Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DIFERENTES NÍVEIS DE CONSCIÊNCIA PODEM PROPORCIONAR DIFERENTES NÍVEIS DE PRAZER!

Enquanto alguns julgam que os prazeres da vida se resumem em “servir a deus”, encher a cara, “meter ou ser metido” outros aprenderam como explorar seus sentidos muito além disso!
*Por Antônio F. Bispo
   Evitando a dor ou buscando prazer!
   Poderíamos resumir toda trajetória humana nessa simples citação, mas uma mente mais aguçada não se conforma com respostas simples sem antes passar por uma análise profunda do que fora dito. Nossa espécie quando não estar buscando uma estamos fugindo da outra, só que a maioria de nós nem se deu conta disso ainda. Com a maioria dos seres vivos também é assim mas vamos levar em conta nesse momento o que chamamos de seres racionais.
   A ideia desse texto não é fazer um julgamento moral sobre as diferentes formas de sentir prazer nem dizer quem estar certo ou errado fazendo isso ou aquilo, mas de explorarmos e comentamos sobre as diferentes formas que buscamos para o óbvio já que muitos se sentem como peixes fora d’água num oceano de gente fazia em busca de algo que nem sabe o que é para se satisfazer, e para se enturmarem muitos destes acabam se enveredando por caminhos que poderiam ser percorridos de formas diferentes. Crianças, adolescentes e adultos infantilizados pela religião são as principais vítimas disso. Esse último citado, além de vítima também é causador.
  Não é apenas o objeto ou a forma do objeto que nos proporciona prazer mas o modo como nos relacionamos com este pelo nosso nível de consciência. O casamento por exemplo, que para alguns é uma verdadeira prisão por limitar ambos aos acordos sociais vigentes, para outros é a maior realização que se pode conquistar por vários fatores diferentes, incluindo os acordos sociais que ambos precisam cumprir para se manterem unidos sob o mesmo teto ou sob o mesmo propósito.
   As formas sociais mais comuns que buscamos para obter prazer geralmente são os extremos de uma vida hipócrita debaixo de um manto de uma crença religiosa ou no extremo dos vícios e do consumo desnecessário que a todo instante nos cerca “se oferecendo” para nós como algo hipnótico, mas o que é atrativo a uns, é repelente a outros e isso também é evidente. A propaganda atrai e seduz, mas pessoas diferentes tem interesses diferentes e cada público escolhe coisas diferentes baseados dos dois princípios acima citado.
   A questão aqui não é se perguntar se algo é certo ou errado mas se perguntar o que ganhamos fazendo ou deixando de fazer algo para obtermos prazer, ou se existe outras formas de obter tais resultados. No final de tudo, a recompensa de todos será a morte, não importa qual seja o estilo de vida que tenhas adotado. Não é sobre esse resultado que me refiro, mas sobre o caminho percorrido de forma consciente entre nascer e morrer. Sem estamos conscientes do que somos ou fazemos podemos ser comparados a um pedaço de carne ambulante ou como uma fonte de lucro ou prazer para ser explorados por outras pessoas cientes do que são, do que fazem e do que querem.
   Então vamos comentar. Preparados? Vamos lá! Não vai doer nadinha! Abaixe a guarda um pouco e apenas lei. Descarte ou aproveite o que te servir. Muitos ainda também não sabe que existe essa opção em quase tudo, inclusive num texto ou numa ideologia e se ofendem com tudo e com todos quando simplesmente poderiam deixar passar.
   Então...Pense na palavra prazer! Pensou? O que te vem à mente? Um montão de coisas não é? Dependendo do ambiente onde você foi criado ou do seu nível de consciência depois de adulto, vários objetos de prazer podem ter passados em sua mente num instante. Uma bunda, um peito, um pênis, uma vagina, uma garrava de vodca, um cigarro, um “pozinho mágico”, uma bíblia, um litro, um telescópio, uma vara de pescar, etc, etc.
  Para muitos quando se fala na palavra prazer, a primeira coisa que lhe vem à cabeça é sexo. Sexo o dia todo, a todo instante, com muita gente, com pessoas diferentes, de preferência com pessoas comprometidas para que a sensação de perigo aumente ainda mais o nível de adrenalina ou para que a ideia de “levar vantagem” sobre outro lhe faça sentir superior ao que estar sendo defraudado.
  Sexo com animais, objetos ou coisas também vale para os tais. O que importa é penetrar ou ser penetrado. Trocar saliva ou fluidos corporais. Com quem ou o quê isso tanto faz!
   Entorpecentes talvez seja item número dois na lista dos objetos de prazer que vem à mente da maioria das pessoas. Se por meio de vias nasais, orais ou intravenosas também não importa! O importante é “viajar”, fugir da realidade, criar mentalmente um mundo perfeito e se inserir nele como bem entender. Por isso que quase todo bebum é rico, é forte, é poderoso ou galanteador!
