Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Conto da sexta-feira

CONTO DA SEXTA-FEIRA

Dois rapazes caminhavam juntos, por volta das 23hs. O papo rolava animado, pois conversavam sobre a expectativa do programa por eles desejado. Iriam à balada com muita cerveja e garotas! Quando passavam, em frente ao cemitério, um fantasma os abordou, dando-lhes um grande susto!
A figura fantasmagórica, perguntou-lhes: -“Vocês não temem passar por aqui, numa sexta-feira à essa hora”? Ao que os rapazes, ainda sem fôlego e estáticos com aquela abordagem, tremendo, responderam: -“Quem é você e o que faz aqui”?
O fantasma da sexta-feira, logo respondeu-lhes: -“Sou uma alma penada e desejo divertir –me assustando as pessoas que passam por aqui”!
Um dos rapazes, mais calmo e equilibrado com a inusitada cena, disse: -“Espera meu irmão! Vamos fazer um acordo. Você pare de nos assustar e venha conosco participar do nosso programa. Hoje é sexta-feira, e no mundo dos vivos, é o dia da cerveja e da balada”!
O fantasma, então, pensou um pouco e respondeu-lhe: -“É isso aí garoto. Acho que vou divertir-me mais com vocês, no mundo dos vivos, mas não vai adiantar nada eu tomar cerveja, porque não consigo embriagar-me e não sei se vou ficar alegre como vocês ficam”!
Os rapazes foram para a balada na companhia daquele fantasma disfarçado de humano.
A festa rolava, com muita música, bebida e garotas!
Lá pelas tantas, o fantasma enrustido, subiu no palco e fez uma zoeira com a Banda que tocava. Começou a tocar todos os instrumentos sob os olhares curiosos dos baladeiros!
Após sua “apresentação” ele identificou-se ao público, dizendo em alta voz e no microfone da Banda: -“Pô, tô divertindo-me muito mais aqui que lá no cemitério, donde eu sai com dois rapazes e deu uma fantasmagórica gargalhada”!
Foi um pega pra capá... Todo mundo saiu correndo  e gritando... E um dos “bebuns” chegou a gritar: -“Pô, eu tô na balada ou num cemitério”?
E acabou a festa por conta do fantasma intruso. Os dois rapazes, arrependidos, sumiram e até hoje nunca mais foram vistos na balada das sextas-feiras!

Jose Alfredo - Autor
Jose Alfredo
Enviado por Jose Alfredo em 17/05/2017
Código do texto: T6001960
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
Jose Alfredo
Lorena - São Paulo - Brasil, 74 anos
1347 textos (16886 leituras)
13 e-livros (135 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/09/20 12:07)
Jose Alfredo