Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CONVERSA DE COZINHA

Logo cedo a cozinha de dona Zulmira já estava em funcionamento. O sol nem tinha surgido direito, e as panelas e utensílios já se debatiam, e discutiam.
O bule de café resmungava:
 – Eita, que a mulher hoje acordou com corda toda!! Nem deixou a luz entrar na cozinha. Que agonia é essa?
Ao que a colher de sopa na mão de dona Zulmira respondeu:
– Tá sabendo não? A sobrinha dela, aquela que mora muito longe, na capital, está chegando hoje. O senhor Romero saiu ainda no escuro para ir pegar a moça na rodoviária.
A panela de pedra sabão, que estava parada no fogão, arregalou os olhos, e exclamou:
– Sério ?? Aquela que saiu daqui novinha, e nunca mais apareceu? Tem anos!! Já deve tá adulta.
Sério sim!!! - respondeu a colher enquanto mexia o café, pois adorava um fuxico. - Escutei ela mandando o marido ontem, na hora do jantar, se preparar cedo para ir pegar a jovem.
A xícara já na mesa retrucou :
– É porque tu gosta de um fuxico mulher. Nunca vi igual. Eu quando escuto as coisas, fico na minha. Os assuntos dos patrões, não me dizem respeito.
A colher de sopa debochou da xícara, fazendo cara de abuso, e respondeu:
– Sou fuxiqueira não. Nossa vida é aqui na cozinha da fazenda, se não prestarmos atenção no que está acontecendo aqui, vamos falar sobre o que? De quantas vezes tomaram café em você hoje? - Afff!! E deu uma rabissaca para a xícara prepotente.
Logo depois, ouviram vozes, e era a sobrinha chegando toda feliz, muita festa. A tia correu para abraçá-la, e da cozinha só se ouviam risos, choro e palavras de saudade.
Logo todos entraram na cozinha e os utensílios domésticos se empolgaram, queriam saber de tudo.
E viram quando a sobrinha entregou a tia, aquela enorme caixa. A tia ficou emocionada, a chorou e a abraçou, dizendo que nem precisava, que a presença dela já era o melhor presente que ela poderia receber.
E todos os utensílios começaram a se perguntar o que seria. A curiosidade transbordava aos olhos das panelas, bule, colheres, pratos e todos os outros. Até a garrafa de café que era um pouco metida, olhava de rabo de olho, tentava ver do que se tratava.
A tia rasgou o papel de presente ligeiro, e de dentro tirou uma enorme coisa preta. A colher tentava entender o que era aquilo, parecia uma panela, mas diferentona, cheia de botões, um fio e luzinhas.
Zulmira com um imenso sorriso no rosto, agradeceu a sobrinha, abraçou-a com força, mais uma vez, e colocou o presente sobre um dos balcões, e sentaram-se todos para deliciar o maravilhoso café da manhã que a dona de casa havia preparado com muito carinho naquela manhã.
Assim, que foi colocada no balcão, todos os utensílios a olharam, e a colher, sempre muito enxerida, perguntou logo:
– E afinal, o que é você? Com tantos botões, luzes e até um fio. Me conta? Você serve para que?
O presente muito metido, fez pouco-caso, e respondeu com desdém:
– É óbvio, que vocês não sabem o que eu sou, morando neste fim de mundo, não é para menos. Minha cara, eu sou uma panela elétrica. Faço a mesma comida que essas outras aí, - deu um olhar de desprezo para as panelas da cozinha, que ficaram chateadas, e continuou – só que em poucos minutos. Sou ótima!! O mundo moderno me ama, vou colocar todas vocês no chinelo. - e pousou de importante, desprezando os demais utensílios.
A panela de pedra sabão, ficou horrorizada, pois ela sim, era eficiente. Mantinha a comida quente, e mesmo quando apagavam o fogo, continuava a cozinhar. Ela sim, era uma panela.
A de barro, também revoltada, disse que o sabor dos alimentos ganhavam outra vida dentro dela, e que ela duvidava que aquele mondrongo, poderia fazer comidas com o melhor sabor que ela. Impossível.
