Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AMANHECI PELO AVESSO!

Há dias nos quais imagino que estou pelo lado avesso… com costura mal acabada e fiapos, aparecendo!
Hoje é um desses dias!
Percebi logo cedo, assim que abri a torneira da pia do banheiro, com o proposito de lavar as mãos… precisava escovar os dentes que ainda me restam!
A “luzinha vaga-lume  acendeu” e começou a piscar.
Inúmeras perguntas me assaltaram, exigindo resposta!
Todas elas tem como enunciado: QUEM FOI O PRIMEIRO? E se desdobram, esmiunçando  assuntos tão em dia, e ao mesmo tempo tão antigos!  
Pessoas sábias esclarecem que essas perguntas são inoportunas, porquanto  é o meu ego se manifestando e  devo colocá-lo no  devido lugar... suscitando mais perguntas  “___ Onde? Quando? Como? Por quê?” Aí o  bicho  pega, de verdade!
Lembro das surras que levava, quando  criança, ao questionar, educadamente, o posicionamento de um  adulto que, para mim,  não fazia nenhum sentido!!!
Sabe aquelas surras de por sal nas costas? Então… era assim.
Continuei levando as tais surras de tronco, durante um “bom” tempo!
Ouvi muito as malditas teorias do “____ Faça o que eu mando, mas não faça o  que eu faço!” “___Isso não lhe cabe saber. Não lhe interessa. Não é da sua conta!”
E lá ia eu com um monte de ‘mas’…
“___ Mas @ senhor@ faz (ou fala)… então é bom. Posso fazer também!”
“____Mas por que não é da minha conta?”
“____Mas se @ senhor@ não me disser, como vou saber? Como vou aprender?"
A outra pessoa ficava aborrecida e me descia a madeira, quando não, me colocava de castigo, ajoelhada sobre “pedras de sal” no meio do sol quente.
“____Pra aprender a me respeitar e não questionar o que falei! Você não precisa saber, só obedecer e pronto!”
Até que um dia, resolvi que se não parasse de questionar, não ia chegar na idade que el@s  tanto falavam…
“___Quando você for mais velha, vai entender. Aí pode tudo!”
Tornei-me taciturna.
Durante esse período, o que não faltou foi deboche, perguntas idiotas e rótulos!
“___O gato comeu sua língua, foi?”
“____Não senhor@!”
“____Me responda, quem fez isso, foi você?”
“____Não senhor@!”
“____E quem foi?”
“____Não sei senhor@!”
Apanhava do mesmo jeito, até pelo que não fiz e nem sabia quem foi.
Comecei a ir para a capela no horário que não havia nenhum ofício. Orava e chorava. E sem saber estava exercitando um Dom Maravilhoso: Pedindo Justiça.
E ela acontecia. Entretanto, quando via quem me maltratou sofrendo… eu chorava mais do que quando levava as surras ou ficava de joelhos, no sol quente, sobre as pedras de sal.
“____Parece uma doida. Criatura esquisita. Levou uma surra e ainda fica com  dó de quem espancou ela… eu hein?! Maluca!”
Fui ficando cada vez mais arredia, calada, tristonha. Meus companheiros eram os livros didáticos e de história. Cadernos para escrever e desenhar. Canetas, grafites e lápis  coloridos.
Amigos? Nenhum fora os animais e as plantas, sob a minha responsabilidade. Deles cuidava com prazer. Alimentar os animais, regar  as plantas, replantá-las… conversar com eles era meu divertimento favorito.
O tempo foi passando e hoje sou uma  pessoa totalmente diferente da  criança, da adolescente, da jovem daquela época!
Atualmente, quando procuro me informar sobre determinado assunto e alguém me dá uma resposta atravessada, num primeiro momento, me vem duas frases, na ponta da língua… Primeira: “___Jument@, não sabe o que responder e se sai com essa teoria de  miolo de pote? Tô com sede não, imbecil!”
Segunda: “___ Ô  analfabeto cultural,  pega tua resposta sacana, e en… engasta, pra  usar de pingente!”
Nunca verbalizo. Não  ficaria  bem,  não  é mesmo?
Mas fico pelo avesso.
Por que criam  procedimentos mas não justificam?
Empurrar goela abaixo é coisa de mau caráter!
Jesus chamava gente assim de: hipócrita, sepulcro caiado, raça de víbora!
Aí não gostaram e o mataram… os saberotos e poderosos de fancaria continuam  nascendo… para cada Cristo  que consegue nascer… nascem cem mil hipócritas, cem mil sepulcros caiados, cem mil raça de víbora!
Hoje eu queria apenas que alguém me informasse quem foi…
___O primeiro professor,
___O primeiro cientista,
___O primeiro matemático,
___O primeiro médico,
___O primeiro dentista,
___O primeiro oftalmologista,
___O primeiro padre/pastor/guru/babalorixá/ialorixá,
___O primeiro ator, cantor, bailarino… e etc.
___O primeiro… de todas as profissões existentes no mundo, e em qual foi a Escola/Universidade na qual estudaram para serem isso!

Estou aguardando as respostas.
Se não souber, não queira aparecer, me ofendendo… não sou mais uma criança e vou revidar… que hoje amanheci pelo avesso!
Adda nari Sussuarana
Enviado por Adda nari Sussuarana em 28/02/2020
Reeditado em 08/09/2020
Código do texto: T6876418
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Adda nari Sussuarana
Maceió - Alagoas - Brasil, 67 anos
366 textos (9676 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/09/20 17:00)
Adda nari Sussuarana

Site do Escritor