Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MULHERES - Por que 08 de março é o Dia Internacional da Mulher? - ATENÇÃO - DIGNIDADE - RESPEITO A SI E CORAGEM DE MUDAR E DENUNCIAR... HOMENAGEM AO DIA DAS MULHERES EM 8 DE MARÇO DE 2019

Do mito à Phenix: Têtis revive na filhas da Gaia, / em lindas alfaias,/ gametas e longes planetas/ nos oceanos e praias / altaneira a vida se enlaça na taça das festas das praças/ E as sementes recolhas em vasos petrificados / exuberantes de cristais transformados/ novas ninfas e musas enleia os prados e planos - o vulcão errode-se em turva nuvem poeirenta / aos seus esconde o azul/ logo depois em povos em arquipélagos fogosos em alamedas fulgentes a vida resplandece à porfia/ e o novo Dia irradia em beleza e virtude... esqueceram-se as dores e aplaudem-se os véus e as gentes.

https://www.recantodasletras.com.br/poesiasdeamor/6584804
__

Em resposta ao poema acima, de Richard D Foxe
https://www.recantodasletras.com.br/poesiasdeamor/6584804
Do mito à Phenix:
Tétis revive na filhas da Gaia, /
em lindas alfaias,/
gametas e longes planetas/
nos oceanos e praias /
altaneira a vida se enlaça
na taça das festas das praças/
E as sementes recolhas em vasos petrificados /
exuberantes de cristais transformados/
novas ninfas e musas
 enleia os prados e planos -
 o vulcão funde-se
em turva nuvem poeirenta /
 aos seus esconde o azul/
logo depois em povos em arquipélagos
fogosos em alamedas fulgentes
a vida resplandece à porfia/
e o novo Dia irradia em beleza e virtude...
esqueceram-se as dores
e aplaudem-se os véus e as gentes.

Sou apaixonado pela Terra e os seus povos: não quero que sofram tanto assim: __Enigma - Prism Of Life (Legendado) __https://www.youtube.com/watch?v=CNNI9Yqf1P4&index=2&list=RDaGfyuIKj34U

J B PEREIRA

______________

Se de um lado, há o empoderamento das mulheres, de outro, muitos ainda estão marginalizadas e outras lutam para se inserir no mercado devido a muitos motivos como o desemprego, falta de formação técnica, apoio dos parceiros e da família, etc. Há de se aprofundar políticas de inclusão da mulher no emprego e nas empresas para que se tornem mais autônomas ou profissionais e universitárias respeitadas, e tenham autoestima positiva.

J B PEREIRA
________________

INTERNET - PESQUISA

Por que 8 de março é o Dia Internacional da Mulher?

O primeiro Dia Nacional da Mulher foi celebrado em maio de 1908
nos Estados Unidos

POR: Paula Nadal
07 de Março de 2018
Crédito: Getty Images

As histórias que remetem à criação do Dia Internacional da Mulher alimentam o imaginário de que a data teria surgido a partir de um incêndio em uma fábrica têxtil de Nova York em 1911, quando cerca de 130 operárias morreram carbonizadas. Sem dúvida, o incidente ocorrido em 25 de março daquele ano marcou a trajetória das lutas feministas ao longo do século 20, mas os eventos que levaram à criação da data são bem anteriores a este acontecimento.

LEIA MAIS  As principais conquistas das mulheres ao longo da História


Desde o final do século 19, organizações femininas oriundas de movimentos operários protestavam em vários países da Europa e nos Estados Unidos. As jornadas de trabalho de aproximadamente 15 horas diárias e os salários medíocres introduzidos pela Revolução Industrial levaram as mulheres a greves para reivindicar melhores condições de trabalho e o fim do trabalho infantil, comum nas fábricas durante o período.

LEIA MAIS   Séries, filmes e documentários para discutir os papéis sociais das mulheres com seus alunos

O primeiro Dia Nacional da Mulher foi celebrado em maio de 1908 nos Estados Unidos, quando cerca de 1500 mulheres aderiram a uma manifestação em prol da igualdade econômica e política no país. No ano seguinte, o Partido Socialista dos EUA oficializou a data como sendo 28 de fevereiro, com um protesto que reuniu mais de 3 mil pessoas no centro de Nova York e culminou, em novembro de 1909, em uma longa greve têxtil que fechou quase 500 fábricas americanas.

