Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Casa sem livro é corpo sem alma. Cícero.


1. Somos nossa memória. Jorge Luiz Borges (Eu me revejo na memória. Em Cantos Para a Flauta e Pássaro, p. 101, Osvaldo André de Melo.

2. Eu não quero garantir a verdade da minha interpretação. A humanidade caminha esperançosa, tentando vencer os obstáculos da própria angústia e insegurança existencial.

3. Que o intelectual precisa de livros, é verdade, mas precisa também de coração, integrado em todo seu trabalho intelectual e publicitário.  Frei Bernardino Leers.

4. Não são as semelhança entre você o mal que vale, mas a diferença. Todos temos dos dois lados, mas depende de nossa opção. Hogward

5. O passado está vivo em quadros no castelo; as pessoas que perdemos voltam na forma que esperamos. Michel Goldenberg

6. Estive refletindo! Poucas coisas nos sobram do passado! São fragmentos da memória que nos cabe realizar alguma forma de conexão no presente.  Meu pai Sebastião Pereira deixou grande biblioteca que os cupins destruíram em menos de 10 anos. Sobraram fotos e gravação, filmes, documentos pessoais, o consultório que meu irmão herdou, a cordion, que ele não tocava... os amigos dele iam lá em casa tocar para a gente. As lembranças da infância, as viagens, sua terra Cajuru e as árvores e eucaliptos La no Chaves que ele plantou e outros já destruíram. E o Sebastião Milagre, eu tive dele o acesso ao violão, o álbum de família, livros, o original de Doador de Sangue na ADL (1990). E aqui e acolá de vez em quanto me deparo com algum documento ou testemunho sobre ele.  E as lembranças de alguns amigos. O arquivo vivo se une ao arquivo morto, epitáfio na laje do cemitério Central, fotos antigas, acervo disperso do poeta, e a memória dos que ainda estão vivos e o conheceram. João Bosco.

7. O Tártaro – reino de Perséfone, além dos campos Asfódelos, ficava no subterrâneo de Hades. À esquerda, ficava Letes, o Lago do Esquecimento, lugar dos espectros. Com Orfeu, tinha uma senha de acesso ao lago de Memória, Mnemósine, com Choupo branco. Podiam falar do passado e prever o futuro. Aí ficavam os mortos bons. Em Deuses e heróis do Olimpo: as maiores aventuras de todos os tempos. Robert Graves. RJ: Thex, 1992.

8. Toda saudade é a presença da ausência de alguém, de algum lugar, de algo, enfim. Súbito (...) não se pode ver o que se deixou para trás, mas que se guardou no coração. Gilberto Gil

9. O poeta é um fingidor
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
 A dor que deveras sente. Autopsicografia de Fernando Pessoa

10. Em Ovierdo surge de suas igrejas imagens de morte e de redenção ante a incompreensível perda da vida.

11. O poema
É uma ilha
Cercada de palavras
Por todos os lados. Cassiano Ricardo. (Gilberto Mendonça Teles. A retórica do Silêncio. Mec/Cultrix, 1980.)

12. O homem vive de razão e sobrevive de sonhos. La Rochefoucauld

13. Viver é rato; a maioria das pessoas apenas existem.  Anônimo
Toda unanimidade é burra. Nelson Rodrigues

14. Quem gosta de abismos tem que ter asas. Nuit
As dificuldades fizeram-se para serem vencidas. Barão de Mauá

15. Da nada adianta a liberdade, se não temos a liberdade de errar. Mahatma Gandhi

16. Existe um meio de tornar isso melhor. Encontre este meio. Thomas Edison

17. A verdadeira motivação do homem é viver, não penas existir. Jack London

18. A vitória não consiste em receber honras, ma em merecê-las. Aristóteles.

19. Eu vou a qualquer lugar, desde que seja em frente.
Dr. Livingst

20. Irene Amaral Ferreira, que prefaciou fábula e o Livro do Povo, de Hugo de Lara (1975, p. 10), destaca que “O ROTEIRO DO POETA é claro e bem traçado. Confissão pública de uma juventude plenamente vivida e não exaurida ainda. Daí a sensação de que as palavras ainda são verdes.
Entretanto, a surpresa do leitor é mansa e reconfortante à medida que se penetra no mundo do autor a trilha vai sendo traçada pela própria gênese dos trabalhos. Todo o organismo compilados dos trabalhos sofre aqui o influxo da descoberta do homem-poeta e a consciência do que isto significa, principalmente na cultura de hoje. Ficaram gentes encurvadas ao pé da letra,/ e eu, poema ignorado.”   Hugo de Lara – A fábula e o livro do Povo.  (1975, p. 10),

