Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Considerações sobre o emprego do presente do indicativo

O presente do indicativo, como o próprio nome diz, traduz em princípio os fatos que ocorrem no momento da fala. Trata-se do presente momentâneo,  que ocorre,  por exemplo, em “Cai chuva lá fora”,  enunciado  por mim proferido  no exato momento em que escrevo estas anotações.

O usuário da língua tem, entretanto,  uma percepção muito mais ampla do que possa ser tomado como presente, o que repercute nos usos desse tempo verbal.  Fatos que ocorreram no passado, pela necessidade de enfatizá-los,  ou até mesmo que ainda estão por acontecer, por se realizarem muito proximamente, podem ser verbalizados sob forma de presente.

Assim, por exemplo, quando se diz que “Em 1970, o Brasil vive a euforia do tricampeonato”, a forma verbal “vive” realça esse fato de nossa história futebolística, enfatizando-o, trazendo-o para o momento presente. Em uma palestra sobre futebol, por exemplo, essa declaração tem um poder de envolvimento maior sobre a plateia do que teria se fosse usada a forma verbal no pretérito perfeito. Já observaram  que as manchetes de jornal empregam quase sempre as formas verbais no presente do indicativo? Com isso se procura engajar o leitor no processo narrado, tendo, portanto, um forte apelo a que se leia o texto e, logicamente, a que se compre o jornal. “Brasil ganha o penta” (manchete nossa)  é certamente mais enfático do que “Brasil ganhou o penta”, em que, com  a forma de pretérito perfeito,  os atores do processo comunicativo se distanciam mais do fato narrado. Os gramáticos chamam de presente histórico ou narrativo a essas construções.  Já em “Viajo amanhã bem cedo” o presente está empregado por um futuro prestes a se realizar.

E não acabam aí os matizes semânticos do presente do indicativo. Já notaram que os provérbios são citados no presente? Se eu conseguir terminar estas anotações (refiro-me ao projeto de um livro, fruto de leituras e leituras durante alguns anos), é possível que diga “Água mole em pedra dura tanto bate até que fura”. Veja que as formas verbais estão no presente. O que se pretende com isso é mostrar a universalidade do provérbio. A esse presente atemporal, cujos tentáculos atingem o passado e o futuro de uma forma indefinida, alguns autores chamam de universal,  durativo ou acronístico. Seu emprego encontra-se na redação das leis,  verdades científicas e  dogmas como nos enunciados “Todos são iguais perante a lei”,  “A Terra gira em torno de seu próprio eixo” e “Cristo está presente na eucaristia”.

Valemo-nos, também, de formas verbais no presente quando nos referimos a processos verbais que se realizam habitualmente, sem que necessariamente ocorram no momento em que se fala. Trata-se do presente frequentativo ou habitual em construções como “De manhã ele faz caminhadas” e “Não fumo,  nem bebo”.

Observem, finalmente,  que “Você me faz o trabalho” é uma forma de cortesia,  que suaviza a rudeza do correspondente imperativo “Faça-me o trabalho”.  Trata-se de outro emprego muito comum do presente do indicativo, forma de que o falante se vale para tornar suas ordens mais polidas.


Walter Rossignoli
Enviado por Walter Rossignoli em 30/10/2016
Código do texto: T5808179
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (ROSSIGNOLI, Walter. Disponível em:). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Walter Rossignoli
Juiz de Fora - Minas Gerais - Brasil
252 textos (20531 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/19 12:28)