LEIA MAIS   Lições para educar crianças com igualdade e respeito

Em 1910, durante a II Conferência Internacional de Mulheres Socialistas na Dinamarca, uma resolução para a criação de uma data anual para a celebração dos direitos da mulher foi aprovada por mais de cem representantes de 17 países. O objetivo era honrar as lutas femininas e, assim, obter suporte para instituir o sufrágio universal em diversas nações.

Com a Primeira Guerra Mundial (1914-1918) eclodiram ainda mais protestos em todo o mundo. Mas foi em 8 de março de 1917 (23 de fevereiro no calendário Juliano, adotado pela Rússia até então), quando aproximadamente 90 mil operárias manifestaram-se contra o Czar Nicolau II, as más condições de trabalho, a fome e a participação russa na guerra - em um protesto conhecido como "Pão e Paz" - que a data consagrou-se, embora tenha sido oficializada como Dia Internacional da Mulher, apenas em 1921.

LEIA MAIS   Mulheres são maioria na sala de aula, mas não no alto escalão

Somente mais de 20 anos depois, em 1945, a Organização das Nações Unidas (ONU) assinou o primeiro acordo internacional que afirmava princípios de igualdade entre homens e mulheres. Nos anos 1960, o movimento feminista ganhou corpo, em 1975 comemorou-se oficialmente o Ano Internacional da Mulher e em 1977 o "8 de março" foi reconhecido oficialmente pelas Nações Unidas.

"O 8 de março deve ser visto como momento de mobilização para a conquista de direitos e para discutir as discriminações e violências morais, físicas e sexuais ainda sofridas pelas mulheres, impedindo que retrocessos ameacem o que já foi alcançado em diversos países", explica a professora Maria Célia Orlato Selem, mestre em Estudos Feministas pela Universidade de Brasília e doutoranda em História Cultural pela Universidade de Campinas (Unicamp).

LEIA MAIS   "Guerra dos sexos" tem que acabar na escola

No Brasil, as movimentações em prol dos direitos da mulher surgiram em meio aos grupos anarquistas do início do século 20, que buscavam, assim como nos demais países, melhores condições de trabalho e qualidade de vida. A luta feminina ganhou força com o movimento das sufragistas, nas décadas de 1920 e 30, que conseguiram o direito ao voto em 1932, na Constituição promulgada por Getúlio Vargas. A partir dos anos 1970 emergiram no país organizações que passaram a incluir na pauta das discussões a igualdade entre os gêneros, a sexualidade e a saúde da mulher. Em 1982, o feminismo passou a manter um diálogo importante com o Estado, com a criação do Conselho Estadual da Condição Feminina em São Paulo, e em 1985, com o aparecimento da primeira Delegacia Especializada da Mulher.

LEIA MAIS   Como as meninas ganharam mais respeito na minha escola

Quer saber mais?
Bibliografia
As origens e a comemoração do Dia Internacional das Mulheres. Ana Isabel Álvarez Gonzalez, 208 págs., Ed. SOF/Expressão Popular, tel. (11) 3105-9500, 15 reais

FONTE:
https://novaescola.org.br/conteudo/301/por-que-8-de-marco-e-o-dia-internacional-da-mulher


___________

MULHER: DIREITO DE VIVER SEM VIOLÊNCIA
Published on 2019 M02 27
Rosalia Ometto
Rosalia OmettoFollow
Advogada e Consultora em Direito Médico, Direito de Família e Direito Cooperativo. Proprietária da Ometto Sociedade Individual de Advocacia
Like1
Comment0
1

O mês de março é importante para a conscientização dos direitos das mulheres, sobretudo o de liberdade de escolha e o de viver sem violência; afinal, são séculos de lutas por melhores condições de vida, de educação, de trabalho e até pelo voto, mas, mesmo com tantas vitórias, trata-se de uma tarefa permanente.

