Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Acentuação gráfica: lição para crianças

Estou crendo que vocês já tenham noções de tonicidade (oxítona, paroxítona e proparoxítona)  e vou passar-lhes algumas informações sobre a importância de acentuarem as palavras e sobre a lógica como foram estabelecidas as regras.

É preciso  que vocês saibam, inicialmente, que o acento gráfico nos ajuda (e muito!) na leitura das palavras. Eu diria para vocês que o princípio básico que norteia a acentuação é exatamente diferenciar as palavras.

Quando digo diferenciar, refiro-me, também, à possibilidade de lermos as palavras corretamente, não produzindo, portanto, palavras inexistentes na coleção da língua. Por exemplo, se eu leio ‘rubrica’, como proparoxítona, estou inventando uma palavra, pois a pronúncia recomendada é como paroxítona. Nesse caso, a ausência do acento é que vai indicar, para nós, a pronúncia. Volto ao assunto, daqui a pouco. Calmem-se!

Vamos, inicialmente, à ideia de diferenciação que norteia as regras. Vou produzir abaixo vários exemplos com palavras diferentes na pronúncia, mas que se diferenciam apenas pelo acento gráfico. Vejam como, sem a acentuação, correríamos o risco de pronunciar erradamente:

1. Carlos sempre amara os pais e certamente amará muito os seus filhos.
2. É incrível como ele teve a coragem de fazer aquela ofensa na tevê.
3. No açougue da vizinhança, a carne pode ser comprada no carnê.
4. O camelô nunca tinha visto um camelo de perto.
5. Quando ele prega que todos se amem, a assembleia diz amém.
6. Os caquis estavam em um dos bolsos da blusa cáqui.
7. Os dicionários registram as pronúncias xérox e xerox.
8. O policial precisou revolver a terra para encontrar o revólver.
9. Transito por uma avenida onde o trânsito é intenso.
10. Nesta fábrica se fabrica o mais delicioso dos chocolates.

De vez em quando, a gente pensa algo assim: melhor seria não acentuar palavra nenhuma... Veja que é uma proposta um tanto quanto inocente, pois perderíamos referências de pronúncia. Como saberíamos, na frase 4, por exemplo, que falamos inicialmente de um camelô e não de um camelo, caso não houvesse acento? Viram? Teríamos que, primeiramente, ensaiar a pronúncia da frase... Concordam?

Primeiro, portanto, é preciso que se conscientizem de que acentuar as palavras é algo importante, como mostrei pelos exemplos anteriores.
Depois, ao estudarem as regras nos livros, é importante perceber que os legisladores da escrita foram muito felizes. Vou dar algumas explicações a seguir.

Sabem por que se acentuam todas as proparoxítonas? É porque elas constituem a minoria das palavras em português. As paroxítonas são a maioria;  portanto, se acentuássemos todas, o texto ficaria sobrecarregado de sinais gráficos.

Observem, também, que não acentuamos palavras de diferentes tonicidades, mas com a mesma terminação. Vejam...

Se a terminação a é motivo para acentuarmos as oxítonas, também será motivo para não acentuarmos as paroxítonas (ex.: amará e amara).

Se a terminação em é motivo para acentuarmos as oxítonas, também será motivo para não acentuarmos as paroxítonas (ex.: amém e amem).
 
Se a terminação ens é motivo para acentuarmos as oxítonas, também será motivo para não acentuarmos as paroxítonos (ex.: armazéns; hifens).

Se a terminação um é motivo para acentuarmos as paroxítonas, também será motivo para não acentuarmos as oxítonas (ex.: álbum; algum).

Como veem, há uma lógica: onde a oxítona é acentuada, a paroxítona não é acentuada; onde a paroxítona é acentuada, a oxítona não é.

Para finalizar, voltemos à palavra ‘rubrica’, que deve ser lida como paroxítona, pois se fosse proparoxítona seria acentuada e, se fosse oxítona, seria também acentuada porque termina em ‘a’.  Como veem, o acento gráfico – presente ou ausente – é indicativo da correta pronúncia das palavras.

Concluímos com uma singela quadra para reforçar o que dissemos:

                       Se já sei acentuar,
                       Correto vou ler também.
                       Eu não vou me complicar:
                       Vejo ‘amem’; não leio ‘amém’.

Até a próxima!


Walter Rossignoli
Enviado por Walter Rossignoli em 02/09/2018
Reeditado em 02/09/2018
Código do texto: T6437271
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (ROSSIGNOLI, Walter. Disponível em: .). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Walter Rossignoli
Juiz de Fora - Minas Gerais - Brasil
251 textos (20489 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/19 14:04)