Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

COMENTÁRIO EVOCATIVO

O ROSTO

Espelhos
roubam um pedaço do futuro.
E se há muitos na casa,
num dia se perde um ano,
se perde uma década,
se perde um cinquentenário.

Elias Borges de Campos

Enviado por Elias Borges de Campos em 31/10/2016
Código do texto: T5808300
Classificação de conteúdo: seguro

No rasto de “O Rosto” vou devagar como a lesma, tentando deixar marcas da leitura. Copiei para o programa de texto, programando-me para ter um programa lúdico literário, deixando-me levar pela inspiração da leitura.
Gosto da brevidade, ela tem em si condições inatas para nos dar de forma breve um todo. O que tenho de encontrar está ali, de forma concentrada.
«Espelhos» fixo este primeiro verso, deixo-me penetrar pela poesia, compenetro-me da sua essência e procuro dizer… «Espelhos». A palavra espalha-se, ganha sonoridade. De seguida leio a meia dúzia de versos, neles identificando dois parágrafos. O primeiro é uma afirmação que me leva a questionar “Como é que os espelhos roubam o futuro?”, procuro a resposta no segundo parágrafo. Percebo a importância do tempo, sem saber bem o que consigo perceber, apesar de pensar estar a pesar bem as palavras lidas.
Lidar com as palavras não é uma coisa simples ou linear, principalmente quando elas nos são dadas a ler formando versos. Tenho para mim que há na poesia um desejo de sonho, mesmo se o poeta nunca perdeu tempo a pensar sobre o que deseja quando escreve seus versos. Este é um pouco um desejo meu que encontro melhor quando, como leitor, me confronto com a tentação de ter, de me deter, a tentar encontrar esse desejo que julgo esteja no poema.
A ideia de um sonho poder ser evasão e devaneio não se aplica a todos os sonhos, não me parece ser o caso neste caso.
Leio “O Rosto” como se ele se desse a ler de forma rigorosa e exata, tudo está no que nos é dito, dado a ler. O poeta escreveu como quem olha naquele momento, imagino tenha feito de si mesmo um autorretrato, tratando o assunto (o rosto) de forma poética. Com exatidão, como se tivesse feito uma ata, deixando em palavras o resultado de uma reunião onde dissertou para si mesmo sobre os espelhos olhando ou imaginando “O Rosto”.
Penso que este poema é um momento cheio de magia, o que me leva a procurar uma conclusão diferente da primeira premissa de ler o poema expressão dum sonho ou desejo. O poeta é um alquimista em busca da Pedra Filosofal, o que conseguiu fazer foi dar-nos um elixir.
Enquanto olha o seu rosto o poeta tenta deixar o rasto desse momento, apodera-se da imagem no espelho, escreve a experiência da vida desse momento, nesse momento mói a expressão escrita deixando-nos olhá-la e lê-la tentando atingir o intangível das palavras: tocar o que nos toca.
Para que serve um poema? Longa vida ao poeta!...

Decidi que só comentaria autores que permitem a cópia dos seus textos mas, ao mesmo tempo, desinteressei-me de continuar a publicar. Aproveito para fazer um comentário evocativo desta experiência que foi ler e escrever neste Recanto das Letras, deixando um grande abraço a todos os amigos e amigas que aqui conheci. A todos que continuam a ser o presente deste espaço desejo o maior futuro, o que é válido para todos os que vêm já do seu passado. A_braços!!

Deixo poema que hoje escrevi no dia que já foi, dele deixando data, de ontem.

FORMA VIVA
A MÚSICA DO SENTIDO

à hora em que posso viver o esquecimento
em que se pode transformar a escrita
acordo o poeta capaz de se inventar
no silêncio de uma entrega à arte
de provocar o sentimento no sentir
do momento de sentir o esquecimento
de tudo que me preocupa e é agora nada

rodam os dias da semana e param
fim-de-semana onde nada se passa
a não ser a ilusão de criar em mim
toda a realidade onde o mito imita
a vida que emite do fim da história
até à glória do pensamento forjado
para a explicação de tudo o que há

há hora em que podendo o esquecimento
dá um podengo farejando (a) caça
sem me cansar de caçar o alimento
com o qual se alimenta esta procura
do que não tem cura nem nunca terá
do que não tem remédio nem nunca terá
do que não tendo cura é saudável pertença

o instinto inextinto do caçador regressa
na mão do poeta está o seu desejo
de moldar o silêncio em música
imaginando as palavras que escreve
ao procurar a voz da qual se faz
intérprete da língua mãe onde bebemos
do que não tendo cura é saudável pertença

onde sou o som que ecoa do significado
das palavras em si mesmas vivas
de uma forma viva mesmo quando
indefinida finta o vazio para o lembrar
do poder de ser preenchido da matéria
onde os sonhos se realizam à medida
daquilo que é possível viver deste modo

onde soa o silêncio que fica depois
de uma palavra se dar a ler no seio
de tudo o que nos alimenta ao usar
por instinto o extinto poder de ser
o caçador à caça de tudo cuja presença
vem no faro como um aroma raro
da flor onde floresce a origem do fruto

onde o pensamento é uma onda
a sondar o sólido magma da matéria
incandescente no núcleo que se move
como sem fim de um cordão umbilical
capaz de nos ligar das palavras aos sons
sempre que as lemos em silêncio
tentando acordar a música do sentido
11.08.2017
Francisco Coimbra
Enviado por Francisco Coimbra em 12/08/2017
Reeditado em 12/08/2017
Código do texto: T6081288
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Francisco Coimbra
Portugal
786 textos (311462 leituras)
37 áudios (39669 audições)
1 e-livros (148 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/17 09:52)
Francisco Coimbra