Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Conflito de dialetos

Genivaldo foi do sertão do Piauí para São Paulo com a ilusão do trabalho fácil e do salário generoso. Mas a crise já andava à solta, não só não encontrou trabalho como encontrou muitos conterrâneos desempregados, desesperados.

Ele tentou de tudo: biscateiro, marreteiro, flanelinha, sucateiro. Mas nada lhe trazia nem mesmo o essencial para sobreviver. Num ímpeto de aflição, usou o pouco que tinha conseguido no último trabalho de pedreiro e comprou um revólver do pessoal debaixo do viaduto. Armou-se de coragem e foi à Av. Paulista, ia assaltar um paulista rico.

Lá chegando, colocou-se num lugar que pareceu-lhe menos movimentado e pôs-se pacientemente a esperar uma vítima. Até que divisou o jovem executivo, camisa social branca de mangas curtas, gravata vermelha, calça de linho, cinto de couro esmaltado, cabelo raspado nos lados mas longo no alto e atrás da cabeça, atado num rabo de cavalo, pasta de couro legítimo na mão.

Genivaldo, mapeando o candidato a vítima, deduziu que a pasta deveria conter algo de valor que compensasse o preço do revólver. Respirou fundo e, de arma empunhada disfarçada ao lado do corpo, abordou o homem:

- Arriba os braço e não se bula!

E o homem, mais surpreso que assustado, com o rosto pasmo:

- Heim?

- E deixe de munganga, senão faço de sua cara uma arupema!

- Heeiiimmmm?

- Ó xente, além de mouco é brouco!

E Genivaldo acabou desistindo do malogrado assalto, pensou que o homem era de outro país.
Autor desconhecido
Enviado por Mário Sérgio de Melo em 14/08/2019
Código do texto: T6720047
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Mário Sérgio de Melo
Ponta Grossa - Paraná - Brasil, 67 anos
465 textos (3077 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/19 05:30)
Mário Sérgio de Melo