Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Eu sou Camaleão

Há muito tempo atrás, vivia em uma linda floresta um pequeno animalzinho cinzento e triste. Era triste porque ninguém brincava com ele.... Os outros animais o achavam estranho por ser tão cinza, era diferente, não tinha outras cores, não cantava, não voava, não nadava... "É mesmo estranho!", diziam todos e o chamavam o Cinzento.
Cinzento passava os dias a admirar seus vizinhos nas árvores. Via  as araras multicoloridas, vermelhas, amarelas, verdes, azuis.... Como ele queria ser assim... Amava ouvir o canto dos passarinhos, mas o que mais amava mesmo era ver as cores que os outros animais tinham. Se punha no alto das árvores próximo ao rio para ver os peixes saltarem e suas escamas brilharem em multicores à luz do sol, " Como são lindos!" pensava ele.
Um dia, Cinzento soube que haveria um baile para eleger o animal mais bonito da floresta. Ele pensou que poderia ir, ver de longe, sem que ninguém soubesse que ele estava lá, assim planejou Cinzento e ficou feliz!
Chegado o dia do concurso, todos os animais reuniram-se na copa de uma gigantesca castanheira, cada concorrente ocupava um tronco a espera de fazer a sua apresentação. Havia araras, favoritas para serem campeãs; os papagaios, sempre com a maior e mais barulhenta torcida; o urubu rei, desfilava imponente; os guarás, todos vermelhos; também estavam os saguis, as serpentes, os temidos gaviões. A castanheira ficava próxima a um lago de onde poderiam ser visto os peixes que fariam as suas exibições, com grandes saltos para fora da água; um dos concorrentes era o gigante pirarucu com suas escamas vermelhas e douradas, ele dividia o rio com os botos rosa e tucuxi e o peixe-boi, que também foi apreciar a festa. Vinham animais de todos os cantos da florestas, as cutias vermelhas estavam em bando, mas a anta achava tudo muito sem graça, por isso se recusava a participar; o jacaré e a onça pintada preferiam ficar na platéia só observando tudo. A preguiça, o bem-te-vi, o macaco e a coruja eram os jurados. O tucano comandava o concurso e o uirapuru cantava para entreter a platéia e os participantes, juntamente com o coro das cigarras. A festa estava mesmo bonita!
Cinzento chegou ao local do concurso e ficou espantado com tantos animais de tantas cores; procurou por um lugar para ficar na árvore, mas não encontrou nenhum. Subiu mais alto, sempre as escondidas para não ser visto por ninguém, mas não conseguiu achar um único lugar para ficar; o jeito foi subir até a parte mais alta da copa da árvore, lá ele encontrou um galinho fininho, mas era o único de onde dava para ver todas as apresentações.
As apresentação já estavam quase todas feitas e Cinzento estava bem acomodado no seu lugar a espera da última, as tão esperadas araras, nosso amigo se aproximou um pouquinho mais da ponta do galho para melhor melhor, quando ouvi um crac! crac! O galho fininho não aguentou o peso do pequenino e partiu e ele rolou de cima abaixo, saltando de galho em galho até sumi em um monte de folhas secas que havia embaixo da árvore. Ao ouvir o barulho, todos olharam para o monte em silêncio. O macaco perguntou:"Mas o que é isso? Será um ouriço? Mas ainda não é tempo!". Cinzento saiu do meio das folhas e meio acanhado falou a todos: "Não se preocupem.. Eu estou bem!", pobrezinho, parecia que tinha contando uma piada, todos caíram em uma grande risada. Cinzento sentiu-se tão triste e humilhado, só queria sair dali, ele chorou... Suas lágrimas caíram na terra e tinham tanta dor que a mãe natureza chorou também e chuviscou em toda a floresta. Mas, logo em seguida, veio um vento forte por debaixo das árvores que levantou as folhas secas do monte onde estava Cinzento e um redemoinho se formo bem abaixo dele, elevando o pequeno até aos galhos em que estavam os outros animais; o redemoinho pouso Cinzento no galho central da árvore, mas algo estava diferente, ele não era mais cinza, estava verde, uma linda cor verde! Todos ficaram tão espantados, mas não mais que Cinzento, que ao perceber sua nova cor, encheu-se de alegria e começou a dançar e a mostrar para todos o quanto ele estava bonito, mas o mais impressionante aconteceu quando ele tocou no bico do tucano e ficou amarelo, ele mal podia acreditar... "Eu estou amarelo!", ria feliz. Então, experimentou outras cores, o vermelho dos guarás e ficou vermelho, o azul das araras e ficou azul. Ele podia ter todas as cores que quisesse! Todos os animais ficaram tão impressionado e admirados com a beleza do pequenino que deram a ele o prémio de animal mais bonito da floresta. Quando perguntaram a ele como se chamava, Cinzento respondeu orgulhoso: "Eu sou Camaleão.".    
Márcia Miranda Rodrigues
Enviado por Márcia Miranda Rodrigues em 04/12/2019
Código do texto: T6810444
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Márcia Miranda Rodrigues
Amadora - Lisboa - Portugal
8 textos (194 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/01/20 23:54)