21. Todo conhecimento vem a nós hoje; antes íamos até ele. O arlegim é o ícone de hibridismos culturais com suas cores diferentes de um passado distante vindo do Egito, Grécia, India, para a Europa por meio de Marco Polo. A arte varia do nadir ao Zênite. Teatro, poesia e circo são expressões da cultura na alma de seu povo. A memória está na voz do artista, no corpo ágil do trapezista, na confiança do contador de histórias... Passant-Besson

22. Queres os valores do povo veja o cotidiano e os arquivos das diferentes gerações.

23. O EU PEGA CARONA
No tempo;
Passam como a erva do campo e dos telhados
E a vida é só presente, só o presente!
Depois é a fé no além, não presente, transcendente...
João Bosco.

A vida passa
Num segundo
Quando a gente vê
Estamos no outro mundo.

A vida é luta renhecida
Não fique na vitrine
E nem no desfile da avenida...
João Bosco – dez. 2010

24. Abaporu: vem de Aba (homem) e Poru (comer), é a base icônica da antropofagia, a imagem primitiva do Brasil e seus índios, a busca por emancipação, atualização dos artistas

25. As pessoas não são apenas impressões bioquímicas,
São emoções e sentimentos... Brair Lyon.
 
26. O Brasil não é para principiantes. O europeu não o entende. Tom Jobim

27. A universidade existe para democratizar a cultura.
Os mortos garantem o ciclo de novas gerações quando são cultuados. O homem não morre, ele troca de condição. A morte é uma metamorfose: a vida não é tirada, mas transformada. A  morte é natural e anticultural. A cultura aniquila ou absorve a cultura a sua conveniência.
A mente é a transformação como a pedreira na mão do arquiteto. Falar e pensar estão juntos. O ocidente polemiza a verdade do oriente. W. Goethe.

28. A verdade vem da meditação: tornamo-nos um com o que pensamos. A lei da natureza é o silêncio. A linguagem não contém a verdade do mundo. A reflexão é a educação pelo calar-se. Confúcio.
A primeira condição de quem escreve é não se aborrecer. Machado de Assis

29. As dificuldades geram a paciência e esta gera a esperança. São João Maria Vianney

30. A vida para mim tem contorno de mulher. Compreendi sem compreender o mapa-múndi. Sebastião Bemfica Milagre

31. Meu pai teve para conosco um amor carismático – ágape – um carinho paternal.

32. Basta ter fé e tudo pode ser possível. Jaime MartIns (Cemitério Central)

33. Tudo marcha para a arquitetura perfeita. A aurora é coletiva,em Poesia Liberdade, de Murilo Mendes (1947).

34. A cidade é a coisa mais humana por excelência, supõe o encontro do sujeito com o objeto, da natureza com a cultura. Lévi-Strauss. (em Saudades do Brasil, canal 20, TV Senado, out. 2010.)

35. O homem é um ser cultural e constrói valores que são seus. A modernidade foi surto de decisões... As cidades selvagens das Américas é o novo barbaro que saquei o arquivo europeu. F. Gullar

36. Quando uma pessoa sente fome, é porque tudo o mais já lhe foi negado.
Betinho
J B Pereira, Diversos autores, coletâneas, citações esparsas em jornais, internet e mídias
Enviado por J B Pereira em 17/02/2012
Código do texto: T3505672
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Para fins educativos e estudos de arquivos e memória coletiva. crédito para joseboscolpp@bol.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
J B Pereira
Piracicaba - São Paulo - Brasil
2266 textos (1183381 leituras)
14 e-livros (84 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/09/19 13:24)
J B Pereira