Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Futebol feminista



Há muitos anos, Luciano do Valle já era um entusiasta do futebol feminino. Mas muita coisa mudou, só permanece a jogadora Formiga, com 42 anos. Na Copa do Mundo, a Rede Globo despertou um fugaz  interesse pela modalidade. Ou será que tentam te empurrar, fingem um ufanismo, um entusiasmo que não existe?

O futebol feminino, para a Globo, é um produto e não poderia ser diferente. Meio de comunicação tem que render lucro. Só que é hipocrisia ela “lacrar”, pregando paridade salarial entre a Marta e o Messi ou o Neymar Jr.; e que tenha mais público no futebol feminino. O mercado regula as coisas de acordo com a oferta e a procura. Os nomes Neymar e Messi, por exemplo, “vendem” muito mais; a Globo, na próxima negociação, pode oferecer o mesmo “caminhão” de dinheiro, a CBF apoia.

A Band sempre exibe futebol feminino; a Globo exibiu a Copa do Mundo, quase que apenas dando destaque a aspectos muito particulares das jogadoras e técnicas, o que serve só para estigmatizá-las ou coisificá-las.

A Copa do Mundo de futebol feminino, em 2019, melhorou muito. A disputa, o preparo físico e a beleza das jogadas subiram de nível. Contudo, é legal ver esses jogos, como é divertido ver uma partida de pingue-pongue entre Tailândia e Emirados Árabes Unidos. Ou seja, tem uma emoçãozinha com prazo de validade. Curling pode ser mais emocionante, acredite.

Quando o esporte vira bandeira igualitária, perde sua principal função: entreter. Quando um simples gol é narrado como luta feminista, um carrinho é interpretado como busca de direitos,  e uma defesa é sinalização de empoderamento fica chato. A Marta marcou um gol e apontou, na chuteira, um símbolo de igualdade de gênero; a capitã da seleção dos Estados Unidos, foi idolatrada por defender os direitos LGBT (deve faltar alguma letra).

Quando misturam um tema sério, perde a graça. A Democracia Corinthiana foi exceção, num regime de exceção. O esporte, para quem assiste, tem que ser um entretenimento, durante a disputa.

Uma máxima atribuída a Nelson Rodrigues, Arrigo Sacchi ou Milton Neves): “Futebol é a coisa mais importante, dentre as menos importantes”.




RRRafael
Enviado por RRRafael em 16/03/2021
Código do texto: T7208300
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
RRRafael
Avaré - São Paulo - Brasil, 46 anos
119 textos (792 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/05/21 22:15)
RRRafael