Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Ladim

E o Geraldo deu Ladinho, Ladinho deu Ladim, e ficou assim. Era um moço aloirado, de pelo bem cacheado, egresso duma paixão fulminante entre o músico ambulante Geraldo Grilo e uma das casadoiras moçoilas dos Trabucos.

Cresceu com a mãe, cheia de zelos e outros devocionais apelos, em meio a tantos atropelos. O pai aventureiro como soía, raramente via. Feito o gambling man da House of the Rising Sun, a instrumentar a vida alheia é que vivia. A mãe, que costurasse o blue jeans do pimpolho.

Espirituoso, Ladim fazia sorrir e sorria, a falha de dentes, até graça fazia. Sem o talento nato do progenitor, foi o Ladim iniciar os degraus da vida como servente de pedreiro, ofício a que se manteve fiel até ir para o beleléu. Não sem antes, respeitoso que era, tirar o chapéu.

Quando o Mobral chegou na cidade, Ladim tentou recuperar o tempo perdido, nos estudos metido. Numa aula de aritmética, quando o arguiu a mestra sobre um determinado problema de regra três, à sua vez, Ladim não se apertou, e respondeu em sua espontaneidade extrema:

 - Professora, por favor, o que eu resolvo são problemas de amor.

Doutra feita, indo pela rua com uma galinha debaixo do braço, topou com o venerável vigário da cidade que, simpático como era com os fiéis de sua freguesia, lançou-lhe a amistosa pergunta:

 - E então, Ladim, vai comer uma galinha hoje...

Ao que veio a resposta, na bucha, com a magia de quem na luxúria se luxa:

 - Vô não sô padre. Acabei de comê. Vô agora é levá ela pra sortá...
Paulo Miranda
Enviado por Paulo Miranda em 25/11/2014
Código do texto: T5048081
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
Paulo Miranda
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
29048 textos (542402 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/01/20 20:28)
Paulo Miranda