Por que são necessárias leis específicas com garantias às mulheres? A resposta: porque não se pratica a igualdade a que todos tem direito.
Por que são necessárias leis específicas com garantias às mulheres? A resposta: porque não se pratica a igualdade a que todos tem direito. Reflexo da história, a mulher durante milênios não foi sujeito de direitos; considerada legalmente incapaz, saía das mãos do pai para às do marido, quase como uma propriedade. No Brasil, o direito ao voto foi alcançado apenas em 1932, mas as mulheres casadas dependiam de autorização do marido. Até que a Constituição de 1988 estabeleceu que homens e mulheres deveriam ser iguais em direitos e obrigações, a função de “chefe” da família ou de “cabeça do casal”, cabia exclusivamente ao marido.

A maioria das mulheres sabe da existência da lei, mas poucas sabem o que realmente contempla.
Somente nesse século surge a Lei Maria da Penha (Lei 11.340/06), com o objetivo de assegurar à mulher o direito de viver sem violência, preservando sua integridade moral, intelectual e social, e em especial sua saúde física e mental. A maioria das mulheres sabe da existência da lei, mas poucas sabem o que realmente contempla. Por isso, é fundamental seu conhecimento, em que se destacam-se os seguintes direitos, dentre outros: efetivo direito à vida, à segurança, à saúde, à educação, à cultura, à moradia, ao acesso à justiça, ao esporte, ao lazer, ao trabalho, à cidadania, à liberdade, à dignidade, ao respeito, com garantias de ser resguardada de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. Configura violência contra a mulher qualquer ação ou omissão que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial, que envolva a unidade familiar, família e relação íntima de afeto. Considera-se formas de violência doméstica e familiar contra a mulher a: física, sexual, patrimonial, moral e psicológica (danos emocionais e diminuição da autoestima, controle de ações, comportamentos, perseguição, chantagem, violação de sua intimidade, entre outras formas).

A Lei 13.772/18 caracteriza como violência doméstica a violação da intimidade da mulher e considera crime o registro não autorizado de conteúdo com cena de nudez ou ato sexual íntimo e privado.
Importante destacar também instrumentos mais recentes, como a Lei 13.104/15, que considera o feminicídio crime hediondo; a Lei 13.641/18, que considera crime o descumprimento de medida protetiva de urgência previsto na Lei Maria da Penha; a Lei 13.642/18, que atribuiu à Policia Federal o dever de investigar crimes de conteúdo misógino (atos que propagam o ódio ou a aversão às mulheres) na internet; a Lei 13.718/18, que considera crime a importunação sexual e a divulgação de cenas de estupro, de sexo e de pornografia, e a Lei 13.772/18, que caracteriza como violência doméstica a violação da intimidade da mulher e considera crime o registro não autorizado de conteúdo com cena de nudez ou ato sexual íntimo e privado.

A prevenção, o conhecimento e a divulgação desses direitos são o melhor caminho para o enfrentamento de situações de dor – física e emocional – que muitas mulheres vivenciam todos os dias.
Essas leis sozinhas não levarão ao fim da violência contra a mulher, sendo necessária, sobretudo, uma mudança cultural e comportamental na sociedade. Por isso, é de grande importância que a mulher conheça seus direitos, que exerça seu direito de escolha de como viver sua vida, em especial, livre de qualquer espécie de violência. A prevenção, o conhecimento e a divulgação desses direitos são o melhor caminho para o enfrentamento de situações de dor – física e emocional – que muitas mulheres vivenciam todos os dias.

Rosália Toledo Veiga Ometto é advogada, bacharel e mestre em Direito Civil pela Faculdade de Direito do Largo de São Francisco – USP.

Rosalia Ometto
Rosalia Ometto
Advogada e Consultora em Direito Médico

FONTE:
https://www.linkedin.com/pulse/mulher-direito-de-viver-sem-viol%C3%AAncia-rosalia-ometto?articleId=6506630189798170624#comments-6506630189798170624&trk=prof-post
https://novaescola.org.br/conteudo/301/por-que-8-de-marco-e-o-dia-internacional-da-mulher
Enviado por J B Pereira em 10/03/2019
Reeditado em 11/03/2019
Código do texto: T6594892
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
J B Pereira
Piracicaba - São Paulo - Brasil
2185 textos (1024780 leituras)
14 e-livros (65 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/04/19 15:21)
J B Pereira