   Nesse ponto, o fanatismo religioso é um entorpecente tão perigoso quanto o álcool ou alucinógenos proibidos com um poder de destruição milhares de vezes maior levando-se em conta o número de mortes e conflitos religiosos que existiram e ainda existem em todo o mundo. A única diferença é que os “entorpecentes religiosos” tem o apoio do estado e a pessoa pode ser legalmente remunerada ao fabricá-lo ou revende-lo bem como pode se esquivar de qualquer problema causado por ele, dizendo ser vontade de deus ou ação do diabo suas próprias ações.
  Outro fato que passa despercebido é que os desvios de caráter causados pelos que comercializam a fé podem ser facilmente esquecidos ou camuflados enquanto que os causados pelos que usam os entorpecente ilegais são amplamente amplificados e caçados.
   Mentir, fofocar, caluniar ou denegrir a imagem alheia seja quem sabe seja o terceiro nível de prazer mais comum a todos. Quando mentimos para nos defender ou caluniamos de modo consciente geralmente estão tentando ocultar quem realmente somos, projetando nos outros aquilo que ocultamente fazemos ou temos vontade de fazer, então dizemos que o outro estar fazendo aquilo para que sirva de cortina de fumaça contra os nosso próprios erros.
  Notem que as revistas, programas de rádios ou TV que mais vendem não são aquelas que enaltecem ou destacam os grandes feitos humanos, sejam individuais ou coletivos, mas são justamente aqueles que trazem como manchete principal algum tipo de escândalo, seja político, sexual ou financeiro.
  Para muitos, mesmo vivendo na merda, não há prazer maior no mundo que saber que outra pessoa errou ou que vai ser condenado por algo que as vezes é milhares de vezes menor que o erro da pessoa que se ocupar acusar. Notem que uma característica comum a todo delinquente perigoso quando estar na prisão é tentar punir por meio da dor outros detentos como se ele mesmo fosse uma pessoa imaculada e estar ali apenas para julgar os infratores.
   Quanto aos que gostam de uma fofoca, sobre o assunto que estar sendo tratado, se é verdade ou mentira tanto faz! O que importa é que o outro estar sendo malhado e conversar sobre isso traz um prazer enorme para esse tipo de gente. Prestem atenção que geralmente que nas rodas de conversas de trabalho ou nos que tem os que tem o costume de ficar nas portas da rua com frequência batendo papo, os principais assuntos são sempre a vida alheia. Nada produtivo! Parece até que é padrão de beleza intelectual ser medíocre.
  O ruim é que esse tipo de comportamento é uma faca de dois gumes que corta dos dois lados, sendo que em muitas vezes quem mais se fere é o que tenta infringir o sofrimento ao outro.
   Tomem por exemplo um conjugue infiel. Existe pessoa no mundo mais perturbada que uma pessoa que gosta de trair e pagar de santo(a)? Claro que não! Ela estar sempre em polvorosa e põe todos ao seu redor no mesmo ritmo infernal.
   Esta pessoa vive o tempo todo antenada, não apenas para apagar os próprios rastros, mas acima de tudo com receio de levar o troco e colher um pouco do que estar plantando.
   É sempre desconfiado de tudo e de todos, vasculha e-mails, celular, redes sociais e faz um escrutínio completo da vida do parceiro simplesmente por que acha que sua “esperteza” será retribuída a qualquer momento e isso é inaceitável.
   Esse tipo de gente gasta uma enorme energia criativa em vão! Todo o seu tempo, dinheiro e esforço gasto para aprontar, apagar os próprios erros ou vigiar o próprio conjugue, se fossem aplicados de forma comercial ou científica essa pessoa poderia ser um gênio ou um grande empresário, mas na maioria dos casos se tornam pessoas baixas, barraqueiras e doentias, que não apenas trazem problemas a si mesmas mas a seus filhos, à sua família e a família do seu conjugue.
   Fóruns, delegacias, porta de presídio ou cemitérios são os lugares mais comuns de se ver ou visitar gente desse tipo.
   Elas também podem ser encontradas nos púlpitos das igrejas, nos plenários da república ou em frente a telejornais, liderando grandes meios de comunicação. Só dependem o nível de linguagem que usam, como usam e com quem andam. Dá pra se tornar rico e famoso levantando uma calúnia bem como dá pra acabar tendo a vida ceifada pela mesma. Só depende de quem se fala e como se fala.
   Apesar de tudo, o nível de consciência medíocre é a mesma, tanto para quem produz esse tipo de conteúdo quanto para quem o consome e todos estão presos numa mesma cadeia, falando mentiras e buscando verdades, falando de injustiças e propagando injustiças. São loucos que conseguem enganar a eles mesmos com as próprias mentiras e sentir prazer nisso.
  Viajar para locais diferentes, conhecer novas pessoas e culturas seja quem sabe o quarto maior prazer comum a todos. Esse é sem dúvida o menos prejudicial e o que mais nos enriquece e nos faz ver o mundo com outros olhos. Que ver conhecer várias realidades diferentes da sua? Viaje ou conheça pessoas de diferentes culturas e verás inclusive que sua certeza de “filiação celestial” é apenas cultural, que em outros lugares as pessoas tem a mesma certeza eu tu. Conhecer pessoas e suas histórias podem nos tornar menos infantis e menos vítimas e escravos de nossas próprias crenças!
