Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

           RESPOSTAS MALUCAS PARA PERGUNTAS NORMAIS                         
 



Atendendo a inúmeros pedidos (de minha mãe e avó), publico parte da entrevista com a consagrada psicanalista Sigmunda Fuad.




- Dra. Sigmunda Fuad, o que mais marcou sua infância?

- Quando menina, meu maior sonho era fazer artesanato, mas meus pais não levaram a sério o talento que demonstrei, desde cedo, para pintar e bordar. 


- Qual a sua formação acadêmica?


- Estudei na USPA (Universidade de Paris), onde me pós-graduei em História, Artes, Filosofia, Ciências Sociais e Psicologia. Durante minha especialização em Psicologia Clínica, tornei-me uma fiel colaboradora de Pinel e Charcot para questões surrealistas e irrelevantes. 


- Paris é também importante em sua vida afetiva?

- É verdade... Foi lá que conheci meu primeiro marido, um encanador austríaco. Se estivesse no Brasil talvez intuísse que entraria pelo cano com ele, mas na França não me pareceu que sofreria com detalhes emocionais hidráulicos. Entretanto, graças a este casamento, fui morar em Viena, cenário do meu primeiro romance: "Volta Hemengarda, nem tudo é mentira!", inspirado em uma visita que fiz à casa de Freud. 


- O que aconteceu em sua passagem por Zurique? 

- Nada importante, digo, após o divórcio, fui para Zurique tentar escrever meu segundo romance. Mais uma vez, quis o destino que minha inspiração surgisse depois que visitei a casa de Jung. Assim nasceu: "Perdi o senso, mas nunca a vaidade!"


- Esses romances tiveram repercussão internacional?

- Sim. Meus livros foram traduzidos e publicados em quarenta e cinco línguas mortas. O mercado editorial analisou meu sucesso como um fenômeno de ressurreição idiomática.


- Depois disto, a senhora foi para a Índia?

- Sim, minha cara, na Índia posso dizer que me encontrei afetiva e profissionalmente. Casei-me com um padeiro finlandês e nunca mais comi o pão que o Diabo amassou. Por outro lado, ouso afirmar que revolucionei a Psicanálise, ao criar o método de terapia de choque profundo e irreversível. Basta uma única sessão, solucionando de vez o problema do alto custo da análise. 


- Para encerrar esta entrevista, qual o preço que se paga pelo sucesso? 

- Dor nas costas. O que eu recebo de tapas nas costas, dos meus ardorosos fãs e leitores, é impressionante. E você sabe, na menopausa, meus ossos já não são mais os mesmos. 


- Foi um enorme prazer e uma honra indescritível entrevistá-la. 

- Eu acredito
.






(*) IMAGEM: Google

(*) versão modificada

 
http://www.dolcevita.prosaeverso.net


Dolce Vita
Enviado por Dolce Vita em 31/05/2011
Reeditado em 01/06/2011
Código do texto: T3005325
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Dolce Vita
São Paulo - São Paulo - Brasil
1206 textos (275719 leituras)
338 áudios (55145 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 30/09/20 17:07)
Dolce Vita

Site do Escritor