moderação.
O cristão tem claro o valor da vida. Congraçamos com a vida como gratuidade e mistério divino. E conclamamos a todos para votar não contra o aborto em 12 semanas. A vida é para ser vivida e defendida. E no seio materno é inviolável. Uma sociedade que se preza ama e cuida da vida: das crianças e de todos… Não ao aborto.
Não se pode matar sem ter alguma sequela mais tarde e sofrimento na alma e no corpo.
É um crime que brada ao Céu por justiça. A justiça não está em cortar em cabeças e sim colocar pão na mesa de todos. A dignidade da pessoa humana implica que todos que são gerados no útero da mulher são humanos e já de per si são vidas humanas. Não se pode ser estranhos a vida. O embrião humano e o feto humano dependem em tudo da mãe e do respeito da família, da sociedade, da justiça moral e da lei cujo fundamento está na dignidade da vida e da pessoa humana, no direito de nascer, de defender-se da alienação e do crime de quem quer matar-nos e matar nossos filhos e nossas filhas.
É um crime porque não se pode tirar a vida impunemente em uma sociedade democrática. Não se pode matar o feto para ter a saúde da mãe ou pretextos de grupos de pesquisas cujo propósito é laboratorial e experimental (não ético) de produtos cosméticos, células-tronco, etc. É saudável conciliar a vida da mulher com a da criança com o respeito a ambos. O heroísmo de algumas mulheres priorizam a vida de seu filhos. A nossa lei já estabeleceu aborto para o risco de vida da mãe, a má formação do feto e o estupro. Não há mais porque cairmos na tentação e tentativas de falso quesito libertário atentando contra a vida do embrião e feto humanos. Deus nos livre de tal crime e leis inescrupulosas que parecem emancipar mulheres e condenam vidas ao lixo, ao luxo de alguns e algumas pessoas que ainda não entenderam sobre a inviolabilidade da vida.
A CNBB e a doutrina ética e social da Igreja Católica pedem-nos coragem de votar contra o aborto e não desejar leis como esta passem e fiquem na ordem do dia. O cristão não pode ser conivente e omisso.
“E Jesus, chamando um menino, o pôs no meio deles,
E disse: Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos fizerdes como meninos, de modo algum entrareis no reino dos céus.
Portanto, aquele que se tornar humilde como este menino, esse é o maior no reino dos céus.
E qualquer que receber em meu nome um menino, tal como este, a mim me recebe.
Mas, qualquer que escandalizar um destes pequeninos, que crêem em mim, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma mó de azenha, e se submergisse na profundeza do mar.
Ai do mundo, por causa dos escândalos; porque é mister que venham escândalos, mas ai daquele homem por quem o escândalo vem!
Portanto, se a tua mão ou o teu pé te escandalizar, corta-o, e atira-o para longe de ti; melhor te é entrar na vida coxo, ou aleijado, do que, tendo duas mãos ou dois pés, seres lançado no fogo eterno.
E, se o teu olho te escandalizar, arranca-o, e atira-o para longe de ti; melhor te é entrar na vida com um só olho, do que, tendo dois olhos, seres lançado no fogo do inferno.
Vede, não desprezeis algum destes pequeninos, porque eu vos digo que os seus anjos nos céus sempre vêem a face de meu Pai que está nos céus.
Porque o Filho do homem veio salvar o que se tinha perdido.
Mateus 18:2-11”
https://www.bibliaonline.com.br/acf/mt/18
J B Pereira e http://paroquiaimaculadaconceicao.com.br/reflexao-diaria-21-de-outubro-de-2016/comment-page-1/#comment-6161
Enviado por J B Pereira em 23/10/2016
Código do texto: T5800281
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
J B Pereira
Piracicaba - São Paulo - Brasil
2272 textos (1230346 leituras)
14 e-livros (86 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/19 15:26)
J B Pereira