Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MAR EXUBERANTE

                           Foi nas ondas da imensidão brilhante
                           Que considerei a realidade intrigante
                              Misteriosa me parecia a história
                          Das águas verdes intrépida na memória.

                          No fundo do mar de tamanho incalculável
                            O frio é cortante envolto em escuridão
                      Os segredos, eu desnudo desse reino indomável
                      Aventuro-me sem receios, espírito em mansidão.

                            Há o peixe, que também é pescador
                             Na fronte a luz atraindo o alimento
                         Habitante voraz, esse espantoso predador
                           Navega sozinho cobiçando seu intento.

                             Criaturas fantásticas, talvez surreais
                             Em desfile oceânico, corpo escamado
                                Listras azuis, lilás ou alaranjado
                              Olhos de cristais, parecem imortais.

                          Observar esse deslumbre ao entardecer
                       Traz uma sensação divina de só querer viver
                           Fazendo poesia com rimas fulgentes
                       Inspirada no bailar das vagas incandescentes.

                                                            ( Verdana Verdannis)


  O mar que aflige a alma ao marinheiro
  -que relembra da família já distante-
   emana da saudade um acre cheiro
  quando o amado se separa de sua amante.

  Não tudo é esplendoroso no oceano
  e onde roçam as asas do albatroz
  esconde a correnteza um triste engano:
 -o da esfinge enigmista e mui feroz.

  Onde foram os navios desventurados
  nesta lama virente de sargaços?
  e o que foi dos mil sonhos estivados
  nos veleiros que viraram estilhaços?

  Insepulto jaz o nobre encouraçado
  atingido pelos rápidos torpedos
  e seu sino que badala inda dourado
  narra mesto aos navegantes seus segredos.

  Lá no fundo vagam sombras de afogados
  multidão que a luz no pélago perdeu:
   -feito espectros vis e inconformados
  clamam silentes a piedade de Morfeu.

                                         (Richard Foxe)





Verdana Verdannis e Richard Foxe
Enviado por Verdana Verdannis em 22/04/2019
Reeditado em 17/06/2019
Código do texto: T6629845
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Verdana Verdannis
Fortaleza - Ceará - Brasil
322 textos (26024 leituras)
46 áudios (2326 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/09/19 01:11)
Verdana Verdannis