Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


Frida khalo, uma mulher fascinante- Giselle Sato



Em 07 de Julho de 1907, na cidade de Coyoacán no México, nasceu Magdalena Carmen Frida Klalo y Calderón, a conhecida pintora mexicana Frida Khalo. Seu pai era um judeu húngaro e a mãe, uma mexicana descendente de espanhóis e índios.
Para compreender Frida é importante entender que suas raízes foram extremamente importantes na composição de sua personalidade.
É possível  visualizar a dualidade  da artista através de seu quadro Las dos Fridas de 1939, nele sentimos o sentimento que movimentou a vida desta mulher fascinante.  

Na forma de auto-retratos ela exorcizava a própria dor que a atormentava,  devido às graves seqüelas pós cirúrgicas. O calvário da artista iniciou com a poliomielite na infância, e mais tarde um acidente gravíssimo na juventude que condenou Frida a longos períodos acamada, cirurgias dolorosas e procedimentos pós-cirúrgicos como coletes ortopédicos pesadíssimos que não permitiam o menor movimento. Frida pintava seus quadros deitada na cama,  usando um cavalete adaptado e um espelho onde reproduzia séries de sua condição sem se preocupar em ocultar detalhes cruéis,  como os tratamentos  à que se submetia constantemente.

Frida Khalo criou um personagem para enfrentar o mundo com altivez e ocultar suas fragilidades, tristezas e mágoas. Suas pinturas retratam momentos desta  história, uma mulher que se submeteu a trinta cirurgias, entre as quais sete de coluna, em uma época em que a medicina não tinha os recursos atuais.

A influencia da  obras de Khalo  até hoje estão presentes no nosso cotidiano, servindo como inspiração para  coleções de moda e referência por seu estilo que mesclavam  as cores vibrantes da cultura  indígena local  com o realismo, simbolismo e surrealismo. Um mundo próprio que exigia completo despojamento de preconceitos antes de mergulhar em seu conturbado e exótico universo.

A vida amorosa de Khalo é uma pitada a mais em sua conturbada existência. Casou-se aos vinte e um anos com Diego Rivera,  um dos maiores muralistas  mexicanos, precursor  da arte em muros e escadarias. O artista expunha suas pinturas  onde o povo pudesse ter contato direto,  e  repudiava a elite que segregava a cultura aos privilegiados. Diego Rivera era  engajado ao movimento marxista, defendia os direitos do povo indígena contra a exploração apoiada pela igreja católica e muitas vezes tomou atitudes extremas. Diego disse à jovem esposa a frase que a acompanhou por toda vida:
'Pega da vida tudo o que ela te der, seja o que for, sempre que te interesse e possa dar certo.'

 Frida  divulgava suas preocupações com os problemas sociais e culturais, no entanto nunca quis associar-se a qualquer movimento artístico.
Acima de tudo prezava sua liberdade de escolhas e não aceitava rótulos. Sua expressão artística nem sempre foi compreendida e isto nunca a impediu de prosseguir em seu estilo.

Naquela época  Frida Khalo era uma bissexual  assumida ,  adepta do casamento aberto e das novas experiências . Diego e Frida mantinham casos extraconjugais assentidos e nem por isso, isentos de cenas tempestuosas de ciúmes e posse.
Ambos brigavam e amavam com a mesma intensidade, apesar de pregarem a liberdade sexual e o desprendimento, constantemente a paixão falava mais alto e as teorias entravam em conflito com a realidade. Ele não admitia que Frida  tivesse casos com outros homens, mas não se importava com suas namoradas ocasionais.
Ela manteve a postura liberal até descobrir que sua irmã mais nova, era amante do marido e com ele teve seis filhos. Constatar a existência destas crianças foi crucial,  já que por sua frágil constituição física Frida não levou ao final nenhuma de suas gestações.

Arte e amor caminhavam juntos para Khalo, que deixou em suas pinturas as marcas das dores da separação em depois a alegria da reconciliação,  sempre temperadas com muitas brigas e desavenças.  Ambos eram intensos, geniosos e não cediam em suas convicções. Frida tinha uma personalidade fascinante, era articulada, criativa e quando estava feliz, exibia uma exuberância capaz de seduzir todos que partilhavam suas festas e reuniões.
Foi precursora e criou a  própria moda baseada em  figurinos que ocultavam  sua deficiência física e evidenciavam saias longas cheias de detalhes e calças compridas de cortes perfeitos.

Frida tinha o dom de tornar sua presença um espetáculo de cores e efeitos, os enfeites nos cabelos equilibravam adornos, flores e minúcias preciosas. As pessoas na época tinham-na como um ícone e imitavam sua forma de vestir, era admirada e respeitada. Hoje entendemos que ela transformou-se em  uma obra viva, roubando toda a atenção para a beleza exótica que exibia e desta forma, minimizando as imperfeições do corpo alquebrado.

Após lutar  contra uma infecção no pé esquerdo que durou praticamente a vida inteira, foi submetida a uma amputação e tornou-se extremamente infeliz e depressiva. Em 1954, foi encontrada morta e seu atestado de óbito registra embolia pulmonar, mas as seguintes anotações em seu diário sugerem a hipótese de suicídio:

'Espero alegre a minha partida - e espero não retornar nunca mais.'

Há quem suspeite que foi envenenada por uma das amantes de Rivera, o que confere à sua morte  um quê de mistério.
Não poderia ser menos trágico e controverso, bem de acordo com a vida  da grande artista. Suas obras retratam minúcias de toda sua vida, momentos e segredos são partilhados nos detalhes que a pintura expõe e devem ser observados com cuidado.

Há muito da história de  Frida que não foi dito, mas como um prisma reflete cores e formas, podemos enxergar diversas  facetas e fazer nossa próprias escolhas. O importante é que seu legado permanece intacto em importância e inspiração e sua obra é atemporal. Frida é para todo o sempre. 
 

GiselleSato
Enviado por GiselleSato em 06/07/2010
Reeditado em 07/07/2010
Código do texto: T2361653
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
GiselleSato
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
615 textos (333871 leituras)
6 áudios (1987 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 01/10/20 14:07)
GiselleSato