Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Pais e filhos, música em http://www.vagalume.com.br/legiao-urbana/pais-e-filhos.html

Análise literária e social ou psicológica de J B Pereira entre parênteses:

Estátuas e cofres (metáfora: indiferentes, capitalistas,  ou metonímia se for relacionado com cemitérios e funerária...)
E paredes pintadas (metonímia)
Ninguém sabe o que aconteceu (hipérbole)
Ela se jogou da janela do quinto andar (metonímia - janela)
Nada é fácil de entender. (hipérbole)

Dorme agora:
É só o vento lá fora. ( o eu lírico se desloca do problema pessoal para o mundo social - aliena-se e desliga-se quando dorme; dormir pode ser desligar-se dos problemas...)
Quero colo (metonímia)
Vou fugir de casa (casa é metáfora da família e lar...)
Posso dormir aqui (paradoxo: se uns fogem de casa porque outros querem retomar as suas casas?)
Com você? (referência a pessoas significativas no processo de educação e dialógico...)
Estou com medo tive um pesadelo (psicanálise ou conflitos pessoais)
Só vou voltar depois das três. (Pequeno Príncipe - tu te tornas eternamente responsável pelo que cativas!)

Meu filho vai ter
Nome de santo
Quero o nome mais bonito. (hipérbole) n

Refrão:

É preciso amar as pessoas
Como se não houvesse amanhã (cliché e nome do bestseller)
Porque se você parar pra pensar,
Na verdade não há. (elipse da palavras amanhã)

Me diz por que o céu é azul (linguagem popular do me)
Me explica a grande fúria do mundo (anáfora do me) ambiguidade: os jovens são a capacidade de transformação do mundo - cultura teens - e a indústria cultural a reduziu a mero consumidores.)
São meus filhos que tomam conta de mim.

Eu moro com a minha mãe
Mas meu pai vem me visitar
Eu moro na rua, não tenho ninguém (hipérbole da solidão)
(metonímia: rua parte da cidade e do bairro)
Eu moro em qualquer lugar (anáfora Eu moro)
Já morei em tanta casa que nem me lembro mais (hipérbole)
Eu moro com meus pais. (paradoxo: antes diz morar na rua e os pais serem separados).

Refrão:

É preciso amar as pessoas
Como se não houvesse amanhã
Porque se você parar pra pensar,
Na verdade não há.

Sou a gota d'água (metáfora)
Sou um grão de areia (metáfora)
Você diz que seus pais não entendem
Mas você não entende seus pais. (trocadilho ou silogismo)
Você culpa seus pais por tudo (hipérbole)
Isso é absurdo
São crianças como você. (símele)
O que você vai ser
Quando você crescer. (cliché na pergunta dos adultos sobre a profissão das crianças...)

Link: http://www.vagalume.com.br/legiao-urbana/pais-e-filhos.html#ixzz2LgL67bFt
J B Pereira e http://www.vagalume.com.br/legiao-urbana/pais-e-filhos.html
Enviado por J B Pereira em 22/02/2013
Código do texto: T4154762
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (http://www.vagalume.com.br/legiao-urbana/pais-e-filhos.html). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
J B Pereira
Piracicaba - São Paulo - Brasil
2301 textos (1289636 leituras)
14 e-livros (92 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/19 03:11)
J B Pereira