Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O HOMEM DO CASTELO ALTO

O HOMEM DO CASTELO ALTO

Aprisionados em seus carros
Não aceleram nem freiam
Dirigem em direção ao AP.
Congestionados ao hábito
Avançam um, um pouco mais
Sob os olhares de lado
Das buzinas dos carros
A pressa de chegar próximo
Outra vez parar de frente
Ao inóspito sinal vermelho
O fardo se repete dia dia
Farol baixo, farol alto
O imaginário virou orgia
O chofer tem fé, imagina
Estar na casa de campo
Com carneiros e cabras
Pastando em seu jardim
Ou nas areias brancas
Que seus pés irão pisar
E a molhar os cabelos
As águas azuis do mar
O carro do lixão buzina
No pé do ouvido e o faz
Tornar à realidade
O apito do amarelinho
E o vendedor de balas
Bate em seu vidro
Assustado o piloto
Quase teve um AVC
Arrotou pesado quase
Por caminhão atropelado
Engasgou-se, bravo golfou
Na gravata um pedaço
Lasca grande de chocolate
E amaldiçoou o mundo
E o seu nome: Raimundo.

Decio Goodnews
Enviado por Decio Goodnews em 15/06/2019
Reeditado em 17/06/2019
Código do texto: T6673765
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Decio Goodnews
São Paulo - São Paulo - Brasil
1850 textos (477908 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/19 15:22)

Site do Escritor