   Ler um livro, apreciar uma obra de arte, observar o nascer e pôr do sol, deitar sob um céu estrelado numa noite escura e sem nuvens, andar descalço na areia da praia ou sob a grama, o cheiro de uma flor.... Ah que delícia! Alguns passam a vida inteira sem saber o que é isso. As coisas mais simples e mais baratas podem ser as mais prazerosas que podemos experimentar.
  Apreciar todas as formas de vida existente e não apenas a humana. Ver a uma planta crescendo, uma abelha zumbindo, um mamífero amamentando sua cria, um outro animal qualquer defendendo sua prole, o processo de fecundação das plantas o modo como os seres vivos dependem um dos outros para sobreviverem...isso não te causa prazer ao constatar?
   E o silencio interior? Parar um instante, sem fazer nada, deitado, sentado ou fazendo pequenos afazeres braçais, conversando consigo mesmo refletindo sobre a vida...só quem experimentou isso pode dizer o quanto é bom.
   Para outros, o silencio interior é a coisa mais perturbadora que existe, pois conhecer a si mesmo exige na maioria dos casos mudanças, e mudar implica em sair de uma determinada zona de conforto rumo ao desconhecido e isso causa insegurança.
   Para quem já estudou a kabala ou outras “ciências ocultas” por exemplo, perceberam que passaram a ter um nível maior de percepção daquilo que os rodeiam, e como aquele personagem Neo no filme Matrix, o sujeito passa a ver o “código das coisas” e não apenas as coisas em si. Passa a entender que vivemos num complexo sistemas de perguntas e respostas e o modo como perguntamos e respondemos a tudo o que nos rodeia fará com que nos livremos de frustações desnecessárias e evitemos o supérfluo. Nesse ponto os níveis de prazer podem chegar a dimensões imagináveis a uma pessoa comum, mesmo fazendo coisas simples da vida como lavar um prato por exemplo. Quem estudou também sobre a filosofia antiga oriental também podem ter os mesmos níveis de percepções.
  Ainda quando se fala em prazer, muitos apelam para o extremo do lado hedonista afirmando que devemos fazer tudo que nos vem à cabeça desde que lhe dê prazer. Em certos casos fica complicado seguir essa linha de raciocínio pois quando o prazer de alguém vem às custas do sofrimento alheio, o caos e a desordem será o resultado para esse tipo de prazer.
   Como exemplos disso temos os amantes da pedofilia. O seu prazer causa dor a criança abusada bem como dor, mágoa e desejo de vingança aos familiares do ser abusado.
   Do mesmo modo “esportes” que envolvam matanças ou sofrimentos de animais dá prazer ao que assiste ou possuem o animal. Se eles estivessem no lugar do animal duvido se chamariam isso de esporte ou de sentir prazer. É um tipo de prazer estranho que precisamos rever tais conceitos ou substituir por outros menos danosos.
   Comer e beber é um tipo de prazer indescritível principalmente quando se desenvolveu dotes culinários ou se pode pagar pelos serviços de quem os tem.
    Praticar atividades físicas com é de um prazer indescritível mesmo sendo elas de cunho recreativo ou simplesmente estético pois os benefícios são inúmeros.
   Poderia enumerar uma infinidade de outras coisas que poderíamos citar como fontes de prazer ou meios de socializar-se, encontrar parceiros para acasalamento ou parceiros comerciais.
   Em cidades pequenas poucas opções culturais se tem. Geralmente os mais comuns são igrejas, bares ou assistir uma partida de futebol disputada pelo time local. Não ter opção cultural não significa não desfrutar de algum tipo de prazer. Nossa própria companhia é uma delas.
    Se a lascívia, a luxuria, a vaidade, a gula, a mentira, a prepotência, o sadismo religioso ou a satisfação pelos domínios das massas são os únicos ou os mais recorridos meios que você escolheu para se realizar, sugiro que reveja seus conceitos e comece a experimentar outros.
De repente pode ser bom para você e para os que te rodeiam.
    Se o meio pelo qual você procura fugir da dor é somente enchendo a cara, ficando doidão ou dando o seu tudo “para jesus”, não tenho nada contra se fores aplicado apenas a ti. Porém há caminhos menos danosos a saúde. A filosofia te ajuda a encarar melhor a realidade da vida do que 20 garrafas de whisky ou 20 dias de jejum e oração seguidos para derrubar o capeta e obter alguma vitória imaginária.
Amadurecer é doloroso mas vale a pena. Experimente! O homem que não se domina será dominado por todos ou por qualquer um. Pensem nisso!
Saúde e sanidade a todos.
Texto escrito em 9/8/19
*Antônio F. Bispo é graduando em jornalismo, Bacharel em Teologia, estudante de religiões e filosofia.


Ferreira Bispo
Enviado por Ferreira Bispo em 09/08/2019
Código do texto: T6715946
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ferreira Bispo
Cristinápolis - Sergipe - Brasil, 37 anos
151 textos (7613 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/09/19 01:45)
Ferreira Bispo