Logo todas as demais panelas se manifestaram cada uma com a sua revolta, pela nova panela. E de repente, um grito na cozinha, a panela de ferro, que era uma das mais antigas de lá, falou em alto e bom som:
– Parem com isso, sempre vivemos aqui em harmonia. Cada panela tem o seu adjetivo pessoal, nunca discutimos. Nossa dona gosta de todos nós, e sempre nos usa. Uma para cada coisa diferente. Então, não vamos dar trela para uma coisa horrenda, que chega na cozinha, e vem logo se achando. Dona Zulmira sempre vai apreciar a todas nós, porque ela é uma cozinheira de mão cheia, nunca se conformaria com algo que faz comida em minutos, porque, por óbvio, nem tem sabor.
Todas as panelas e utensílios domésticos bateram palmas, para a grande e velha panela, pois ela sim, sabia das coisas.
Nos dias seguintes, dona Zulmira começou a utilizar a panela, com a ajuda da sobrinha que explicava passo a passo, todos os procedimentos e facilidades da bendita panela.
Enquanto as outras foram postas no canto, e a dona de casa, quase não as pegava mais.
E tia e sobrinha se divertiam cozinhando, e riam muito.
As panelas estavam terrivelmente consternadas. Para elas, o fim havia chegado, pois a grande alegria era ser útil para a dona de casa.
Todas se debatiam de infelicidade. Somente a panela de ferro, continuava lá, firme e forte. Pois, apesar de também ter sido encostada, não baixava a cabeça, afinal eram anos de cozinha, e ela não se deixava abalar.
A panela elétrica fazia pouco de todas, e ria debochando delas sem parar, chamando-as de antiquada.
A colher sempre que podia, acertava uma bela colherada na panela, tentando quebrá-la, com o intuito de ajudar suas antigas amigas, mas não fazia muita diferença, nem se quer a machucava.
A sobrinha finalmente foi embora, a tia se despediu no meio de muito choro e abraços.
Ao retornar a cozinha, naquele dia, para preparar o almoço, ela pegou a panela elétrica, limpou bem, e a fechou toda, e a carregou. A panela se assustou, e se perguntava para onde a mulher a levaria.
Dona Zulmira abriu um dos móveis da cozinha, e a guardou lá no fundo, para o seu desespero. A panela gritava, não entendia o que estava acontecendo. Bateu um desespero, principalmente quando a porta do armário fechou-se, lhe deixando no escuro.
As outras panelas e utensílios se entreolharam, e dona Zulmira começou a pegá-las e usá-las. E não mais tirou a panela elétrica do armário. Então, a velha panela de ferro, falou para as outras e para os utensílios domésticos:
– Viram, é tudo questão de paciência. Uma cozinheira de primeira como é nossa patroa, não vai nos abandonar por uma panela elétrica sem graça. Pois somos nós que fazemos uma excelente refeição, que deixa todos com água na boca. Eu sabia, que ela só estava usando a panela elétrica, por causa da sobrinha, que trouxe para ela um presente com o maior carinho. Mas, nós amigas, nunca seremos substituídas, pois para quem gosta de boa comida, só conta com a gente mesmo. E querer ser melhor, pisar nos outros para se destacar, não leva ninguém a nada.
E a panela de ferro foi muito aplaudida. E todos ficaram felizes, menos a panela elétrica, que teria que esperar um dia a sobrinha voltar, para ser tirada novamente do armário. E ela chorou, por ter tentado ser melhor do que as outras.
E dona Zulmira, lá sozinha, cantarolando na cozinha, com os seus pensamentos, disse finalmente em voz alta:
– Ah, minha sobrinha! Queria eu que sua panela moderna colocasse tanto sabor nas comidas como as minhas. Mas, depois penso com calma, e vejo o que posso fazer nela para que não fique desperdiçada no armário. Afinal, esse negócio de guardar coisas para enfeitar não é comigo. Temos que usar tudo. E deu uma risada gostosa, e divertida, enquanto provava o seu feijão.
NOÉLIA NOBRE
Enviado por NOÉLIA NOBRE em 23/01/2019
Código do texto: T6557332
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
NOÉLIA NOBRE
Fortaleza - Ceará - Brasil, 51 anos
256 textos (6640 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/19 01:45)
NOÉLIA NOBRE