Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Um Museu Familiar Imaginário

Usualmente essa coluna fica para tratar as reminiscências familiares do lado materno, mas considerando um retrato absoluto polifonia da existência humana.

Mediante os eventos aqui declarados em sequência livre consideravelmente, construída  tijolo á tijolo em detalhes riquíssimos atenciosamente realizada.

Melodiosamente parece um enorme museu ou uma galeria edificada com os blocos vivos da existência. Considerando que o arco da família materna foi academicamente acabado de forma excessivamente irônico.

Ultimamente  falar de romances escritos por outros é uma tarefa inenarrável , portanto falar dos parentes é uma função desafiadora e sombria que requer muitos detalhes.

Sinceramente os detalhes somente crescem como um pé de mostarda, graciosamente  os detalhes amadurecem  e pendem nos galhos, tal variação ascende de maneira criativa.

E nesse caso o intérprete redecora os detalhes com novas cores  naturalmente vermelhas ou acidamente frias para dar um sentido sombrio e finalizado.

Usualmente a figura de Jean Paul Sartre ascende adequadamente solidamente que  a existência pode contar os miúdos recontando os eventos singelos que podemos contar.

Filosoficamente ele defende que tudo na vida com um certo grau de engajamento exato das situações da vida. Em especial os projetos ou planos da vida, sempre requer uma foram de decisão ou derrisão dependo do intérprete  que faz a leitura ou a performance.

Assim a polifonia da vida é uma mera leitura que deve ser no mínimo realizada ou refeita á medida que vencemos um conjunto de obstáculos que impedem o progresso.

Mas muitas situações podem impedir a chegada do progresso de forma irônica assim a vida é um quebra-cabeça enorme, segundo os antigos romanos pode parecer um rico mosaico.

Ironicamente  é realmente sombrio , pois o museu ou a gaiola das Musas segundo a figura de Aristeu acerca da Biblioteca da Alexandria anexada ao Museu , onde se tem um conjunto de exposições permanente e temporária.

Legalmente cada artista expõe aquilo que considera como  obra de Arte ou aquilo que acha que é antiArte. No caso de de um museu familiar imaginário , um único artista expõe todas suas obras de uma única vez, numa exposição permanente.

Inicialmente o artista vai pessoalmente com o marchand  cada peça para  a exposição em detalhes exatos  e mínimos que aparecem e desaparecem de um frutuoso trabalho.

Assim o artista olha pra todas obras como se todas fossem unidas por um alto e bom entalhe, feito sob medida. As medidas somente ilustram grandiosidade e os monumentos existentes.

Raramente um artista revela as particularidades , mas no trabalho de um intérprete ele como um artista redecora friamente cada particularidade da obra.

Ironicamente um artista não deve desvelar os segredos das obras  em questão, segundos diversos estudiosos e críticos de arte, isso significa revelar a própria vida.

Mas mediante o esforço pessoal do artista inclui decisões e escolhas de materiais.Os materiais ajudam a discriminar  obra inteira como algo completo.

Garantir esses esforços uma criatividade imensa e recriar outros fatos, indica uma certa maturidade pessoal em lidar com suas obras  importantes ou célebres na polifonia da existência.

Indicar os detalhes de uma obra de arte  simboliza um conjunto de perguntas claras e adequadas de forma exata sem muitas preocupações necessárias.

Naturalmente  um voz do artista revive mediante a obra de arte  de forma exitosa , em detalhes que nós observadores não notamos ou observamos.

Assim cada artista procura dar suas marcas em cada obra de forma especial ou exata , pois toda obra de arte é essencialmente metafórica ou utópica.

Realmente  a metáfora representa  um pensamento ou um conjunto de ideias permanentes. A obra de Arte é exatamente essa boa representação progressiva que se estende diariamente em forma ascendente.

Indicar esse caminho progressivo da obra de arte traduz uma forma de seriedade comum e ao mesmo tempo comovente que deixa o artista em um processo evolutivo ou exponencial.

O artista impõe em sua obra o que considera bem  mais importante  da coleção em apreço rendendo um crédito maior a determinada em comparação a outras.


JessePensador
Enviado por JessePensador em 03/02/2018
Código do texto: T6244311
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
JessePensador
Santana de Parnaíba - São Paulo - Brasil, 35 anos
997 textos (9585 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/01/20 22:33)